A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Simulado AV1 - Direito do Consumidor

Pré-visualização | Página 1 de 2

Disc.: DIREITO DO CONSUMIDOR   
	Aluno(a): MICHEL ANDERSON DE SOUZA MAIA
	201808323319
	Acertos: 10,0 de 10,0
	02/05/2021
		1a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	A Constituição menciona que o Estado promoverá a defesa do consumidor. Quando o poder constituinte originário faz tal afirmação significa dizer que:
		
	
	não há que se falar em dever do Estado uma vez que o Direito do Consumidor regula as relações de direito privado
	
	assim como tantos outros direitos mencionados na Constituição sua aplicabilidade ou não caberia ao apelo social, não passando de mera faculdade do Estado
	
	mesmo com a determinação da Constituição, não se pode esquecer que o Estado é soberano, logo, não há que se falar em dever.
	 
	não é uma mera faculdade e sim um dever do Estado
	Respondido em 02/05/2021 22:54:44
	
		2a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	No âmbito do Código de Defesa do Consumidor, em relação ao princípio da boa-fé objetiva, é correto afirmar que
		
	
	não se aplica à fase pré-contratual.
	
	para a caracterização de sua violação imprescindível se faz a análise do caráter volitivo das partes.
	
	sua aplicação se restringe aos contratos de consumo.
	 
	importa em reconhecimento de um direito a cumprir em favor do titular passivo da obrigação.
	Respondido em 02/05/2021 22:56:44
	
		3a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	Quando o Código de Defesa do Consumidor trata do conceito de consumidor em seu art. 2° é incorreto dizer com relação ao tema que:
		
	 
	O STJ adota a teoria maximalista para conceituar consumidor.
	
	O STJ adota a teoria finalista para conceituar consumidor.
	
	A teoria maximalista amplia o conceito de consumidor
	
	A teoria finalista restringe o conceito de consumidor.
	Respondido em 02/05/2021 23:29:47
	
		4a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	No tocante a garantia legal e complementar dispõe o CDC
		
	 
	A garantia contratual é complementar a garantia legal
	
	A garantia legal é complementar a contratual
	
	A garantia contratual e a legal são direitos básicos do consumidor
	
	A garantia contratual está inserida na garantia legal
	Respondido em 02/05/2021 23:32:05
	
	Explicação:
A  garantia contratual é complementar à garantia legal e não é obrigatória. O fornecedor pode fornecê-la ou não. Caso o faça, ela deve ser dada por escrito (termo de garantia) ao consumidor no momento da compra.
	
		5a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	Recentemente, chegou a ser retirado do ar um comercial no qual um conhecido cantor fazia comentários depreciativos acerca da boa forma física de uma mulher. Na época, essa publicidade foi considerada
		
	
	Enganosa
	
	De mau gosto
	
	Engraçada
	
	Clandestina
	 
	Abusiva
	Respondido em 02/05/2021 23:32:37
	
	Explicação:
É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.
É abusiva , dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança.
	
		6a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	Quando o magistrado entende que o consumidor é hipossuficiente em processo judicial e determina que cabe ao fornecedor a prova de que não foi causador da lesão alegada pelo autor da demanda reparatória, estamos diante de um exemplo do instituto de:
		
	 
	Inversão do ônus das provas.
	
	Prova do fato impeditivo do direito.
	
	Responsabilidade probatória clássica.
	
	Equivalência das provas.
	
	Impossibilidade de prova.
	Respondido em 02/05/2021 23:34:44
	
	Explicação:
Item B.
Explicação: Art. 6º - São direitos básicos do consumidor: [...] VIII- a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do Juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiência.
	
		7a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	Ao consumidor adquirente de produto de consumo durável ou não durável que apresente vício de qualidade ou quantidade que o torne impróprio ou inadequado ao consumo a que se destina, não sendo o vício sanado no prazo de 30 dias, assegura-se:
		
	
	NRA
	
	o abatimento de até 50% do valor pago, em razão do vício apresentado e do inconveniente causado pela aquisição de produto defeituoso.
	 
	convencionar com o fornecedor um prazo maior que 30 dias para que o vício seja sanado.
	
	a imediata restituição do valor pago, atualizado monetariamente, não cabendo indenização.
	
	a substituição imediata do produto por outro de qualquer espécie, em perfeitas condições de uso.
	Respondido em 02/05/2021 23:39:06
	
	Explicação:
Item D - convencionar com o fornecedor um prazo maior que 30 dias para que o vício seja sanado.
Explicação - 
Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com a indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas.
§ 1º Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso;
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço.
§ 2º Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do consumidor.
§ 3º O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1º deste artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto, diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.
§ 4º Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1º deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos incisos II e III do § 1º deste artigo.
§ 5º No caso de fornecimento de produtos in natura, será responsável perante o consumidor o fornecedor imediato, exceto quando identificado claramente seu produtor.
§ 6º São impróprios ao uso e consumo:
I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;
II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados, corrompidos, fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos ou, ainda, aqueles em desacordo com as normas regulamentares de fabricação, distribuição ou apresentação;
III - os produtos que, por qualquer motivo, se revelem inadequados ao fim a que se destinam. 
	
		8a
          Questão
	Acerto: 1,0  / 1,0
	
	Quando a contratação ocorre por site da internet, o consumidor pode desistir da compra?
		
	
	Não. Quando a compra é feita pela internet, o consumidor é obrigado a ficar com o produto, a menos que ele apresente vício. Só nessa hipótese o consumidor pode desistir.
	
	Não. O direito de