A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
pescoço, tórax, mediastino, parede abdome, região inguinal

Pré-visualização | Página 1 de 3

Prova Anatomia Prática 2 
 
 PESCOÇO I 
M. Platisma: 
Músculo dérmico; estende-se na tela 
subcutânea como uma lâmina, passa sobre as 
clavículas e é perfurado por nervos cutâneos 
Ação: Responsável pelas rugas do pescoço 
Inervação: ramo cervical do nervo facial 
Drenagem venosa: veia jugular externa 
 
 Veias superficiais: jugular externa e jugular 
anterior 
Nervos sensitivos do plexo cervical (auricular 
magno, cervical transverso, supra-claviculares) 
Auricular magno: ascende verticalmente 
através do ECM oblíquo até o polo inferior da 
glândula parótida, onde se divide para suprir 
a pele sobrejacente – e a bainha que circunda 
a glândula –, o processo mastoide, as duas 
faces da orelha e uma área de pele que se 
estende do ângulo da mandíbula até o 
processo mastoide 
Cervical transverso: supre a pele que cobre a 
região cervical anterior. Curva-se ao redor do 
meio da margem posterior do músculo ECM 
inferiormente ao nervo auricular magno e 
segue em sentido anterior e horizontal através 
dele profundamente à VJE e ao músculo 
platisma, dividindo-se em ramos superior e 
inferior 
Supra claviculares: emergem como um tronco 
comum sob a cobertura do músculo ECM, 
enviando pequenos ramos para a pele do 
pescoço que cruzam a clavícula e suprem a pele 
sobre o ombro 
 
 
➔ LIMITES DO PESCOÇO 
Quadrilátero cervical, divisão em trígonos 
anterior e posterior 
 
Subdivisões do trígono anterior: 
submandibular, submentual, carotídeo e 
muscular 
Subdivisões do trígono posterior: occipital e 
supra-clavicular. 
Músculos-chave para estas divisões: 
esternocleidomastóideo, digástrico, omo-
hióideo. 
 
3) TRÍGONO ANTERIOR 
 3.1) TRÍGONO SUBMANDIBULAR 
Conteúdo: glândula submandibular e ducto, 
vasos faciais, nervo hipoglosso, linfonodos 
submandibulares. 
 3.2) TRÍGONO SUBMENTUAL 
Conteúdo: linfonodos submentuais e gordura 
 3.3) TRÍGONO CAROTÍDEO 
Conteúdo: artérias carótidas (divisão da 
comum em externa e interna no trígono), 
nervo vago, nervo hipoglosso, veia jugular 
interna, artéria e veia tireóidea superior 
 
Bainha carotídea: A. carótida comum e 
externa + veia jugular interna + nervo; ponto 
de condensação das três lâminas da fáscia 
cervical 
 
Carótida externa: ramos 
1. Faríngea ascendente 
2. Occipital 
3. Auricular posterior 
4. Tireóidea superior 
5. Lingual 
6. facial 
 
Carótida interna: trajeto- entram no crânio 
através dos canais caróticos nas partes petrosas 
dos temporais e tornam-se as principais 
artérias do encéfalo e das estruturas contidas 
nas órbitas 
 
 
 
Veia Jugular interna: 
Formação: forma-se pela confluência dos seios 
venosos da dura-máter encefálica, ao nível do 
forame jugular 
 
Nervo vago: 
Trajeto: O nervo vago direito segue 
anteriormente à primeira parte da artéria 
subclávia e posteriormente à veia 
braquiocefálica e à articulação EC para entrar 
no tórax. O nervo vago esquerdo desce entre as 
artérias carótida comum esquerda e subclávia 
esquerda, e posteriormente à articulação EC 
para entrar no tórax 
Ramos: 
Via parassimpática: ramo cardíaco cervical 
superior; ramo cardíaco cervical inferior; 
ramo cardíaco torácico; nervo laríngeo 
recorrente; plexos pulmonar e cardíaco; plexo 
esofágico (ramos gástricos anteriores, ramo 
hepático, ramo celíaco, gânglios celíaco, 
mesentérico superior, plexo celíaco, plexo 
hepático, ramo pilórico e ramos intestinais) 
Via simpática: ramo faríngeo e laríngeo 
superior 
 
 3.4) TRÍGONO MUSCULAR 
Limites Músculos infra-hióideos: esterno-
hióideo, omo-hióideo, esterno-tireóideo, tireo-
hióideo. 
Esterno- hióideo 
Origem: superfície dorsal do manpubrio e 
articulação esternoclavicular 
Inserção: corpo do hióide 
Inervação: alça cervical profunda 
Ação: abaixar o osso hióide 
omo-hióideo 
Origem: borda superior da escápula (ventre 
inf) e tendão intermédio (ventre sup) 
Inserção: tendão intermédio (ventre inf) e 
corpo do osso hióide (ventre sup) 
Inervação: alça cervical profunda 
Ação: abaixar o osso hióide 
esterno-tireóideo 
Origem: superfície dorsal do manúbrio 
Inserção: linhas oblíquas da cartilagem 
tireóidea 
Inervação: alça cervical profunda 
Ação: abaixar a laringe 
Tireo-hiódeo 
Origem: linha oblíqua da cartilagem tireóidea 
Inserção: corpo e corno maior do osso hioide 
Inervação: raiz superior da alça cervical e 
nervo hipoglosso 
Ação: abaixar o osso hióide e elevar a laringe 
 
 
 Alça cervical: 
As raízes superior e inferior unem-se, formando 
uma alça secundária, a alça cervical, 
formada por fibras dos nervos espinais C1–C3, 
que se ramificam a partir da alça para suprir 
os músculos infra-hióideos, omo-hióideo, 
esternotireóideo e esterno-hióideo 
 
 
3.5) COMPARTIMENTO PROFUNDO DO PESCOÇO 
Osso hióide: 
localizado na região do pescoço, debaixo da 
mandíbula, ligado ao processo estilóide do 
osso temporal pelos músculos estilo-hióideos e 
por ligamentos; sustenta a língua 
 
 Membrana tireo-hióidea: 
Se estende entre a borda superior e os cornos 
superiores da cartilagem tireoide, e o osso 
hioide. É perfurada pelos vasos laríngeos e pelo 
nervo laríngeo interno, que inerva as partes 
intrínsecas da laringe 
 Laringe: 
cartilagem tireóide, cartilagem cricóide, 
cartilagem epiglote 
 
 
 
CRICO E TRAQUEOSTOMIA: na maioria dos 
casos a cricotieotomia é preverível em 
comparação à traqueotomia de emergência, já 
que a membrana cricotireóidea é próxima da 
superfície cutânea, de forma a necessitar 
menor dissecção, evitando lesões nas estruturas 
mediastinais, parede posterior da traqueia e 
esôfago. Limitação: risco de lesão da laringe 
subglótica (relacionada principalmente ao 
tempo de permanência da cânula) 
Glândula Tireóide 
 
Localização: altura do 3º arco da traqueia 
RA com as paratireoides: externamente à 
cápsula tireóidea na metade medial da face 
posterior de cada lobo da glândula tireoide, 
dentro de sua bainha 
Vascularização: Artérias tireóideas superiores e 
inferiores 
Drenagem venosa: Veias tireóideas superiores, 
médias e inferiores (superior e média saem da 
jugular interna e inferior da braquiocefálica) 
Drenagem linfática: linfonodos pré-laríngeos, 
pré-traqueais e paratraqueais 
Relação dos nervos laríngeos recorrentes no 
sulco traqueoesofático: trajeto em ascensão, se 
dirigindo para face póstero-medial da 
glândula tireóide e sobem no sulco 
traqueoesofágico em direção aos músculos 
intrínsecos da laringe 
 OBS: risco de lesão do laríngeo recorrente em 
cirurgia de tireoidectomia 
 
PESCOÇO II 
1) FÁSCIA CERVICAL PROFUNDA 
 Lâmina pré-vertebral: Forma uma a bainha 
tubular para a coluna vertebral e os músculos 
associados a ela, como o longo do pescoço e o 
longo da cabeça anteriormente, os escalenos 
lateralmente, e os músculos profundos do 
pescoço posteriormente; 
Fixada superiormente na base do crânio e 
estende-se até a fáscia endotorácica 
 
 Lâmina pré-traqueal: Apenas presente na 
porção anterior do pescoço; 
Na porção do tórax, funde-se ao pericárdio 
fibroso para revestir o coração; 
Divididos em porção muscular + porção 
visceral 
Porção muscular: reveste os músculos infra-
hióideos 
Porção visceral: reveste a tireoide, traqueia, 
esôfago (OBS: é contínua com a fáscia 
bucofaringea); 
 
Fáscia alar Bainha carotídea: 
subdivisão do espaço retrofaríngeo; lâmina 
fina fixada ao longo da linha mediana da 
fáscia bucofaríngea, estendendo-se até a 
bainha carótica; 
VIAS DE DISSEMINAÇÃO DE ABSCESSOS 
CERVICAIS: Comunicação entre a bainha 
carótica e fáscia pré-traqueal pelo mediastino 
na face inferior do tórax e na cavidade do 
crânio (possíveis vias de comunicação com 
possibilidade de disseminação em caso de 
infecção) 
2) TRÍGONO POSTERIOR 
 3.1) TRÍGONO OCCIPITAL 
Conteúdo: nervo acessório, linfonodos, 
gordura. 
Nervo acessório: 
Ação: inervação do músculo trapézio, músculo 
ECM, constritores

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.