ok diagnostico 26.04.11
8 pág.

ok diagnostico 26.04.11

Disciplina:Diagnóstico Patológico Por Análise De Imagem11 materiais32 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Diagnóstico Patológico por Análise de Imagem
Rio, 26/04/2011
Alexandra Woods

Neoplasias esofágicas
Vamos seguir sobre o assunto nas obstrutivas, passando pras neoplasias, que são mais raras de acontecer, vamos encontrar poucas vezes neoplasias esofágicas, porem o prognostico é muito ruim. O principal delas, é que elas avançam muito lentamente, ai quando vc começa a pensar em fazer um diagnostico, ela já está muito avançada. Ai não tem muito mais o que fazer.
Começa sempre com regurgitação. Agente demora pra fazer o diagnostico porque o animal está regurgitando, não é identificado o problema correto dele e ai a questão avança sem diagnostico, ai começa o tratamento pra vomito crônico e ai a coisa complica. Neoplasia é difícil porque vc não tem acesso cirúrgico bom, geralmente é maligna.
As neoplasias de esôfago é a única situação que agente vai tentar biopsiar o esôfago. O esôfago agente não vai biopsiar com freqüência, normalmente não é biopsiado quando tem uma esofagite ou alguma coisa assim, só vai biopsiar o esôfago se tiver um nódulo, uma massa, porque o esôfago é um órgão muito elástico, então é difícil de biopsiar, agente só consegue biopsiar quando tem alguma lesão.
Quando vc consegue retirar um fragmento do esôfago é porque tem alguma coisa crescendo ali, o prognostico é ruim. Então é uma das poucas razoes que vamos biopsiar o esôfago.
Outra coisa importante que agente pode ter, alguma compressão externa, que pode ter alguma lesão, algum tumor, alguma massa no mediastino por exemplo, pressionando o esôfago, comprimindo e causando obstrução, agente vai chamar de extra-luminal ou extrínseca. Tomar cuidado com essa região, ficar atento no que está acontecendo ali.
Regurgitou, vamos radiografar primeiro, qualquer suspeita de lesão esofágica, vamos radiografar, se não conseguiu identificar na radiografia simples, faz a contrastada, porque mesmo que vc tenha uma obstrução externa, extrínseca, vc vai ver o contraste diminuindo a passagem daquela região. Vamos sempre radiografar, até porque, lembrando uma coisa importante, a regurgitação pode causar broncoaspiração, a broncoaspiração pode causar pneumonia, então a radiografia também é importante pra gente ver como está o pulmão desse animal, ver se não tem alguma coisa instalada já ali, ex. pneumonia.

Imagem: cão apresentava regurgitação, fiz uma radiografia simples, que não estou conseguindo ver direito, faço uma contrastada. Se contrasta e marca, é esôfago, se não marcar é pulmão.

Spirocerca lupi
O que causa nódulo no esôfago: spirocerca. Em fase inicial é benigno.
Não é tão comum. Mas vc consegue ver na imagem um nódulo, vc tem obstrução, o animal regurgita. O grande problema disso: o animal regurgita, faz diagnostico pra vomito, o tratamento demora pra começar, as pessoas não fazem exame de fezes, então o exame parasitológico é fácil e barato, vc consegue ver, no exame de fezes vc diagnostica isso.
Se a spirocerca não é diagnosticado e evolui, (foto) isso é um fibrossarcoma originado de um nódulo de spirocercose.
Agente sabe que o spirocerca quando vc não trata, quando vc não tem o diagnostico o mais rápido possível ele vai se transformar numa neoplasia, e ai o prognóstico é péssimo, o que tinha prognostico bom no inicio da doença se torna ruim quando chega no estágio mais avançado.
Agente vai biopsiar o nódulo aberto. Se vc ver um nódulo com a mucosa integra vc nem precisa biopsiar, vc vai fazer um exame parasitológico, que vc encontra ovos de spirocerca.
Por que eu sei que isso é um fibrossarcoma por spirocerca: porque fiz um exame de fezes, porque poderia ser por qualquer outra razão.

Spirocerca não é uma coisa que agente vai encontrar com muita freqüência, não encontramos isso toda hora, mas existe, e vc tem que fazer diagnóstico diferencial.
Se vc encontrar um cachorro, com regurgitação, vomito, o indicado é vc fazer um exame de fezes, porque pode ser parasitológico.

Uma coisa interessante no diagnostico também, é que na radiografia vemos vértebras mais escurecidas, isso em spirocercose é característico também. Se eu pegar uma radiografia com imagem de obstrução, com crescimento ósseo de vértebras, vc pode pensar em spirocercose.

Carcinoma epidermóide
	Quando agente vê uma neoplasia dessas, agente biopsia, agente tenta biopsiar o máximo que agente puder, tentar fugir das áreas mais necrosadas, mais inflamadas, pra vc não fazer um erro no diagnostico. Uma vez agente diagnosticou um gato com carcinoma e o gato viveu 15 anos, não era carcinoma.
O carcinoma cresce muito rápido, neoplasia esofágica depois que vc diagnostica que já está obstruído, a evolução é muito rápida. Tem que tomar cuidado, tentar biopsiar o máximo possível e tentar juntar com a história clínica do paciente.

	Neoplasia nem sempre aparece como uma massa, uma bola, um tumor, as vezes ela aparece assim: com a mucosa infiltrada pela lesão, que pode ser um carcinoma epidermoide que não formou uma massa e obstruiu, apenas espessou a mucosa esofágica, nesse caso o tratamento é complicado porque não tenho acesso cirúrgico nenhum, porque praticamente toda a mucosa esofágica ficou espessada. A conseqüência maior disso é o fechamento total da luz, e não tem como alimentar o paciente e ele acaba morrendo.

Outra obstrução adquirida:
Estenose
Lesão bastante importante pela maneira que ela é causada e é uma lesão mais freqüente de encontrar.
Vc tem varias situações que vc podem levar a uma situação de estenose, e a estenose é uma situação complicada, tanto pra tratamento quanto pra prognostico.
	Estenose esofágica: é a cicatriz do esôfago, é quando vc tem alguma lesão, geralmente uma inflamação, uma esofagite causada por corpo estranho, refluxo, vomito crônico (que é muito importante, porque o estomago vai todo pro esôfago e volta, então um animal que vomita 5 vezes por dia, vai fazer uma esofagite), qualquer situação que possa causar uma inflamação, essa inflamação pode cicatrizar e pode causar o fechamento do esôfago e ai é complicado.
	
	Quanto mais crônica for a lesão, mais difícil é de vc curar porque a cicatriz fica mais densa, mais intensa, a cicatriz é fibra de colágeno pura, então vc tem formação de colágeno dentro do esôfago, que tem tendência a fechar, vai fechando até fechar completamente. Temos que tomar cuidado.

	Essa estenose pode ser simples, que é o que agente chama quando tem uma só.
	A estenose pode ser múltipla, quando vc tem vários pontos de estenose.

O que pode causar estenose:
Corpo estranho, ex. anzol (que tirou e ficou uma bolinha vermelha, ai o animal volta 2 semanas depois que retirou, regurgitando). Por que: daquela bolinha vermelha, formou uma cicatriz que fechou o esôfago.

É importante quando vc recebe o animal, saber o que aconteceu com esse animal. Corpo estranho é uma boa dica.

Outra situação importante:
	Gato que vem de cirurgia de castração. Agente sabe que existem algumas drogas que promovem maior refluxo e maior abertura de cárdia no transoperatório. Então durante a cirurgia vc tem um refluxo gastroesofágico. O conteúdo gástrico entrando no esôfago e depois volta pro estomago, isso promove uma esofagite.
	Gato, 2 a 3 semanas depois da cirurgia volta pra clinica regurgitando. É muito comum. A maior parte de casos de estenose que a professora pegou foi pós anestesio.
Drogas que promovem isso com maior facilidade: ketamina, xilazina. Que é o que o pessoal mais usa pra castração de gato.
Então uma vez que vc vai administrar esse tipo de medicação, vc tem que saber que ela faz isso, então de repente vc começa a fazer omeprazol ou uma ranitidina antes de fazer a cirurgia e depois da cirurgia pra justamente tentar evitar esse refluxo. Se mesmo assim o animal voltar pra vc com queixa de “vomito”, vc pensa em regurgitação, porque ele pode estar fazendo por causa disso. Então se o animal está apresentando algum sinal de regurgitação, vc presta atenção, porque se vc pegar no inicio, a estenose no inicio, é mais fácil de tratar, se ficar uma estenose antiga é mais difícil porque é uma estenose mais densa, então fica mais perigoso.