A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE PRIVADA

Pré-visualização | Página 4 de 4

que o bem não merece ser tombado. Se isso acontecer, haverá um processo para que ele possa fazer essa defesa.
OBS: se o proprietário não fala nada sobre o tombamento haveria uma “revelia” do proprietário.
Art. 9º O tombamento compulsório se fará de acordo com o seguinte processo:
1
2
3
O bem não pode ser tombado sem que o proprietário seja notificado para se manifestar, sob pena de invalidade do tombamento. Não se trata de mera formalidade, é essencial para a RJ que isso aconteça.
O TOMBAMENTO PODE SER DESFEITO! Isso pode ocorrer sempre que se perceba que houve uma avaliação equivocada, o administrado sempre pode provocar o órgão cultural para que seja reanalisado se aquele bem deveria mesmo estar tombado. Perceba ainda que o processo de desfazer o tombamento vai ter praticamente o mesmo processo do tombamento, já que precisa haver ainda essa ideia dá ampla defesa ofertada ao administrado.
EFEITOS DO TOMBAMENTO: Ainda no decreto 25, art 11 ao 21.
RESTRIÇÕES:
· O proprietário tem a obrigação de conservar o bem tombado. Ele têm inclusive que alocar recursos para garantir a conservação do estado atual dá coisa + de só interferir no bem com uma autorização do órgão que tombou por meio de um processo para demonstrar um plano de intervenção no bem para ser avaliado pelo órgão, para garantir que nada essencial do imóvel seja alterado. Se o  proprietário não têm recursos para isso ele fica coobrigado com o órgão para conservarem (art 19).
Art. 17. As coisas tombadas não poderão, em caso nenhum ser destruídas, demolidas ou mutiladas, nem, sem prévia autorização especial do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, ser reparadas, pintadas ou restauradas, sob pena de multa de cinquenta por cento do dano causado.
        Parágrafo único. Tratando-se de bens pertencentes à União, aos Estados ou aos municípios, a autoridade responsável pela infração do presente artigo incorrerá pessoalmente na multa.
Art. 19. O proprietário de coisa tombada, que não dispuser de recursos para proceder às obras de conservação e reparação que a mesma requerer, levará ao conhecimento do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional a necessidade das mencionadas obras, sob pena de multa correspondente ao dobro da importância em que for avaliado o dano sofrido pela mesma coisa.
· A coisa tombada não pode sair do país se não por curto prazo (bens móveis óbvio). 
Art. 14. A. coisa tombada não poderá sair do país, senão por curto prazo, sem transferência de domínio e para fim de intercâmbio cultural, a juízo do Conselho Consultivo do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
· Furto dos bens móveis:
Art. 16. No caso de extravio ou furto de qualquer objeto tombado, o respectivo proprietário deverá dar conhecimento do fato ao Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, dentro do prazo de cinco dias, sob pena de multa de dez por cento sabre o valor da coisa.
· Restrições na vizinhança:
Art. 18. Sem prévia autorização do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, não se poderá, na vizinhança da coisa tombada, fazer construção que lhe impeça ou reduza a visibilidade, nem nela colocar anúncios ou cartazes, sob pena de ser mandada destruir a obra ou retirar o objeto, impondo-se neste caso a multa de cinquenta por cento do valor do mesmo objeto.
INDENIZAÇÃO DO TOMBAMENTO:
Esse assunto é muito questionado, poderia o estado impor ao administrado no uso e gozo do bem e não indenizar? SIM, o tombamento não têm em regra um dever de indenizar o administrado em razão disso. O administrado ao adquirir aquele bem deveria imaginar que aquele bem já era/poderia ser tombado e que teria que arcar com isso.
Alguns doutrinadores discutem que eventualmente o tombamento poderia gerar o dever de indenizar se se provasse que a manutenção do bem impediria o administrado de fazer algo no imóvel e lhe prejudica economicamente, mas isso é um entendimento MINORITÁRIO, a maioria dá doutrina entende que o tombamento nunca geraria o dever de indenizar.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.