Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Disturbio ácido basico

Pré-visualização | Página 1 de 1

LARISSA MENEZES - ANESTESIOLOGIA 
 
 
• O estado ácido-básico é geralmente avaliado 
medindo-se os componentes do sistema 
tampão bicarbonato-dióxido de carbono no 
sangue 
• Quando a gasometria é realizada, a pressão 
parcial de CO2 (PCO2) e o pH são medidos 
usando eletrodos, e a concentração de 
bicarbonato (HCO3) é calculada com a 
equação de Henderson-Hasselbalch 
• Quando o HCO3 é medido no sangue venoso, 
geralmente é medido diretamente como "CO2 
total" com um eletrodo seletivo de íons. O 
"CO2 total" venoso medido diretamente é 
geralmente aproximadamente 2 mEq / L maior 
do que o HCO3 arterial calculado 
simultaneamente 
 
FISIOLOGIA 
• Equilibro ácido-basico mantido pela: 
▪ Excreção pulmonar normal de dióxido de 
carbono 
▪ Utilização metabólica de ácidos orgânicos 
▪ Excreção renal de ácidos não voláteis 
• Gasometria arterial: 
▪ Pressão parcial de CO2 (PCO2): 35 a 46; 
deve ser arterial; se for venoso é 
aproximadamente 3x maior que o HCO3- 
▪ pH: 7,35 a 7,45 
▪ Bicarbonato sérico (HCO3-): 21 a 27 mEq/L 
 
DEFINIÇÕES DE DISTÚRBIOS 
ÁCIDO-BASE 
• Acidemia: pH arterial abaixo da faixa normal 
• Alcalemia: pH arterial acima da faixa normal 
• Acidose: processo que tende a diminui o pH do 
fluído extracelular, por queda no bicarbonato 
sérico ou elevação na PCO2 
• Alcalose: processo que tende a elevar o pH do 
fluído extracelular, por elevação na 
concentração sérica de HCO3 e/ou queda na 
PCO2 
• Acidose metabólica: distúrbio que reduz a 
concentração sérica de HCO3 e pH 
• Alcalose metabólica: distúrbio que eleva a 
concentração sérica de HCO3 e pH 
• Acidose respiratória: distúrbio que eleva PCO2 
arterial e reduz o pH 
• Alcalose respiratória: distúrbio que reduz 
PCO2 e eleva o pH 
• Transtorno ácido-básico simples: presença de 
um dos transtornos acima com a compensação 
respiratória ou renal apropriada para esse 
transtorno 
• Transtorno ácido-básico misto: presença 
simultânea de mais de um distúrbio ácido-
básico 
 
RESPOSTAS RESPIRATÓRIAS E 
RENAIS COMPENSATÓRIAS 
• Quando um distúrbio ácido-básico metabólico 
reduz o HCO3 sérico (acidose metabólica) ou 
aumenta o HCO3 (alcalose metabólica), deve 
haver um grau apropriado de compensação 
respiratória movendo o PCO2 na mesma 
direção que o HCO3 sérico (caindo na acidose 
metabólica e aumento da alcalose 
metabólica). A compensação respiratória 
atenua a mudança na proporção do HCO3 
sérico para PCO2 e, portanto, no pH. A 
compensação respiratória na acidose ou 
alcalose metabólica é uma resposta 
rápida. Com a acidose metabólica, por 
exemplo, a resposta começa em 30 minutos e 
completa-se em 12 a 24 horas 
• Quando um distúrbio ácido-básico respiratório 
faz com que a PCO2 aumente (acidose 
respiratória) ou diminua (alcalose 
respiratória), a compensação ocorre em duas 
fases. Há uma pequena mudança imediata no 
HCO3 sérico (na mesma direção da mudança 
LARISSA MENEZES - ANESTESIOLOGIA 
 
de PCO2), que se deve aos mecanismos de 
tamponamento de todo o corpo. Se o distúrbio 
respiratório persistir por mais de minutos a 
horas, os rins respondem produzindo 
mudanças maiores no HCO3 sérico 
(novamente, na mesma direção como o 
PCO2). Essas mudanças de HCO3 mitigam a 
mudança no pH. As compensações renais são 
mediadas por aumento da secreção de íon 
hidrogênio (que aumenta a concentração 
sérica de HCO3) na acidose respiratória e 
diminuição da secreção de íon hidrogênio e 
perda urinária de HCO3 na alcalose 
respiratória. A compensação renal leva de três 
a cinco dias para ser concluída. Como 
resultado, os resultados esperados são muito 
diferentes em distúrbios ácido-básicos 
respiratórios agudos (compensação de todo o 
corpo sem compensação renal significativa) e 
crônicos (compensação renal total) 
DOENÇAS DE ÁCIDO-BASE METABÓLICO 
o A compensação respiratória para a acidose 
metabólica faz com que a PCO2 arterial caia 
aproximadamente 1,2 mmHg (0,16 kPa) para 
cada redução de 1 mEq / L na concentração 
sérica de HCO3 
o A compensação respiratória à alcalose 
metabólica deve elevar a PCO2 em 
aproximadamente 0,7 mmHg (0,09 kPa) para 
cada elevação de 1 mEq / L na concentração 
sérica de HCO3 
o Acredita-se que esses níveis muito elevados de 
PCO2 sejam provavelmente gerados por 
fraqueza muscular respiratória associada a 
hipocalemia acentuada e depleção de 
potássio, que quase invariavelmente se 
desenvolvem nesses pacientes 
DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICO RESPIRATÓRIOS 
o A resposta aguda inicial é gerada por uma 
variedade de moléculas de tamponamento do 
pH presentes em todos os compartimentos de 
fluidos do corpo (isto é, tamponamento 
corporal total). Essas reações fazem com que o 
HCO3 sérico aumente (na acidose respiratória) 
ou diminua (na alcalose respiratória) em 5 a 10 
minutos. Essa resposta de compensação 
aguda é relativamente modesta. 
o Uma resposta compensatória maior é gerada 
pelos rins. Essa resposta começa logo após o 
início do distúrbio respiratório primário, mas 
leva de três a cinco dias para se tornar 
completa. Após a conclusão, a diminuição ou 
aumento no HCO3- é designada compensação 
crônica para um distúrbio ácido-básico 
respiratório 
o Resposta à acidose respiratória: 
▪ A resposta compensatória à acidose 
respiratória aguda aumenta a 
concentração de HCO3 sérico em 
aproximadamente 1 mEq / L para cada 
elevação de 10 mmHg (1,3 kPa) na PCO2. 
Se a PCO2 elevada persistir, o HCO3 sérico 
continuará a aumentar gradualmente e, 
após três a cinco dias, o distúrbio é 
considerado crônico. 
▪ A resposta compensatória à acidose 
respiratória crônica leve a moderada 
(PCO2 inferior a 70 mmHg [9,3 kPa]) 
resulta em um pH arterial que geralmente 
é modestamente reduzido ou na faixa 
normal baixa 
o Resposta à alcalose respiratória: 
▪ A resposta compensatória à alcalose 
respiratória aguda reduz a concentração 
sérica de HCO3 em 2 mEq / L para cada 
declínio de 10 mmHg (1,3 kPa) na PCO2. Se 
a redução de PCO2 persistir por mais de 
três a cinco dias, o distúrbio é considerado 
crônico e a concentração de HCO3 sérico 
deve cair em aproximadamente 4 a 5 mEq 
/ L para cada redução de 10 mmHg (1,3 
kPa) na PCO2 
 
DIAGNÓSTICO 
AVALIAÇÃO INICIAL 
o Medição dos eletrólitos séricos: 
▪ HCO3 
▪ Potássio sérico: hipocalemia ou 
hipercalemia 
▪ Sódio sérico 
▪ Cloreto: hiponatremia ou hipernatremia 
▪ Calculo do hiato aniônico sérico 
o Medição de pH arterial e PCO2 
ETAPA 1 
o Estabelecer o diagnostico principal 
LARISSA MENEZES - ANESTESIOLOGIA 
 
o Acidose metabólica: HCO3 baixo + pH arterial 
baixo 
o Alcalose metabólica: HCO3 elevado + pH 
arterial elevado 
o Acidose respiratória: PCO2 elevado e pH 
arterial baixo 
o Alcalose respiratória: PCO2 baixo e pH arterial 
elevado 
o Um pH arterial normal na presença de 
alterações substanciais no HCO3 sérico e na 
PCO2 arterial é geralmente indicativo de 
um distúrbio ácido-básico misto 
ETAPA 2 
o Avaliar o grau de compensação 
o Se a resposta compensatória for inadequada 
ou excessiva para as circunstâncias clínicas do 
paciente, então existe um distúrbio ácido-
básico misto 
ETAPA 3 
o Determinar se o hiato aniônico está elevado ou 
não 
o Se houver acidose metabólica e o hiato 
aniônico estiver aumentado, compare o 
aumento no hiato aniônico com a diminuição 
na concentração de HCO3. Esta razão delta 
anion gap / delta HCO3 deve ser de 
aproximadamente 1 quando existe uma 
acidose metabólica de anion gap simples 
ETAPA 4 
o Estabelecer o diagnóstico clínico 
 
DISTÚRBIOS ÁCIDO-BASE MISTOS 
• Incluem combinações de distúrbios 
metabólicos (por exemplo, alcalose 
metabólica induzida por vômito mais acidose 
láctica induzida por hipovolemia), distúrbios 
metabólicos e respiratórios mistos (por 
exemplo, acidose metabólica e alcalose 
respiratória na intoxicação por salicilato) e 
combinações mais complexas.