A maior rede de estudos do Brasil

DIDATICA

  • De acordo com o educador Paulo Freire “seria uma atitude muito ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que permitisse às classes dominadas perceberem as injustiças sociais de forma crítica”. Identifique, dentre as alternativas abaixo, a tendência pedagógica representada na fala de Freire.

Didática

UNINASSAU MACEIÓ


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Paulo Freire, em seu livro "Pedagogia do Oprimido", critica a educação que leva os aprendizes como destinatários em que o conhecimento será depositado. Esse tipo de educação chama-se pedagogia bancária ou tradicional dos opressores, já que o educador é o único detentor do conhecimento e é ele quem vai transmitir o conhecimento aos alunos, para que se tornem sujeitos passivos e, portanto, em sujeitos oprimidos.


Em vez de se comunicar, o educador comunica, incide, recebe pacientemente, memoriza e repete. Freire refere-se a uma das atividades que normalmente desenvolve ensino, contar histórias. Ela nos diz que "A história, cujo tema é o professor leva os alunos a memorização do conteúdo narrado. Além disso, a narrativa os transforma em" vasos "em recipientes devem ser" preenchidos "pelo professor.


Quando mais você encher os recipientes com o melhor educador será o com maior cilidade, melhor serão os alunos. " Freire considerou que a educação bancária deveria mudar para uma educação com uma visão crítica do mundo em que vivemos, uma vez que não permite a consciência da realidade e a libertação dos estudantes e serve apenas à classe dominante ou opressiva.

Paulo Freire, em seu livro "Pedagogia do Oprimido", critica a educação que leva os aprendizes como destinatários em que o conhecimento será depositado. Esse tipo de educação chama-se pedagogia bancária ou tradicional dos opressores, já que o educador é o único detentor do conhecimento e é ele quem vai transmitir o conhecimento aos alunos, para que se tornem sujeitos passivos e, portanto, em sujeitos oprimidos.


Em vez de se comunicar, o educador comunica, incide, recebe pacientemente, memoriza e repete. Freire refere-se a uma das atividades que normalmente desenvolve ensino, contar histórias. Ela nos diz que "A história, cujo tema é o professor leva os alunos a memorização do conteúdo narrado. Além disso, a narrativa os transforma em" vasos "em recipientes devem ser" preenchidos "pelo professor.


Quando mais você encher os recipientes com o melhor educador será o com maior cilidade, melhor serão os alunos. " Freire considerou que a educação bancária deveria mudar para uma educação com uma visão crítica do mundo em que vivemos, uma vez que não permite a consciência da realidade e a libertação dos estudantes e serve apenas à classe dominante ou opressiva.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Paulo Freire, em seu livro "Pedagogia do Oprimido", critica a educação que leva os aprendizes como destinatários em que o conhecimento será depositado. Esse tipo de educação chama-se pedagogia bancária ou tradicional dos opressores, já que o educador é o único detentor do conhecimento e é ele quem vai transmitir o conhecimento aos alunos, para que se tornem sujeitos passivos e, portanto, em sujeitos oprimidos.


Em vez de se comunicar, o educador comunica, incide, recebe pacientemente, memoriza e repete. Freire refere-se a uma das atividades que normalmente desenvolve ensino, contar histórias. Ela nos diz que "A história, cujo tema é o professor leva os alunos a memorização do conteúdo narrado. Além disso, a narrativa os transforma em" vasos "em recipientes devem ser" preenchidos "pelo professor.


Quando mais você encher os recipientes com o melhor educador será o com maior cilidade, melhor serão os alunos. " Freire considerou que a educação bancária deveria mudar para uma educação com uma visão crítica do mundo em que vivemos, uma vez que não permite a consciência da realidade e a libertação dos estudantes e serve apenas à classe dominante ou opressiva.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Paulo Freire, em seu livro "Pedagogia do Oprimido", critica a educação que leva os aprendizes como destinatários em que o conhecimento será depositado. Esse tipo de educação chama-se pedagogia bancária ou tradicional dos opressores, já que o educador é o único detentor do conhecimento e é ele quem vai transmitir o conhecimento aos alunos, para que se tornem sujeitos passivos e, portanto, em sujeitos oprimidos.


Em vez de se comunicar, o educador comunica, incide, recebe pacientemente, memoriza e repete. Freire refere-se a uma das atividades que normalmente desenvolve ensino, contar histórias. Ela nos diz que "A história, cujo tema é o professor leva os alunos a memorização do conteúdo narrado. Além disso, a narrativa os transforma em" vasos "em recipientes devem ser" preenchidos "pelo professor.


Quando mais você encher os recipientes com o melhor educador será o com maior cilidade, melhor serão os alunos. " Freire considerou que a educação bancária deveria mudar para uma educação com uma visão crítica do mundo em que vivemos, uma vez que não permite a consciência da realidade e a libertação dos estudantes e serve apenas à classe dominante ou opressiva.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas