A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Neoplasias benignas do epitélio e conjuntivo

Pré-visualização | Página 1 de 2

Neoplasias benignas do epitélio e conjuntivo 
Neoplasia (Neo + plasia = neoformação) 
Proliferação celular atípica, sem causa 
aparente, de crescimento excessivo, 
progressivo, ilimitado, irreversível, e com 
tendência a perda de diferenciação celular. 
Persistente mesmo após interrupção dos 
estímulos que deram origem a mudança 
tecidual. 
 
Neoplasia benigna: não é capaz de se 
espalhar, não causa metástase, não rompe 
membranas. 
Neoplasia maligna: invasão linfática e 
invasão vascular que permite a metástase. 
 Nomenclatura. 
Neoplasias benignas: Célula, tecido ou 
órgão + OMA 
 
 
 Papiloma 
Proliferação benigna do epitélio escamoso 
Etiologia: HPV 6 e 11 
Aumento de volume papilar ou 
verruciforme 
Diagnóstico: 30 a 50 anos de idade 
Palato, língua e lábios 
Nódulo exofítico de consistência 
amolecida 
Assintomático – Pediculado. 
Essa lesão é o aumento de volume de 
tecido mole mais comum que se origina 
no palato mole. 
Projeções na superfície: “couve flor”, 
verruga 
Pontiagudas ou embotadas 
Coloração variável: branca, vermelha ou 
normal 
Solitário 
Difícil distinção clínica: verruga vulgar, 
condiloma acuminado. 
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS: 
Proliferação do epitélio pavimentoso 
estratificado queratinizado 
Projeções semelhantes a dedos 
Tecido conjuntivo fibrovascular 
entremeado 
Infiltrado inflamatório variável 
Coilócitos: células epiteliais claras alteradas 
pelo vírus, com núcleos pequenos e 
intensamente corados - camada espinhosa. 
TRATAMENTO E PROGNÓSTICO: 
Excisão cirúrgica conservadora 
Recorrência incomum 
 Fibroma. 
Neoplasia mais comum 
Neoplasia verdadeira ou hiperplasia 
reacional? 
Mucosa jugal, mucosa labial, língua e 
gengiva 
Maturação fibrosa de um granuloma 
piogênico preexistente 
Nódulo de superfície lisa e coloração 
rosada 
Superfície esbranquiçada: hiperqueratose: 
trauma contínuo. 
Sésseis ou pediculados 
Tamanho variável: 1,5 cm 
Assintomática - 4ª a 6ª décadas de vida 
1 homem : 2 mulheres. 
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS: 
Intensa deposição de colágeno 
Fibras colágenas arranjadas de maneira 
irradiada, circular ou aleatoriamente 
Epitélio de superfície geralmente atrófico 
Hiperceratose ocasional 
Inflamação crônica variável 
Tecido epitelial hiperplásico e ceratinizado. 
Áreas de acantose. 
TRATAMENTO E PROGNÓSTICO: 
Excisão cirúrgica conservadora - Recidiva 
extremamente rara 
 Fibroma de células gigantes 
Neoplasia benigna de fibroblastos 
2% a 5% de todas as proliferações fibrosas 
da cavidade oral 
Parece não estar associado à irritação 
crônica 
Nódulo assintomático 
Séssil ou pediculado 
Menos de 1cm - 3ª década de vida - 
Mulheres 
Superfície papilífera diferente do 
PAPILOMA 
Gengiva inferior, língua e palato 
Papila retrocanina: microscopicamente 
similar 
+ Bilateral 
+ Gengiva lingual do canino mandibular 
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS: 
Aumento de volume do tecido conjuntivo 
fibroso arranjado frouxamente 
Numerosos fibroblastos grandes, 
multinucleados em formato estrelado 
Prolongamentos citiplasmáticos 
“Cabelos de viúva” 
Epitélio atrófico 
TRATAMENTO E PROGNÓSTICO: 
Excisão cirúrgica conservadora 
Recidiva rara 
Papila retrocanina: sem necessidade de 
excisão. 
 Lipoma 
Neoplasia benigna de gordura 
Tumores mesenquimais mais frequentes 
Raro em cavidade oral 
Patogênese: incerta, mas são comuns em 
indivíduos obesos 
O metabolismo independente da gordura 
corpórea. Se a ingestão de calorias é 
reduzida, os lipomas não reduzem de 
tamanho 
40 anos - Incomum em crianças - Homens = 
mulheres 
Mucosa jugal e vestíbulo bucal: 50% dos 
casos 
Aumentos de volume nodulares, 
consistência macia e superfície lisa 
Sésseis ou pedunculados 
Assintomáticos - Coloração variada 
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS: 
Proliferação de adipócitos maduros - 
Arranjo em lóbulos 
Metaplasia cartilaginosa ou óssea central: 
raro 
Fibrolipoma: + comum.É caracterizado 
pela presença do um componente fibroso 
significativo, misturado aos lóbulos de 
células adiposas 
Angiolipoma: mistura de células adiposas 
maduras e de numerosos pequenos vasos 
sanguíneos 
Lipoma de células fusiformes: quantidade 
variável de células fusiformes de aparência 
uniforme em conjunto com o componente 
lipomatoso típico. 
Lipomas pleomórficos: células fusiformes 
mais células gigantes hipercromáticas 
Lipomas intramusculares: mais células 
gigantes hipercromáticas 
Tecido epitelial estratificado pavimentoso. 
Tecido conjuntivo fibroso 
TRATAMENTO E PROGNÓSTICO: 
Excisão cirúrgica conservadora - 
Intramuscular: elevada taxa de recidiva 
 Neurilemoma 
Origem nas células de Schwann 
Incomum: 25% a 48% região de cabeça e 
pescoço 
Crescimento lento e encapsulado em 
associação com um tronco nervoso 
Assintomático ou sensibilidade e dor 
Adultos jovens e de meia idade 
Língua 
Aumento de volume de consistência 
fibrosa - Crescimento lento 
Casos intraósseos são mais comuns na 
mandíbula posterior e usualmente se 
apresentam radiograficamente como 
lesões radiolúcidas uniloculares ou 
multiloculares. 
A dor e a parestesia não são raras nos 
tumores intraósseos. 
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS: 
Cápsula de tecido conjuntivo fibroso 
Padrão Antoni A: fascículos paralelos e em 
paliçada de células de Schwann ao redor 
dos corpos de Verocay 
Padrão Antoni B: células de Schwann 
arranjadas aleatoriamente dentro de um 
estroma frouxo ou mixomatoso - S-100 
Neurilemomas anciões: hemorragia, 
depósito de hemossiderina, inflamação, 
fibrose e atipia celular. 
TRATAMENTO E PROGNÓSTICO: 
Excisão cirúrgica conservadora 
Recidiva rara 
 Neurofibroma 
Tipo mais comum de neoplasia de nervo 
periférico 
Células de Schwann e dos fibroblastos 
perineurais 
Tumores solitários ou componentes da 
neurofibromatose tipo I 
Adultos jovens 
Língua e mucosa jugal 
Aumento de volume, de consistência 
amolecida 
Crescimento lento 
Indolor 
Intraósseos: Lesões multiloculares ou 
uniloculares - Bem ou mal definidas 
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS: 
Bem circunscritos (perineuro) 
Não bem delimitados (endoneuro) 
Proliferação de células fusiformes de 
núcleo ondulado 
Fibras colágenas a matriz mixóide 
Mastócitos numerosos 
TRATAMENTO E PROGNÓSTICO: 
Excisão cirúrgica conservadora 
Recidiva rara 
Risco de transformação maligna pode 
ocorrer 
 Hemangioma 
Variedade de malformações vasculares de 
desenvolvimento 
Lesões benignas da infância com rápida 
fase de crescimento 
Proliferação de células endoteliais com 
involução gradual 
Nascimento a 8ª semana de vida 
MALFORMAÇÕES VASCULARES: Anomalias 
estruturais dos vasos sanguíneos sem 
proliferação celular. Persistem ao longo da 
vida 
4% a 5%: crianças de até 1 ano de idade 
Mulheres 
Região de cabeça e pescoço 
80% lesões únicas 
Raramente presentes ao nascer 
Aumentos de volume com superfície 
bosselada 
Coloração vermelha clara - Coloração 
azulada: lesões profundas 
HEMANGIOMA EM “MORANGO” 
Firmes e borrachosos 
Fase proliferativa: 6 a 12 meses 
Involução lenta 
Alteração da coloração para roxa escura e 
menos firme 
50%: resolução até os 5 anos de idade - 
90%: resolução até os 9 anos de idade - 
50%: não formam cicatrizes 
Hemangioma congênito de involução 
rápida (HCIR): regressão precoce e 
involução total por volta de 9 a 14 meses 
de vida 
Hemangioma congênito não involutivo 
(HCNI): cresce proporcionalmente à 
criança e não sofre involução 
Complicações: 20% dos casos. 
Ulcerações 
 Malformações vasculares 
Manchas vinho do porto em 0,3% a 1% dos 
recém-nascidos 
Comuns na face: nervo trigêmeo 
Crescem proporcionalmente ao paciente 
Malformações venosas: de coloração azul 
e facilmente compressivas. A trombose 
secundária e a formação de flebólitos 
podem ocorrer. 
Malformações arteriovenosas: