A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
Alimentos e Alimentação

Pré-visualização | Página 3 de 4

peixe 250 UI/g
VITAMINAS:
LIPOSSOLÚVEIS
UI = 0,344 mcg
Vitamina D
•Vit.D2 (ergocalciferol): pouco encontrada na natureza,
mas quando encontrada, se transforma em vit. D na
própria planta através dos raios UV;
•Vit.D3 (colecalciferol): comum nas plantas e
transformam-se em vit.D no corpo do animal.
Como? Com a ajuda do colesterol, o 7-dihidrocolesterol é
levado para as gld. sebáceas e através dos raios UV, o
calciferol une-se ao 7-dihidrocolesterol formando a vit.D.
Alimentos e Alimentação
Teores nos alimentos:
•Forragens pobres 13 UI/100g
•Cereais 3 UI/100g
•Vit.D sintética 
•Óleos de pescados 4000 UI/100g
VITAMINAS:
LIPOSSOLÚVEIS
Vitamina E
•Antioxidante: reduz a oxidação das gorduras e previne
a deposição de gorduras nas artérias;
•Ruminantes possuem o requerimento baixo (exceto
animais com balanço energético negativo);
•Não ruminantes possuem alto requerimento,
principalmente na fase de terminação;
•O requerimento também depende do tipo de categoria
(neonato, engorda) e do tipo de dieta;
•Os precursores são: Tocoferol-alfa, Tocoferol-beta,
Tocoferol-gama, Tocoferol-sigma.
Alimentos e Alimentação
Fontes:
•Forragens verdes
•Soja
VITAMINAS:
LIPOSSOLÚVEIS
Vitamina K
•Vit.K (Filoquinona) é encontrada nos alimentos;
•Vit.K (Menaquinona) sintetizada no rúmen pela
microbiota ruminal;
•Importante na regulação da coagulação sanguínea.
Como? Responsável por gerar a protombina que se une
ao cálcio gerando a trombina, que gera o fibrogênio
(que origina a liberina), a liberina dá origem ao
coágulo.
Alimentos e Alimentação
Fontes:
•Forragens verdes
•Grãos
•Soja
VITAMINAS:
LIPOSSOLÚVEIS
•Para os ruminantes, não é necessário suplementação,
pois eles sintetizam;
•B1 (tiamina) possui altos teores em grãos, mas baixos
teores em forragens e subprodutos de origem animal;
•B2 (rivoflavina) requerimento de 1,5 a 4mg/kg
(felinos, frangos e suínos, respectivamente); 
•B3 (niacina) requerimento para não ruminantes de 5
a 12mg/kg;
•B6 (piritoxina) requerimento varia de 1 a 4mg/kg;
•B12 (cobalamina) requerimento de 3 a 30ppm.
Vitaminas do
Complexo B
Alimentos e Alimentação
Fontes:
•Grãos: B1, B3 e B6
•Forragens: B2, B3, B6
•Subproduto de origem animal: B2, B3, B6, B12
•Derivados de peixe: B12
VITAMINAS:
LHIDROSSOL
•Ácido ascórbico;
•Ajuda a proteger as células contra os efeitos dos
radicais livres;
•Importante na formação de colágeno e cartilagem dos
ossos;
•Requerimento varia de 3 a 100mg/Kg
Vitamina C
Alimentos e Alimentação
Fontes:
•Grãos 7 a 30mg/kg
•Forragens
VITAMINAS:
HIDROSSOLÚVEIS
Alteração e adequação do tamanho das partículas;
Aumentar a disponibilidade de alimento;
Melhorar a digestibilidade;
Inativar ou eliminar substâncias tóxicas;
melhorar a palatabilidade;
Elevar o tempo de armazenamento;
Facilidade na preparação de rações; 
Isolamento de partes expressivas dos grãos.
Finalidade do processamento:
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
 
Alimentos e Alimentação
OBTENÇÃO E PROCESSAMENTO
DE ALIMENTOS
Alguns subprodutos obtidos a partir do processamento:
 
•Soja: 
- farelo de soja com casca;
- farelo de soja sem casca;
- resto de cultura de soja;
- varredura da soja.
 
•Milho:
- farelo de glúten 21;
- farelo de glúten 60;
- farelo de gérmen do milho.
•Carcaça de animais:
- farinha de sangue;
- farinha integral de peixe;
- banha;
- farinha de pena hidrolisada;
- farinha de vísceras;
- farinha de ossos.
 
Moagem e trituração
 
-moinhos de martelo;
-mudar características físicas reduzindo o tamanho das
partículas;
-melhora o processo de mistura da ração, também a
disponibilidade de nutrientes, ficando mais acessível;
-aumenta superfície de contato;
-melhora o processo de peletização e extrusão;
-rompe as camadas protetoras dos grãos.
 
moagem (maior), trituração (menor)
ex.: quebra da película do milho, quebra do caroço de
algodão. 
Alimentos e Alimentação
PROCESSAMENTO 
Tostagem
 
-grãos colocados em um cilindro gigantesco (aplicado
vapor +/- 150°C) por 1min;
-Reação de Mallard: complexação de aminoácido +
carboidratos, as proteínas ficam indigestivas;
-a tostagem pode ser a vapor (a umidade melhora a
digestão) ou a seco. 
 
Laminação à seco
 
-grão na forma de gilete;
-prensagem do grão através do rolo;
-quanto mais rápido, menor o esmagamento;
-melhora a digestibilidade de nutrientes;
-expõe a parte mais digestível para a ação das enzimas,
destrói a parte física do amido;
-grãos que são ricos em óleo só são laminados após a
extração.
Alimentos e Alimentação
PROCESSAMENTO 
 Laminação à vapor
 
-grãos sofrem uma aplicação de vapor (120 a 150°C por
4 minutos), um pré-cozimento antes de passar pelo rolo;
-a lâmina fica mais perfeita, mais leve;
-aumenta a digestibilidade;
-entretanto alguns nutrientes acabam se perdendo;
-amido, celulose e hemicelulose tornam-se mais
disponíveis.
 
 
Extrusão
 
-grãos forçados sob pressão a passar por um cilindro;
-no cilindro, há fricção elevando a temperatura, que
pode chegar até 90°C, melhorando a disponibilidade de
nutrientes;
-podendo acabar com princípios tóxicos. 
Alimentos e Alimentação
PROCESSAMENTO 
 Floculação
 
-em um cilindro é aplicado vapor até a umidade chegar
a 18%, isso sobre temperatura (120-150°C), por 12 a 20
minutos;
-o grão fica pré-cozido;
-o grão passa por um rolo de compressagem e fica
floculado;
-eleva a digestibilidade, principalmente os ricos em
amigo que eleva a disponibilidade de energia.
 
 
Peletização
 
-promove uma homogeneização dos nutrientes, além de
evitar perdas;
-vapor sobre grãos ou ração (100°C por 1min), pré-
umedece;
-os grãos passam por rolos compressores que os
pressionam contra os orifícios (peneiras) que dão
formato ao pelete.
Alimentos e Alimentação
PROCESSAMENTO 
 Secagem
 
-conservação (todo tipo de alimento);
-teores de umidade abaixo de 13%;
-natural ou industrial.
 
 
Cocção sob pressão
 
-geralmente com produtos de origem animal;
-cilindro grande onde entra resíduos (carne/ossos/carne
+ossos);
-e é jogado vapor (150°C) por 1 ou 2h, acabando com os
micro organismos;
-o produto sai, é seco e após isso, há a moagem, gerando
o produto final.
Alimentos e Alimentação
Soja:
-resto de cultivo de soja, grãos murchos e
quebradiços, vagem, resto de palha;
-varredura da soja: limpeza da soja das
partículas que é limpa dos maquinários;
-farelo de soja: após a extração do óleo. 
PROCESSAMENTO 
Milho:
 
 
•Farelo de gérmen:
-bastante utilizado na alimentação de não ruminantes;
-tem na sua composição tegumentos (corrente de amido)
e pequenas partículas de glúten;
-é de ótima qualidade, obtido do processamento
industrial do milho e para farinha de milho;
 
•Farelo de glúten de milho 21:
-parte externa do grão é formado pelo gérmen e glúten,
além do subproduto da indústria do xarope de amido;
-não é muito palatável;
 
•Farelo de glúten de milho 60:
-obtido a partir do processamento da maisena e o
gérmen é concentrado;
 
 
Todos os 3 são bastante utilizados na dieta de não
ruminantes. 
 
Alimentos e Alimentação
PROCESSAMENTO 
Alimentos e Alimentação
Materiais triturados em partículas <5cm;
Esterilização a 130°C e pressão de 3ba por 20min;
Quebrador de ossos (se tiver ossos);
Digestor onde recebe um cozimento a 150°C sob pressão,
na parte superior tem uma abertura para saída de
gases;
Prensa, onde o óleo é extraído;
Moinho 
Produto final: farinha. 
Farinha de carne/ossos:
 
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
 
FLUXOGRAMAS:
Hidrólise, vai acontecer o cozimento por pressão e
vapor de água quente em uma temperatura de 130°C
por 35min com 2kgF/cm² de pressão;
Pré-secagem sem vapor por 2 minutos com 150°C;
Percolação (separação do óleo);
Secador I (aquece a 120°C para sair a umidade);
Secador II (aquece a 100°C, já sai seco);
Moinho de martelos:
Produto final: farinha.
Farinha de penas:
 
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
 
Alimentos e Alimentação
Digestor em forma de cilindro, onde é aquecido a 110°C
através do vapor de água por 1:30h (são adicionados
antioxidantes);
Caixa perculadora para retirar a gordura e onde vai ser
armazenado o óleo em um depósito;
Óleo é centrifugado

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.