Buscar

Farmacodinâmica I - Mecanismos de Ação

Teste o Premium para desbloquear

Aproveite todos os benefícios por 3 dias sem pagar! 😉
Já tem cadastro?
Você viu 1, do total de 3 páginas

Prévia do material em texto

FUNDAMENTOS DE FARMACOLOGIA – VIVIANE HORTA
FARMACODINÂMICA: MECANISMOS DE AÇÃO
Farmacodinâmica
· Estuda os mecanismos pelos quais um medicamento atua sobre as funções bioquímicas ou fisiológicas de um organismo vivo
· Realiza o estudo quantitativo, ou seja, a relação dose/resposta dos efeitos biológicos e terapêuticos dos medicamentos
· Importância primordial para: 
· Entendimento sobre os efeitos farmacológicos e adversos 
· Informar sobre o tratamento de intoxicações
· Considerando o mecanismo de ação, os medicamentos podem ser divididos em dois grupos distintos:
· Estruturalmente inespecíficos
· Estruturalmente específicos
Medicamentos Estruturalmente Inespecíficos 
· Efeito farmacológico não decorre diretamente da estrutura química da molécula agindo em um determinado receptor, mas sim provocando alterações nas *propriedades físico-químicas // *Grau de ionização, solubilidade, outros
· Mudanças em mecanismos importantes das funções celulares e levando a desorganização de uma série de processos metabólicos
· Anestésicos inalatórios, desinfetantes
· Efeito farmacológico decorre essencialmente de sua estrutura química
· Se ligam a receptores, isto é, macromoléculas existentes no organismo, formando com eles um complexo, o que leva a uma determinada alteração na função celular
· Pequenas variações na estrutura química levam a alterações substanciais na atividade farmacológica
· Ação farmacológica ocorre com concentrações menores do que as necessárias pelos estruturalmente inespecíficos
Receptores
· Componente orgânico (constituinte celular) com o qual o agente químico interage
· Especificidade do medicamento pelo receptor
· “Teoria da ocupação”: correlação direta da intensidade do efeito farmacológico com o número de receptores ocupados pelo medicamento
· Tipos de interação química – Medicamento/Receptor
· Iônicas polares (íon-dipolo ou dipolo-dipolo)
· Pontes de hidrogênio
· Hidrofóbicas
· Van der Waals
· Covalentes
A duração do efeito irá depender do tipo de ligação entre o receptor e o medicamento!
Um mesmo receptor pode se ligar ao medicamento utilizando mais de um tipo de interação química!!
Alvos Para a Ação de Fármacos
· O alvo de ligação de um medicamento no organismo são macromoléculas proteicas com função de:
· Enzimas
· Moléculas transportadoras (carreadoras)
· Canais iônicos
· Receptores de neurotransmissores e ácidos nucléicos
Enzimas
· Vários medicamentos exercem seu efeito farmacológico através da interação com enzimas ... 
· Atuando como inibidores destas 
· Neostigmina inibindo reversivelmente a acetilcolinesterase 
· Ácido acetilsalicílico inibindo a ciclo-oxigenasse (COX)
· Alterando a estrutura química dos medicamentos, transformando-os em produtos anormais, que acarretam na desorganização de uma determinada via metabólica 
· Metil-DOPA
Moléculas Transportadoras (Carreadoras)
· Vários medicamentos exercem seu efeito farmacológico interferindo nas proteínas transportadoras
· Ptns transportadoras – responsáveis pelo carreamento de várias substâncias para o interior das células (ex. glicose, aminoácidos, íons e neurotransmissores)
· As ptns transportadoras possuem locais de reconhecimento (captam moléculas específicas) - local de ação de alguns medicamentos, bloqueando o sistema de transporte, por exemplo:
· Cocaína – impede a captação das catecolaminas
· Glicosídios cardíacos – inibem a bomba Na+/K+-ATPase do músculo cardíaco
Receptores Celulares
· Grupo de proteínas celulares cuja função no organismo é atuar como receptores de substâncias endógenas (p. ex. hormônios, neurotransmissores e autacoides)
· Transmitem a informação de forma
· Direta (via canal iônico)
· Indireta (via segundo mensageiros)
Receptores Celulares (de efeito rápido)
· Estão acoplados diretamente a um canal iônico, são chamados de receptores inotrópicos 
· Receptor colinérgico nicotínico, receptor GABAérgico, receptores glutamatérgicos
· Os canais iônicos se alteram quando há ligação do neurotransmissor ao receptor
· Aumento da permeabilidade da membrana celular a íons específicos
· Mudança do potencial elétrico das membranas celulares e da composição iônica intracelular
Receptores Celulares (de efeito intermediário)
· Os segundos mensageiros ou moléculas de informação são responsáveis por desencadear respostas celulares ao estímulo (receptores metabotrópicos)
· Segundos mensageiros: ácido araquidônico, IP3, DAG, AMPc, GMPc
· Receptores ligados a proteína G
Receptores Celulares – Ligados à Proteína G
· Os receptores acoplados a proteína G representam a maioria dos receptores conhecidos na atualidade
· As proteínas G são os mensageiros entre os receptores e as enzimas responsáveis pelas mudanças no interior das células
· Receptores – Proteínas G – Enzimas
· As proteínas G são compostas de três subunidades (complexo α, β, γ), estando uma delas associadas ao GTP, de onde advém a nominação G dessas proteínas
· Tipos de proteína G:
· Gs: estimulante (stimulation) dos receptores de adenilato ciclase
· Gi: inibidora (inhibition) dos receptores de adenilato ciclase
· Go: relacionada com os canais iônicos
· Gq: ativadora da fosfolipase C
· A proteína G atua nos sistemas:
· adenilato ciclase/ 3’, 5’ – monofosfato de adenosina cíclico (AMPc)
· guanilato ciclase 3’, 5’ – monofosfato de guanosina cíclico (GMPc)
· fosfolipase C/ fosfato de inositol / diacilglicerol
· fosfolipase A2 / ácido araquidônico / eicosanoides
· na regulação de canais iônicos