Buscar

MONOGRAFIA Avaliação de qualidade de amidos de mandioca

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 54 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 54 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 54 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

0 
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA – UNESP 
FACULDADE DE CIÊNCIAS 
DEPARTAMENTO DE QUÍMICA 
 
 
 
MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DE CURSO (MCC) 
 
 
Avaliação de qualidade de amidos de mandioca 
modificados utilizados na fabricação de pão de queijo 
 
 
 
Orientador: Prof. Dr. Cláudio Cabello 
 
Orientanda: Gisele Borin Calandrin 
 
 
 
 
 
BAURU – SP 
 
Novembro/ 2009 
 
 
1 
 
GISELE BORIN CALANDRIN 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Avaliação de qualidade de amidos de mandioca 
modificados utilizados na fabricação de pão de queijo 
 
 
 
 
 
Trabalho de Conclusão de Curso 
apresentado ao Departamento de 
Química da Universidade 
Estadual Paulista – “J.M.F” - 
UNESP como parte dos Requisitos 
para obtenção do Título de 
Licenciado em Química, sob 
Orientação do Prof. Dr. Cláudio 
Cabello. 
 
 
 
BAURU - SP 
Novembro/ 2009 
 
 
 
 
2 
GISELE BORIN CALANDRIN 
 
 
 
 
 
 
 
Avaliação de qualidade de amidos de mandioca 
modificados utilizados na fabricação de pão de queijo 
 
 
 
Comissão Examinadora: 
 
 
 
 
Prof. Dr. Cláudio Cabello 
 
 
 
 
Prof. Dr. Manoel de Lima Menezes 
 
 
 
 
Prof. Dr. Luiz Carlos da Silva Filho 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Bauru, 17 de Novembro de 2009 
 
 
 
 
 
3 
DEDICATÓRIA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dedico este trabalho primeiramente a Deus, 
aos meus pais Orvair e Nanci por toda 
dedicação e compreensão ao longo do curso 
e pelo incentivo à realização deste trabalho. 
 
 
 
 
 
 
 
 
4 
AGRADECIMENTOS 
 
 
Em primeiro lugar, agradeço a Deus, pela força e perseverança durante o curso e 
pela vitória de me formar como Química. 
Ao meu orientador e Prof. Dr. Cláudio Cabello, pelo apoio e incentivo a minha 
pesquisa e pela oportunidade de poder desfrutar um pouco de seus conhecimentos. 
Aos meus Professores Luiz Carlos e Manoel, pelo auxílio no desenvolver do 
meu trabalho e por todo ensinamento transmitido a nós, alunos, ao longo do curso. 
Ao meu gerente José Luiz Theodoro e ao supervisor Marcos Capobianco, pela 
confiança depositada para realização desta pesquisa e pelos conselhos de buscar novos 
desafios para minha carreira profissional: a minha eterna gratidão. 
A técnica e grande amiga do laboratório de análises Kelly Érika Ferreira, que se 
empenhou ao máximo para me auxiliar no desenvolvimento e conclusão do meu 
projeto. 
Aos meus pais Orvair e Nanci, por todo o carinho, dedicação e esforço na 
concretização de um sonho que hoje podemos desfrutar juntos. 
A toda minha família e colegas de trabalho que, de alguma maneira, ajudaram-
me ao longo desses anos. 
Aos técnicos do laboratório de análises do CERAT que me auxiliaram: Luiz e 
Priscila Suman. 
A minha amiga Christiane, pela ajuda na formatação do trabalho e 
principalmente pela verdadeira amizade de longos anos. 
As minhas amigas, Juliana Torini, Mayara Frenhe e Naiara Marana que 
compartilharam de todos os momentos felizes e tristes e que apesar das fases difíceis, 
nunca se afastaram, estavam sempre me apoiando em todas as decisões tomadas. 
 
 
5 
Em especial, a minha grande amiga Juliana Ebúrneo, que além de toda a 
convivência durante as etapas da minha vida, hospedou-me em sua casa, na cidade de 
Botucatu, para a realização deste trabalho. 
A todos os meus colegas de sala: pelos anos de experiência que passamos juntos 
nesses últimos cinco anos; pelos momentos vividos; pelas agradáveis lembranças que 
nunca sairão do meu coração e pela eterna amizade consolidada entre todos nós. 
Finalmente, a todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a conclusão 
desta pesquisa. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
6 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Conhecer a si próprio 
é o maior 
saber. 
 
 
Galileu Galilei 
 
 
 
 
 
 
 
7 
RESUMO 
 
 
A indústria alimentícia busca novas formas e estratégias para padronizar os 
produtos comercializados no mercado consumidor. A modificação dos amidos 
utilizados na fabricação de pão de queijo tem sido uma dessas estratégias, já que 
matérias-primas utilizadas para produzi-lo apresentam características distintas a 
cada lote fornecido. 
O presente trabalho teve como objetivo analisar tais características a fim de 
melhorar a qualidade do produto final. 
 Deste modo, foram realizados testes de pH, umidade, acidez titulável, teor de 
grupos carbonílicos e carboxílicos e poder de expansão para cinco lotes diferentes e 
para féculas do tipo: pré-gel, natural, expandex e combinação dos três tipos citados. 
Variando-se os lotes, obtiveram-se resultados diferentes, até mesmo para um 
único tipo de fécula e não foi possível correlacionar os resultados de acidez titulável, 
teor de grupos carbonílicos e carboxílicos com o poder de expansão. O pH e a 
umidade são peculiares para cada tipo de fécula. 
Sendo assim, as matérias-primas utilizadas para cada produção de pão de 
queijo devem ser analisadas a cada lote. 
 
 
PALAVRAS-CHAVE: féculas – pão de queijo – indústria alimentícia – modificação 
de amidos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
8 
ABSTRACT 
 
 
The food industry looks for new ways and strategies to standardize the 
marketing products in the customer market. The modification of the cornflour that 
are produced in the manufacturing of the cheese bread has been one of the these 
ways, since some raw materials that are used to make the cornflour present different 
features in each supplyed allotment. 
The present research had as a main purpose to analyse such features looking 
forward to improving the quality of the final product. 
 Thus, some tests were done to verify the pH, humidity and acidity; it was 
checked the percentage of carbonyl and carboxylic groups and the power of 
expansion to five different allotments and to farina, for example: pre-gel, natural, 
expandex farina as the combination of the three cited kinds. 
After diversifying the allotments, different results were acquired, even to an 
unique kind of farina and it was not possible to correlate the results of acidity, the 
percentage of carbonyl and carboxylic groups and the power of expansion. The pH 
and humidity are proper for each kind of farina. 
This way, the raw materials that are used for each cheese bread 
manufacturing must be analysed in each allotment. 
 
 
KEY-WORDS: farina – cheese bread – food industry – modification of cornflour. 
 
 
 
 
 
 
 
 
9 
SUMÁRIO 
 
 
1. INTRODUÇÃO......................................................................................................... 13 
 
2. ANTECEDENTES.....................................................................................................14 
 2.1. Cultura da mandioca........................................................................................... 14 
 2.1.1. Mandioca..................................................................................................14 
 2.1.2. Clima, Solo, Adubação e Colheita........................................................... 15 
 2.1.3. Rendimento.............................................................................................. 15 
 2.1.4. Países Produtores..................................................................................... 16 
 2.2. Amido................................................................................................................. 17 
 2.3. Propriedades dos amidos.................................................................................... 17 
 2.3.1. Gelatinização e Poder de inchamento...................................................... 18 
 2.3.2. Retrogradação.......................................................................................... 19 
 2.3.3. Poder de expansão....................................................................................19 
 2.4. Utilidades dos amidos.........................................................................................20 
 2.5. Amido de mandioca............................................................................................21 
 2.6. Fabricação do amido de mandioca......................................................................22 
2.6.1.Fermentação..............................................................................................24
 2.6.2. Secagem...................................................................................................26 
 2.7. Propriedades do amido de mandioca.................................................................27 
 2.8. Modificação do amido de mandioca e sua relação com 
 a fabricação de pães de queijo.......................................................................... 28 
 
3. MATERIAIS E MÉTODOS......................................................................................29 
 3.1. Análises físico-químicas das amostras................................................................30 
3.1.1. Teor de umidade.......................................................................................30 
3.1.2. Determinação eletrométrica do pH.......................................................... 31 
3.1.3. Acidez titulável........................................................................................ 32 
3.1.4. Determinação da concentração de grupos carboxílicos........................... 33 
3.1.5. Determinação da concentração de grupos carbonílicos........................... 35 
 3.2. Análise da propriedade funcional das amostras..................................................37 
 3.2.1. Poder de expansão....................................................................................37 
 
 
 
 
10 
 
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO............................................................................... 39 
 4.1. Análises físico-químicas das amostras................................................................ 39 
4.1.1. Teor de Umidade...................................................................................... 44 
4.1.2. Determinação eletrométrica do pH.......................................................... 44 
4.1.3. Acidez titulável........................................................................................ 45 
4.1.4. Concentração de grupos carboxílicos e carbonílicos............................... 46 
 4.2. Análise da propriedade funcional das amostras.................................................. 46 
 4.2.1. Poder de expansão.................................................................................... 46 
 
5. CONCLUSÃO........................................................................................................... 49 
 
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...................................................................... 50 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
11 
LISTA DE ILUSTRAÇÕES 
 
Figura 1 – Fluxograma da produção de fécula de mandioca ........................................23 
 
Figura 2 – Estufa de secagem e esterilização................................................................31 
 
Figura 3 – phmêtro........................................................................................................32 
 
Figura 4 – Incubadora refrigerada com agitação...........................................................34 
 
Figura 5 – Centrífuga Excelsa Baby II com as suspensões de amidos..........................35 
 
Figura 6 – Ajuste do pH e adição de Hidroxilamina às suspensões de amido...............36 
 
Figura 7 – Banho Metabólico Dubnoff a 40°C..............................................................36 
 
Figura 8 – Determinação do volume das féculas através 
 do método de deslocamento de sementes...................................................38 
 
Figura 9 – Poder de expansão da fécula pré-gel pós-forneamento................................47 
 
Figura 10– Poder de expansão da fécula natural pós-forneamento................................48 
 
Figura 11 – Poder de expansão da fécula expandex pós-forneamento..........................48 
 
Figura 12 – Poder de expansão da combinação das féculas pré-gel, 
 natural e expandex.......................................................................................48 
 
 
 
 
 
 
 
 
12 
LISTA DE TABELAS 
 
 
Tabela 1 – Propriedades do amido de mandioca em comparação 
 a outros amidos............................................................................................. 27 
 
 
Tabela 2 – Características Físico-Químicas do Amido de 
 Mandioca (Padrão ABAM).......................................................................... 28 
 
 
Tabela 3 – Concentrações médias de acidez titulável, 
 grupos carboxílicos, grupos carbonílicos, teor de umidade, 
 pH e poder de expansão em cinco amostras de diferentes lotes de 
 féculas tipo pré-gel....................................................................................... 39 
 
 
Tabela 4 – Concentrações médias de acidez titulável, 
 grupos carboxílicos, grupos carbonílicos, teor de umidade, 
 pH e poder de expansão em cinco amostras de diferentes lotes 
 de féculas tipo natural................................................................................... 40 
 
 
Tabela 5 – Concentrações médias de acidez titulável, 
 grupos carboxílicos, grupos carbonílicos, teor de umidade, 
 pH e poder de expansão em cinco amostras de diferentes lotes 
 de féculas tipo expandex............................................................................... 41 
 
 
Tabela 6 – Concentrações médias de acidez titulável, 
 grupos carboxílicos, grupos carbonílicos, teor de umidade, 
 pH e poder de expansão em cinco amostras de diferentes lotes 
 de féculas tipo combinação........................................................................... 42 
 
1. INTRODUÇÃO 
 
 
A indústria alimentícia, que prepara pré-misturas para comercialização de 
pão de queijo, encontra problemas de homogeneidade nas suas matérias-primas. O 
amido expansível e o amido pré-gel apresentam variações significativas nas suas 
propriedades funcionais, o que obriga ajustes nas suas formulações de lote a lote 
para evitar perda de qualidade do produto final. 
Tratando-se de matérias-primas naturais, a busca de uma metodologia para 
avaliações preliminares seria desejável para precursar ou prever osajustes possíveis 
e necessários nos lotes que são ofertados à indústria. 
A expansibilidade que ocorre com as féculas de mandioca modificadas por 
ácidos orgânicos em processos de fermentação anaeróbica e posteriores reações de 
foto catálise, quando expostas em secagem ao sol, transformam-nas em um produto 
denominado polvilho azedo. 
O processo adita sujidades e aumento na população microbiológica que as 
indústrias têm buscado controlar e minimizar através da aplicação de inovações 
tecnológicas e desta forma aumentar a qualidade e ganhar novos consumidores. 
Considerando as matérias-primas naturais e os processos de modificação 
aplicados, as indústrias alimentícias de processamento recebem produtos com 
extensa heterogeneidade e cujo controle onera os custos do produto final. 
A busca por indicadores químicos, físicos ou biológicos mostra-se desejável 
para prever as características que a matéria-prima irá repercutir nas formulações dos 
produtos. Tais indicadores devem ser de baixo custo e de preferência análises 
químicas rápidas que forneçam as propriedades dos amidos utilizados. 
 
 
 13 
 
 
14 
Neste sentido, o presente trabalho foi realizado objetivando analisar as 
características físicas e químicas dos diferentes tipos de amidos que são utilizados 
como ingredientes em formulações de pré-misturas destinados à fabricação de pão 
de queijo para consumidores domésticos. 
 
 
2. ANTECEDENTES 
 
2.1 Cultura da mandioca 
 
2.1.1. Mandioca 
 
 
De acordo com Filho e Bahia (2009), a mandioca é uma planta perene, 
arbustiva, heliófila pertencente à família das Euforbiáceas, do gênero Manihot 
esculenta, Crantz. 
É composta por uma parte aérea e uma subterrânea, constituída de raízes 
tuberosas, que é a parte comestível da mandioca (PANDEY et al., 2000). 
Esta raiz é altamente energética, sendo constituída de alguns sais minerais, 
tais como: cálcio, ferro e fósforo; vitaminas do Complexo B e extremamente rica em 
fécula. 
 Tanto a farinha de mandioca bem como o polvilho são muito utilizados na 
culinária brasileira e também servem de matéria prima para as indústrias 
alimentícias. 
 
 
 
15 
2.1.2. Clima, Solo, Adubação e Colheita 
 
 
Filho e Bahia (2009) afirmam que a mandioca é de fácil cultivo devido a sua 
grande facilidade de adaptação a qualquer tipo de clima e solo, salvo solos muito 
alagados e arenosos, que devem ser evitados. Normalmente, é cultivada em regiões 
tropicais e subtropicais, com temperatura entre 15°C e 25°C, com chuvas bastante 
alternadas e em altitudes próximas ao nível do mar ou até 1.000 metros acima dele. 
É uma planta bastante resistente à seca e normalmente cultivada em solos 
pobres, com baixos níveis de material orgânico e nutrientes (TORMENTA et al., 
2004). 
Quanto aos solos, Filho e Bahia (2009) dizem que, para o plantio de 
mandioca, devem ser devidamente adubados e corrigidos contra acidez. As 
adubações orgânicas e fosfatadas são bastante utilizadas nestes casos, pois 
aumentam a produtividade. Afirmam ainda que a colheita seja feita manualmente na 
retirada das raízes, as quais deverão ser processadas pelas indústrias até as primeiras 
24 horas, devido a sua rápida deterioração. Após esse tempo, não há garantia da 
qualidade de seus produtos. 
 
 
2.1.3. Rendimento 
 
 
Para Filho e Bahia (2009) são produzidas em média de 15 a 20 toneladas de 
raízes por hectare e já que o Brasil possui aproximadamente dois milhões de 
 
 
16 
hectares, com uma produção de 23 milhões de toneladas de raízes de mandioca, 
revela-se um dos maiores produtores mundiais. 
No Brasil, a região Nordeste é a maior produtora de mandioca, com 8,75 
milhões de toneladas, em contrapartida com 1,33 milhões de toneladas produzidas 
pela região Centro-Oeste, a menor região produtora (VIEIRA, 2004b). 
 
 
2.1.4. Países Produtores 
 
 
Dentre os continentes, a África detém 53,8% da produção mundial de 
mandioca. A Ásia vem logo adiante com 29,4%, seguida da América do Sul com 
16,9% (FILHO, G.A.F; BAHIA, J.J.S; 2009). 
De acordo com Vieira (2004a), o país responsável pela maior produção de 
mandioca é a Nigéria, com 19,92% da produção total. O Brasil é responsável por 
11,76%, enquanto a Indonésia, Tailândia, República Democrática do Congo e Gana 
seguem respectivamente com 9,77; 9,75; 8,89 e 5,29% da produção total deste 
alimento. 
Entretanto, apenas 7% dessa produção são destinados às indústrias têxteis, de 
papel e de fermentação (PANDEY et al., 2000). O restante é destinado a 
alimentação. 
 
 
 
 
 
 
17 
 
2.2. Amido 
 
 
O amido é um polissacarídeo, cujas plantas produzem a partir da energia 
solar, do dióxido de carbono e da água. Serve de reserva energética dos vegetais. E 
pela extração da parte comestível de raízes e tubérculos pode ser nomeado então de 
fécula. 
Segundo Fennema (2000), o amido constitui cerca de 70 a 80% dos vegetais. 
O grão de amido é constituído basicamente por dois polissacarídeos: 
Amilose e Amilopectina, polímeros de α-D-glicose. Ambos são macromoléculas de 
fórmula molecular (C6H10O5)n. A amilose possui uma estrutura helicoidal com 
ligações glicosídicas α-1,4 e a amilopectina possui uma estrutura ramificada, 
formada por pontes glicosídicas α-1,4 e α-1,6. 
Os grânulos de amido são compostos por cerca de 20% de amilose e 80% de 
amilopectina. 
Normalmente o amido é extraído na forma de grãos, dos caules e raízes de 
plantas como: o trigo, a mandioca, a batata. 
 
 
2.3. Propriedades dos amidos 
 
 
Uma das propriedades mais importantes dos amidos é a hidratação do 
grânulo. 
 
 
18 
Entretanto, alguns fatores como a chuva, o tempo e a época de colheita da 
mandioca interferem na absorção de água pelos amidos, e consequentemente em 
seus poderes de gelatinização e inchamento. 
 
 
2.3.1. Gelatinização e Poder de inchamento 
 
 
Quando tratados com excesso de água e aquecimento, os grânulos de amido 
sofrem hidratação e consequentemente expandem, passando de sua forma granular 
cristalina ao estado amorfo (AMANTE, 1986; FRANCO et al., 2001; MOORE, 
2001; SOARES, 2003). 
Quando a suspensão aquosa de amido é aquecida, as regiões amorfas, neste 
caso, a região central dos grânulos de amido, são as que absorvem água mais 
rapidamente, pois se desorganizam primeiro, logo, incham primeiro, e as regiões 
cristalinas permanecem praticamente intactas e permitem que ocorra o inchamento 
sem a completa gelatinização das macromoléculas. Os grânulos inchados são 
elásticos e responsáveis pela viscosidade das pastas (RICKARD et al., 1991). 
As condições do meio ambiente influenciam no poder de inchamento e 
gelatinização. A faixa de gelatinização de amidos é entre 54°C e 73°C. 
Quando a colheita da raiz é realizada em época de estiagem, a viscosidade 
máxima do amido diminui, em contrapartida, quando realizada em períodos 
chuvosos, a viscosidade observada aumenta (CHATAKANONDA et al., 2003; 
SRIROTH et al., 1999; SANTISOPASRI et al., 2001). 
 
 
19 
Como afirma Cereda (1995), são as características viscoelásticas dos amidos 
que irão determinar sua funcionalidade, visto que, amidos de cereais, por serem 
mais consistentes e pouco viscosos, são utilizados na fabricação de pudins, por 
exemplo. Em contrapartida, amidos de tubérculos são menos consistentes e mais 
viscosos, portanto, são bastante utilizados em indústrias de alimentos. 
 
 
2.3.2. Retrogradação 
 
 
No resfriamento da solução, os grânulos de amido precipitam, voltando à 
condição inicial de insolubilidade em água fria. Voltama formar-se microcristais. O 
gel do amido retrogradado torna-se mais firme. Além disso, dificulta o ataque de 
enzimas amilolíticas e ácidos (AMANTE, 1986; FRANCO et al., 2001). 
 
 
2.3.3. Poder de expansão 
 
 
Estudos comprovam que o amido modificado apresenta um poder de 
expansão maior do que o amido não fermentado, visto que, sob as mesmas 
condições, a fécula não fermentada não se expande quando submetida ao 
aquecimento (CEREDA, 1983a). 
A fermentação é o fator determinante para que ocorra a expansão da fécula, 
pois os ácidos produzidos durante este processo provocam pequenas alterações nos 
 
 
20 
grânulos de amido. Um dos ácidos formados, o ácido lático, reage com a fécula, 
formando uma estrutura viscoelástica, que proporciona à massa de amido uma maior 
retenção do gás durante o aquecimento, sem que haja ruptura da mesma, e 
consequentemente, expanda mais (CAMARGO et al., 1988; MAEDA & CEREDA, 
2001). 
Segundo Camargo (1988), a expansão ocorre, pois, de acordo com análises 
microscópicas, os grânulos da superfície dos amidos mantêm a estrutura cristalina 
inalterada durante a fermentação, enquanto os grânulos do interior do amido estão 
gelatinizados. Portanto, durante o forneamento, os grânulos exteriores sofrem 
desidratação e não incham, e os grânulos interiores, por estarem gelatinizados, 
promovem a expansão do amido modificado sem prejudicar a estrutura externa do 
mesmo. 
Assim, a propriedade de expansão do amido modificado pela fermentação 
apresenta qualidade variável, devido à falta de padronização deste processo para 
diferentes regiões (RIVERA, 1997) e o amido modificado é utilizado no preparo de 
pães de queijo, sendo o Brasil o maior produtor deste tipo de amido (PLATA-
OLVIEDO, 1998). 
 
 
2.4. Utilidades dos amidos 
 
 
A estrutura e as propriedades dos grãos de amido estão diretamente 
relacionadas com suas aplicações. Cada tipo de amido é destinado para um 
determinado fim. 
 
 
21 
Atualmente, o amido de mandioca (fécula) tem sido amplamente utilizado 
em diferentes setores industriais, podendo exemplificar nas indústrias alimentícias: 
para fabricação de pães, de pães de queijo, de biscoitos, de pudins e outros 
alimentos; nas indústrias farmacêuticas: para produção de xarope de glicose; na 
indústria têxtil: para engomagem, estamparia, firmeza dos tecidos e até na produção 
de álcool e de cosméticos. 
 
 
2.5. Amido de mandioca 
 
 
A mandioca é um vegetal rico em amido. 
Amante (1986) afirma que para tornar viável a extração de amido de um 
vegetal, é necessário que este contenha uma quantidade significativa de tal 
carboidrato, não disponha de recursos caros para sua extração e apresente 
propriedades que despertem interesse econômico. 
O amido de mandioca é inodoro, insípido, branco e pouco espesso. 
De acordo com Nobre (1976), o amido de mandioca pode ser classificado em 
três tipos, segundo suas características: 
- Tipo 1 ou A – é o produto não fermentado, constituído de, no mínimo, 
84% de amido e de boa viscosidade (380 RVU). 
- Tipo 2 ou B – é o produto não fermentado, constituído de, no mínimo, 82% 
de amido e de viscosidade regular (290 RVU). 
- Tipo 3 ou C – é o produto não fermentado, constituído de, no mínimo, 
80% de amido e viscosidade fraca (200 RVU). 
 
 
22 
Em vista das propriedades do amido de mandioca, tais como, alto grau de 
pureza, viscosidade e fácil obtenção (ASAOKA et al., 1992), a indústria alimentícia 
o utiliza principalmente na produção de farinha, de fécula, na confecção de biscoitos 
e de pão de queijo. Porém, é mais utilizado na produção de féculas, pois seu baixo 
teor de proteínas e ausência de glúten pode comprometer a qualidade dos pães 
(RAKSHIT, 2004). 
Entretanto, o amido de mandioca, no Brasil, apresenta grande variação da 
qualidade devido às oscilações ambientais e a época de colheita da mandioca 
(ASAOKA et al., 1992). 
 
 
2.6. Fabricação do amido de mandioca 
 
 
Segundo Nobre (1976), para produzir o amido são necessárias várias etapas: 
- Inicia-se na colheita das raízes; 
- Em seguida faz-se a lavagem; 
- Descascamento; 
- Ralação; 
- Peneiração da massa em água corrente. 
A fécula pode ser separada do material solúvel (polpa, fibras) por decantação 
em tanques ou por centrifugação. [...] a água exerce um papel primordial devido às 
etapas de obtenção do amido (NOBRE, p. 78, 1976). 
 Através do processo descrito abaixo (Figura 1), podem ser obtidas féculas 
de mandioca naturais ou modificadas, neste caso, se ocorrer a fermentação. 
 
 
23 
 
 
 
Figura 1. Fluxograma da produção de fécula de mandioca. 
Mandioca 
(Raiz) 
 
Lavagem Água 
Descascamento Cascas 
Ralação 
(Desintegrador) 
Peneiração 
(Lavagem) 
Centrifugação ou Decantação 
(Purificação) 
Água 
Vegetal 
Secagem Fermentação 
Secagem 
Fécula de mandioca 
Modificada 
Fécula de 
mandioca 
Modificada 
 
 
24 
 
2.6.1. Fermentação 
 
 
Antigamente, a fermentação dos alimentos era realizada para preservação 
dos mesmos, pois este processo, além de prolongar o tempo de vida do produto, 
caracterizava os sabores, aromas e texturas dos mesmos (AMANTE; AVANCINI; 
MARCON; 2007 citando CAPLICE, FITZGERALD, 1999). 
O amido modificado é produzido através da fermentação natural do amido 
puro (isento de materiais terrosos e parasitos), realizada em tanques com uma 
camada de amido coberta por água até completar toda a fermentação (BRASIL, 
1978; FERNANDES et al., 2002). 
O processo de fermentação do amido de mandioca ocorre da seguinte forma: 
primeiramente, o amido é purificado e em seguida, transferido aos tanques de 
fermentação, que normalmente são de lajotas, cerâmicas, azulejos ou até mesmo de 
alvenaria revestido com plásticos, pois neste caso, os ácidos produzidos durante a 
fermentação podem desprender areias das paredes contaminando o produto 
fermentado. Portanto, para obter-se um amido modificado de alta pureza é 
necessário que o processo seja bastante rápido, a fim de evitar contaminações por 
processos enzimáticos de deterioração. 
O amido sofre decantação no tanque onde fica submerso por uma camada de 
água, formando um meio praticamente sólido que, no máximo, em cinco dias, 
estabelecem-se condições anaeróbias para que ocorra a fermentação. 
 Por ser rico em carbono, o amido granular atua como alimento para os 
microorganismos presentes na fermentação natural. A camada de água que recobre o 
 
 
25 
amido chega a 20 cm no início da fermentação e vai secando à medida que o tempo 
se passa. 
O tempo de fermentação pode variar de 3 até 60 dias. Diniz (2006, citando 
CÁRDENAS & BUCKLE, 1980; CAMARGO et al., 1988; CEREDA, 1987; 
RIVERA, 1997; SILVEIRA et al., 2003). Entretanto, pode variar de 4 a 6 dias 
apenas, se forem utilizados microorganismos específicos (RIVERA, 1997). 
A fermentação é um processo espontâneo, realizada por microorganismos 
presentes tanto na matéria orgânica (amido), quanto na água e nos tanques de 
fermentação. Os fatores ambientais determinam a microbiota presente na 
fermentação, sendo assim, amidos de diferentes regiões são diferentes em relação à 
acidez e composição de ácidos orgânicos. 
Este fato justifica a grande variedade de amidos encontrados no Brasil 
(SILVEIRA et al, 2003). 
Cereda (1987) afirma que no início da fermentação, o oxigênio dissolvido na 
água é consumido pelas bactérias amilolíticas aeróbias, transformando-o em gás 
carbônico e H2, além de ácidos orgânicos: tais como, ácido acético, butírico, lático, 
propiônico e compostos aromáticos. A produção de ácidos é caracterizada peloabaixamento do pH do meio. O término da fermentação é caracterizado pela 
formação de bolhas e espumas na superfície e na massa de amido depositado no 
fundo do tanque. 
Demiate (1998) afirma que o amido sofre uma reação de oxidação durante o 
processo de fermentação, logo, torna-se um amido modificado, tanto em suas 
características físico-químicas - tais como menor viscosidade e maior poder de 
expansão - quanto em seu sabor e aroma. 
 
 
26 
[...] o amido elaborado pela fermentação natural apresenta características 
viscográficas e químicas inigualáveis (CEREDA, p. 73, 1983b). 
Entretanto, este produto não é padronizado, depende muito do processo 
fermentativo, que não é conhecido, e da região onde é produzido. Tais fatores levam 
a um amido modificado de qualidade bastante variável, em uma mesma região, 
inclusive para um mesmo produtor. 
 
 
2.6.2. Secagem 
 
 
De acordo com Cereda (1987), após a fermentação, o amido pode ser 
armazenado no próprio tanque, desde que se mantenha água sobre ele para que não 
ocorra reação de oxidação e a superfície torne-se azulada. Além disso, ele deve 
adquirir uma consistência friável e aspecto de queijo. 
Após ser retirado do tanque, o processo de secagem do amido deve se dar no 
mesmo dia, de modo que, devido à armazenagem úmida, ele pode tornar-se azulado. 
Há dois tipos de secagem: a primeira é através do sol, em que o amido 
esfarelado é exposto sob lonas ou panos em jiraus de bambu traçados para secar; e a 
segunda, ocorre de maneira artificial, expondo o amido à radiação ultravioleta. 
Entretanto, embora a secagem artificial seja mais moderna e eficiente, e apesar da 
secagem ao sol ser mais susceptível a contaminação por poeira, esta proporciona um 
amido seco com melhor poder de expansão. 
 
 
27 
Plata-Olviedo (1998) observou que tanto a radiação solar quanto a presença 
de ácidos orgânicos no amido de mandioca, resultantes da fermentação, são as 
responsáveis pela expansão do pão de queijo. 
Depois de seco, o amido é então peneirado e embalado para comercialização. 
 
 
2.7. Propriedades do amido de mandioca 
 
 
O amido de mandioca forma géis fracos e de baixa consistência, contudo, são 
de alta viscosidade, apresentam texturas longas, claridade de pasta bastante 
acentuada e um baixo grau de retrogradação, devido ao baixo teor de amilose 
(RAKSHIT, 2004). 
Além disso, devido ao seu elevado poder de inchamento, quando submetido 
ao aquecimento em água, o amido de mandioca expande consideravelmente. 
 
 
Tabela 1. Propriedades do amido de mandioca em comparação a outros amidos. 
 
Amido Viscosidade de 
pasta 
Textura de 
pasta 
Claridade de 
Pasta 
Grau de 
Retrogradação 
Batata Muito alta Longa Clara Médio 
Milho Média-Baixa Curta Opaca Alto 
Trigo Baixa Curta Turva Alto 
Mandioca Alta Longa Muito Clara Baixo 
Fonte: Rakshit (2004) 
 
 
 
 
28 
A ABAM, Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca 
caracteriza as propriedades dos amidos de mandioca de acordo com a Tabela 2, 
demonstrada abaixo: 
 
 
Tabela 2. Características Físico-Químicas do Amido de Mandioca (Padrão ABAM) 
 
 
Substância Amilácea Mín. 84 % 
Umidade Máx. 14 % 
pH 4,5 a 6,5 
Fator ácido Máx. 4,5 ml 
Acidez (ml. sol. n% p/v) Máx. 1,0 ml 
Cor (Maerz and Paul Dictionary of color) Máx. 10 Al 
Pontos Pretos Máx. 85 unid. 
Cinzas Máx. 0,12 % 
Vazamento (malha de 0,105 mm) Mín. 99 % 
SO2 (ppm) Enxofre Negativo 
Polpa Máx. 0,5 ml 
Ponto de Rompimento 58 a 83 
 
 
Fonte: ABAM (2009) 
 
 
2.8 Modificação do amido de mandioca e sua relação com a fabricação de 
pães de queijo. 
 
 
Com o crescimento das indústrias, surgiu a necessidade de se buscar 
produtos diferenciados, porém com a mesma qualidade dos produtos naturais, mas 
sem suas limitações e sem encarecimento do produto final, e que, ao mesmo tempo, 
satisfizessem as exigências do consumidor. A modificação do amido de mandioca 
surgiu então, para tal finalidade. 
Segundo Cereda (2004) há vários tipos de modificações. Duas mais comuns 
são: a modificação química, em que o amido modificado deve ser utilizado como 
 
 
29 
aditivo e em pequenas quantidades; e a modificação física, na qual ele pode ser 
utilizado como ingrediente e em quantidades significativas. 
 Um exemplo de amido modificado quimicamente é o da linha Expandex® 
da Empresa Corn Products do Brasil, enquanto que os amidos pré-gelificados são 
exemplos de modificações físicas. Ambos são utilizados na fabricação de pães de 
queijo. 
O pão de queijo é um produto típico do Estado de Minas Gerais e pode ser 
preparado através da mistura de amido de mandioca (natural ou modificado ou a 
mistura dos dois) com água ou leite, queijo, ovos, sal e gordura. Entretanto, Minim 
(2000) diz que a fabricação de pão de queijo não é padronizada, pois não atende a 
uma tecnologia de produção e nem caracterização do mesmo, levando a uma 
diversificação do produto. 
 O pão de queijo pode ser confeccionado na forma de pré-misturas, onde se 
adicionam apenas água, ovos e queijo para preparo da massa de pão de queijo, que 
posteriormente, é modelada e levada ao forno; ou na forma congelada, em que ele já 
vem preparado e é só assá-lo para consumo. 
 
 
3. MATERIAIS E MÉTODOS 
 
 
Os ensaios experimentais foram realizados no Laboratório de Controle de 
Qualidade da Indústria e Comércio de Alimentos LTDA – ABBRASIL de 
Pederneiras – São Paulo, e no Laboratório de Análises e Processamento do Centro 
 
 
30 
de Raízes e Amidos Tropicais (CERAT), Departamento Energia da Agricultura da 
Universidade Estadual Paulista, UNESP – Campus de Botucatu – São Paulo. 
 
 
 
3.1. Análises físico-químicas das amostras 
 
3.1.1. Teor de umidade 
 
 
 O teor de umidade das amostras de amidos foi determinado segundo a 
AOAC Official Method 925.10, seguindo-se o seguinte procedimento: 
Foram secos cadinhos de porcelana em estufa de secagem e esterilização 
modelo 315 SE, a 104°C durante 1 hora. 
Os mesmos foram retirados da estufa e secos em dessecador por cerca de ½ 
hora. 
O cadinho vazio foi pesado em balança analítica da marca Adventurer Ohaus 
e anotado seu peso. Em seguida, no cadinho devidamente identificado, foram 
pesadas aproximadamente 3 g de amostra de amido e anotado o peso do conjunto. 
Assim, foi então levado à estufa a 104°C, por aproximadamente 8 horas. 
Passado este tempo, o cadinho foi retirado e resfriado em dessecador por 30 
minutos. O cadinho com a amostra de amido seca foi então pesado e anotado seu 
peso e logo voltado à estufa por mais uma hora. 
Este último passo foi repetido até obter dois pesos constantes (AOAC, 1975; 
BRASIL, 1978). 
 
 
31 
O cálculo realizado para obter o valor da umidade da amostra de amido é 
demonstrado abaixo: 
 
E.S.T. = Peso do cadinho com amostra seca – peso do cadinho vazio x 100 / Alíquota 
% umidade = 100 – E.S.T. (extrato seco total). 
A Figura 2 demonstra a Estufa em que foram secas as amostras de féculas para a 
obtenção do teor de umidade das mesmas. 
 
 
 
Figura 2 – Estufa de secagem e esterilização. 
 
 
3.1.2. Determinação eletrométrica do pH 
 
 
A determinação eletrométrica do pH, segundo a AOAC Official Method 
925.10, foi realizada da seguinte maneira: primeiramente foram pesadas 10g da amostra 
de amido em um béquer de 250 mL; em seguida, foram adicionados 100 mL de água 
destilada a amostra. A mistura foi agitada em agitador magnético da marca Corning 
 
 
32 
Stirrer/Hotplate, por 30 minutos e decantada durante 10 minutos. Foi determinado o pH 
do líquido sobrenadanteem phmêtro da marca Accumet (pH Meter 25 Fischer 
Scientific) (AOAC, 1975; BRASIL, 1978; Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz, 
1985). 
 
A Figura 3 demonstra a análise de pH de uma amostra de fécula do tipo 
expandex, a qual apresenta um valor de 5,14. 
 
 
 
Figura 3 – phmêtro 
 
 
3.1.3. Acidez titulável 
 
 
Foi determinada, segundo a AOAC Official Method 925.10, por titulação da 
amostra de amido com uma solução padronizada 0,1N de NaOH, sob agitação 
magnética, até atingir o pH 8,2 a 8,3 no phmêtro, utilizando uma solução alcoólica de 
 
 
33 
fenolftaleína para determinação da mudança de cor e depois anotado o volume de 
NaOH gasto na titulação da amostra. 
A acidez foi expressa em mililitros de NaOH 0,1N por 100 g de matéria seca 
(AOAC, 1975) (BRASIL, 1978). 
O Cálculo realizado para a determinação da Acidez Titulável é demonstrado 
abaixo: 
 
Acidez Normal em mL/100g de amostra = V. N. f. 100 / m 
 
Em que: 
 
V = Volume de NaOH a 0,1N, gastos na titulação. 
N = Normalidade da solução de NaOH usada. 
f = Fator de correção da normalidade do NaOH a 0,1N. 
m = massa da amostra 
 
 
3.1.4. Determinação da concentração de grupos carboxílicos 
 
 
Uma amostra de 2 gramas de amido modificado foi misturada com 25 mL de 
0,1N de HCl e levada a uma Incubadora Refrigerada da marca Tecnal modelo TE-422 
com agitação a 150 rpm a 20°C, durante 30 minutos, demonstrada na Figura 4. 
A suspensão foi centrifugada a 4000 rpm, por 5 minutos em uma centrífuga da 
marca Excelsa baby II modelo 206-R, seguida de lavagem com 400 mL de água 
destilada. 
 
 
34 
O amido depositado foi transferido para um béquer de 500 mL e o volume 
ajustado a 300 mL com água destilada, que seguiu para aquecimento em banho de água 
a 100ºC com agitação constante por 15 minutos até completa gelatinização. 
 A dispersão de amido gelatinizado foi elevada a um volume de 450 mL com 
água destilada e titulada até pH 8,3 com solução padrão de 0,01 N de NaOH. 
 A metodologia foi adaptada por KUAKPEETOON e WANG (2001). 
 Os grupos carboxílicos foram calculados como: 
 
Milieq de acidez/100 g amido = [(amostra) mL x Normalidade NaOH x 100] / 
Peso da amostra (b.s.) em gramas 
 
Porcentagem de carboxyl = [milieq acidez/100 g amido] x 0,045 
 
A incubadora mostrada pela Figura 4, abaixo, foi utilizada para agitar as 
amostras de féculas durante 30 minutos, seguida de posterior centrifugação e titulação 
com NaOH 0,01 N. 
 
 
Figura 4 – Incubadora refrigerada com agitação. 
 
 
35 
 
A centrífuga utilizada na análise é demonstrada pela Figura 5, abaixo: 
 
 
 
 Figura 5 – Centrífuga Excelsa Baby II com as suspensões de amidos. 
 
 
3.1.5. Determinação da concentração de grupos carbonílicos 
 
 
Uma amostra, de 2 gramas de amido modificado, foi suspensa em 50 mL de 
água, destilada num béquer de 125 mL. A suspensão foi gelatinizada em banho de água 
a 100ºC, por 20 minutos, e em seguida, resfriada a 40ºC. 
Após resfriamento, foi ajustado o pH da suspensão para 3,3 com 0,1 N de HCl 
em um phmêtro da marca Analion, e em seguida adicionado 7,5 mL de reagente 
hidroxilamina, como demonstrado na figura 6, abaixo. 
 
 
 
 
36 
 
 
Figura 6 – Ajuste do pH da suspensão de amido seguida da adição de regente 
Hidroxilamina. 
 
O frasco foi tampado e colocado em banho de água a 40ºC da marca Marconi, 
modelo MA-095, por 4 horas com agitação lenta, para completa gelatinização das 
suspensões de amidos; como demonstrado na Figura 7, abaixo: 
 
 
 
Figura 7 – Banho Metabólico Dubnoff a 40°C com as suspensões durante 4 horas. 
 
 
 
37 
O excesso de hidroxilamina foi determinada por titulação com solução padrão de 
0,1 N de HCl. O reagente hidroxilamina foi preparado dissolvendo 25 gramas de 
cloridrato de hidroxilamina em 100 mL de 0,5N de NaOH, e em seguida, elevado a 
500mL com água destilada. 
A metodologia foi adaptada de SMITH (1967). Os grupos carbonilos foram 
calculados como: 
 
Porcentagem de carbonil = [(amostra) mL x Normalidade HCl 
x 0,028 x 100] / Peso amostra (b.s) em gramas. 
 
 
3.2. Análise da propriedade funcional das amostras 
 
 3.2.1. Poder de expansão 
 
 
Segundo metodologia proposta por MAEDA e CEREDA (2001), foi aplicado o 
teste de expansão de biscoitos dos amidos de mandioca pesando 50 g de amido pré-gel, 
natural e expandex; cada tipo de uma vez, em balança semi-analítica da marca Mettler 
Toledo, modelo PB3002, e adicionados cerca de 40 mL de água fervente sobre a 
amostra. Nos ensaios para as amostras combinadas, as quantidades foram somadas. 
Neste caso, adicionou-se cerca de 150 g da combinação dos amidos e aproximadamente 
120 mL de água fervente. 
A massa foi modelada nas mãos até se tornar consistente e macia para ser 
moldada. A água era adicionada até obter-se a uma massa macia e que não grudasse nas 
 
 
38 
mãos. Posteriormente, foram modelados e pesados três biscoitos redondos de 10 g cada, 
aproximadamente, que foram colocados em assadeira e levados ao forno elétrico 
termostatizado da marca Napoli Hypo, modelo HNC, a temperatura de 180°C, por 25 
minutos. 
Após esfriarem, os três biscoitos confeccionados foram pesados e seus volumes 
determinados pelo método de deslocamento de sementes. Para esses biscoitos, foram 
utilizadas sementes de painço e, então, transbordamento e leitura volumétrica. Obteve-
se o volume específico (expansão) expresso em mL/g, calculado pela relação entre o 
volume (mL) e o peso (g) dos três biscoitos. 
A Figura 8, abaixo, demonstra a maneira como foi medido o volume em mL das 
féculas analisadas. 
 
 
Figura 8 – Determinação do volume da fécula através do método 
de deslocamento de sementes. 
 
 
 
39 
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 
 
 
4.1. Análises físico-químicas das amostras 
 
 
Os resultados demonstrados nas Tabelas 3, 4, 5 e 6, abaixo, foram obtidos a 
partir das análises físico-químicas das amostras de féculas do tipo pré-gel, natural e 
expandex, correlacionando-os com suas respectivas propriedades funcionais. 
 
40
 
Ta
be
la
 
3.
 
Co
n
ce
n
tr
aç
õe
s 
m
éd
ia
s 
de
 
ac
id
ez
 
tit
u
lá
v
el
,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
x
íli
co
s,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
n
íli
co
s,
 
te
o
r 
de
 
u
m
id
ad
e,
 
pH
 
e 
po
de
r 
de
 
ex
pa
n
sã
o
 
13
 
em
 
ci
n
co
 
am
o
st
ra
s 
de
 
di
fe
re
n
te
s 
lo
te
s 
de
 
fé
cu
la
s 
tip
o
 
pr
é-
ge
l. 
 
 
Te
o
r 
de
 
u
m
id
a
de
 
(%
) 
pH
 
Ac
id
ez
 
Ti
tu
lá
ve
l (
m
L 
de
 
N
a
O
H
 
0,
1N
/1
00
g 
de
 
a
m
o
st
ra
) 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
xí
lic
o
s 
(%
) 
Te
o
r 
de
 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
n
íli
co
s 
(%
) 
Po
de
r 
de
 
Ex
pa
n
sã
o
 
(m
L/
g) 
1°
 
Lo
te
 
2,
05
 
5,
16
 
0,
52
 
2,
05
 
2,
69
 
11
,
33
 
2°
 
Lo
te
 
2,
80
 
5,
00
 
0,
72
 
0,
75
 
1,
56
 
8,
57
 
3°
 
Lo
te
 
2,
40
 
5,
03
 
0,
42
 
3,
73
 
0,
45
 
12
,
21
 
4°
 
Lo
te
 
2,
85
 
5,
31
 
0,
66
 
0,
10
 
2,
29
 
11
,
58
 
5°
 
Lo
te
 
2,
21
 
5,
31
 
0,
49
 
0,
49
 
2,
04
 
11
,
59
 
M
édia
 
G
er
a
l*
 
2,
46
 
5,
16
 
0,
56
 
1,
42
 
1,
81
 
11
,
06
 
*
 
V
al
o
re
s 
m
éd
io
s 
es
tim
ad
o
s 
a 
pa
rt
ir 
do
s 
da
do
s 
in
di
v
id
u
ai
s
 
41
 
 
Ta
be
la
 
4.
 
Co
n
ce
n
tr
aç
õe
s 
m
éd
ia
s 
de
 
ac
id
ez
 
tit
u
lá
v
el
,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
x
íli
co
s,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
n
íli
co
s,
 
te
o
r 
de
 
u
m
id
ad
e,
 
pH
 
e 
po
de
r 
de
 
ex
pa
n
sã
o
 
em
 
ci
n
co
 
am
o
st
ra
s 
de
 
di
fe
re
n
te
s 
lo
te
s 
de
 
fé
cu
la
s 
tip
o
 
n
at
u
ra
l. 
 
 
Te
o
r 
de
 
u
m
id
a
de
 
(%
) 
pH
 
Ac
id
ez
 
Ti
tu
lá
ve
l (
m
L 
de
 
N
a
O
H
 
0,
1N
/1
00
g 
de
 
a
m
o
st
ra
) 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
xí
lic
o
s 
(%
) 
Te
o
r 
de
 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
n
íli
co
s 
(%
) 
Po
de
r 
de
 
Ex
pa
n
sã
o
 
(m
L/
g) 
1°
 
Lo
te
 
10
,
74
 
5,
32
 
1,
09
 
0,
12
 
0,
68
 
2,
79
 
2°
 
Lo
te
 
10
,
07
 
5,
87
 
0,
79
 
0,
10
 
1,
06
 
2,
31
 
3°
 
Lo
te
 
10
,
57
 
7,
50
 
0,
39
 
0,
19
 
1,
45
 
2,
95
 
4°
 
Lo
te
 
9,
58
 
5,
28
 
0,
82
 
0,
20
 
3,
38
 
1,
96
 
5°
 
Lo
te
 
11
,
48
 
5,
05
 
1,
09
 
0,
32
 
0,
67
 
2,
88
 
M
éd
ia
 
G
er
a
l*
 
10
,
69
 
5,
80
 
0,
84
 
0,
19
 
1,
45
 
2,
76
 
*
 
V
al
o
re
s 
m
éd
io
s 
es
tim
ad
o
s 
a 
pa
rt
ir 
do
s 
da
do
s 
in
di
v
id
u
ai
s
 
42
 
Ta
be
la
 
5.
 
Co
n
ce
n
tr
aç
õe
s 
m
éd
ia
s 
de
 
ac
id
ez
 
tit
u
lá
v
el
,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
x
íli
co
s,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
n
íli
co
s,
 
te
o
r 
de
 
u
m
id
ad
e,
 
pH
 
e 
po
de
r 
de
 
ex
pa
n
sã
o
 
em
 
ci
n
co
 
am
o
st
ra
s 
de
 
di
fe
re
n
te
s 
lo
te
s 
de
 
fé
cu
la
s 
tip
o
 
ex
pa
n
de
x
.
 
 
 
Te
o
r 
de
 
u
m
id
a
de
 
(%
) 
pH
 
Ac
id
ez
 
Ti
tu
lá
ve
l (
m
L 
de
 
N
a
O
H
 
0,
1N
/1
00
g 
de
 
a
m
o
st
ra
) 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
xí
lic
o
s 
(%
) 
Te
o
r 
de
 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
n
íli
co
s 
(%
) 
Po
de
r 
de
 
Ex
pa
n
sã
o
 
(m
L/
g) 
1°
 
Lo
te
 
11
,
51
 
5,
11
 
1,
42
 
0,
11
 
0,
07
 
12
,
47
 
2°
 
Lo
te
 
10
,
70
 
5,
03
 
1,
29
 
0,
10
 
1,
55
 
8,
57
 
3°
 
Lo
te
 
10
,
89
 
5,
14
 
1,
26
 
0,
13
 
0,
44
 
6,
70
 
4°
 
Lo
te
 
10
,
75
 
5,
22
 
1,
19
 
0,
14
 
0,
71
 
9,
48
 
5°
 
Lo
te
 
11
,
48
 
5,
17
 
1,
12
 
1,
8 
1,
45
 
7,
82
 
M
éd
ia
 
G
er
a
l*
 
11
,
07
 
5,
13
 
1,
26
 
0,
46
 
0,
84
 
9,
01
 
*
 
V
al
o
re
s 
m
éd
io
s 
es
tim
ad
o
s 
a 
pa
rt
ir 
do
s 
da
do
s 
in
di
v
id
u
ai
s
 
43
 
Ta
be
la
 
6.
 
Co
n
ce
n
tr
aç
õe
s 
m
éd
ia
s 
de
 
ac
id
ez
 
tit
u
lá
v
el
,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
x
íli
co
s,
 
gr
u
po
s 
ca
rb
o
n
íli
co
s,
 
te
o
r 
de
 
u
m
id
ad
e,
 
pH
 
e 
po
de
r 
de
 
ex
pa
n
sã
o
 
26
 
em
 
ci
n
co
 
am
o
st
ra
s 
de
 
di
fe
re
n
te
s 
lo
te
s 
de
 
fé
cu
la
s 
tip
o
 
co
m
bi
n
aç
ão
.
 
 
 
Te
o
r 
de
 
u
m
id
a
de
 
(%
) 
pH
 
Ac
id
ez
 
Ti
tu
lá
ve
l (
m
L 
de
 
N
a
O
H
 
0,
1N
/1
00
g 
de
 
a
m
o
st
ra
) 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
xí
lic
o
s 
(%
) 
Te
o
r 
de
 
G
ru
po
s 
Ca
rb
o
n
íli
co
s 
(%
) 
Po
de
r 
de
 
Ex
pa
n
sã
o
 
(m
L/
g) 
1°
 
Lo
te
 
7,
98
 
5,
02
 
0,
96
 
0,
32
 
0,
63
 
8,
69
 
2°
 
Lo
te
 
9,
05
 
5,
05
 
0,
92
 
0,
24
 
2,
31
 
10
,
28
 
3°
 
Lo
te
 
9,
37
 
5,
59
 
0,
62
 
0,
29
 
0,
44
 
8,
31
 
4°
 
Lo
te
 
9,
13
 
5,
20
 
0,
86
 
0,
29
 
4,
86
 
9,
40
 
5°
 
Lo
te
 
8,
44
 
5,
15
 
0,
89
 
0,
38
 
2,
86
 
10
,
33
 
M
éd
ia
 
G
er
a
l*
 
8,
79
 
5,
20
 
0,
85
 
0,
30
 
2,
22
 
9,
40
 
*
 
V
al
o
re
s 
m
éd
io
s 
es
tim
ad
o
s 
a 
pa
rt
ir 
do
s 
da
do
s 
in
di
v
id
u
ai
s
 
 
44 
4.1.1. Teor de umidade 
 
 
A Tabela 3, descrita acima, demonstra que as féculas do tipo pré-gel 
apresentaram resultados de umidade próximos a 2,00; visto que a média geral foi de 
2,46. 
As féculas do tipo natural apresentam umidade entre 10,00 e 11,00; assim 
como as féculas do tipo expandex, como apresentado nas Tabelas 4 e 5, 
respectivamente. As médias gerais foram de 10,69 para a fécula do tipo natural e 
11,07 para a fécula do tipo expandex. 
Quanto à combinação dos três tipos de féculas, a umidade apresentada na 
Tabela 6 demonstra valores variando entre 8,00 e 9,00; sendo a média geral obtida 
de 8,79. 
Essa discrepância nos valores obtidos para os três tipos de féculas deve-se ao 
tipo e ao tempo de exposição da fécula para secagem (DINIZ, p.33, 2006). 
Entretanto, ressalta-se que todas as amostras não extrapolaram o valor de 
umidade imposto pela legislação brasileira, que estipula o limite máximo de 14% de 
umidade. 
 
 
4.1.2. Determinação eletrométrica do pH 
 
 
Na determinação do pH, todas as amostras apresentaram resultados muito 
próximos a 5,00; sendo as médias gerais obtidas de 5,16 para as féculas do tipo pré-
 
 
45 
gel; 5,80 para féculas do tipo natural; 5,13 para féculas do tipo expandex e 5,20 para 
combinação das três. 
Silveira (2001) e Silveira et al. (2003) afirmam que no início da fermentação 
encontra-se um valor de pH próximo a 6,3. Após dois dias de fermentação, este 
valor cai para aproximadamente 3,0, permanecendo até o final do processo 
fermentativo. 
Valores de pH próximos a 5,00; como encontrados nos resultados, indicam 
fermentações mais amenas, sem a presença marcante de ácidos. No caso das féculas 
naturais, este fato fica bem nítido, sendo estas as que apresentam um pH mais 
elevado, ou seja, menos ácido. 
Além disso, essa não variação dos valores encontrados demonstra a 
estabilidade das féculas analisadas, quanto ao meio em que foram produzidas. 
 
 
4.1.3. Acidez titulável 
 
 
De acordo com Cereda e Vilpoux (2002), sinais de fermentações muito 
intensas indicamacidez titulável acima de 7,0 mL de NaOH 0,1N por 100g de 
amostra, enquanto fermentações mais amenas ou até mesmo quase ausência de tal, 
apresentam volumes inferiores a 3,0 mL de NaOH 0,1N por 100g de amostra. 
Volumes inferiores a 3,0 mL é uma peculiaridade de féculas naturais. 
Em todos os tipos de féculas os resultados obtidos para a acidez titulável 
foram abaixo de 2,0 mL, indicando uma fermentação menos intensa ou praticamente 
ausente. A fécula do tipo expandex foi a que apresentou maior índice de acidez, 
 
 
46 
apresentando uma média geral de 1,26 mL de NaOH 0,1N por 100g de amostra, 
caracterizando a fécula que sofreu maior influência da fermentação, com a maior 
presença de ácidos. 
A fécula do tipo pré-gel foi a que apresentou o menor índice de acidez, 0,56 
mL de NaOH 0,1N por 100g de amostra, com menor quantidade de ácidos 
presentes. 
 
 
4.1.4. Concentração de grupos carboxílicos e carbonílicos 
 
 
As modificações químicas do tipo oxidação com ácidos orgânicos em 
amidos afetam a estrutura dos grânulos, pois ocorrem ataques nos grupos álcoois 
dos carbonos C1, C2 e C3 das glicoses amiláceas que compõem os amidos. 
Quando o ataque ocorre no álcool secundário, provoca a abertura dos anéis 
de glicose, causando uma diminuição nas características de viscosidade do amido. 
 
 
4.2. Análise da propriedade funcional das amostras 
 
4.2.1. Poder de expansão 
 
 
 
 
47 
As análises de expansão da massa de fécula foram realizadas através do 
método manual, em que se mistura a fécula com água fervente e modela-se a massa 
nas mãos. 
Os resultados obtidos para o poder de expansão das féculas analisadas 
variaram de acordo com cada tipo. As féculas do tipo pré-gel apresentaram uma 
média geral de 11,06 mL/g; sendo esta, a maior dentre todos os tipos. As féculas do 
tipo natural apresentaram média geral de 2,76 mL/g; caracterizando o menor valor 
obtido. As féculas do tipo expandex apresentaram média geral de 9,01 mL/g; porém, 
embora seja um valor alto, o resultado foi diferente do esperado. A expectativa era 
de que as féculas do tipo expandex expandissem mais do que as demais féculas 
avaliadas. 
A combinação de todas as féculas apresentou uma média geral de 9,40 mL/g. 
As Figuras 9, 10, 11 e 12, abaixo, mostram amostras de féculas dos tipos 
pré-gel, natural, expandex e combinação, respectivamente, antes e após o 
forneamento. 
 
 
Figura 9 – Poder de expansão da fécula do tipo pré-gel: pós-forneamento. 
 
 
 
 
48 
 
Figura 10 – Poder de expansão da fécula do tipo natural: pós-forneamento. 
 
 
Figura 11 – Poder de expansão da fécula do tipo expandex: pós-forneamento. 
 
 
 
Figura 12 – Poder de expansão combinação das féculas pré-gel, natural e 
expandex: pós-forneamento. 
 
 
 
49 
5. CONCLUSÃO 
 
O trabalho apresentado representa dados iniciais de um estudo pouco avançado 
sobre féculas de mandioca. 
Há muitos fatores interligados que possivelmente interferem nos resultados 
obtidos, tais como, o amido analisado não é puro, sendo que outros compostos presentes 
como fibras, celulose e lignina podem reagir e modificar os valores esperados. 
Além disso, não há uma padronização dos fornecedores dessas féculas. Clima e 
tempo também interferem desde o processo de plantio da mandioca. 
Logo, não se observou uma correlação entre as concentrações de acidez titulável, 
teor de grupos carboxílicos e teor de grupos carbonílicos com o poder de expansão. 
Assim sendo, a avaliação das matérias-primas deverão ser realizadas lote a lote. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
50 
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
ABAM. Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca, 2004. 
CEREDA, M.P.; 2004. Características Físico-Químicas do Amido de Mandioca. 
Disponível em: <http://www.abam.com.br/includes/index.php?menu=2&item=6>. 
Acesso em: 29 ago. 2009. 
 
ABAM. Associação Brasileira dos Produtores de Amido de Mandioca, 2004. 
CEREDA, M.P.; 2004. Fécula de mandioca como ingrediente para alimentos. Novos 
processos para modificação. O mercado de amido no mundo. Disponível em: 
<http://www.abam.com.br/artigos/Ceteagro%20-%20coluna%20Marney.doc>. Acesso 
em: 29 ago. 2009. 
 
ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Disponível em: 
<www.abnt.org.br>. Acesso em: 10 nov. 2009. 
 
AMANTE, E.R. Caracterização de amidos de variedades de Mandioca (Manihot 
esculenta, Crantz) e de batata-doce (Ipomea batatas). Dissertação (Mestrado em 
Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Programa de Pós-Graduação em Ciência e 
Tecnologia de Alimentos, Universidade de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, 1986. 
 
A.O.A.C. (Association of Official Analytical Chemists). Official Methods of Analysis 
of the Association of Official Analytical Chemists. 12 nd ed. Washington, 1975. 
1094 p. 
 
ASAOKA, M.; BLANSHARD, J.M.V.; RICKARD, J.E. Effects of Cultivar and 
Growth Season on the Gelatinisation Properties of Cassava (Manihot esculenta) 
Starch. Journal of Science of Food and Agricultural, n. 59, p.53- 8, 1992. 
 
BRASIL. Resolução n° 12/78 da Comissão Nacional de Normas e Padrões para 
Alimentos. Diário Oficial, Brasília, 24 de Julho de 1978, Seção 1, pt I. 
 
CAMARGO, C.; COLONNA, P.; BULEON, A.; MOLARD, D.R. Functional 
Properties of Sour Cassava (Manihot ultissima) Starch: Polvilho Azedo. Journal of 
Science of Food and Agricultutal, n.45, p. 273- 89, 1988. 
 
CAPLICE, E.; FITZGERALD, G.F. Food fermentations: role of microorganisms in 
food production and preservation. International Journal of Food Microbiology, v.50, 
n. 1-2, p. 131-149, 1999. 
 
CÁRDENAS, O.S.; BUCKLR, T.S. Sour Cassava Starch Production: A preliminary 
Study. Journal of Food and Agricultural, n. 45, p. 1509-1512, 1980. 
 
 
51 
 
CEREDA, M.P. Determinação da Viscosidade em Fécula Fermentada de Mandioca 
(Polvilho Azedo). Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de 
Alimentos, Campinas, v. 17, n.1, p.15-24, 1983a. 
 
CEREDA, M.P. Padronização para ensaios de qualidade de fécula fermentada de 
Mandioca (polvilho azedo): II – Ensaios de Absorção de Água. Boletim da 
Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.17, n.3, p.297-
304, 1983b. 
 
CEREDA, M.P. Tecnologia e qualidade do polvilho azedo. Informe Agropecuário, 
Belo Horizonte, v. 13, n. 145, p. 63-68, 1987. 
 
CEREDA, M. P.; NUNES, O. L. G.; VILPOUX, O. Tecnologia da produção de 
polvilho azedo. Botucatu. Centro de Raízes Tropicais (CERAT). Universidade Estadual 
Paulista, 1995. 
 
CEREDA, M.P.; VILPOUX, O. Polvilho Azedo, critérios de qualidade para uso em 
produtos alimentares. FUNDAÇÃO CARGIIL, Culturas de Tuberosas Amiláceas 
Latino Americanas, mar. 2002. Disponível em: <http://www.raizes-ong.org.br>. Acesso 
em: 25 ago. 2009. 
 
CHATAKANONDA, P.; CHINACHOT, P.; SRIROTH, K. PIYACHOMKWAN, K.; 
CHOTNEERANAT, S.; TANG, H.; HILLS, B. The influence of conditions of harvest 
on the functional behaviour of cassava starch-a próton NMR relaxation study. 
Carbohydrates polymers, v. 53, p. 233- 40, 2003. 
 
 
DEMIATE, I.M.; DE SOUZA, T.O; NOGUEIRA, A.; WOSIACKI, G.; CEREDA, 
M.P. Características de qualidade de amostras de polvilho azedo. Parte 3 – Rio 
Grande do Sul. Publicatio UEPG – Ciências Exatas e da Terra: 4 (1), p. 97-112, 1998. 
 
DINIZ, I.P. Caracterização Tecnológica do Polvilho Azedo Produzido em 
diferentes Regiões do Estado de Minas Gerais, Viçosa, 2006. 
 
FENNEMA, Owen R (Dir.). Química de los alimentos. 2. ed. Zaragoza: Acribia, 2000. 
 
FERNANDES, F.G.; SANTOS, J.F.; FILHO, J.B. Utilização da mandioca para 
alimentação humana e animal. 1. ed. Paraíba: EMEPA, p. 11- 5,2002. 
 
FILHO, G.A.F; BAHIA, J.J.S. Mandioca. Disponível em: 
<http://www.ceplac.gov.br/radar/mandioca.htm>. Acesso em 31 ago. 2009. 
 
FRANCO, C. M. L; DAIUTO, E. R.; DEMIATE, I. M; CARVALHO, L. J. C. B.; 
LEONEL, M.; CEREDA, M. P.; VILPOUX, O.F.; SARMENTO, S. B. S. 
Propriedades gerais do amido. Fundação Cargill, Campinas, 2001. 
 
 
 
52 
INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: 
Métodos Químicos e Físicos para análises de alimentos. 3. ed. São Paulo, v.1, p.27, 
1985. 
 
KUAKPETOON, D., WANG, Y. Characterization of different starches oxidizes by 
hypochlorite. Starch, n 53, p. 211- 8, 2001. 
 
MAEDA, K.C.; CEREDA, M.P. Avaliação de Duas Metodologias de Expansão ao 
Forno do Polvilho Azedo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 21, p.139-143. 
maio/ago. 2001. 
 
MINIM, V. P. R.; MACHADO, P. T.; CANAVESI, E.; PIROZI, M. R. Perfil sensorial 
e aceitabilidade de diferentes formulações de pão de queijo. Ciência e Tecnologia de 
Alimentos, Campinas, v. 20, n. 2, p. 154- 9, 2000. 
 
MOORE, G. R. P. Amido de milho e Mandioca na produção da maltodextrinas. 
2001. Dissertação (Mestrado em Ciência dos Alimentos). Universidade Federal de 
Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina. 
 
MOORTHY, S. N.; MATHEW, G. Cassava fermentation and associated changes in 
physicochemical and functional properties. Critical Reviews in Food Science and 
Nutrition, v. 38, n 2, p. 73-121, 1998. 
 
NOBRE, A. Tecnologia dos produtos tradicionais da mandioca. 1. ed. Cruz das 
Almas: EMBRAPA, 1976. 
 
PANDEY, A.; SOCCOL, C. R.; NIGAM, P.; SOCCOL, V.T.; VANDENBERGHE, L. 
P. S.; MOHAN, R. Biotechnological potencial of agro-industrial residues. II – 
Cassava bagasse – Review paper. Bioresource Technology, v. 74, p. 81-87, 2000. 
 
PLATA-OVIEDO, M. Secagem do Amido Fermentado de Mandioca: Modificação 
Química Relacionada com a Propriedade de Expansão e Características Físico-
Químicas. 1998. 114 f. Tese (Doutorado em Tecnologia de Alimentos) - Faculdade de 
Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas. 
 
RAKSHIT, S.K. Recent trends in cassava starch production and application. 
Tailândia, 2004. Disponível em: <http://www.agfdt.de/loads/st00/raksit.pdf>. Acesso 
em: 29 ago. 2009. 
 
RICKARD, J. E.; ASAOKA, M.; BLANSHARD, J. M. V. The physicochemical 
properties of cassava starch. Tropical Science, v. 31, p. 189-207, 1991. 
 
RIVERA, H.H.P. Fermentação de amido de Mandioca (Manihot esculenta, Crantz): 
Avaliação e Caracterização do polvilho azedo. 1997. 131f. Tese de Doutorado em 
Ciência e Tecnologia de Alimentos. Viçosa. 
 
SANTISOPASRI, V.; KUROTJANAWONG, K.; CHOTINEERANAT, S.; 
PIYACHOMKWAN, K.; SRIROTH, K.; OATES, C.G. Impact of water stress on 
yield and quality of cassava starch. Industrial Crops and Products na Internacional 
Journal, v.13, p. 115- 29, 2001. 
 
 
53 
 
SILVEIRA, I.A. Isolamento, caracterização e diversidade de bactérias envolvidas 
na fermentação natural do polvilho azedo. 132f, 2001. Tese de Doutorado em 
Ciências de Alimentos. Lavras: UFLA. 
 
 
SILVEIRA, I.A.P; CARVALHO, E.P; PÁDUA, I.P.M; DIONÍZIO, F.L; MARQUES, 
S.C. Isolamento e Caracterização da microbiota Ácido-Lática envolvida no 
Processo Fermentativo para Produção de Polvilho Azedo. Revista Científica do 
UNILAVRAS, ano 2, n.2, p.7-15, jan/jun 2003. 
 
SMITH, R.J. Characterization and analysis of starches, in Starch Chemistry and 
Technology, v. II: 1. ed. New York: Academic Press, p. 620-625, 1967. 
 
SOARES, R. M. D. Caracterização parcial de amido em cultivares brasileiros de 
cevada (Hordeum vulgare L.). 2003. Dissertação (Mestrado em Ciência de 
Alimentos): Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina. 
 
SRIROTH, K.; SANTISOPASRI, V.; PETCHALANUWAT, C.; 
KUROTJANAWONG, K.; PIYACHOMKWAN, K.; OATES, C.G. Cassava starch 
granule structure-function properties: influence of time and conditions at harvest 
on four cultivars of cassava starch. Carbohydrates Polymers, Amsterdam, v. 38, 
p.161- 70, 1999. 
 
SUAPESQUISA. Mandioca: Informações sobre a Mandioca, características, 
vitaminas, benefícios e propriedades. Disponível em: 
<http://www.suapesquisa.com/alimentos/mandioca.htm>. Acesso em: 31 ago. 2009. 
 
TORMENTA, C.A.; VIDIGAL FILHO, P.S; GONÇALVES, A.C.A; ARAÚJO, M.A.; 
PINTRO, J.C. Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas 
propriedades físicas de um Latossolo Vermelho distrófico, Revista Brasileira de 
Engenharia Agrícola e Ambiental, v.8, n.1, p.65-71, 2004. 
 
VIEIRA, L.M. Mandioca - apesar dos pesares, 2004 foi bom para o agricultor. 
Informe Conjuntural. 16 de Dezembro de 2004a. Instituto CEPA/SC. Disponível em: 
<http://www.icepa.com.br>. Acesso em: 30 ago. 2009. 
 
VIEIRA, L.M. Síntese anual da agricultura de Santa Catarina – 2003/2004. 
Mandioca. Instituto CEPA/SC, 2004b. Disponível em: < http://www.icepa.com.br>. 
Acesso em: 30 ago. 2009. 
 
PEREIRA, Joelma; CIACCO, César F.; VILELA, Evódio Ribeiro and TEIXEIRA, A. 
Lucrécia de S. Féculas fermentadas na fabricação de biscoitos: estudo de fontes 
alternativas. Ciênc. Tecnol. Aliment. [online]. 1999, vol.19, n.2, pp. 287-293. ISSN 
0101-2061. doi: 10.1590/S0101-20611999000200024. (SCIELO). 
 
WIKIPÉDIA. Amido. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Amido>. Acesso 
em: 27 ago. 2009. 
 
	CAPA
	FOLHA DE ROSTO
	COMISSÃO EXAMINADORA
	DEDICATÓRIA
	AGRADECIMENTOS
	EPÍGRAFE
	RESUMO
	ABSTRACT
	SUMÁRIO
	LISTA DE ILUSTRAÇÕES
	LISTA DE TABELAS
	1. INTRODUÇÃO
	2. ANTECEDENTES
	3. MATERIAIS E MÉTODOS
	4. RESULTADOS E DISCUSSÃO
	5. CONCLUSÃO
	6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Outros materiais