A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Diagnóstico de gravidez

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 Clarisse Nunes | GO | 6º período 
DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ 
O diagnóstico da gravidez pode ser: clínico, hormonal 
ou ultassonográfico 
DIAGNÓSTICO CLÍNICO 
Os sintomas da gravidez são classificados em de 
presunção, de probabilidade e de certeza 
SINAIS DE PRESUNÇÃO 
 Quatro semanas 
Amenorreia - sinal mais precoce 
 Cinco semanas 
Náuseas - primeiro trimestre da gravidez, 
acompanhada de vômitos e anorexia 
Congestão mamária – com 5 semanas as mamas 
estão congestas e doloridas; 8ª semana a aréola 
fica mais pigmentada e surgem os tubérculos de 
Montgomery; 16ª semana é produzido o colostro 
e ocorre aumento da circulação venosa (rede de 
Haller); 20ª semana surge a aréola secundária 
 Seis semanas 
Polaciúria – micção frequente de pouco volume, 
ocorre no 2º e 3º trimestre da gravidez e nas duas 
últimas semanas 
SINAIS DE PROBABILIDADE 
 Seis semanas 
Amenorreia 
Aumento do volume uterino – fora da gestação o 
órgão é intrapélvico. Com 12 semanas o útero é 
palpável logo acima da sínfise púbica 
 Oito semanas 
Alteração da consistência uterina – o útero é vazio 
e firme. Na 8ª semana adquire consistência 
cística/amolecida principalmente no istmo (SINAL 
DE HEGAR) 
Alteração do formato uterino - inicialmente cresce 
de modo assimétrico, desenvolvendo-se mais 
acentuadamente na zona de implantação. A 
sensação tátil é de abaulamento e amolecimento 
no local, sendo possível notar, eventualmente, 
sulco separando as duas regiões (SINAL DE 
PISKACEK). A partir de 8 semanas, quando a 
matriz de piriforme assume o formato globoso, o 
dedo que examina encontra-os ocupados pelo 
corpo uterino (SINAL DE NOBILE-BUDIN). Há 
percepção dos batimentos do pulso vaginal nos 
fundos de saco (SINAL DE OSIANDER) devido à 
hipertrofia do sistema vascular. O procedimento 
do toque é completado pelo exame especular. Ao 
entreabrir a vulva, destaca-se a coloração violácea 
da sua mucosa (vestíbulo e meato uretral), 
denominada SINAL DE JACQUEMIER ou de 
CHADWICK; a mesma tonalidade da mucosa 
vaginal constitui o SINAL DE KLUGE. 
 Dezesseis semanas 
Aumento do volume abdominal 
SINAIS DE CERTEZA 
São dados pela existência do feto, apresentada pelos 
batimentos cardiofetais e pela sua movimentação ativa 
a USG é capaz de rastreá-los com 7 a 8 semanas 
 Catorze semanas 
SINAL DE PUZOS – sensação de rechaço fetal ao 
impulsionar o feto com os dedos no fundo uterino 
 Dezoito semanas 
Percepção e palpação dos movimentos ativos do 
feto – inicialmente discretos, tornam-se vigorosos 
com o evoluir da gestação 
Palpação dos segmentos fetais – o volume do feto 
é maior e começa-se a palpar cabeça e membros 
 Vinte semanas 
Auscultação – identificação do BCF, mais fidedigno 
dos sinais de gravidez 
DIAGNÓSTICO HORMONAL 
É o melhor parâmetro para o diagnóstico de gravidez 
incipiente, de acordo com sua precocidade e exatidão. 
Apoia-se na produção de gonadotrofina coriônica 
humana (hCG) pelo ovo. Uma semana após a 
fertilização, o trofoblasto, implantado no endométrio, 
começa a produzir a hCG em quantidades crescentes, 
que podem ser encontradas no plasma ou na urina 
maternos. Há três tipos de testes para a identificação 
de hCG: imunológico, radioimunológico (RIA) e enzima-
imunoensaio (ELISA). 
DIAGNÓSTICO ULTRASSONOGRÁFICO 
Com 4 a 5 semanas, na parte superior do útero, começa 
a aparecer formação arredondada, anelar, de 
contornos nítidos, que corresponde à estrutura ovular, 
denominada, em ultrassonografia, saco gestacional 
(SG). A partir de 5 semanas, é possível visualizar a 
 
2 Clarisse Nunes | GO | 6º período 
vesícula vitelina (VV) e, com 6 semanas, o eco 
embrionário e a sua pulsação cardíaca (BCF). Em torno 
de 10 a 12 semanas, nota-se espessamento no SG, que 
representa a placenta em desenvolvimento e seu local 
de implantação no útero. Com 12 semanas, a placenta 
pode ser facilmente identificada e apresenta estrutura 
definida com 16 semanas. 
Marcos importantes à USG transvaginal no 1º trimestre 
Marcos Época em semanas 
Saco gestacional 4 
Vesícula vitelina 5 a 6 
Eco fetal com BCF 6 a 7 
Cabeça fetal 11 a 12 
Placenta 12