A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Neurofisiologia

Pré-visualização | Página 1 de 4

Neurofisiologia 
Propriedades desejáveis dos 
Anestésicos Locais: 
Uma característica importante da 
anestesia local é a produção da perda 
de sensibilidade sem indução da perda 
de consciência 
Muitos métodos são usados para induzir 
anestesia local: 
1. Trauma mecânico (compressão 
dos tecidos) 
2. Baixa temperatura 
3. Anóxia 
4. Irritantes químicos 
5. Agentes neurolíticos, como 
álcool ou fenol 
6. Agentes químicos, como os 
anestésicos locais 
Propriedades consideradas 
desejáveis para um anestésico local: 
 Não deve ser irritante para o 
tecido no qual é aplicado 
 Não deve causar qualquer 
alteração permanente na 
estrutura dos nervos 
 Sua toxicidade sistêmica deve 
ser baixa 
 Deve ser eficaz, 
independentemente de ser 
infiltrado no tecido ou aplicado 
localmente nas membranas 
mucosas 
 O tempo de início da anestesia 
deve ser o mais breve possível 
 A duração de ação deve ser 
longa o suficiente para 
possibilitar que se complete o 
procedimento, porém não tão 
longa que exija uma 
recuperação prolongada 
 Deve ter potência suficiente para 
proporcionar anestesia completa 
sem o uso de soluções em 
concentrações nocivas 
 Deve ser relativamente isento 
quanto à produção de reações 
alérgicas 
 Deve ser estável em solução e 
prontamente submetido à 
biotransformação no corpo 
 Deve ser estéril ou capaz de ser 
esterilizado pelo calor sem 
deterioração 
OBS: Nenhum anestésico local em 
uso atualmente satisfaz todos esses 
critérios, entretanto, todos os 
anestésicos realmente satisfazem a 
maioria deles 
Fundamentos da geração e da 
transmissão de impulsos: 
Final do século XIX, foi descoberto um 
grupo de substâncias químicas com a 
capacidade de prevenir a dor sem 
induzir a perda de consciência 
A ação dos anestésicos locais irá 
impedir a geração e a condução de um 
impulso nervoso, ou seja, ele irá 
estabelecer um bloqueio da via química 
entre a origem do impulso e o cérebro 
Ex: imaginamos que temos uma 
dinamite, se acendermos o pavio, ele irá 
queimar até explodir a dinamite, mas se 
antes de queimar colocarmos água em 
um parte do pavio, o fogo queimará, 
mas quando chega na arte que está 
molhada, o fogo cessará. A mesma 
coisa acontece na ação anestésicos 
 
**O pavio sem o bloqueio chegará até 
a dinamite, ocorrendo a explosão, a 
mesma coisa acontece com o 
paciente, o impulso é gerado e chega 
até o cérebro gerando o estimulo de 
dor 
 
**Com parte do pavio bloqueado, o 
fogo não chegará a dinamite e 
consequentemente não ocorrerá a 
explosão, a mesma coisa acontece 
com o anestésico local, ele bloqueará 
que o impulso nervoso chegue até o 
cérebro 
Neurônio: 
É a unidade estrutural do sistema 
nervoso, é possui a capacidade de 
transmissão de mensagens entre o 
sistema nervoso central (SNC) e todas 
as partes do corpo 
Existe dois tipos básicos de neurônios: 
 Sensoriais (aferentes) 
 Motores (eferentes) 
Os neurônios sensoriais que são 
capazes de transmitir a sensação de dor 
consistem em três partes principais 
(corpo celular, axônio e dendrito) 
 
 
 
Os neurônios motores são 
estruturalmente diferentes dos 
neurônios sensoriais, pois seu corpo 
celular fica interposto entre o axônio e 
os dendritos. Nos neurônios motores, o 
corpo celular não somente é 
componente integrante do sistema de 
transmissão de impulsos, mas também 
proporciona suporte metabólico para a 
célula 
 
Axônio: 
Fibra nervosa única, o axônio, é um 
longo cilindro de citoplasma neural 
(axoplasma) envolto por uma bainha 
fina, a membrana nervosa ou axolema 
O axoplasma é uma substância 
gelatinosa, é separado dos líquidos 
extracelulares por uma membrana 
nervosa contínua, em alguns nervos, a 
própria membrana é coberta por uma 
camada isolante de mielina rica em 
lipídeos, o corpo celular e o axoplasma 
não são essenciais para a condução 
nervosa, porém, eles são importantes 
**O suporte metabólico da membrana 
provavelmente é derivado do 
axoplasma 
 
As proteínas são consideradas os 
elementos primários de organização 
das membranas, as proteínas são 
classificadas como proteínas de 
transporte (canais, transportadoras ou 
bombas) e como sítios receptores. As 
proteínas canais são consideradas 
poros contínuos através da membrana, 
permitindo o fluxo passivo de alguns 
íons (Na+ , K+ , Ca++), enquanto outros 
canais são providos de “portões”, 
permitindo o fluxo de íons apenas 
quando o portão se encontra aberto 
 
 
 
 
 
 
Obs: a bainha de mielina possui 
propriedades isolantes que possibilitam 
que um nervo mielinizado conduza 
impulsos de maneira muito mais rápida 
que um nervo não mielinizado de 
tamanho igual 
 
 
Fisiologia dos Nervos Periféricos: 
Os impulsos podem ser desencadeados 
através de estímulos químicos, térmicos 
ou elétricos 
>> Uma vez iniciado um impulso por um 
estímulo em qualquer fibra nervosa, a 
amplitude e a forma desse impulso 
permanecem constantes, 
independentemente das alterações na 
qualidade do estímulo ou de sua força 
O impulso permanece constante, sem 
perder força ao passar ao longo do 
nervo, porque a energia usada para sua 
propagação deriva daquela que é 
liberada pela fibra nervosa ao longo de 
seu comprimento, e não somente do 
estímulo inicial 
Eletrofisiologia da Condução 
Nervosa: 
 
**Superior, Potencial de repouso. 
Etapa 1, A e B, Despolarização lenta 
até o limiar. Etapa 1, C, 
Despolarização rápida. Etapa 2, 
Repolarização. 
Eletroquímica da Condução Nervosa: 
Estado de Repouso >> em seu estado 
de repouso, a membrana nervosa se 
mostra: 
 Discretamente permeável aos 
íons sódio (Na+) 
 Livremente permeável aos íons 
potássio (K+) 
 Livremente permeável aos íons 
cloreto (Cl-) 
Excitação da membrana: 
Despolarização: A excitação de um 
segmento do nervo provoca aumento na 
permeabilidade da membrana celular 
aos íons sódio. Isso é realizado por um 
alargamento transitório dos canais 
iônicos transmembrana, o suficiente 
para permitir a passagem sem 
obstáculos de íons sódio hidratados 
O influxo rápido de íons sódio para o 
interior da célula nervosa causa 
despolarização da membrana nervosa 
de seu nível de repouso até seu limiar 
de descarga, de aproximadamente –50 
a –60 mV 
>> A exposição do nervo a um 
anestésico local eleva seu limiar de 
descarga, a elevação do limiar de 
descarga significa que mais sódio 
precisará atravessar a membrana para 
diminuir o potencial transmembrana 
negativo até um nível em que ocorra a 
despolarização. Quando o limiar de 
descarga é alcançado, a 
permeabilidade da membrana ao sódio 
aumenta drasticamente e os íons sódio 
entram rapidamente no axoplasma 
>>Ao final da despolarização (o pico do 
potencial de ação), há efetivamente 
uma inversão do potencial elétrico do 
nervo; passa a existir um potencial 
elétrico de +40 mV 
>> Todo o processo de despolarização 
leva aproximadamente 0,3 ms 
Repolarização: O potencial de ação é 
encerrado quando a membrana se 
repolariza. Isso é causado pela 
inativação do aumento de 
permeabilidade ao sódio 
>> Em muitas células, a permeabilidade 
ao potássio também aumenta, 
ocasionando a saída de K+ e levando à 
repolarização mais rápida da membrana 
e ao retorno a seu potencial de repouso 
Canais de Membrana: Os poros 
aquosos discretos através da 
membrana excitável do nervo, 
denominados canais de sódio (ou de 
íons), são estruturas moleculares que 
medeiam sua permeabilidade ao sódio 
O canal também inclui uma parte que 
muda de configuração em resposta a 
alterações no potencial de membrana, 
desse modo modulando a passagem de 
íons através do poro 
 
Propagação de impulsos: 
Depois do início de um potencial de 
ação por um estímulo, o impulso precisa 
se mover ao longo da superfície do 
axônio 
A energia para a propagação do impulso 
é derivada da membrana do nervo da 
seguinte