A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Termos, Classificação e avaliação dos alimentos, Métodos de avaliação da composição - NUTRIÇÃO ANIMAL 1

Pré-visualização | Página 1 de 5

NUTRIÇÃO ANIMAL 
 
 
Produtividade animal depende: 
Aproveitamento dos nutrientes ingeridos (alimentação), 
Sanidade, Manejo, Potencial genético. 
 
 
 
Nutrição: Ciência que estuda fenômenos bioquímicos e 
fisiológicos mediante os quais os alimentos ingeridos 
pelos animais são digeridos e os produtos de digestão 
são absorvidos e metabolizados para atender suas 
exigências de mantença e produção. 
 
Alimentação: É um ramo da nutrição que estuda os 
alimentos e os nutrientes que estes contém. Envolve 
escolha, preparo e fornecimento do alimento ao animal. 
Ato ou efeito de alimentar-se. 
 
Alimento: É todo ingrediente presente na dieta ou 
substâncias que podem ser ingeridas, parcialmente ou 
totalmente digeridas e assimiladas constituídas por 
produtos de origem animal, vegetal, de subprodutos 
preparados a partir destes, e também de substâncias 
sintéticas usadas para suplementar os alimentos 
naturais, contribuindo para a manutenção e produção 
dos animais. É todo o material normalmente consumido 
pelos animais e que fornece nutrientes. 
 
Os alimentos não têm a mesma composição, logo não 
são iguais. Os alimentos não são completos, logo sempre 
há falta ou excesso de algum princípio. Exceção se faz 
para o leite, que atende os requerimentos do lactante 
na fase inicial embora apresente certa deficiência em 
ferro, e do ovo que atende as necessidades do pinto 
quando embrião. 
*Quanto maior a conversão alimentar, pior. 
 
Nutrientes: Constituintes dos alimentos, de igual ou 
semelhante composição química que auxiliam na 
manutenção da vida e produção. São compostos 
químicos ou grupos de compostos que sendo ingeridos 
com os alimentos podem ser aproveitados no organismo 
preenchendo alguma função nutricional. São utilizados 
na síntese de compostos no organismo animal ou 
queimados para a produção de energia. 
 
Nutriente digestível: É a fração possível de ser digerida 
pelo animal, ou seja, a fração que não é eliminada nas 
fezes. Alimentos com mesma composição bruta (ex. PB), 
mas com coeficientes de digestibilidade distintos terão 
aproveitamento diferente (PD). Ex.: proteína digestível, 
gordura digestível. 
 
Nutriente digestível total: É uma das formas de 
expressar a concentração energética dos alimentos e 
representa o somatório das frações orgânicas 
digestíveis, fazendo-se a correção para a fração gordura, 
isto é, %NDT = proteína digestível + fibra digestível + 
extrativo não nitrogenado digestível + (gordura 
digestível x 2,25). Normalmente encontra-se expresso 
em porcentagem. 
%NDT = PD + FD + ENND + (EED X 2,25) 
Gordura libera 9 kcal EB/g enquanto PB, FB, ENN liberam 
4 kcal/g. 
 
Degradabilidade ruminal: Estima o desaparecimento do 
substrato (alimento). Seja por degradação microbiana, 
hidrólise ou simples solubilização. Quanto do alimento 
foi degradado no rúmen. Quantidade de alimentos que 
se disponibilizam para o ambiente ruminal. Importante: 
nutrição do animal e também dos microrganismos do 
rúmen. 
 
Digestibilidade: É a fração do alimento aparentemente 
aproveitada pelo animal, ou seja, a diferença entre a 
quantidade ingerida e a excretada. Este parâmetro pode 
ser determinado através de ensaios de digestibilidade 
“in vivo” ou estimado através de técnicas laboratoriais. 
 
Ração: É o total de alimento que um animal recebe em 
24 horas. Mistura composta por ingredientes e aditivos, 
destinada à alimentação do animal de produção, que 
constitua um produto de pronto fornecimento e capaz 
de atender às exigências nutricionais dos animais a que 
se destine. 
Dieta: É a enumeração dos alimentos que o animal 
ingere. Constituintes que compõem a ração. 
Ração balanceada: Deve conter todos os nutrientes 
exigidos pelo animal para satisfazer as exigências de 
acordo com raça, sexo, idade, fisiologia, produção, 
objetivo.. 
 
Refeição: é a parte da ração distribuída e consumida de 
cada vez. > nº refeições, > eficiência utilização 
 
Granulometria: Usada para caracterizar o tamanho dos 
grânulos de um produto moído. Sua importância está no 
tamanho das partículas, assim como a sua uniformidade 
(devem ser o mais indicado para mistura e para 
consumo). É avaliada pelo diâmetro geométrico médio 
(DGM), em milímetros ou mícrons. 
De acordo com a peneira do moinho, a granulometria 
pode variar de muito fina a muito grossa, mas esta 
forma de classificação pode ser considerada falha por 
não permitir a identificação da peneira ou 
granulometria. Fatores como a abertura dos furos da 
peneira, área de abertura da mesma, potência do motor, 
número e distância entre os martelos e a peneira, vazão 
de moagem, teor de umidade dos grãos e desgaste do 
moinho podem alterar a granulometria final. 
 
DGM (diâmetro geométrico médio) µm 
 
 
NORMAS OU TABELAS DE ALIMENTAÇÃO 
São guias para a correta formulação de rações. 
Descrevem quantidades de nutrientes e energia que 
devem ser incluídos nas rações para atender as 
exigências de acordo com a espécie animal, categoria, 
nível de produção, sexo, idade, peso vivo, ambiente. 
Apresentam também a composição dos alimentos. 
 
Exigências nutricionais 
São especificações das quantidades de nutrientes que 
devem ser incluídos nas rações de acordo com: espécie 
animal, categoria, sexo, peso vivo, condição corporal, 
propósito de ganho, ambiente de criação, idade, nível de 
produção.... 
Valores de tabelas provenientes de trabalhos de 
pesquisa. Exemplo, diferenças não-ruminantes e 
ruminantes devido à: Síntese proteína microbiana à 
partir proteína ou outras fontes N, Síntese proteínas 
complexo B e K, Melhor aproveitamento CHO estruturais 
e hemicelulose, Não ruminantes exigência em 
aminoácidos digestíveis. 
 
Importância da ração balanceada: estimar as exigências 
nutricionais do animal para promover um melhor 
balanço de nutrientes. 
Levantar e quantificar os alimentos já disponíveis, 
passando depois para o cálculo de nutrientes fornecidos. 
Relacionar a composição química e o valor energético 
dos alimentos a serem utilizados. 
Proceder com o balanceamento da ração para atender 
às exigências do animal e garantir o desempenho 
esperado. 
Verificar se todas as exigências nutricionais foram 
atendidas. 
 
Classificação dos alimentos 
De acordo com utilização, composição química, registro: 
• Volumoso • Concentrado • Mineral • Vitamina • 
Aditivos 
 
Volumoso: Alimento que possui alto teor de fibra 
(>=18% FB na MS). Exemplos: feno de alfafa, campo 
nativo, silagem de milho, pastagem de aveia.. • Ex 
pastagem aveia+azevém com 3% FB e 14% MS o que 
seria 21,4% FB na MS. 
*NDT < 60%. Composição bromatológica varia com 
desenvolvimento plantas. Planta jovem em geral: 
< MS, > PB, < FB, > CHO solúveis. Escolher melhor fase. 
 
Concentrado: Alimento que possui baixo teor de fibra 
(<=18% FB na MS) e alto teor em proteína ou energia. 
*NDT >60%. Classificados como: Energéticos e Proteicos. 
 
Concentrado energético: – 18% FB na MS e – 20% PB na 
MS. Grãos cereais, subprodutos, gorduras. Exemplos: 
milho, sorgo, cevada, centeio, aveia, cevada , arroz e 
seus subprodutos. 
 
Concentrado protéico: – 18% FB na MS e > 20% PB na 
MS. Divididos em produtos de origem vegetal e de 
origem animal. Exemplos: soja, algodão, amendoim, 
girassol, farinha de carne, carne e osso, sangue, vísceras, 
peixes, penas. 
 
Suplemento mineral: composto por minerais (micro 
e/ou macro). Na forma isolada ou misturas. 
Suplemento vitamínico: composto por vitaminas. 
(suplemento é a mistura composta por ingredientes ou 
aditivos, podendo conter veículo ou excipiente que deve 
ser fornecido diretamente aos animais para melhorar o 
balanço nutricional, quando se tratar de suplementos 
minerais destinados à alimentação de ruminantes, estes 
também poderão ser indicados para diluição. 
 
 
Aditivos: Substância que é ou não nutriente mas que, 
quando acrescido à dieta, pode produzir