Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Embriologia do estômago

Pré-visualização | Página 1 de 2

Embriologia do estômago
Surge na porção caudal do intestino anterior 
Por volta da 4ª semana vai haver uma dilatação fusiforme em plano medial na cavidade abdominal 
Com passar de semanas o estômago primitivo vai aumentando e se alarga ventrodorsalmente. 
· Esse ponto de crescimento acelerado da parte dorsal demarca a curvatura maior do estômago 
· A porção posterior/dorsal cresce mais que a anterior, acaba puxando o estômago mais para trás, formando a curvatura menor do estomago 
Com o aumento do estomago, ele gira 90 graus no sentindo horário ao redor do seu próprio eixo. Os efeitos da rotação do estomago são: 
· A borda ventral (pequena curvatura) se move para a direita e a borda dorsal (grande curvatura) se move para a esquerda
· Antes da rotação, as extremidades cranial e caudal do estômago estão no plano mediano. Durante a rotação e o crescimento do estômago, sua região cranial se move para a esquerda e levemente para baixo e sua região caudal se movimenta para a direita e para cima. 
· Após rotação o estomago assume a sua posição final, com seu maior eixo quase transverso ao maior eixo do coro. A rotação e o crescimento explicam por que o nervo vago esquerdo supre a parede anterior do estômago adulto e o nervo vago direito inerva sua parede posterior. 
· O estomago vai iniciar um processo de rotação no sentindo horário, olhando de cima. E quando gira a curvatura maior que está atrás vai para o lado esquerdo e a menor vai para lado direito. 
 
MESOGÁTRIO 
Existe uma estrutura que sustenta o estomago quando ele está na porção medial – mesentério (mesogástrio) 
Mesentério junção de dois peritônios (visceral e parietal) 
Divide a cavidade abdominal em esquerda e direita 
Mesogástrio dorsal – originalmente localizado no plano mediano, é carreado para a direita durante a rotação do estômago pâncreas e baço 
Mesogástrio ventral – adere o estômago e o duodeno ao fígado
A medida que o estomago vai rodando ele vai dobrando o mesogástrio e quando dobra fica um espaço que é chamado de bolsa omental (espaço virtual, para que o estomago faça seus movimentos)
A rotação do estômago empurra o mesogástrio dorsal para a esquerda, aumentando, assim, a bolsa 
A bolsa omental se localiza entre o estômago e a parede abdominal dorsal 
Com o aumento do estomago ela se expande e paira sobre o intestino em desenvolvimento resto do mesogástrio dorsal – omento maior 
Mesogástrio ventral – omento menor 
Histologia
O estômago corresponde a porção mais dilatada que temos do sistema digestório, sua função é transformar o bolo alimentar em quimo (mais pastoso) 
A digestão química se deve a: continuação da digestão de carboidratos iniciada na boca; adição de tun fluido ácido (HCl) ao alimento ingerido; digestão parcial de proteínas (ação da pepsina); digestão parcial de triglicerídios (lipases gástrica e lingual).
Dividido anatomicamente em 4 regiões:
· Cardia – transição do esôfago para estomago 
· Fundo gástrico 
· Corpo 
· Região antro pilorica 
Mas histologicamente só tem 3 divisões:
· Cardia 
· Fundo/corpo 
· Antro 
As camadas mucosa e submucosa do estômago não distendido repousam sobre dobras direcionadas longitudinalmente. Quando o estômago está distendido pela ingestão de alimentos, essas dobras se achatam.
O estomago possui 4 camadas:
· Mucosa 
· Submucosa 
· Muscular 
· Serosa – não mais adventícia porque é recoberto por peritônio 
O estomago possui pregas longitudinais – se desfaz quando estomago enche. 
A mucosa gástrica é formada por um epitélio glandular, isso porque tem glândula, que é tubular e ramificada e desemboca na superfície, em uma área denominada fosseta gástrica (por onde as glândulas conduzem as suas secreções e é lançada no lúmen)
Todo o epitélio gástrico está em contato com o tecido conjuntivo frouxo (lâmina própria), que contém células musculares lisas e células linfoides.
Separando a mucosa da submucosa existe existe uma camada de músculo liso, a muscular da mucosa
O epitélio que recobre a superfície do estômago e reveste as fossetas é colunar simples e todas as células secretam um muco alcalino, composto por água, glicoproteínas e lipídios. Essas células também secretam bicarbonato Epitélio colunar simples 
Essas células são chamadas de mucosas, o muco que ela secreta serve de proteção para parede do estômago contra a acidez do lúmen desse órgão. Pois esse muco fica fortemente aderido ao glicocálice das células epiteliais. 
· Células mucosas – produtoras de muco e HCO3 – lubrificação – serve para neralizar o ácido. 
· Esse muco é denso/viscoso, fica aderido no glicocálice dessas células, não vai para o lúmen (proteção para a parede) 
· Luz com PH bem baixo mas a parede do estomago tem ph neutro por conta da proteção do muco com bicarbonato 
O Ph na luz do estômago é entre 4 a 5 quando este está em repouso, no momento da digestão esse Ph cai para em torno de 2. 
O estomago não é resistente ao ácido clorídrico na verdade ele tem mecanismo de defesa:
I. Um desses mecanismos é esse muco rico em bicarbonato 
II. O segundo são as junções oclusivas fortes existente entre essas células mucosas que impedem que os produtos agressores penetrem na mucosa. 
· Os ácidos graxos de cadeia curta podem ser absorvidos no estomago, mas isso é uma exceção pois o comum é que não ocorra absorção nessa porção do TGI, e as junções oclusivas fortes que dificultam essa absorção 
III. O terceiro é uma lâmina própria bastante vascularizada, para permitir a rápida remoção de substancia toxicas 
Fatores endógenos de agressão á mucosa de revestimento do estômago
· HCl + pepsina + lipases (lingual e gástrica) 
O mesmo epitélio do estomago é o das fossetas, ou seja, o mesmo tipo de células é encontrado em ambos (células mucosas) 
NÃO ABSORVE NUTRIENTES NO ESTOMAGO 
 O álcool já é absorvido no estômago 
· Desestabiliza as junções oclusivas – deixando mais permeável a tudo não só ao álcool -por isso é umas das causas de gastrite 
No epitélio da cárdia, do corpo e do antro e nas fossetas dessas porções vamos encontrar células da mucosa 
O que diferencia em cada uma dessas porções do estômago é na região das glândulas.
Cárdia · Gastrite crônica – H. pylori e álcool 
· Gastrite aguda – AINES 
O epitélio da cárdia e das fossetas é composto por células mucosas
Região das glândulas:
· Fossetas mais curtas 
· Glândulas curtas, simples ou pouco ramificadas 
· Células mucosas 
· Podendo encontrar células parietais – produção de HCl (não é o habitual) 
Logo na cárdia temos células mucosas no epitélio, nas fossetas e glândulas 
Fundo/corpo 
Maior porção
As fossetas podem estarem ligadas a 3 ou até mesmo a 6 glândulas, essas glândulas são tão profundas que nela existe 3 regiões 
1. Istmo: células mucosas, células tronco (vão diferenciar em todos os tipos de células que encontramos no estômago - faz parte da renovação do epitélio) e células parietais 
2. Colo: células tronco, células mucosas do colo (não são as mesmas células mucosas falada anteriormente, a diferença é um muco não tão grudento, mais fluido, não fica aderido no glicocálice da célula, vai para lúmen e acredita-se que tem substâncias bactericidas – lisozimas) e células parietais em bastante quantidade 
3. Base: não tem tanta célula assim, caracterizado por um tipo de célula – células principais (zimogênicas, pois são produtoras de enzimas – pepsina e lipase gástrica) – RE desenvolvido (basófila). Podendo encontrar células G e ECL 
Obs: Células enteroendocrinas/DNES- estão por todo sistema digestório
· Células G – gastrina
· Células D – somatostatina 
· ECL - histamina 
Antro
Fossetas bem profundas e glândulas mais curtas 
Tipo de células é bastante parecida com a cárdia 
Célula mucosa na fosseta, epitélio e glândula 
A diferença é que não encontramos em nenhum momento células parietais 
Caracterizada por células enteroendocrina (células D) 
Nas células parietais encontramos uma grande quantidade de mitocôndria – acidófila 
Possui canalículo – são vesículas que vão se juntar para abrir um canal – e dentro das células encontramos sistema tubulovesicular vai se fundir
Página12