A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Tecido Conjuntivo (Cap. 5 - Junqueira e Carneiro 13ª ed.)

Pré-visualização | Página 1 de 3

Eduarda Lima (UFCA – T31) 
 
Tecido Conjuntivo 
- São responsáveis pelo estabelecimento e pela 
manutenção da forma do corpo, sendo também 
importantes em papéis biológicos; 
- Originam-se do mesênquima, tecido embrionário 
formado por células alongadas, as células mesenquimais 
(o mesênquima origina-se principalmente do mesoderma); 
- Este papel mecânico é determinado por um conjunto de 
moléculas (matriz extracelular) que conecta as células e 
os órgãos, dando suporte aos tecidos, órgãos e ao corpo 
como um todo; 
- Seu principal componente não é células e sim a MEC, as 
fibras e a substância fundamental; 
 Consiste em diferentes combinações de proteínas 
fibrosas e em um conjunto de macromoléculas hidrofílicas 
e adesivas, as quais constituem a substância fundamental. 
- Substância fundamental: Complexo viscoso e altamente 
hidrofílico de macromoléculas aniônicas 
(glicosaminoglicanos (GAG) e proteoglicanos) e 
glicoproteínas multiadesivas (laminina, fibronectina etc.) 
encontradas na superfície de células e em outros 
componentes da matriz; 
- As fibras compostas predominantemente pela proteína 
colágeno, constituem os tendões, aponeuroses, cápsulas 
de órgãos e membranas que envolvem o SNC (meninges). 
Também compõe as trabéculas e pares que existem nos 
órgãos, formando o componente mais resistente do 
estroma (tec. de sustentação). Oferece resistência ou 
elasticidade aos tecidos. 
 
Células do Tecido Conjuntivo 
- De maneira geral, algumas células desse tecido como os 
fibroblastos, têm origem localmente a partir de células 
mesenquimais indiferenciadas; 
- Outras como mastócitos, macrófagos e plasmócitos, 
originam-se de células-tronco hemocitopoéticas da 
medula óssea, circulam no sangue e se movem para o 
conjuntivo, onde executam suas funções. 
- Os leucócitos também se originam na medula óssea, 
migram para o conjuntivo, onde residem por poucos dias; 
 
 
 Fibroblastos 
- Células mais comuns do conjuntivo e são capazes de 
modular sua capacidade metabólica, refletindo na sua 
morfologia; 
- Sintetizam a proteína colágeno e a elastina, além de 
GAGs, proteoglicanos e glicoproteínas multiadesivas que 
farão parte da MEC. 
- Produzem os fatores de crescimentos, que controlam 
a proliferação e a diferenciação celular; 
- Com intensa atividade de síntese: FIBROBLASTOS; 
Metabolicamente em repouso (quiescente): FIBRÓCITOS; 
- Os fibroblastos raramente se dividem em indivíduos 
adultos, exceto quando o organismo requer fibroblastos 
Eduarda Lima (UFCA – T31) 
 
adicionais, como, por exemplo, durante um processo de 
cicatrização de uma ferida. 
OBS.: A capacidade de regeneração dos tecidos 
conjuntivos é observada quando eles são destruídos 
por lesões inflamatórias ou traumáticas. Nesses 
casos, os espaços deixados pela lesão em tecidos 
cujas células não são capazes de se regenerar (ex: 
músculo cardíaco) são preenchidos por uma cicatriz 
de tecido conjuntivo. Assim, a cicatrização de 
incisões cirúrgicas depende da capacidade de o 
tecido conjuntivo se regenerar. A principal célula 
envolvida na cicatrização é o fibroblasto. Quando 
estimulados adequadamente, como durante a 
cicatrização, os fibrócitos revertem-se para o estado 
de fibroblastos, e sua capacidade de síntese é 
reativada. Durante o processo de reparação de 
feridas, observam-se células conhecidas como 
miofibroblastos. Elas reúnem a maioria das 
características dos fibroblastos, mas contêm maior 
quantidade de filamentos de actina e de miosina 
(proteínas do citoesqueleto) e se comportam como 
células musculares lisas. Sua atividade contrátil é 
responsável pelo fechamento das feridas após as 
lesões, processo conhecido como contração da 
ferida. 
 
 Macrófagos 
- Características morfológicas muito variáveis, que 
dependem de seu estado de atividade funcional e do 
tecido que habitam; 
- Atuam como elementos de defesa e reparo; 
- Deriva de células precursoras da medula óssea, as quais 
se dividem produzindo os monócitos (circulam no sangue). 
Depois, eles cruzam as paredes de vênulas pericíticas e 
capilares, e penetram no tecido conjuntivo, 
amadurecendo e adquirindo as características de 
macrófagos; 
- O processo de transformação de monócito-macrófago 
resulta em aumento no tamanho da célula e na síntese 
de proteína; 
- Logo, monócitos e macrófagos são as mesmas células 
em diferentes estágios de maturação; 
- Os macrófagos dos tecidos podem proliferar 
localmente, produzindo novas células; 
- Quando corantes vitais (ex: azul tripan) são injetados 
em animais, eles os fagocitam e acumulam o corante em 
grânulos ou vacúolos citoplasmáticos visíveis ao 
microscópio de luz; 
- Já no microscópio eletrônico, eles são caracterizados 
por apresentarem superfície irregular com protusões e 
reentrâncias, o que define sua grande atividade de 
pinocitose e fagocitose; 
- Os macrófagos estão distribuídos na maioria dos órgãos 
formando o SISTEMA FAGOCITÁRIO MONONUCLEAR; 
- São células de vida longa, podendo sobreviver por meses 
nos tecidos; 
OBS.: Em algumas regiões recebe nome especiais: 
Fígado – células de Kupffer; SNC – micróglia; Pele – 
células de Langerhans; Técido ósseo – osteoclastos. 
 
 
 
 Mastócitos 
- Distribuído por todo o corpo, mas são mais abundantes 
na derme e nos sistemas digestório e respiratório; 
- Sua principal função é estocar, em seus grânulos 
secretores, mediadores químicos da resposta 
inflamatória, como a histamina, que promove aumento da 
Eduarda Lima (UFCA – T31) 
 
permeabilidade vascular, e os GAG sulfatados, como a 
heparina; 
- Também colabora com as reações imunes, tendo papel 
fundamental em inflamação, reações alérgicas e 
infestações parasitárias; 
- Existem pelo menos duas populações de mastócitos no 
tecido conjuntivo (morfologicamente semelhantes. Um 
tipo é o mastócito do tecido conjuntivo, encontrado na 
pele e na cavidade peritoneal. O outro tipo é o mastócito 
da mucosa, encontrado na mucosa intestinal e pulmões; 
- Embora sejam parecidas com os leucócitos basófilos, os 
mastócitos têm origem de uma células-tronco diferente; 
- Originam-se de células hematopoéticas (produtoras de 
sangue) situadas na medula óssea. Esses mastócitos 
imaturos circulam no sangue, cruzam a parede de vênulas 
e capilares e penetram os tecidos, onde vão proliferar e 
se diferenciar; 
- A liberação de mediadores químicos armazenados por 
eles promove reações alérgicas denominadas reações de 
hipersensibilidade imediata; 
 
 Plasmócitos 
- Células grande e ovoides, pouco numerosas no tecido 
conjuntivo normal, exceto nos locais sujeitos à 
penetração de bactérias e proteínas estranhas, como a 
mucosa intestinal; 
- Abundantes nas inflamações crônicas, em que 
predominam plasmócitos, linfócitos e macrófagos; 
- Derivadas dos linfócitos B e responsáveis pela síntese 
de anticorpos; 
 
 Leucócitos 
- Mesmo em situação normal, os tecidos conjuntivos 
contêm leucócitos (glóbulos brancos), que migram do 
sangue através de capilares e vênulas pós-capilares, por 
um processo chamado diapedese; 
- Esse processo aumenta muito durantes as invasões 
locais de microrganismos, já que os leucócitos são células 
especializadas na defesa contra microrganismos 
agressores; 
- A inflamação (reação celular e vascular contra subst. 
estranhas, na maioria dos casos bactérias ou substâncias 
químicas irritantes) se inicia com uma liberação local de 
mediadores químicos da inflamação, substâncias de 
diferentes origens que induzem alguns eventos, como, 
aumento do fluxo sanguíneo e permeabilidade vascular, 
quimiotaxia e fagocitose; 
- Os leucócitos não retornam ao sangue depois de terem 
residido no tecido conjuntivo, com exceção dos linfócitos, 
que circulam continuamente em vários compartimentos 
do corpo; 
 
 Células Adiposas 
- São células do tec. conjuntivo que se tornaram 
especializadas no armazenamento de energia na forma 
de triglicerídeos (gorduras neutras); 
 
Fibras do Tecido Conjuntivo 
- São formadas por proteínas que se polimerizam,