Buscar

Síndrome edemigênica

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 8 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 8 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

SÍNDROME EDEMIGÊNICA OU EDEMATOSA
● Acúmulo anormal de líquido no espaço intersticial.
● Edema generalizado: mais de um compartimento corporal.
● Edema localizado: apenas em um compartimento corporal.
Mecanismos de formação do edema:
● Desbalanço das forças de Starling:
- ↑ pressão hidrostática do capilar
- ↑ permeabilidade capilar
- ↑ pressão oncótica intersticial
- ↓ pressão oncótica do plasma
- alteração no fluxo linfático
Causas:
● Síndrome nefrítica (edema renal)
● Síndrome nefrótica (edema renal)
● Pielonefrite (edema renal)
● Insuficiência cardíaca
● Cirrose hepática
● Hepatite crônica
● Desnutrição proteica
● Alergias
● Gravidez
● Obesidade
● Hipotireoidismo
● Medicamentos (corticoides, anti-inflamatórios, antagonistas do cálcio)
● Varizes (edema localizado)
● Trombose venosa (edema localizado)
● Processos inflamatórios (edema localizado)
● Afecções dos linfáticos (edema localizado)
Edema renal:
● Generalizado
● Predominantemente facial
● Acumula-se na região subpalpebral
● Mole
● Inelástico
● Indolor
● Frio
● Síndromes glomerulares (nefrótica e nefrítica) e pielonefrite.
Síndromes glomerulares:
- Há ruptura da barreira de filtração glomerular.
- Causa importante de DRC.
- Primárias: de origem renal.
- Secundárias: secundárias a doenças sistêmicas (DM, HAS).
- Apresenta:
➔ Proteinúria: aumento da permeabilidade glomerular
➔ Hematúria: inflamação da parede capilar
➔ Elevação da ureia: diminuição da função renal
➔ Oligúria ou anúria: inflamação glomerular (mais comum na nefrítica)
➔ HA: retenção de NA+ e água
SINTOMAS ⁄ SINAIS SÍNDROME NEFRÍTICA SÍNDROME NEFRÓTICA
Instalação Abrupta Insidiosa
Edema ++ ++++
Pressão Arterial Alta Normal
Proteinúria + ou ++ ++++
Hematúria +++ - ou +
Albumina Sérica Normal Baixa
Edema cardíaco:
● Varia de intensidade (+ a ++++)
● Mole
● Inelástico
● Indolor
● Generalizado - predomínio nos membros inferiores
- É um dos sinais cardeais da insuficiência cardíaca congestiva.
- É vespertino mas pode ser observado no período da tarde após o paciente
manter-se em pé por várias horas.
- Ocorre principalmente pelo aumento da pressão hidrostática associado à
retenção de sódio e água. (É provável que haja também, aumento da
permeabilidade capilar em consequência da ação do fator natriurético atrial).
- Em uma primeira fase esse distúrbio hidrossalino se deve à estase renal e à
diminuição do débito cardíaco. Posteriormente passa a ter importância um
aumento secundário da produção de aldosterona.
- O aumento da pressão hidrostática reflete o aumento da pressão venosa, que
é denominador comum de todos os sinais de insuficiência ventricular direita.
Edema por cirrose hepática:
● Generalizado - predomínio nos membros inferiores
● Discreto (+ a ++)
● Mole
● Inelástico
● Indolor
● Ocorre ascite concomitante (inchaço abdominal causado pelo acúmulo de
líquidos)
Edema da desnutrição proteica:
● Generalizado - predomínio nos membros inferiores
● Mole
● Inelástico
● Indolor
● Discreto (+ a ++)
- Causado pela diminuição da pressão osmótica das proteínas plasmáticas
(uma decorrência da ingestão reduzida dessas substâncias.
Edema alérgico:
● Pode ser generalizado, mas costuma restringir-se à face ou à área da alergia
● Instala-se de modo súbito e rápido
● Mole
● Elástico
● Quente
● Eritematoso
- Causado pelo aumento da permeabilidade capilar.
Edema medicamentoso:
● Predomínio nos membros inferiores mas quando muito intenso, pode
acometer a face
- Causado pela retenção de sódio.
Linfedema:
● Localizado
● Duro
● Inelástico
● Indolor
● Com alterações na pele, que se torna áspera e grossa
- Originado nas alterações patológicas dos vasos linfáticos.
- Depende da obstrução dos canais linfáticos.
Investigação do edema - Anamnese:
● Tempo de duração
● Evolução
● Localização
Investigação do edema - Exame físico:
● Localização e distribuição
● Intensidade
● Consistência
● Temperatura da pele circunjacente
● Sensibilidade da pele circunjacente
● Outras alterações na pele circunjacente
Localização e distribuição:
- localizado ou generalizado
Intensidade:
- + a ++++
- técnica: com a polpa digital do polegar ou do indicador, faz-se uma
compressão, firme e sustentada, de encontro à uma estrutura rígida
subjacente à área do exame (pode ser a tíbia, o sacro ou os ossos da face).
Havendo edema, ao ser retirado o dedo, vê-se uma depressão, chamada de
fóvea, sinal de Godet ou sinal de Cacifo.
- outras maneiras de avaliar a intensidade: pesar o paciente diariamente (1x) e
acompanhar diferença no peso; medir o perímetro da área edemaciada e
comparar com um dia que a área estava normal.
Consistência:
- mole ou duro
- técnica: mesma manobra para avaliar intensidade
Elasticidade:
- elástico ou inelástico
- elástico: pele retorna rapidamente após parar de comprimir a área do edema.
- inelástico: pele demora para descomprimir após retirar o dedo.
Temperatura:
- normal ou quente ou frio
- quente: edema inflamatório.
- frio: comprometimento de irrigação sanguínea naquela região.
Sensibilidade:
- doloroso ou indolor
- doloroso: edema inflamatório.
- técnica: mesma para intensidade.
Outras alterações da pele adjacente:
- mudança de coloração, palidez, cianose, eritema, textura e espessura da
pele.
- pele lisa e brilhante: edema recente e intenso.
- pele espessa: edemas de longa duração.
- pele enrugada: edema em resolução.
*Extra: Síndrome urêmica:
● Causa edema.
● Conjunto de sinais e sintomas decorrentes do acúmulo de toxinas urêmicas
secundário ao funcionamento renal inadequado - rim não consegue filtrar
toxinas que deveriam ser eliminadas pela urina (rim não consegue depurar os
resíduos finais do metabolismo, causando acúmulo de toxinas no paciente).
● Sinais e sintomas mais comuns: fadiga, fraqueza, adinamia, prurido, edema,
náuseas e vômitos e perda de peso - porém pode causar os mais diversos
sintomas em diferentes sistemas.
● Pode ser decorrente de uma DRC terminal ou de uma LRA.
● Importantíssimo história clínica para diagnóstico.
Caso Clínico:
“Homem, 61 anos, natural, procedente e residente em Bauru, católico, motorista de
ônibus, casado.
Queixa principal: Inchaço em todo corpo há 7 dias.
HDA: Paciente conta que há aproximadamente 1 mês começou a notar o
aparecimento de edema em membros inferiores. Esse edema foi piorando
progressivamente e, há 7 dias, até o rosto está edemaciado. Nega redução do
débito urinário, mas notou que a urina está com espuma. Nega outros sintomas
urinários.
ISDA: Refere um pouco de cansaço e fraqueza. Nega febre.
-Refere ganho de peso após o início do quadro, estando hoje com 10Kg acima do
seu peso habitual
-Conta dispneia para esforços moderados. Nega dor precordial
-Urina espumosa
-Nega alterações em trato digestório
Antecedente Pessoais:
Nega doenças da infância. Hipertensão arterial sistêmica há 20 anos em tratamento
regular e seguimento médico de rotina. Desconhece história de diabetes e
dislipidemia, nega IAM ou AVE prévios. Faz uso de: Hidroclorotiazida 25mg pela
manhã e captopril 50mg de 8 em 8 horas.
Antecedente Familiares:
Pai hipertenso e diabético, faleceu aos 64 anos por IAM. Mãe hipertensa e obesa.
Irmãos todos hipertensos e vivos. Desconhece os antecedente patológicos dos
avós.
Hábitos de Vida:
Trabalha como motorista de ônibus há 30 anos. Refere alimentação irregular devido
ao trabalho. Nega etilismo, tabagismo ou uso de drogas ilícitas. Mora em casa
própria com a esposa e 1 filha. Casa com saneamento básico, 5 cômodos. Nega
animais domésticos
Illness: Está com medo e preocupado com as possibilidades de diagnóstico.
Exame Físico:
BEG, corado, hidratado, afebril, acianótico, anictérico, lúcido e orientado em tempo
e espaço, marcha incaracterística.
PA: 150X80mmHg FC=FP: 90bpm FR: 14irpm Sat: 92% ar ambiente Peso:
130Kg Estatura: 1,84 IMC: 38 Circunferência Abdominal: 120cm Biotipo:
Longilíneo T: 36°C.
Dados positivos:
Edema generalizado, 4+/4+ em membros inferiores, edema bipalpebral
Crepitações finas bibasais.”
Minhas anotações:
● Aumento do peso é por causa do edema.● HAS e captopril podem estar relacionados com síndrome nefrótica, porém
síndrome nefrótica cursa com dislipidemia, e o paciente ACHA que não tem -
precisa de exames laboratoriais para comprovar a falta ou não da
dislipidemia.
● Pedir ecocardiograma para descartar ou comprovar a síndrome de
insuficiência cardíaca.
● Hipóteses diagnósticas sindrômicas: síndrome edemigênica, síndrome
nefrótica, síndrome da insuficiência cardíaca.
Perguntas:
1. Qual a hipótese diagnóstica sindrômica mais favorável?
Síndrome nefrótica. Acho mais provável nefrótica do que de insuficiência cardíaca
por causa da proteinúria, já que a insuficiência cardíaca demora anos para
desenvolver, enquanto a proteinúria do paciente é recente. Além disso, HAS e
obesidade indicam síndrome nefrótica. Edema bipalpebral é mais favorável à
doenças renais.
Obs: anasarca foi o ponto mais importante para desconfiar de problema renal.
2. Qual a hipótese diagnóstica topográfica mais favorável?
Glomerular.

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes