A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
14 Princípios de concepção formal arquitetônica

Pré-visualização | Página 1 de 5

Princípios de concepção formal 
arquitetônica
APRESENTAÇÃO
Seja bem-vindo!
A edificação deve responder ao programa de necessidades, ao contexto onde está inserida e, 
mais importante, apresentar uma forma que seja inteligível aos sentidos da percepção das 
pessoas. É essencial que você compreenda quais as maneiras de se conceber uma forma na 
arquitetura e que existem princípios ordenadores da concepção formal arquitetônica, que podem 
ser aprendidos e praticados, os quais organizam os elementos que compõem o projeto e 
constituem as ferramentas da criação em arquitetura. 
Nesta Unidade de Aprendizagem, você vai acompanhar como se comportam as formas e o 
significado dos principais conceitos norteadores do ordenamento na arquitetura. Por fim, você 
verá uma série de análises de exemplares arquitetônicos em que tais conceitos são aplicados.
Bons estudos.
Ao final desta Unidade de Aprendizagem, você deve apresentar os seguintes aprendizados:
Reconhecer os princípios da concepção formal na arquitetura.•
Verificar o comportamento das formas na arquitetura.•
Analisar exemplos de concepção formal na arquitetura.•
DESAFIO
Os princípios da concepção formal arquitetônica correspondem à maneira de organização e 
ordenamento dos elementos que compõem um projeto: eixo, simetria, hierarquia, ritmo, 
referência e transformação.
É muito importante que você saiba identificar estes princípios nas edificações, de forma que 
possa criar um repertório de referências para utilizar em projetos futuros.
Confira as informações a seguir e veja se você consegue identificá-los.
 
Portanto, busque imagens de três projetos arquitetônicos que apresentem, no mínimo, dois 
princípios compositivos em sua volumetria. Elabore um parágrafo justificando os motivos pelos 
quais você escolheu estes projetos e relacione suas características físico-espaciais com os 
conceitos expostos no enunciado.
INFOGRÁFICO
Existem alguns princípios básicos para composição arquitetônica que são considerados recursos 
visuais de projeto: eixo, simetria, hierarquia, ritmo, referência e transformação. Tais princípios 
organizam e ordenam os elementos compositivos de um espaço ou projeto de arquitetura, 
permitindo que as formas coexistam dentro de um todo ordenado, unificado e harmônico.
Neste Infográfico, você verá os princípios da concepção formal em arquitetura aplicados por 
meio de um mesmo espaço: Plano Piloto de Brasília e seus exemplares arquitetônicos. Observe 
como no mesmo lugar é possível encontrar exemplos que representam com clareza uma boa 
arquitetura criada a partir da ordenação e organização formal.
CONTEÚDO DO LIVRO
Os princípios de concepção formal na arquitetura são aqueles que ordenam os elementos que 
compõem determinado projeto, de forma que ele possa ser percebido e compreendido pelas 
pessoas. Nunca esqueça que a composição arquitetônica deve resultar em uma edificação que 
responda às condicionantes do lugar e ao programa de necessidades. Além disso, deve 
apresentar uma estrutura formal que seja inteligível aos sentidos da percepção humana.
Para entender melhor este assunto, leia o capítulo Princípios de concepção formal na arquitetura, 
da obra Introdução ao Projeto arquitetônico, que, além de abordar os principais conceitos 
norteadores do ordenamento na arquitetura, traz uma série de exemplos práticos para explicar 
como se comportam as composições formais. 
Boa leitura.
INTRODUÇÃO 
AO PROJETO 
ARQUITETÔNICO
Cássia Morais Mano
 
Princípios de concepção 
formal arquitetônica
Objetivos de aprendizagem
Ao final deste texto, você deve apresentar os seguintes aprendizados:
 � Reconhecer os princípios da concepção formal na arquitetura.
 � Verificar o comportamento das formas na arquitetura.
 � Analisar exemplos de concepção formal na arquitetura.
Introdução
Compreender a concepção de uma forma na arquitetura é um tema 
essencial para os arquitetos, pois organiza o pensamento criativo e auxilia o 
lançamento de partidos arquitetônicos. Existem princípios ordenadores da 
concepção formal arquitetônica que podem ser aprendidos e praticados 
pelo aluno. Esses princípios organizam os elementos que compõem o 
projeto e constituem as ferramentas da criação em arquitetura. A edifi-
cação deve responder ao programa de necessidades, ao contexto em 
que está inserida e, o mais importante, deve apresentar uma forma que 
seja inteligível aos sentidos das pessoas.
Neste capítulo, você vai acompanhar como se comportam as formas 
na arquitetura e o significado dos principais conceitos norteadores do 
ordenamento nessa área. Além disso, será apresentada uma série de aná-
lises de exemplares arquitetônicos em que esses conceitos são aplicados.
Concepção formal arquitetônica
Para Vitrúvio, arquiteto romano que viveu no século I a.C., a boa arquitetura 
deve considerar três princípios básicos: utilidade, solidez e beleza, os quais 
seriam suficientes para que o projetista pudesse desenvolver um projeto de 
arquitetura. A Figura 1 apresenta esses princípios de utilidade (utilitas), que 
diz respeito ao atendimento das funções da edificação, de solidez (firmitas), 
que trata dos aspectos construtivos, e de beleza (venustas), referente às carac-
terísticas estéticas. Esses princípios consideravam a concepção formal como 
resultado da aplicação das ordens clássicas da arquitetura ao exterior dos 
edifícios (Figura 2) e das relações de proporcionalidade (QUARONI, 1987). 
A partir do século XIX, soma-se a essa ideia o fato de que a composição 
arquitetônica adequada pressupõe a organização espacial em duas e três 
dimensões, considerando o problema de projeto (programa de necessidades, 
lugar onde será construído e aspectos construtivos) e a questão formal (resposta 
volumétrica ao problema de projeto) (MAHFUZ, 2004). A Figura 3 apresenta 
como a organização dos elementos compositivos deve promover um resul-
tado condizente com o programa, o lugar, a estrutura formal e a construção, 
resultando em uma forma pertinente e inteligível aos sentidos da percepção 
humana (REIS, 2002; MAHFUZ, 2004).
A concepção formal na arquitetura está fundamentada nos princípios 
que ordenam e estruturam o sistema formal que caracteriza uma edificação 
(CHING, 2013). Segundo Arnheim (1977), a ausência de ordem em uma 
composição arquitetônica compromete a percepção e a compreensão do que a 
obra está tentando dizer. Os princípios ordenadores correspondem aos recursos 
visuais que são utilizados para organizar uma edificação, tanto seus espaços 
internos quanto a volumetria. Quais são os princípios que conferem ordem à 
concepção formal na arquitetura? Eixo, simetria, hierarquia, ritmo, referência 
e transformação (Figura 4). A seguir, são apresentados os conceitos de cada 
princípio segundo Ching (2013).
Princípios de concepção formal arquitetônica2
Figura 1. Tríade vitruviana.
Fonte: CMartin (2016).
Figura 2. Ordens clássicas arquitetônicas.
Fonte: shooarts/Shutterstock.com.
TUSCAN DORIC IONIC CORINTHIAN COMPOSITE
3Princípios de concepção formal arquitetônica
Figura 3. Quaterno contemporâneo.
Fonte: Mahfuz (2004).
Condições internas ao problema projetual
Condição externa ao
problema projetual
Lugar
Programa
(utilitas)
Construção
(�rmitas)
Estruturas
formais
(venustas)
FORMA
PERTINENTE
Figura 4. Princípios ordenadores da concepção formal arquitetônica.
Fonte: Ching (2013).
Eixo Hierarquia
Simetria Referência
Ritmo Transformação
Princípios de concepção formal arquitetônica4
 � Eixo: constitui, possivelmente, o elemento primordial para a organi-
zação das formas e dos espaços em arquitetura. Corresponde a uma 
linha reta que conecta dois pontos no espaço, ao longo da qual formas 
e espaços podem se organizar de uma maneira simétrica. O uso do eixo 
na concepção formal também designa movimento em direção a algum 
espaço. É composto por duas linhas de ação ao longo do seu compri-
mento, podendo ser preenchidas com edificações – o que determinará 
os limites em sua extensão. As

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.