A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
TRANSTORNOS RELACIONADOS AO ÁLCOOL

Pré-visualização | Página 2 de 2

amnéstico persistente induzido pelo álcool
Alterações da memória, principalmente da memória recente, podem ocorrer em usuários de grande quantidade de álcool por muito tempo. As duas principais entidades clínicas são: a síndrome de Wernicke e a síndrome de Korsakoff. Ambas são causadas pela deficiência de tiamina, presente nestes casos devido a maus hábitos alimentares ou alterações na absorção gastrointestinal.
A Síndrome de Wernicke (SW) é um transtorno neurológico agudo caracterizado por ataxia, confusão mental e alterações da motilidade ocular extrínseca, como nistagmo. Há possibilidade de reversão do quadro com o tratamento. Caso contrário, há evolução para a Síndrome de Korsakoff (SK). O tratamento da SW é tiamina 100 mg, duas a três vezes por dia, por uma a duas semanas. 
A SK é uma síndrome amnéstica crônica que pode seguir-se à SW. Os aspectos fundamentais desta síndrome são deficits mnêmicos, principalmente da memória anterógrada ou recente. Pode haver confabulação, que é a inserção de dados na lacuna da memória, os quais não correspondem à realidade. Estes pacientes perdem a capacidade de fixação de qualquer nova informação. 
O tratamento se inicia da mesma forma que a SW, mas a fase de manutenção com reposição da tiamina pode durar de três meses até um ano.
Síndrome alcoólica fetal
A síndrome alcoólica fetal é o resultado da exposição do feto ao álcool in utero. Por este motivo, recomenda-se que mulheres grávidas não devam ingerir derivados etílicos. Retardo mental, hipotonia, microcefalia, malformações craniofaciais e defeitos nos membros e coração são comuns nos bebês afetados
Tratamento
O tratamento da dependência do álcool é complexo, devido aos frequentes episódios de intoxicação, abstinência e recaídas. Os objetivos devem ser a abstinência, a prevenção de recaídas e a reabilitação. A diminuição da quantidade de álcool ingerida (ou beber controlado) é uma questão muito discutível, parecendo estar indicada em alguns grupos de pacientes, quando a melhora do estado clínico e psicológico é significativa. No entanto, para a maioria dos pacientes, a meta deve ser a abstinência total
Motivação
Constitui uma etapa importante do tratamento, devendo ser uma responsabilidade do paciente e do médico. 
Há quatro estágios descritos para a motivação:
Pré-contemplação: quando o paciente ainda não dimensiona as consequências negativas de beber e não planeja mudar seu comportamento;
Contemplação: quando o paciente começa a comparar as vantagens e desvantagens de beber e a possibilidade de realizar alguma mudança já é mais real;
Ação: quando mudanças objetivas no comportamento são realizadas;
Manutenção: quando alterações mais profundas no estilo de vida são concretizadas a fim de possibilitar a abstinência
Recaídas
Antigamente eram vistas como fracasso do tratamento, mas hoje se sabe que são muito frequentes e apenas significam que estratégias de prevenção devem ser empregadas
Desintoxicação
Os dois principais objetivos são a melhora das condições gerais do paciente e emprego de medicações que possam aliviar os sintomas de abstinência
Intervenção breve
Geralmente realizada em uma a três sessões, inclui avaliar a gravidade do alcoolismo e oferecer feedback motivacional e aconselhamento
Grupos de autoajuda
Geralmente funcionam em esquema de reuniões diárias, nos quais são compartilhadas as experiências de cada um no processo de dependência e recuperação
Medicamentos
De modo geral, o uso de medicamento está indicado para pacientes com consumo moderado a severo, que estão motivados a reduzirem a ingestão de álcool e que não tem contraindicação ao uso individual do medicamento
Naltrexona
Antagonista opioide que tem a função de diminuir o prazer ao beber, por meio da liberação das endorfinas e consequente bloqueio da liberação de dopamina. A dose usual é de 50 mg/dia, mas pode chegar a 100 mg/dia. Não deve ser utilizado junto com opioides, e é contraindicado para indivíduos portadores de hepatite ou insuficiência hepática.
Acamprosato
O acamprosato, ao contrário da naltrexona, reduz o desejo compulsivo que aparece na abstinência, por meio da redução da atividade glutamatérgica e aumento da gabaérgica. Seu principal cuidado são os pacientes com insuficiência renal. Também é considerado uma droga de primeira linha
Dissulfiram (Antabuse)
Age inibindo a enzima acetaldeído desidrogenase, o que faz com que o acetaldeído (metabólito tóxico) se acumule no organismo, provocando vários efeitos colaterais, como rubor facial, cefaleia, tonturas, náuseas, vômitos, fraqueza, sonolência, sudorese, visão turva, taquicardia e sensação de morte eminente. Não deve ser utilizado em portadores de miocardiopatia grave, assim como em portadores de doença coronariana. Atualmente é considerado de segunda linha para o tratamento
SCORES DE CLASSIFICAÇÃO DE DEPENDÊNCIA DE ÁLCOOL
CAGE (Cut down, Annoyed, Guilty, Eye-opener)
AUDIT (Alcohol Use Disorders Identification Test)