A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
27 pág.
Análise Experimental do comportamento

Pré-visualização | Página 3 de 5

que ele corresponda a tal ato.
	Conforme Medeiros, Machado, Croszewicz & Acost (1999) é bastante importante a inserção do aluno nas práticas laboratoriais, com a disposição de que tenha o domínio sobre o sujeito e além de ser discutida relações e experimentos passados, ocorram a reprodução dos mesmos, buscando uma boa formação dos mesmos.
3.MÉTODO
3.1 SUJEITO
Sujeito experimental, rato albino, criado em biotério e seguindo todas as normas postuladas pelo código de ética. Animal mamífero, de hábitos noturnos, pesando cerca de 200 g e com 60 dias de vida no início do experimento.
Para fins experimentais, o sujeito era privado de água por um período de 24 h antes da realização de cada um dos procedimentos no Laboratório de Análise Experimental do comportamento
3.2 EQUIPAMENTOS
Para o referente experimento foram utilizados materiais específicos, dentre eles a caixa de Skinner, caracterizada por ter um bebedouro; uma barra de pressão junto com um equipamento de controle de reforços.
Além da caixa, que é o principal equipamento, foi preciso o uso de jaleco, luvas seguindo assim as regras do laboratório. Para fins de coleta dos dados foi cabível o uso de folhas de registro com o auxílio de cronômetro.
3.3 PROCEDIMENTOS
3.3.1 Nível Operante
O procedimento consiste na observação de comportamentos do sujeito experimental, no caso o rato albino, tendo como propósito analisar as primeiras ações do animal ao ser colocado pela primeira vez em contato à caixa de Skinner.
Os comportamentos a serem observados são: andar, farejar, limpeza, erguer e ficar parado. Tudo que o rato fizer precisa ser devidamente registrado e com ajuda do cronômetro em intervalos de 1 minuto.
A chave de controle do bebedouro deve estar no modo manual já que nesse momento não há nenhuma resposta de pressão à barra e também não há reforços, somente uma observação.
3.3.2 Treino ao Bebedouro
A finalidade da etapa do experimento consiste em que o rato associe o ruído do bebedouro com a apresentação da água. Desse modo um estímulo que antes era neutro (ruído) adquire característica do estímulo reforçador condicionado (água).
Assim toda vida que o sujeito escutar o barulho ele associará a chegada de água ao bebedouro. O experimento termina quando mesmo virar de costas, escutar o barulho e em após até 3 segundos encontrar água.
3.3.3 Modelagem
A etapa de modelagem consiste em que o sujeito associe a pressão da barra à obtenção de água. Desse modo, para que o animal faça essa associação é preciso o uso de reforços.
A chave de controle do bebedouro deve estar no automático, assim tanto o sujeito quanto a pessoa que está realizando o experimento tem domínio sobre a água.
Cada vez que o animal emitir um comportamento em relação a barra deve-se dar reforços, destarte o sujeito tenderá a aproximar-se mais do comportamento esperado. A etapa termina quando o rato pressionar a barra 10 vezes seguida estando assim modelado.
3.3.4 Reforçamento Contínuo
No experimento é observado quantos vezes o por minuto o sujeito aperta a barra. A chave deve estar em automático, assim cada vez que o ele a pressiona obtém água.
Outros comportamentos, no caso os do nível operante também são registrados afim de fazer um comparativo entre os dois níveis. O procedimento termina quando o animal passa a não pressionar a barra por 10 minutos.
4.RESULTADOS
4.1 NÍVEL OPERANTE
O sujeito foi colocado pela primeira vez na caixa de Skinner. Durante um tempo de 30 minutos foi observado quais comportamentos eram emitidos pelo sujeito, desde andar, erguer, limpeza, farejar e ficar parado.
FIGURA 1.
Na figura 1. Demonstra a quantidade de comportamentos como andar (A), erguer (E), farejar (F), limpeza(L), e parar (P) no tempo de 30 minutos. Onde observados em primeiro momento que o sujeito experimental explorou bastante a caixa, apresentando os comportamentos descritos no gráfico e em seguida tendeu a ficar parado e dormir. 
4.2 TREINO AO BEBEDOURO
Nesta etapa o rato foi colocado na gaiola por 30 minutos com um tempo de privação de 24h sem água. Neste exercício consistiu com que o rato associasse o ruído do bebedouro com a apresentação de água em alguns segundos.
FIGURA 2.
Na figura 2. Mostra as respostas do sujeito onde ele adquiriu água de acordo com as tentativas. Onde se observa que logo no inicio o sujeito demora mais tempo para encontrar a água, mas que depois de algumas tentativas ele começa associar o barulho a apresentação de água e encontrando-a mais rapidamente. O experimento terminou quando ele de costas levou cerca 3 segundos após o barulho para beber a água no bebedouro.
4.3 MODELAGEM
	No processo de modelagem, fizemos três seções afim de fazer com que o rato pressionasse a barra para obtenção de água. A modelagem consiste em dar reforços a comportamentos que cheguem o mais próximo a resposta esperada. 
Nas primeiras tentativas, o sujeito aproximou-se da barra e foram dados alguns reforços, mas com o tempo ele ficou parado, não apresentando a resposta desejada. Já na terceira seção de modelagem o rato finalmente a partir dos reforços foi devidamente modelado.
1º SEÇÃO MODELAGEM
	Comportamentos
	Reforços
	Colocou focinho na barra
	2
	Olhar para barra
	4
	Ergue-se próximo a barra
	2
	Cheirar a barra
	4
2º SEÇÃO MODELAGEM
	Comportamentos
	Reforços
	Cheirar a barra
	4
	Ergue-se próximo a barra
	2
	Focinho na barra
	3
3º SEÇÃO MODELAGEM
	Comportamentos
	Reforços
	Cheirar a barra
	4
	Ergue-se próximo a barra
	2
	Focinho na barra
	3
	Pata na barra
	1
	Pressão a barra
	11
4.4 REFORÇAMENTO CONTÍNUO
	No reforçamento contínuo há uma observação da continuação das respostas ao que o rato foi modelado.
FIGURA 3.
	A figura 3. Apresenta as taxas de pressão a barra em reforçamento contínuo. Sendo que no intervalo de tempo de 15 à 24 minutos os dados permanecem em uma linha constante, pois não houve novos comportamentos de pressão à barra.
FIGURA 4.
A figura 4. Mostra a comparação entre os comportamentos apresentados em nível operante e em reforçamento contínuo, demonstrando assim que as taxas de comportamentos tendem a ser maiores em nível operante, enquanto as respostas de pressão a barra só ocorreram a no estágio de reforçamento contínuo.
5.DISCUSSÃO
	Visto que com a evolução da medicina a Psicologia teve seu desenvolvimento, é evidente a existência de várias correntes e linhas de pensamento que com seus próprios métodos faziam com que suas visões fossem cada vez mais ampliadas. Dentre essas escolas podemos citar desde o Estruturalismo até a Psicologia moderna vinculada nos dias atuais. 
	Dentre essas correntes, o Behaviorismo é bastante importante no que diz respeito a disciplina de Análise Experimental do Comportamento. Grandes nomes como Watson, Skinner, Pavlov se destacam no estudo do comportamento, trazendo teorias ao seu respeito como no caso dos condicionamentos, por exemplo o condicionamento operante postulado por Skinner e que foi desenvolvido nesse experimento.
No condicionamento operante são usados alguns tipos de reforços afim de atingir resposta, em conformidade com Abade (2019) reforço é todo estímulo que ocasione uma permanência do comportamento, melhor dizendo, o resultado que se espera é que a atitude seja repetida, podendo ser positiva com inclusão de algo para permanência da conduta ou negativo que significa exclusão de algo, mas que confere também a mesma finalidade de permanência.
O experimento que foi realizado teve como objetivo comprovar o que antes foi deduzido por Skinner. Deste modo foi feito a modelagem do sujeito experimental utilizando métodos antes já estudados. O mais interessante é que no caso das seções de modelagem, as duas primeiras tentativas não deram certo, o que pode ser explicado pelas questões do ambiente.
Segundo Carpiagiani (2009), Skinner acreditava que para que houvesse aprendizagem era preciso uma contingência de reforços afim de fazer com que o comportamento esperado fosse tido como resposta. 
Podemos concluir que o experimento comprovou as teorias antes postuladas por Skinner, sendo que o rato teve êxito