clin equi 14.03.11
6 pág.

clin equi 14.03.11

Disciplina:Clínica Médica Veterinária De Equídeos12 materiais174 seguidores
Pré-visualização2 páginas
O volume do estomago fica aumentado, com esse aumento cronico ele perde a sua capacidade de digestão. Entao quanto mais distendido menor a capacidade de digestão.
Acabam tendo uma redução do apetite
Tem uma inquietação após se alimentar
Apresentam muitas vezes eruptação (cavalo não arrota normalmente).
Entao se eu tenho no histórico animal com barriga distendida, costela aparecendo ... vacas muito magras, eu posso pensar numa situação dessa.
Caquexia, eles comem mais são caquéticos. Porque: o que ele esta comendo, esta sendo absorvido muito pouco. Por isso a tendência é ele ir emagrecendo.

Aumento do volume do abdômen, fica aquela coisa esquelética. ... muitas vezes o cara vai La e pede pra vc tirar a travagem do animal.

Sonda ele, que vc tem gases e refluxo.
O que diferencia de repente, os eventos que acontecem no ID são mais intensos e acompanhados de refluxo. Os eventos de IG, o refluxo normalmente não está presente.

Lembra: se eu tenho um proc no ID, e ele está fazendo refluxo, o meu cavalo está com cólica, em crise.
O cavalo não obrigatoriamente vai estar com sinal de cólica.

“ah meu cavalo não se alimenta direito, ele se inquieta depois que alimenta, ai vc passa a sonda e tem refluxo” vou pensar num processo crônico.

Peristaltismo reduzido. Tudo funciona menos

Capacidade de absorção também.

Percussão: posso encontrar um som surdo, entre o 14º e o 17º espaço intercostal. É difícil percutir entre os espaços. Mas dá pra agente perceber

Fezes fétidas, mal digeridas com grãos de ração, grão inteiro. Agente percebe a qualidade das fezes.

Diagnostico: baseado nos sinais, na sondagem, na palpação. Porque, quando eu vou palpar, quadno eu tenho um peristaltismo reduzido, vou encontrar esse intestino sempre com conteúdo. Ausculta. O prognostico vai ser reservado, porque depois que ele está dilatado, ele pode ate melhorar, mas não volta ao que era.

Tratamento: 4 semanas de alimentação liquida com tentativa que haja redução do tamanho desse estomago (ração diluída). Pra vc tentar fazer com que o estomago reduza. E ai vai depender qual o grau de distensão. Não pode comer capim picado, fibra, fibroso, ele tem que comer o que for mais liquido possível, ou brotinho de capim ou se puder bater isso, diluir, que vira aquela papa.

Tudo está relacionada a intensidade. Entao se ele já tem uma distensão crônica, estomago dilatado, as vezes com 30 dias ele não resolve, ai vc pode tentar aumentar um pouco esse período, pq vc vai dar uma melhorada na capacidade digestiva daquele cavalo.

As infestações por berne também predispõe a esses quadros, que Tb estão relacionados aos animais de baixa renda. Nos locais onde vc tem controle sanitário é mais difícil de acontecer.

3. Síndrome da ulcera gástrica eqüina (SUGE)
	Agente tem a SUGE devido a evolução do diagnostico por imagem, da endoscopia na clinica. Agente por exemplo na clinica de eqüino tem mais facilidade de fazer endoscopia do que na clinica de pequenos. Vc pode fazer a sondagem digestiva ou respiratória.
A partir do momento que começou a usar a endoscopia, começou a se observar essas alterações do estomago. Começou a observar que a freqüência de gastrite e de ulceras era grande, ate entao ninguém suspeitava que o cavalo ia fazer uma gastrite e evoluir para uma úlcera. Alguns tem uma lesão extensa que não é sintomática e outros tem lesão pequena mas que é sintomática, isso varia.
A SUGE, (complexo de acontecimentos que começa com uma gastrite que pode evoluir para lesões da mucosa propriamente dita), está relacionada ao desiquilibrio entre fatores lesivos a mucosa e os fatores de proteção.
Desequilíbrio pode ser por um tratamento medicamentoso, fator estressante intenso, e uma serie de coisas pode levar esse desequilíbrio.
Na superfície aglandular, eu vou ter uma acidez excessiva. E na glandular eu posso ter a deficiência da barreira mucosa, na secreção de bicarbonato e ação das prostaglandinas.
Ex. Flumexineglumine a partir do 3º dia de uso já apresenta algum grau de gastrite. Fenilbutazona a partir do 1º dia já tem gastrite.
	Um desequilíbrio nessas ações vai ter ... maior ou menor, de forma sintomática ou não, dependendo do tamanho da lesão e dependendo do individuo. Ela pode ser uma ulcera ou pode ser difusa.
Um cavalo com ulcera vai apresentar anorexia, depressão, ptialismo e bruxismo.
Sialorreia (aumento da eliminação da saliva, pode ser por não deglutição ou ....) e ptialismo (aumento da produção da saliva). Nessa situação temos um aumento real da produção de saliva. Podem aparecer úlceras, aftas na gengiva.

Diagnostico: endoscopia. Lembra: bruxismo (é comum em potro)

Gastrite
Pode ser catarral, hemorrágica ou fibrinosa.
	A catarral é a mais freqüente.
	A hemorrágica é rara, tem que colocar gelo
	Fibrinosa é muito rara

Etiologia
	Podemos ter rações de baixa qualidade, intoxicações, processos infecciosos, estresse, medicamentos.

Sinais: redução de apetite, apatia, ptialismo (vamos ter o aumento da salivação, podendo ter sialorreia) e o bruxismo.

Muito comum encontrar esses animais encoxerados que sofrem estresse constante com bruxismo. Vale a pena ficar de olho se não tem uma gastrite instalada.

Anamnese e histórico.

Crônica: temos sinais um pouco mais discretos, agente vai perceber emagrecimento progressivo, vamos perceber a baixa produtividade. Se pensarmos em cavalos encoxerados, eles vão dar uma caída do trabalho deles.

Diagnostico: baseado no histórico, sintomas, endoscopia. Podemos avaliar o pH gástrico também.

Prognostico: reservado a partir do momento que agente não sabe quanto tempo tem.

Tratamento
	Importante: o objetivo do tratamento
		Reduzir a acidez grastrica, estimular a proteção da mucosa e estimular o esvaziamento gástrico também.

Existem na literatura umas receitas que na gastrite eu posso deixar ele de jejum de 24-48 horas controlando a acidez. Um antiácido por exemplo.
Forragem verde e nova (ou seja, broto ou capim fresco)
Aveia com linhaça (pra facilitar a eliminação, o transito)
Papa de cereal (uma ração pastosa)
	Geralmente essas papas de cereais são misturadas com linhaça, aveia, etc.

Na aguda: agente faz lavagem gástrica, carvão ativado (Que estimula a proteção na mucosa, ele vai recobrir a mucosa, fazendo com que haja uma proteção maior), carminativos (evitar uma produção de gás muito intensa, e facilita o transito também).

Se eu tenho uma gastrite ou uma ulcera que esteja hemorrágica, faço gelo, salina gelada (soro fisiológico, água filtrada gelada) pra diminuir o sangramento e posso fazer um hidróxido de alumínio pra diminuir a acidez e não ... a mucosa.

Se eu tenho uma gastrite crônica, eu posso fazer:
Quadro crônico mais antigo: cavalos que ficam abandonados na hípica 2 anos, eles acabam fazendo um quadro gástrico crônico que não chega a evoluir para um ulcera pq nada acontece. Ex. faz uma laminite pq está 2 anos na mesma cocheira com a mesma ferradura, ai de repente ele começa a tomar um medicamento que estimula a formação dessa ulcera.
Vou fazer pra eles: solução salina aquecida, 3 litros de manha, 1 hora antes da alimentação. Essa solução aquecida vai possuir:
	Os quadros mais recentes: 2,5g bicarbonato de sódio + 1,0g cloreto de sódio + 1,0g sulfato de sódio
	Os quadros mais antigos: 3g de sulfato de sódio + 5g cloreto de sódio.

Ulcera
Tipo de drogas: antagonistas H2: cimetidina e ranitidina
Inibidor da bomba de próton: omeprazole
Antiácidos normais: hidróxido de alumínio, hidróxido de magnésio
Protetor de mucosa: carvão ativado. drogas que tomam o lugar da ulcera ...
Drogas pró-cinéticas: pra esvaziar mais rápido esse estomago. Ex. metoclopramida, lidocaína.

Terapêutica
Objetivo: vai ser reduzir riscos, seja pra gente, seja pro próprio animal, reduzir os riscos de lesão, ou seja, tentar manter a integridade.
Restabelecer o trânsito e a sua capacidade de absorção.

Tenho varias drogas que vou utilizar:
Analgésicos, vou utilizar pra reduzir a auto lesão
Diminuir riscos a integridade física das pessoas que estão manipulando
Reduzir o quadro de íleo, íleo paralítico, com isso tem