A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
TRANSTORNO DE PERSONALIDADE e TRANSTORNO DE HUMOR

Pré-visualização | Página 1 de 1

Flávia Helena 
1 PSIQUIATRIA 
 
 
Comportamento e estado clínico de um indivíduo que tende a persistir de 
modo a estabelecer relações consigo mesmo e outros. Não é um quadro 
psicótico 
 
GRUPO A – ESTRANHO 
- PARANÓIDE: desconfiado; 
- ESQUIZÓIDE: indiferente, distante social e emocional; 
- ESQUIZOTÍPICO: “viajado” comportamentos diferentes; 
 
GRUPO B – DRAMÁTICO 
- ANTISSOCIAL: Ausência de aprendizado com punição; 
- BORDERLINE: Instável, irritado, impulsivo; 
- NARCISISTA: Falta de empatia, egocêntrico; 
- HISTRIÔNICO: Teatral; 
 
GRUPO C – ANSIOSO 
- EVITATIVO: Inseguro, fácil ofensa; 
- OBSCESSIVO: Perfeccionista, rígido; 
- DEPENDENTE: Medo do abandono, desamparo, necessita de outro para tomada 
de decisões; 
 
Ciclo de vida. 
Anamnese contada pela família 
Dia a dia 
 
- 1ª opção – Terapia Comportamental Cognitiva 
- 2ª opção - Sintomático – medicamentos para o quadro: depressão, ansiedade. 
- Se borderline – Pode associar antipsicótico - Risperidona 2mg – 1 comprimido a 
noite. 
 
 
 
Flávia Helena 
2 PSIQUIATRIA 
 
 
Humor: Disposição afetiva de fundo, que vai penetrar em toda experiência psíquica 
do indivíduo. 
 
 
Altera a maneira como o indivíduo vê o mundo e a realidade, altera o entendimento 
das coisas e das emoções. 
 
 
Critério A 
-Humor deprimido 
-Anedonia (diminuição do prazer) 
 
Critério B 
- Insônia ou hipersonia 
- Perda do apetite 
-Lentificação de movimentos (psicomotora) 
- Redução de energia, fadiga 
- Sentimento de culpa excessiva 
- Baixa autoestima 
- Ideação suicida 
 
A duração dos sintomas tem que ser por um período maior do que de 2 semanas. 
 
Pode ocorrer junto a sintomas de perda do interesse: quadros de ansiedade, 
hiperfagia, hipersonia e irritabilidade. 
 
Estado depressivo leve e prolongado por um período mínimo de 2 anos, apresentando 
sintomas de depressão. 
 
 
 
Flávia Helena 
3 PSIQUIATRIA 
 
 
-1ª opção - Terapia 
- Antidepressivos 
Tricíclicos – Amitriptilina 25mg, Nortriptilina 25mg. 
Inibidores seletivos da recaptação de serotonina – Fluoxetina 20mg, 
Sertralina 50mg, Paroxetina 40mg, Escitalopram 10mg, Citalopram 20mg, . 
Inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina – Desvenlafaxina 
50mg, Venlafaxina 75mg, Duloxetina 30mg. 
-Associar benzodiazepínicos se necessário; 
- Atividade Física; 
- Mudança de estilo de vida; 
 
“Blues puerperal”: Momento em que ocorre melancolia, tristeza, choro fácil, sem 
impedimento da realização das atividades da mãe. 
Inicia logo após o parto e melhora por volta do 15º dia pós parto. 
 
Tratamento: Tranquilizar a mãe. 
 
Depressão pós parto: O transtorno blues puerperal persiste e evolui para um estado 
depressivo prolongado e incapacitante das atividades da mãe. 
 
Tratamento: Uso de antidepressivos. Preferência - ISRS 
Fluoxetina 20mg 
Escitalopram 10mg 
 
Psicose puerperal: Ocorre no início do pós parto, podendo durar de 6 a 12 semanas, 
evoluindo com sintomas psicóticos de delírio, alucinações e agitação psicomotora 
em relação ao bebê. 
 
Tratamento: Separar a mãe da criança imediatamente. 
Uso de antipsicótico 
- Risperidona 2mg 
- Haldol 5mg