A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

Pré-visualização | Página 2 de 3

torácico -> gânglio cervicotorácico ou
estrelado.
Gânglio ímpar -> porção coccígea -> convergem com o do lado oposto.
Porção torácica -> a partir de T5 -> origem dos nervos esplâncnicos: maior, menor e imo, que contém
fibras pré-ganglionares e um número de fibras viscerais aferentes -> trajeto descendente -> diafragma
-> cavidade abdominal -> gânglios pré-vertebrais (anteriormente à coluna vertebral e aorta abdominal.
Gânglios pré-vertebrais: 2 celíacos -> direito e esquerdo (origem no tronco celíaco), 2 aórtico-renais
-> direito e esquerdo (origem nas artérias renais), um mesentérico superior e outro inferior (ambos
originados próximo à origem das artérias mesentéricas).
Nervo esplâncnicos maior -> gânglio celíaco
Nervo esplâncnicos menor -> gânglio aórtico-renal
Ramos comunicantes
Unem o tronco simpático aos nervos espinais:
Ramos comunicantes brancos: unem a medula espinal ao tronco simpático (fibras pré-ganglionares) +
fibras viscerais aferentes.
Ramos comunicantes cinzentos: fibras pós-ganglionares
Fluxo Eferente Simpático
Localização dos neurônios pré-ganglionares
Corpos celulares dos neurônios pré-sinápticos: localizados na coluna intermédia (corno lateral ) da
substância cinzenta da medula espinal -> axônios mielinizados -> raiz anterior: ramos comunicantes
brancos) -> gânglios paravertebrais -> Podem ter os seguintes caminhos:
1) sinapse com um neurônio excitatório no gânglio -> axônios não mielinizados pós ganglionares ->
nervos espinais torácicos com ramos comunicantes cinzentos -> alvos
2) direção cefálica ou caudal -> sinapse com gânglios da região cervical ou lombar -> ramos
comunicantes cinzentos -> nervos espinais
3) atravessam o tronco simpático sem fazer sinapse por meio dos nervos esplâncnicos maior, menor e
imo
Localização dos neurônios pós-ganglionares
Os neurônios pós-ganglionares estão localizados nos gânglios pré e paravertebral -> destino: glândula,
músculo liso ou cardíaco por meio dos seguintes trajetos:
1) nervo espinal: as fibras voltam ao nervo espinal através do ramo comunicante cinzento -> chegam
aos músculos eretores dos pelos, glândulas sudoríparas e vasos cutâneos.
2) nervo independente: o nervo liga diretamente o gânglio à víscera.
3) artéria: acolam-se à artéria e acompanham seu território de irrigação.
Ex: fibras pós-ganglionares originadas nos gânglios pré-vertebrais que inervam as vísceras do abdome
seguindo na parede dos vasos que irrigam estas vísceras.
Inervação simpática da pupila
Origem: coluna lateral das vértebras T1 e T2 -> raiz ventral -> nervos espinais -> ramos comunicantes
brancos -> tronco simpático -> sinapse com o gânglio cervical superior -> fibras pós ganglionares ->
sobem -> plexo carotídeo interno -> penetram no crânio junto da artéria carótida interna -> seio
cavernoso: destaques das fibras -> gânglio ciliar (sem fazer sinapse) -> nervos ciliares curtos -> bulbo
ocular -> formam um plexo no músculo dilatador da pupila.
Importância clínica: compressão nesse longo trajeto (tumores, aneurismas etc.) -> pupila do lado da
lesão: ficará contraída (miose).
Distribuição da inervação simpática
DIVISÃO PARASSIMPÁTICA
Objetivos principais: conservar e restaurar a energia -> diminuição da frequência cardíaca, constrição
pupilar, aumento do peristaltismo e atividade glandular, abertura dos esfíncteres do TGI e contração
da parede vesical.
Os neurônios pré-ganglionares estão localizados no tronco encefálico e na medula sacral ->
craniossacral.
Parte Craniana
Composto por núcleos do tronco encefálico, gânglios e fibras nervosas.
Classificação das fibras pré-ganglionares: eferentes viscerais gerais
As fibras chegam até os gânglios por meio dos III, VII, IX e X pares de nervos cranianos.
Conexões:
1) Neurônio pré-ganglionar localizado no Núcleo de Edinger-Westphal -> III par -> gânglio ciliar,
localizado na cavidade orbitária lateralmente ao nervo óptico -> fibras pós-ganglionares nos nervos
ciliares curtos -> bulbo ocular -> m. esfíncter da pupila e m. ciliar.
2) Neurônio pré-ganglionar localizado no núcleo lacrimal -> VII par (n. intermédio) -> nível de
gânglio geniculado: n. petroso maior e n. do canal pterigóideo -> gânglio pterigopalatino, localizado
na fossa pterigopalatina, ligado ao ramo maxilar do V -> fibras pós-ganglionares -> glândula lacrimal.
3) Neurônio pré-ganglionar: núcleo salivatório inferior -> IX par -> gânglio ótico, localizado junto ao
ramo mandibular do trigêmeo (abaixo do forame oval -> fibras pós ganglionares (n. auriculotemporal)
-> glândula parótida.
4) Neurônio pré-ganglionar: núcleo salivatório superior -> VII par (nervo intermédio) -> nervo lingual
(n. corda do tímpano) -> gânglio submandibular, localizado junto ao n. lingual -> fibras
pós-ganglionares -> glândula submandibular e sublingual.
5) Neurônio pré-ganglionar: núcleo dorsal do vago -> X par -> pequenos gânglios parassimpáticos
próximos das vísceras do tórax e do abdome, sendo na parede do tubo digestivo: plexo submucoso (de
Meissner) e o mioentérico (de Auerbach) -> fibras pós-ganglionares -> alvo
Parte Sacral
Neurônios pré-ganglionares localizados nos segmentos sacrais: S2, S3 e S4 (substância cinzenta) ->
raízes ventrais dos nervos sacrais -> tronco destes nervos -> destacam-se e formam os nervos
esplâncnicos pélvicos
PLEXOS VISCERAIS
Emaranhado de filetes nervosos e gânglios.
Composição: fibras simpáticas pré-ganglionares (raras) e pós-ganglionares; fibras parassimpáticas pré
e pós-ganglionares; fibras viscerais aferentes, gânglios do parassimpático e gânglios pré-vertebrais do
simpático.
Plexos da cavidade torácica
-> cardíaco, pulmonar e esofágico
-> fibra parassimpáticas: nervo X
-> fibras simpáticas: 3 gânglios cervicais e os 6 primeiros torácicos
Plexo cardíaco: relacionado com o pulmonar
Composição principal: 3 nervos cardíacos cervicais do simpático (superior, médio e inferior), dois
nervos cardíacos cervicais do X (superior e inferior) e nervos cardíacos torácicos do vago e do
simpático.
Nervos cardíacos -> convergem para a base do coração -> anastomoses -> plexo cardíaco
Plexos da cavidade abdominal
Plexo celíaco: localizado na região epigástrica profunda -> altura do tronco celíaco
Gânglios simpáticos celíacos, mesentéricos superior e aórtico-renais.
Principais nervos que dão origem às fibras pré-ganglionares: esplâncnicos maior e menor e tronco
vagal anterior e posterior (oriundos do plexo esofágico).
Plexo celíaco -> plexos secundários
Plexos secundários pares: renal, suprarrenal e testicular
Plexos secundários ímpares: hepático, lienal, gástrico, pancreático, mesentérios superior e inferior,
aórtico-abdominal.
Plexos entéricos: localizados na parede do TGI: mioentérico (Auerbach) e submucoso (Meissner).
Neurônios ganglionares, sensoriais e interneurônios.
Comandam a musculatura lisa, glândulas produtoras de muco e vasos sanguíneos locais.
O plexo submucoso dedica-se principalmente ao controle das glândulas mucosas, enquanto o plexo
mioentérico controla o músculo e os movimentos da parede intestinal.
Plexos da cavidade pélvica
Plexo hipogástrico:
Plexo hipogástrico superior -> adiante do promontório entre as artérias ilíacas direita e esquerda.
Plexo hipogástrico inferior
Composição: filetes nervosos provenientes do plexo aórtico-abdominal; nervos esplâncnicos pélvicos
e filetes nervosos que se destacam, gânglios lombares e sacrais do tronco simpático.
Referências: Neuroanatomia clínica ( Richard S Snell), Neuroanatomia Funcional
(Angelo Machado, Lucia Machado Haertel) e Anatomia Orientada para a Clínica (
Keith L. Moore, Anne M. R. Agur, Arthur F Dalley)
https://www.google.com/search?q=Keith+L.+Moore&stick=H4sIAAAAAAAAAOPgE-LVT9c3NEzLKq4szzIwVOLUz9U3SLYwjE_TkslOttJPys_P1i8vyiwpSc2LL88vyrZKLC3JyC9axMrnnZpZkqHgo6fgm59flLqDlREA9qNe_E4AAAA&sa=X&ved=2ahUKEwjouKyr64PxAhWJrJUCHYuBBsQQmxMoATAnegQIExAD
https://www.google.com/search?q=Anne+M.+R.+Agur&stick=H4sIAAAAAAAAAOPgE-LVT9c3NEzLKq4szzIwVOLSz9U3MC0rLk7L1pLJTrbST8rPz9YvL8osKUnNiy_PL8q2SiwtycgvWsTK75iXl6rgq6cQpKfgmF5atIOVEQDuUShKUAAAAA&sa=X&ved=2ahUKEwjouKyr64PxAhWJrJUCHYuBBsQQmxMoAjAnegQIExAE