A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
Histologia do Sistema Endócrino

Pré-visualização | Página 1 de 3

Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO 
 
HISTOLOGIA DA 
HIPÓFISE E 
GLANDULA 
PINEAL 
INTRODUÇÃO 
• Consiste em células secretoras que 
podem se organizar em órgãos 
exclusivos endócrinos chamados 
glândulas, ou que podem se encontrar 
distribuídas ao longo da parede de 
órgãos do sistema digestório, 
respiratório. 
• As glândulas endócrinas são formadas 
por células que secretam hormônios. 
Esses por sua vez atingem outros 
órgãos e células que possuem receptor 
especifico. 
GLÂNDULAS ENDÓCRINAS 
• Hipófise, glândula pineal, tireoide e 
paratireoides, glândula suprarrenal, 
pâncreas endócrino. 
• O hipotálamo e hipófise formam m 
eixo conectado 
• O hipotálamo forma o assoalho do 
diencéfalo. 
HIPOTÁLAMO 
• Localização: assoalho do diencéfalo 
• Composição: aglomerados de 
neurônios chamados núcleos, alguns 
dos quais secretam hormônios 
• Células neuroendócrinas do 
hipotálamo: exercem efeitos positivos 
e negativos sobre a hipófise através de 
fatores de inibição e ativação. 
LOCALIZAÇÃO ANATÔMICA 
 
• Rostralmente está perto do quiasma 
optico, ventralmente com a hipófise e 
dorsolateralmente com o tálamo. 
FUNÇÕES 
• Manutenção da homeostase do 
organismo. 
• Pega sinais externos e internos e a 
partir daí controla as glândulas de 
acordo com o que está ocorrendo. 
• Os sinais internos vêm também do 
SNC. 
• Sendo assim ele controla diversas 
coisas como ingestão alimentar, gasto 
energético, peso corporal, pressão 
arterial, sono, etc. 
EMINÊNCIA MEDIANA 
• É uma região entre hipotálamo e 
hipófise onde há produção de 
hormônios hipotalâmicos. 
• Permite que os hormônios 
hipotalâmicos possam ser secretados 
em pequenas quantidades evitando 
degradação por produção exagerada. 
HIPÓFISE 
• Conhecida coo pituitária ou glândula 
mestra pois regula a produção de 
várias outras glândulas 
• Localiza-se abaixo do hipotálamo 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO 
 
LOCALIZAÇÃO ANATÔMICA 
 
 
• Na altura dos olhas e internamente em 
uma depressão do osso esfenoide 
chamada cela turca. 
ORGANIZAÇÃO ANATÔMICA 
 
PARTES DA HIPÓFISE 
• Parte tuberal forma um colar em torno 
do infundíbulo 
 
• Os núcleos paraventricular e 
supraóptico possuem corpos de 
neurônios(magnocelulares). Seus 
axônios saem e chegam a parte neural 
da hipófise. Por isso podemos falar 
que a neuro hipófise não é uma parte 
secretora e sim de armazenamento e 
posterior liberação. 
• Como há conexão dos axônios 
podemos dizer que há uma relação 
física entre hipotálamo anterior e 
neuro hipófise 
• Na parte posterior do hipotálamo há 
outro núcleo com neurônios 
parvocelulares que são mais curtos e 
produzem fatores de ativação e 
inibição que se direcionam para a 
adeno hipófise. No entanto esses 
hormônios não chegam a adeno 
hipófise diretamente, passam antes 
por uma rede de capilares (sistema 
porta). Isso ocorre pois os axônios são 
mais curtos e não chega até a adeno 
hipófise. 
SUPRIMENTO SANGUÍNEO DA 
HIPÓFISE: SISTEMA PORTA 
HIPOTALÂMICO – HIPOFISÁRIO 
• A hipófise recebe suprimento 
sanguíneo a partir das artérias 
hipofisárias superior e inferior. Que 
são ramificações da artéria carótida 
interna. 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO 
 
 
• A artéria hipofisária superior supre a 
eminencia mediana, processo 
infundibular. 
• Ela entra e forma o plexo capilar 
primário. 
• Nesse sistema porta o que temos é um 
plexo capilar primário e um plexo 
capilar secundário que são conectados 
por veias porta-hipofisárias. 
• Os neurônios parvocelulares liberam 
os hormônios no plexo capilar 
primário e em seguida ele passa para o 
plexo capilar secundário. 
ESTRUTURA HISTOLÓGICA DA ADENO-
HIPÓFISE 
HISTOLOGIA DA PARTE DISTAL 
• Há 2 tipos de componentes: 
• Cordoes de células epiteliais que 
formam a parede da glândula 
• Estroma de tecido conjuntivo frouxo 
entremeando os cordoes 
• Capilares fenestrados 
A parte distal apresenta basicamente 80% de 
toda a glândula 
CORDÕES EPITELIAIS 
• São células epiteliais. Estão sobre 
membrana basal 
• Possui 2 tipos celulares: células 
cromófobas (citoplasma pálido) e 
células cromofilias 
• As células cromofilias podem ser 
classificadas de acordo com a 
coloração quando corada com 
hematoxilina e eosina. Acidófilas 
quando seu citoplasma fica rosa ou 
laranja e basófilas ficam com 
citoplasma azul. 
 
Parte azul: cordoes de células epiteliais. A parte 
de dentro de cada cordão é o estroma de 
tecido conjuntivo. Entre um cordão e outro 
(rosa) mais claro há a presença dos capilares. 
 
Parte distal corada com HE fica mais difícil 
identificar os cordoes. Podemos ver células 
acidófilas e basófilas, cromofilias e vasos 
sanguíneos e rosa. 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO 
 
COM BASE NAS REAÇÕES 
IMUNOHISTOQUIMICAS SÃO 
IDENTIFICADOS 5 TIPOS DIFERENTES DE 
CÉLULAS NA PARTE DISTAL 
• São nomeadas de acordo com o 
produto que elaboram 
• Somatotrofos: célula cromofilia 
acidófila e secretam somatrotofina. 
Apresentam em torno de 40% a 50% 
• Mamotrofos ou lactrofos: acidófilos. 
Secretoras de prolactina 
• Corticotrofos: cromofilias basofilas e 
secretam ACTH 
• Gonadotróficos: basofilas. Secretam 
LH e FSH 
• Tireotróficos: secretam TSH. PAS 
positivo pois reduzem glicoproteínas. 
 
CONTROLE DA SECREÇÃO HIPOTALÂMICA 
• O controle da secreção hipotalâmica e 
adeno-hipofisária é feita por uma 
retroalimentação negativa (feedback). 
• A tireoide produz T3 e T4. Quando 
esse hormônio está em alta no sangue 
ele faz feedback negativo na hipófise 
que regula isso diminuindo a produção 
de TSH. 
PARTE INTERMÉDIA DA ADENO 
HIPÓFISE 
• Localizada entre a parte distal e a 
nervosa. 
• É formada por uma série de cavidades 
císticas que representam a luz 
residual da bolsa de rathke 
• Sua função em humanos ainda não é 
esclarecida 
 
Parte nervosa: formada basicamente por 
axônios. Então a parte intermedia é bem 
Rudimental e basicamente formada por 
cavidades. Também há células cromofilias e 
basofilas entre as cavidades. Essa parte é mais 
desenvolvida em ratos que humanos. 
PARTE TUBERAL 
• Extensão do lobo anterior. 
• Região altamente vascularizada 
contendo veias do sistema 
hipotalâmico hipofisário. 
• Nicho de células pavimentosas e 
pequenos folículos revestidos por 
células cubicas 
NEURO-HIPÓFISE 
• É uma extensão do SNC. 
• Não é uma glândula, e sim um local de 
armazenagem de neuro secreções dos 
neurônios do núcleo supraotico e 
paraventricular. 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 HISTOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO 
 
• Consiste no infundíbulo (formado pela 
eminencia mediana e pelo processo 
infundibular) e o lobo posterior (lobo 
neural, parte nervosa) 
ESTRUTURA HISTOLÓGICA PARTE 
NERVOSA 
• Formada por 3 componentes: 
• Axônios amielinicos: magnocelulares 
• Pituicitos: células de sustentação dos 
axônios 
• Capilares fenestrados: derivados da 
artéria hipofisária inferior. 
Não há presença de barreira hematoencefálica 
apesar de ter relação com o SNC. 
 
Aspecto filamentar e branco: axônios. Núcleos: 
pituicitos. Pequenas aglomerações em rosa: 
corpos de Hering. 
Corpos de Hering 
São dilatações presentes em torno dos axônios 
amielinicos que possuem grânulos que podem 
secretar vasopressina. 
 
 
• Os pituicitos envolvem os axônios. 
Quando o axônio vai liberar o 
hormônio na corrente sanguíneo os 
pituicitos se recolhem para ajudar o 
processo. 
GLÂNDULA 
PINEAL 
• Encontra-se ligada ao cérebro por um 
pedículo, mas não há conexões 
nervosas diretas da glândula pineal