A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Portifolio Individual_4

Pré-visualização | Página 1 de 2

Eunápolis 
2015 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
MARIPAULA DOS SANTOS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO 
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS – LICENCIATURA 
 
TOXOPLASMOSE 
 
Eunápolis 
2015 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TOXOPLASMOSE 
 
Trabalho apresentado ao Curso de Ciências Biológicas 
da Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, como 
requisito parcial para a obtenção de média bimestral nas 
disciplinas de Zoologia de Invertebrados, Zoologia de 
Vertebrados, Morfofisiologia Animal II, Microbiologia 
e Imunologia e Seminário da Prática IV. 
 
Orientadores: Flavia A. C. Silva, Tiago H. S. Garbim, 
Vinicius P. Rincão, Thomaz N. Burke, Maurilio C. B. 
Bergamo 
 
 
MARIPAULA DOS SANTOS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 3 
2 DEFINIÇÃO E ASPECTOS GERAIS DA DOENÇA ............................................. 4 
3 FORMAS DE TRANSMISSÃO E CICLO BIOLÓGICO......................................... 6 
4 DIAGNÓSTICO E PROFILAXIA ........................................................................... 8 
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................. 9 
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 10 
 3 
1 INTRODUÇÃO 
É possível que um terço da população mundial esteja contaminada 
pelo Toxoplasma gondii, segundo estimativas do Ministério da Saúde. O mesmo 
estudo diz que, entre novembro de 2001 e janeiro de 2002, o Brasil reportou o maior 
surto de toxoplasmose do mundo, ocorrido no município de Santa Isabel do Ivaí, no 
Paraná (FIALHO; TEIXEIRA; ARAUJO, 2008). 
Calcula-se que a prevalência da toxoplasmose no mundo, entre os adultos, 
varie de 30% a 90% entre as pessoas que tiveram conexão com o protozoário 
Toxoplasma gondii, facilmente encontrado na natureza e que pode contaminar 
várias espécies de animais, inclusive o homem. A infecção, dessa forma, é muito 
comum na população e capaz de acontecer em qualquer idade (FIALHO; TEIXEIRA; 
ARAUJO, 2008). 
A toxoplasmose não é transmitida de pessoa para pessoa, ao menos em 
casos de mãe para bebê (congênita), transfusão de sangue e transplante de órgãos. 
As três formas mais comum de transmissão são através de alimentação, de animais 
(zoonose) e de mãe para bebê (congênita) (FIALHO; TEIXEIRA; ARAUJO, 2008). 
Toxoplasmose é uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, 
provocado por um protozoário alcunhado Toxoplasma gondii, detectado nas fezes 
dos felídeos domésticos ou silvestres. Homens e outros animais também podem 
hospedar o parasita que se aloja nos tecidos (FIALHO; TEIXEIRA; ARAUJO, 2008). 
Constatamos que nos últimos anos ocorreu um intenso progresso 
tecnológico e importantes mudanças culturais e sociais que refletem na saúde 
humana. Contudo, as zoonoses originadas por parasitas não deixaram de ser uma 
complicação infindável para saúde pública nos países em desenvolvimento e uma 
tormenta crescente nos países desenvolvidos, dado que nem sempre as medidas 
sanitárias e educacionais são suficientes para exterminar as parasitoses (FIALHO; 
TEIXEIRA; ARAUJO, 2008). 
 
 
 
 
 
 4 
2 DEFINIÇÃO E ASPECTOS GERAIS DA DOENÇA 
A Toxoplasmose é uma doença de distribuição mundial e de alta 
dominância. Estima-se que cerca de 60% da População mundial esteja infectada 
com o protozoário intracelular obrigatório Toxoplasma gondii, pertencente ao Filo 
Apicomplexa, Ordem Eucoccidia e Familia Sarcocystidae, que infecta animais, de 
preferência mamíferos como porco e cabra e algumas aves como hospedeiros 
intermediários. O gato e outros felídeos jovens são vetores definitivos ou completos, 
sendo os propagadores deste protozoário (SILVA; ALVES; AMÓRA; TEXEIRA; 
ACCIOLY; CARVALHO; NÓBREGA; FILGUEIRA; FEIJÓ, 2006). 
 O termo toxoplasma significa forma de arco, onde toxon indica arco e 
plasma referi-se a forma, já que o parasito apresenta forma de um arco ou meia lua. 
O agente etiológico da Toxoplasmose o Toxoplasma gondii foi descoberto no ano de 
1908 em dois países: na Tunísia, por Nicolle e Manceaux adquirido por meio de 
formas oriundas do roedor Ctenodatylus gondii e no Brasil, por Splendore, a partir de 
formas avistada em coelhos doentes e/ou mortos em laborátorio. Em 1909 foi 
relatado por Nicolle e Manceaux e criaram o gênero Toxoplasma e a espécie 
T.gondii (SILVA; ALVES; AMÓRA; TEXEIRA; ACCIOLY; CARVALHO; NÓBREGA; 
FILGUEIRA; FEIJÓ, 2006). 
Detectado em vários tecidos, células e líquidos corporais (exceto em 
hemácias) do ser humano e de várias espécies de animais (hospedeiros 
intermediários) e nas células epiteliais do intestino de felídeos (hospedeiros 
definitivos), o toxoplasma apresenta-se perante diversas formas ao longo do seu 
desenvolvimento, sendo elas: 
• Taquizoíto: é detectado durante a fase aguda da doença nos líquidos 
orgânicos e excreções e dentro das células; é a forma proliferativa de multiplicação 
rápida dentro das diversas células. 
• Bradizoíto: designado também de cistozoíto ou forma de latência, é 
avistado em vários tecidos dentro do cisto, durante a fase crônica da infecção; 
prolifera-se lentamente, por endodiogenia. Os bradizoítos são mais indestrutíveis à 
pepsina do que os taquizoítos e podem manter-se viáveis nos tecidos por muitos 
anos. 
• Oocisto: é gerado nas células intestinais de felídeos não imunes e 
suprimido imaturo juntamente com as fezes para o meio exterior; gera no seu interior 
 5 
os esporozoítos; é a forma de barreira, possuindo uma parede dupla bastante 
resistente às condições do meio ambiente. 
 6 
3 FORMAS DE TRANSMISSÃO E CICLO BIOLÓGICO 
A toxoplasmose pode ser adquirida pela ingestão de água e/ou alimentos 
contaminados com os oocistos esporulados, presentes nas fezes de gatos e outros 
felídeos, por carnes cruas ou mal passadas, principalmente de porco e de carneiro, 
que abriguem os cistos do protozoário Toxoplasma gondii. A ingestão de leite cru 
contendo taquizoítos do parasito, principalmente de cabras, pode ser uma forma de 
infecção, mas provavelmente rara, pois a cabra tem de se infectar durante a lactação 
para que exista a possibilidade de passagem de taquizoítos para o leite 
(KOVALICZN; BORGES; BERND; ROSA; ALVES, 2011). 
A toxoplasmose pode ser transmitida de mãe para filho, mas não se 
transmite de uma pessoa para outra apesar de que já foi constatado a transmissão 
por transfusão sanguínea e transplante de órgãos de pessoas infectadas. Seu 
diagnóstico é feito levando em conta exames clínicos e exames laboratoriais de 
sangue, onde serão pesquisadas imunoglobulinas como a IgM e IgG (KOVALICZN; 
BORGES; BERND; ROSA; ALVES, 2011). 
Toxoplasma gondii tem um ciclo vital heteroxênico, sendo os felídeos, 
especialmente os gatos jovens, os únicos hospedeiros definitivos, ocorrendo 
a reprodução sexuada dentro do vacúolo parasitóforo docitoplasma, nas células 
epiteliais do intestino do gato e a reprodução assexuada em outros tecidos. 
Portanto, apenas nesses animais o toxoplasma consegue completar todo o seu 
duplo ciclo biológico (KOVALICZN; BORGES; BERND; ROSA; ALVES, 2011). 
 Nos hospedeiros intermediários, como roedores, bovinos, suínos, aves e o 
próprio homem, por exemplo, ocorrem somente as fases assexuadas do ciclo. 
Portanto, esses animais transmitem a infecção apenas quando sua carne é comida 
por animais ou pelo próprio homem, ou quando as fêmeas infectadas desses grupos 
de animais transmitem o parasita para seus filhos durante a gravidez (KOVALICZN; 
BORGES; BERND; ROSA; ALVES, 2011). 
O gato se infecta com esporozoítas de Toxoplasma gondii quando, 
principalmente, ele se alimenta de camundongos que tenham toxoplasmose aguda 
ou crônica. Os esporozoítas percorrem

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.