A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Emergências Tireoidianas

Pré-visualização | Página 3 de 3

O tratamento inclui medidas de suporte, com correção da hipotermia, 
dos distúrbios eletrolíticos, suporte de vias aéreas e de 
hemodinâmica. A reposição de hormônio tireoidiano é a pedra 
fundamental do tratamento, podendo ser feita com T4, T3 ou com a 
combinação de ambos. A maior parte da literatura recomenda o uso 
de terapia intravenosa. 
Doses T4: 
• dose de ataque de T4: 200 a 400 mcg EV ou 500 mcg VO 
• dose de manutenção: 100-150 mcg VO ao dia ou 1,6 mcg/kg 
ao dia 
Terapia combinada: doses de 10 mcg de T3 e 200 a 300 mcg de T4 
EV, mantendo 50 a 100 mcg T4 VO ou EV e 10 mcg EV de T3 a cada 8 
ou 12 horas nas primeiras 48 horas de tratamento ou até o paciente 
recuperar o nível de consciência. 
→ indicada para pacientes jovens sem doença coronariana ou 
arritmias 
 
Página 5 de 5 
 
REPOSIÇÃO DE GLICOCORTICOIDES: 
Deve ser realizada até que seja excluída a presença de insuficiência 
adrenal associada, com hidrocortisona 100 mg EV 8/8 horas. 
 
Observação! Antes de iniciar a reposição de corticosteroides é 
prudente colher o cortisol basal - caso em níveis iguais ou maiores 
do que 25 mcg/dL a presença de insuficiência adrenal é improvável. 
 
HIPONATREMIA E HIPOGLICEMIA: 
Caso a hiponatremia seja discreta, com sódio sérico maior do que 120 
mEq/L, a simples reposição de hormônio tireoidiano constitui o 
tratamento apropriado. 
A hipoglicemia é comum e com potencial deletério, devendo ser 
corrigida prontamente. A sua presença aumenta a suspeita de 
insuficiência adrenal associada. 
 
Observação! A reposição de sódio deve ser realizada com cuidados 
para evitar sobrecarga de volume e realizada conforme as 
recomendações para o tratamento da hiponatremia em outras 
situações. 
 
HIPOVENTILAÇÃO: 
Todos os pacientes devem realizar radiografia de tórax e gasometria 
arterial. A reposição de hormônios tireoidianos por si só pode 
melhorar o nível de consciência em 48 a 72 horas, entretanto, boa 
parte dos pacientes requer ventilação mecânica. A indicação de 
ventilação mecânica nesses pacientes é precoce e o uso de sedativos 
deve ser criteriosamente avaliado, considerando a suscetibilidade 
aumentada desses pacientes. 
 
HIPOTERMIA: 
Pode ser grave, e o aquecimento com cobertores e a manutenção de 
temperatura ambiente apropriada são medidas terapêuticas 
importantes. 
 
DISTÚRBIOS HIDROELETROLÍTICOS: 
O estado hipovolêmico em que se encontram esses pacientes e seus 
déficits eletrolíticos associados exigem o 
uso de soluções intravenosas para o tratamento. O uso de solução 
salina deve ser realizado para correção da hipotensão, e em alguns 
casos o uso de drogas vasopressoras como a dopamina se torna 
necessário. 
 
 
 
 
Quando o paciente com coma mixedematoso deve internar? Todos os 
pacientes com estado mixedematoso têm indicação de internação 
hospitalar em ambiente de terapia intensiva. O seguimento 
ambulatorial deve ser garantido a todos os pacientes para controle 
do hipotireoidismo. 
 
CONTEÚDO: 
 Medicina de Emergência - USP