A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Escore de condição corporal - Zootecnia

Pré-visualização | Página 1 de 2

DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
Escore de condição corporal 
Definição 
 Estimação do estado nutricional dos animais por meio da avaliação (subjetiva ou objetiva) 
e classificação de sua condição corporal em função da cobertura muscular e da massa de 
gordura 
Importância 
 Conhecimento sobre a partição de nutrientes da dieta 
de acordo com a priorização das necessidades do 
animal. 
• A premissa é a manutenção da vida e depois a 
preservação e produção da espécie. 
 A condição corporal influencia no manejo e na tomada de decisões 
 São baseadas na classificação dos animais em função da cobertura muscular e da massa 
de gordura 
 Refletem o grau de armazenamento de energia do animal (balanço energético [positivo 
ou negativo / o animal pode chegar à obesidade?]) 
 Representa uma ferramenta importante de manejo: contribui para a tomada de decisões 
sobre o manejo nutricional, garantindo medidas de impacto na produção e nos custos do 
empreendimento pecuário 
 Auxilia na indicação de práticas a serem adotadas no manejo 
nutricional do rebanho. 
 Método rápido, prático e barato 
 Medida subjetiva 
 A avaliação da escore de condição corporal (ECC) é mais adequada: 
• Que as mensurações de peso vivo para estimar as reservas 
corporais, 
• Pois sua análise independe do tamanho e do estado fisiológico do 
animal (prenhez, etc) 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
ECC x reprodução 
 Tanto animais desnutridos quanto 
extremamente obesos podem apresentar 
falhas reprodutivas ao longo da estação de 
monta ou da gestação. 
 Em ovinos, por exemplo, antes da estação de monta, deverão ser selecionadas ovelhas 
com ECC acima de 2,0, 
 Para aumentar as taxas de ovulação, pode ser utilizada uma suplementação energética 
conhecida como flushing, que consiste em aumentar o aporte nutricional com aumento 
das taxas de concepção, prenhez e natalidade. ECC 2 → 2,5 
 Por outro lado, a restrição alimentar é a ferramenta utilizada para que ovelhas 
consideradas gordas (ECC igual ou maior que 4) percam peso e atinjam o ECC 
considerado ótimo para reprodução. 
 O escore corporal das matrizes pode afetar inúmeros resultados positiva ou 
negativamente, tais como: 
• As taxas de ovulação 
• Desenvolvimento adequado do feto durante a gestação 
• Desenvolvimento do úbere preparando-se para o parto 
• Produção de colostro e de leite 
• Nascimento e o desmame de crias saudáveis 
• Bom desenvolvimento corporal e taxa de sobrevivência. 
 A nutrição adequada da fêmea gestante melhora o desenvolvimento embrionário e reduz 
as mortes de embriões. 
 Fêmeas gestantes com um ECC entre 3 e 4 parem crias mais pesadas e sadias, e 
conseguem amamentá-las melhor 
 Matriz subnutridas 
• Maior chance de rejeitar o cordeiro 
• Não produz colostro e leite de boa qualidade ou em quantidades satisfatórias 
• Cordeiros com baixo peso ao nascimento. 
 Cordeiros com baixo peso ao nascimento 
• Menos ativo 
• Demora mais a mamar, mama em menor quantidade 
• Mais susceptíveis a doenças, ao frio, chuva e outros intempéries 
• Não expressa todo o seu potencial genético 
• Mortalidade neonatal ou a desmama 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
 
Efeito do escore de condição corporal (ECC) ao parto sobre o desempenho reprodutivo de cabras e de ovelhas, 
em dietas não suplementadas, em região tropical 
 
Vacas magras 
 Reduzem a produção de leite devido a falta de reservas corporais adequadas para o uso 
no início de lactação 
 Dificuldades no parto 
 Tem maior incidência de doenças: 
• Cetose, deslocamento do abomaso, etc. 
• Mastite e peneumonias 
 Atraso do aparecimento do cio após o parto 
Vacas gordas: 
 Maior complicação no parto; 
 Retenção de placenta (alteração hormonal); 
 Diminuição da ingestão voluntária de MS que predispõe a fêmea a aumentos de certas 
doenças metabólicas; 
 Cetose 
 Fígado gorduroso 
 Redução da produção de leite; 
 
 
 
 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
Avaliação do ECC: 
 As notas são dadas aos animais de acordo com a quantidade de reservas teciduais, 
especialmente de gordura e de músculos, em determinadas regiões do corpo. 
 Mediante avaliação visual (inspeção) e/ou tátil (palpação) 
 Há diferentes escalas de escores, as quais variam: 
• Conceito: 
 A Escala para Bovinos Leiteiros e Pequenos Ruminantes 
→ de 1 a 5 
 Escala para Bovinos de corte → 1 a 9 
• Topologia dos pontos de observação 
• Espécie animal à qual são aplicados. 
 Os escores extremos (superior ou inferior) são 
indesejáveis em qualquer escala e em qualquer espécie 
animal avaliada 
Como é feita esta avaliação? 
 A avaliação baseia-se na observação visual e 
palpação de algumas regiões do corpo do animal 
→ para verificação da massa muscular e gordura 
subcutânea 
 
 
 Pequenos Ruminantes 
 
 Localizar a última costela e subir com os dedos até 
encontrar a vertebra lombar 
 Sente-se dois processos denominados de apófises 
espinhosa e transversa 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
Escore 1 
 Vacas muito magras com profunda 
cavidade na região de inserção da cauda e costel as 
 Ossos pélvicos pronunciados e facilmente 
palpáveis 
 Profunda depressão na região do lombo, devido a 
ausência de tecido gorduroso na pélvis ou na área do 
lombo 
 
Escore 2 
 
 
 
 
 
 
 Vacas magras 
 Caracterizado por cavidade rasa ao redor da inserção da cauda; 
 Pélvis facilmente palpável; 
 Extremidades das costelas posteriores arredondadas, e depressão visível na área do 
lombo 
Escore 3 
 Vacas em estado corporal intermediário 
 Caracterizado por ausência de cavidade na 
inserção da cauda (presença de gordura); 
 Pélvis palpável com ligeira pressão, camada de 
tecido sobre a parte 
superior das costelas, 
sentidas sob pressão, e ligeira depressão no lombo 
 
 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
Escore 4 
 Vacas gordas 
 Caracterizado por pregas de gordura na inserção 
da cauda e pequenas 
porções de gordura 
sobre os ísquios. 
 Pélvis sentida somente com pressão firme, costelas não 
palpáveis e ausência de depressão no lombo 
 
Escore 5 
 Vacas muito gordas 
 Inserção da cauda em camada espessa de 
tecido adiposo 
 Ossos pélvicos não mais palpáveis, nem 
mesmo com pressão firme, e costelas cobertas por 
espessa camada de tecido gorduroso 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
Resumindo... 
 
 
 
 
 
DAVILLANNE VALENTIM – ESTUDANTE DE MEDICINA VETERINÁRIA 
 
Escore de Condição Corporal 
ECC em Caprinos 
Capra hircus – avaliação do escore é feita pela região do esterno 
Extremamente magros 
 (ECC = 1) 
• Todas as vertebras lombares podem ser sentidas facilmente; –Ossos individuais agudos. 
• A cavidade da zona esternal não está preenchida de gordura: –Alta facilidade para sentir 
o esterno; –Há grande mobilidade entre o tecido subcutâneo e a pele. 
Magros 
 (ECC = 2) 
• As apófises transversas e as apófises espinhais são salientes. – Ossos individuais pouco 
arredondado 
• As cavidades dos espaços entre as apófises transversas são palpáveis sem pressão. – A 
pele determina uma linha côncava entre os pontos da apófise. 
• A cavidade da zona esternal está preenchida com uma pequena deposição de gordura 
Ideal (Intermediário 
 (ECC = 3) 
• As apófises transversas e as apófises espinhais são arredondados; 
• A pele determina uma linha reta entre os pontos das apófises, mas as apófises espinhais 
são bem detectáveis. 
• As cavidades