A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Doença Renal Crônica

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 Amaríntia Rezende – Clínica Médica de Pequenos Animais 2 
SISTEMA URINÁRIO 
 Trato urinário superior: rim e ureter 
 Trato urinário inferior: bexiga e uretra 
RIM 
 Órgão par, formato de feijão, coloração 
vermelho-acastanhada 
 Localização retroperitoneal, o rim direito é mais 
cranial que o rim esquerdo. Nos felinos é menos 
cranial. 
 
NÉFRON 
 Unidade morfofuncional 
 Composição: cápsula de Bowman, glomérulo, 
túbulos contorcidos e alça de Henle. 
 Cão – 400 mil néfrons por rim 
 Gato – 200 mil néfrons por rim 
 
 
 
 
 Glomérulo: rede de capilares paralelos, 
ramificados evolvidos por uma cápsula (cápsula 
de Bowman). 
 Glomérulo + cápsula: corpúsculo renal (ou 
corpúsculo de Malpighi). Após passar pelo 
glomérulo é chamado de ultrafiltrado. 
 Túbulos: contorcido proximal e distal (presença 
do aparelho justaglomerular). 
 Sangue  glomérulo  cápsula glomerular  
túbulo contorcido proximal  alça de Henle  
túbulo contorcido distal 
URETER 
 Leva a urina dos rins para a bexiga 
BEXIGA 
 Órgão de armazenamento 
 Parcialmente na cavidade pélvica (quando está 
repleta, pode ser palpada na região abdominal) 
 Divisão: ápice, corpo e colo. 
URETRA 
 A uretra da fêmea é mais curta e mais larga, tem 
maior predisposição de ter infecção urinária. 
 O macho tem a uretra mais longa e mais estreita, 
tem maior predisposição a obstruções uretrais. 
DOENÇA RENAL CRÔNICA 
ETIOLOGIA 
 É definida como qualquer anormalidade 
estrutural e/ou funciona de um ou ambos os rins 
que esteja continuamente presente por três 
meses ou mais. Não tem cura. 
 Consequência de lesões irreversíveis 
 Origem: má formação congênita, hereditária ou 
adquirida. 
 É irreversível e progressiva. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2 Amaríntia Rezende – Clínica Médica de Pequenos Animais 2 
FISIOPATOLOGIA DA DRC 
 A doença renal altera as funções renais: 
Regulação do equilíbrio hídrico-eletrolítico. 
Excreção de restos metabólicos. Regulação da 
pressão sanguínea arterial. Regulação da 
produção de células do sangue. Regulação da 
produção de vida. 
 Com o tempo, tende a perder massa funcional e 
atrofiar. 
 A creatinina só aumenta quando há perda de 
75% da função renal. 
COMO DIAGNOSTICAR? 
 Azotemia renal persistente por mais de 3 meses 
 Exclusão de causas pré-renais (desidratação, 
hemorragia, hipotensão, cardiopatia, 
catabolismo, hemorragia intestinal) 
 Exclusão de causas pós-renais (obstrução das vias 
urinárias ou ruptura de vias urinárias) 
ESTADIAMENTO 
ESTÁGIO 1 
 Não azomêmico 
 Creatinina <1,4 (c) e <1,6 (g) 
 SDMA > 18ug/dL 
 Incapacidade de concentrar urina, proteinúria de 
origem renal 
 Alterações morfológicas renais, biópsia renal 
anormal 
 Cão: isostenúria e posterior azotemia 
 Gato: azotemia e posterior isostenúria 
 ESTÁGIO 2 
 Azotemia leve 
 Creatinina 1,4 – 2,8 (c) e 1,6 – 2,8 (g) 
 SDMA – 18 – 35 (c) e 18-25 (g) 
 Sinais clínicos ausentes ou presentas 
 PU/PD, perda de peso, incapacidade de 
concentrar urina, preteinúria de origem renal, 
alterações morfológicas renais. 
 
 
 
ESTÁGIO 3 
 Azotemia moderada 
 Sinais clínicos mais evidentes 
 Sinais extrarrenais (vomito/diarreia) 
 Incapacidade de concentrar urina 
 PU/PD 
 Creatinina 2,9 – 5 (c) e 2,9 – 5 (g) 
 SDMA 36 – 54 (c) e 26 – 38 (g) 
ESTÁGIO 4 
 Azotemia severa 
 Aumento do risco de sinais clínicos sistêmicos e 
crise urêmica 
 Encefalopatia urêmica, hiperparatireoidismo 
secundário, desidrata mais fácil 
 Creatinina > 5 (c e g) 
 SDMA >54 (c) e > 38 (g) 
SDMA 
 Dimetilarginina simétrica (SDMA) 
 Quando utilizar? 
 Biomarcador da função renal 
 Detecção 17 meses mais precoce da lesão 
 Não sofre interferência muscular 
 Para diagnóstico e estadiamento da DRC 
DIAGNÓSTICO DRC 
 Predisposição 
 Monitoração de terapias: oncologia, 
cardiopatias, endocrinopatias, nefrotoxicidade 
medicamentosa. 
 Monitoramento do doente renal 
APRESENTAÇÃO CLÍNICA 
 Considerar idade 
 Informações adicionais do histórico do animal 
 Avaliar: histórico de uso de medicamentos, 
exposição a toxinas e dietas, assintomáticos em 
estágios iniciais, avanço da doença. 
 
 
 
 
3 Amaríntia Rezende – Clínica Médica de Pequenos Animais 2 
PROTEINÚRIA RENAL 
 Cão e gato <0,2 – não proteinúrico 
 Cão 0,2 – 0,5 / Gato 0,2 – 0,4 – proteinúria 
limítrofe 
 Cães >0,5 / Gatos >0,4 – proteinúrico 
EXAME FÍSICO 
 Anormalidades palpáveis nos rins 
 Perda de peso, desidratação, mucosas pálidas 
 Ulcerações urêmicas 
 Evidências de hipertensão – deslocamento de 
retina (cegueira súbita) 
FUNÇÃO E ESTRUTURA RENAL 
 Urinálise, exames de imagem (cistos, perda de 
definição corticomedular) e biópsia renal. 
 Bioquimicos séricos 
 Uréia e creatinina (perda de 75% da função 
renal). 
TRATAMENTO 
 Minimizar os efeitos relacionados a perda 
funcional dos rins 
 Tratamento de suporte 
 Retardar a progressão da doença 
 Controle da PA 
 Inibidores da ECA (pacientes com PA >170) – 
0,25 – 0,5 mg/kg SID ex; enalapril, benazepril 
 Amlodipina (para pacientes com PA >170) – 
associar com iECA. 
o Gatos: 0,062 a 0,25mg/kg SID 
o Cães: 0,1 a 0,5mg/kg SID 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Para proteinúria: Semintra 1mg/kg SID 
HIPERFOSFATEMIA 
 Causa hiperparatireoidismo secundário renal. 
 Rim perde capacidade de excretar fósforo, 
causando acúmulo de fósforo no sangue. Esse 
fósforo se liga ao cálcio circulante, e geral 
diminuição do cálcio. Ativando paratormônio. 
 Retira cálcio dos ossos. 
 Tratamento: quelante de fósforo (hidróxido de 
alumínio) e dieta renal. 
 Estágio 2: até 4,5mg/dL 
 Estágio 3: até 5,0mg/dL 
 Estágio 4: até 6,0mg/dL 
HIPOCALEMIA 
 Baixo potássio sérico, acontece mais em gatos 
 Acontece nos estágios de DRC 3 e 4 
 Anorexia, êmese, perda de peso, letargia, 
arritmias, constipação, ventroflexão cervical. 
 Reposição < 3,5mEq/L 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
4 Amaríntia Rezende – Clínica Médica de Pequenos Animais 2 
ANEMIA 
 Anemia arregenerativa 
 Estágio 3 e 4 – menos produção de eritropoietina 
 Diminuição do tempo de vida das hemácias 
 Hemorragias 
 Interferências de toxinas urêmicas. 
 Causa: letargia, disorexia, redução da qualidade 
de vida. 
ACIDOSE METABÓLICA 
 Rim perde a capacidade de reter bicarbonato 
 PH vai diminuindo – acidemia