A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
MATERIAL DE APOIO - DIREITO CIVIL  - PARTE GERAL - Apostila 6

Pré-visualização | Página 4 de 5

que ainda não tenham atingido a metade do prazo da lei anterior 
(menos de dez anos) estão submetidos ao regime do Código vigente. 
Entretanto, consoante nossa melhor doutrina, atenta aos princípios da segurança 
jurídica, do direito adquirido e da irretroatividade legal, os novos prazos devem ser 
contados a partir da vigência do novo Código, ou seja, 11 de janeiro de 2003, e não da 
data da constituição da dívida. 
2 - Conclui-se, assim, que, no caso em questão, a pretensão da ora recorrida não se 
encontra prescrita, pois o ajuizamento da ação ocorreu em 13/02/2003. Um mês, após 
o advento da nova legislação civil. 
3 - Recurso não conhecido. 
(REsp 848.161/MT, Rel. Ministro JORGE SCARTEZZINI, QUARTA TURMA, 
julgado em 05.12.2006, DJ 05.02.2007 p. 257) 
 
3.2. – Vigência do Código Civil 
 
(Vladimir Aras) 
 15
 
 
 
A polêmica data de vigência do novo Código Civil 
Texto extraído do Jus Navigandi
http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=3517 
 
Vladimir Aras
procurador da República no Paraná 
 
 
 Em recente artigo, o professor J. A. Almeida Paiva defendeu, com acerto, que
o novo Código Civil entrará em vigor em 11 de janeiro de 2003. 
 Todavia, a polêmica não cessa nas substanciosas considerações do estimado 
advogado paulista, com quem concordo quanto à data de entrada em vigor do novo
Código, mas divirjo quanto ao método de determinação desse dies ad quem. 
 É que há uma incoerência (ilegalidade "vertical", diria eu) no art. 2.044 do 
Código Civil de 2002, por ter estabelecido o prazo de "vacatio legis" da nova norma
civil utilizando o critério anual: "um ano", na forma: "Este Código entrará em vigor 1 
(um) ano após a sua publicação". 
 Facilmente se identifica o problema. É que o §2º do art. 8º da Lei Complemen-
tar Federal n. 95/98, alterada pela LCF n. 107/2001, determina expressamente que as
leis brasileiras (todas elas) devem estabelecer prazo de vacância em dias, somente em
dias (e não em anos ou em meses), com a cláusula "esta lei entra em vigor após decor-
ridos (o número de) dias de sua publicação". 
 Não se trata de mero detalhe ou firula, pois a LCF n. 95/98, por ser comple-
mentar (arts. 59, inciso II, e 69 da Constituição de 1988), exige quórum mais qualifi-
cado para aprovação (maioria absoluta) e é hierarquicamente superior ao Código Civil
de 2002, que não passa de lei ordinária. Quando a Lei n. 10.406/2002 foi publicada, já 
estava em vigor o preceito cogente da norma complementar federal. 
 Há quem discorde da idéia da existência de ilegalidade vertical, ao fundamen-
to de que não se dá cotejo hierárquico entre lei complementar e lei ordinária. Mas, a-
inda que afastada esta opção (não de todo descartada), é preciso observar que a maté-
ria em questão (elaboração de diplomas normativos) tem reserva de lei complementar
 16
por expressa disposição constitucional (art. 59, parágrafo único, da CF). 
 Sendo assim, o Código Civil de 2002 devia (e deve) obediência à Lei Com-
plementar n. 95/98, que veio a lume exatamente para regular a forma de elaboração e
redação das leis nacionais, atendendo ao comando do art. 59, parágrafo único, da Car-
ta de 1988. Então, é patente a ilegalidade vertical entre o art. 2.044 do novo Código
Civil e o art. 8º, §2º, da LCF n. 95/98, quando o estatuto civil adotou o critério anual,
descartando o critério unificador, da contagem em dias. De qualquer modo, havendo
ou não a ilegalidade vertical, o art. 2.044 do Código Civil de 2002 terá desconsiderado
matéria sujeita a cláusula constitucional de reserva de lei complementar. 
 Se o art. 2.044 do Código Civil de 2002 tivesse estabelecido o prazo da vacân-
cia em dias, 365 dias, em lugar de fazê-lo em 1 (um) ano, como o fez, teríamos redu-
zido substancialmente (quiçá eliminado) a polêmica em torno da exata data de início
da vigência do novo Código e de outras tantas leis ordinárias. 
 Pelo critério ora proposto, deve-se ler o art. 2.044 do novo Código Civil, como 
se tivesse estabelecido o prazo da vacância do diploma em 365 dias (e não 1 ano).
Contando-se esse prazo em dias na forma do §1º, do art. 8º, da LCF 95/98 (com inclu-
são da data da publicação e do último dia do prazo), chegamos ao dia 11 de janeiro de
2003 como de início da vigência do novo Código Civil (Lei Federal n. 10.406/2002). 
São 21 dias em janeiro de 2002, 28 dias em fevereiro, 31 dias em março, 30 em abril,
31 em maio, 30 em junho, 31 em julho, 31 em agosto, 30 em setembro, 31 em outu-
bro, 30 em novembro e 31 em dezembro, totalizando 355 dias. Para os 365 dias da 
"vacatio legis", contam-se mais dez dias em janeiro de 2003, até o dia 10, alcançando-
se o marco legal ou dies ad quem, termo final de contagem. 
 É fácil entender: o Código Civil de 2002 foi publicado no Diário Oficial da 
União de 11 de janeiro de 2002. Os 365 dias da vacância, começando-se a contagem 
pelo próprio dia 11/01/2002, inclusive, levam-nos ao dia 10 de janeiro de 2003, inclu-
sive. Logo, aplicando-se conjuntamente os §§1º e 2º do art. 8º, da LCF 95/98, tem-se 
que o dia subseqüente, 11 de janeiro de 2003, é o da entrada em vigor do novo Código
Civil, independentemente do conceito de ano civil previsto pela Lei n. 810, de 1949. 
 
 
Sobre o autor 
 17
 
 Vladimir Aras 
 
E-mail: Entre em contato 
 
Sobre o texto:
Texto inserido no Jus Navigandi nº60 (11.2002)
Elaborado em 10.2002. 
Fonte: 
ARAS, Vladimir. A polêmica data de vigência do novo Código Civil . Jus Navigandi, 
Teresina, ano 7, n. 60, nov. 2002. Disponível em: 
<http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=3517>. Acesso em: 29 mar. 2008. 
 
 
4. FIQUE POR DENTRO 
STJ - O Tribunal da Cidadania 
Penhora de crédito não se confunde com penhora sobre o faturamento 
12/09/2008 
A penhora sobre crédito recai sobre direitos certos ou determináveis do devedor, 
efetivando-se mediante a simples intimação do terceiro, que fica obrigado a depositar 
em juízo as prestações ou juros por si devidos à medida que forem vencendo. Com 
essa simples medida, evita-se que o próprio executado receba a importância 
penhorada, dispensando-se a nomeação de administrador, que é fundamental para a 
penhora sobre o faturamento. A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) 
manteve a decisão de segundo grau que condenou a empresa Rio Ita Ltda à penhora 
de 5% da receita diária de vale-transporte da empresa até o valor total do débito. 
 
M.J.F. ajuizou execução contra a empresa com base em título judicial que estabeleceu 
a obrigação da Rio Ita de indenizá-la por danos morais, materiais e estéticos. No 
pedido, apontou-se o crédito total de aproximadamente R$ 230 mil. Citada, a empresa 
nomeou à penhora três bens de sua prioridade. 
 18
 
Em primeira instância, os bens oferecidos à penhora foram rejeitados, determinando a 
penhora de 5% da renda da empresa proveniente de vale-transportes. A Rio Ita 
interpôs agravo interno (tipo de recurso). O Tribunal de origem negou provimento por 
entender que a penhora de receita em percentual não onera as atividades da empresa e 
não enseja a nomeação de administrador judicial. Além disso, a penhora de vale-
transporte não ofende o Código de Processo Civil (CPC). 
 
Inconformada, a Rio Ita recorreu ao STJ alegando que houve violação do CPC quanto 
ao processo de execução da penhora, da avaliação e da expropriação de bens, bem 
como do pagamento ao credor. 
 
Em sua decisão, a relatora ministra Nancy Andrighi destacou que a verificação dos 
motivos que justificaram a rejeição dos bens oferecidos à penhora demandam, 
necessariamente, o revolvimento do acervo fático-probatório dos autos, procedimento 
vedado nos termos da Súmula 7 do STJ. 
 
Segundo a ministra, ainda que se admitisse estar diante de penhora de faturamento, é 
certo que esta Corte admite essa modalidade de constrição patrimonial, sem que isso,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.