A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Câncer do colo do útero

Pré-visualização | Página 1 de 1

Bruna Magbis- Fisio 98
Patologias do trato genital inferior
(PTGI)
 Patologia cervical: patologia do colo do útero.
É a patologia mais prevalente do nosso meio, o que não é bom, já que a maioria das doenças no colo do útero, incluindo o câncer de colo do útero são altamente preveníveis, o que falta é orientação, prevenção e acesso a isso.
O câncer do colo do útero é um dos tipos de câncer que tem a maior taxa de cura, desde que você descubra numa fase precoce, o problema é que esse exame e as medidas profiláticas (que seriam as medidas preventivas, como uso do preservativo e a imunização do HPV-vacina) são pouco disseminados.
A segunda medida importante para conter o número de casos do câncer do
colo do útero, seria o exame preventivo, chamado também de Papanicolau ou pelo seu termo técnico exame citopatológico, que seria a análise citológica do colo e da vagina a partir da coleta das células que se descamaram.
Como o exame é procedido: O profissional em saúde vai colocar o bico de pato no canal vaginal e com uma espátula vai no colo do útero e retira uma amostra de células e em seguida leva para análise.
Prevenção primária- uso do preservativo e vacina. Prevenção secundária- exame preventivo.
A imunização contra o HPV não é passaporte para promiscuidade sexual, então o incentivo a vacinação é extremamente importante. A vacina é distribuída gratuitamente e indicada para meninos e meninas de 9 a 13 anos, também é indicada para os meninos porque esses são vetores assintomáticos do HPV e o HPV (papiloma vírus humano) é o principal fator ligado a gênese do câncer de colo do útero, câncer de colo sem HPV não faz sentido.
Na imagem a seguir nós temos:
1. Orificio cervical externo
2. Epitelio colunar ou cilidrico (parte mais central e avermelhada, esta na endocérvice, no canal do colo).
Porque estamos vendo ele pelo orifício externo? Porque a mulher na idade fértil produz estrogênio que hidrata e prolifera esse epitélio e conquentemente ele fica mais evidente. Se eu pegar uma mulher que ainda não menstruou ou que esta na menopausa, eu não vou ver esse epitélio. As vezes ao fazer o exame preventivo aparece uma manchinha, mas essa manchinha pode ser o epitélio escamoso se transformando em colunar. Epitélio escamoso estratificado não queratinizado.
3.Junçao escamo-colunar (JEC). Na menopausa, o epitelio escamoso volta a recobrir o colunar pela diminuiçao de estrogenio e a JEC vai se aproximando
do orifício cervical externo, esse fenomeno recebe o nome de metaplasia escamosa.
4. Zona de transformação (quando o epitelio escamoso já recobriu todo o epitelio colunar) É nessa regiao que o HPV se fixa, pois está tento grande diferenciação celular (as celulas estao ´trocando` de epitelio)
5.Ectrópio ou mácula rubra (zona avermelhada) Quando a mácula rubra
está grande demais a paciente pode recorrer a cauterizaçao dessa região para diminuir a área e evitar infeções genitais, pois o trato genital é logo a cima.
6.Cistos de inclusao ou cistos de Naboth (não é doença, é decorrente do processo de metaplasia escamosa.)
 O HPV possui varios tipos: 16, 18, 31,33, 45, 54, 6 e 11. Por quando
uma pessoa faz o exame para o HPV e dá positivo ainda é importante se vacinar, porque ela entrou em contato com um desses tipos, não com todos!
Fatores de risco
 Coitarca precoce
 Muitos parceiros sexuais
 IST´s
	Pílulas combinadas (Ao tomar pílula a mulher se previne da gravidez e ignora a prevenção de doenças, já que para de usar os preservativos, então o problema não seria a pílula, e sim a falta do preservativo)
 Deficiência de vitamina A
 Tabagismo
 Imunodeficiência
 Multiparidade
Oque devemos fazer?
 Mobilizar mulheres para realizar o exame
 Profissionais treinados para coleta do material
 Incentivar uso do preservativo
Condições de sucesso para rastreio:
	Busca ativa dos casos positivo: 40% das mulheres que realizam o exame não retornam para buscar o resultado.
	Serviços de referência para tratamento dos casos de maior complexidade.
	Cobertura do programa: acima de 80%, para a qual estima-se uma redução da mortalidade de 50%.
	No Brasil há 6.5 milhões de mulheres que nunca realizaram o preventivo devido ao difícil acesso.
	O tempo de evolução da doença é longo, 10 anos, quando sai de uma condição pré metaplásica para uma condição metaplásica.
 Quando deve ser feito o exame (rastreamento)?
A partir de partir de 25 anos (antes em casos individualizados)
 Qual a periodicidade do exame? Uma vez por ano. Após dois exames anuais consecutivos negativos, repetir a cada 3 anos.
 Até quando fazer?
Até os 65 anos de idade, se paciente com histórico de exames de Papanicolau inalterados e sem outras condições clínicas (imunodeficiência)
Orientações para quem vai fazer o exame preventivo:
	Evitar nas 48hs antes do exame: utilizar duchas ou medicamentos vaginais (espermicida ou anel vaginal), realizar exames intravaginais como ultrassonografia ou manter relações sexuais.
 Não utilizar cremes vaginais 7 dias antes do exame.
 Não realizar o exame no período de sangramento menstrual. Obs: o álcool é o agente fixador do material que vai para análise.
Se eu faço o preventivo e deu alteração celular ligadas ao HPV, a paciente está tendo atividade viral.
NIC: neoplasia intraepitelial cervical, lesão precursora do câncer. Se eu ver que há a NIC, eu completo meu exame com colposcopia para ter certeza do resultado da citologia (preventivo), dependendo do resultado da colposcopia,
eu posso refazer o exame em 6 meses.
 Mulheres virgens: o exame não deve ser realizado de rotina. Considerar a realização do exame na presença de condilomatose vaginal, perineal ou perianal. O exame não é realizado com o espectro, só é utilizado uma escova passando pelo orifício vaginal.
 Mulheres submetidas à histerectomia (HT): se for HT por doença benigna e exames anteriores normais, podem ser excluídas do rastreamento, se for HT por lesão precursora ou câncer de colo, acompanhamento de acordo com a lesão tratada.
 Gestantes: deve fazer, porem preferencialmente no segundo trimestre. A coleta endocervical pode ser feita com cautela. Proscrito nos casos de ameaça de abortamento e placenta prévia.
 Puérperas: recomendável aguardar pelo menos 2/3 meses de pós-parto, porque a pró-lactina deixa o trato vaginal ressecado.