Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Uma leitura do brincar vigotsky

Pré-visualização | Página 1 de 3

Rev. Humanidades, Fortaleza, v. 23, n. 2, p. 176-180, jul./dez. 2008.176
Amanda Alencar Machado Rolim, Siena Sales Freitas Guerra, Mônica Mota Tassigny
Uma leitura de Vygotsky sobre o brincar na aprendizagem e no 
desenvolvimento infantil
A reading of Vygotsky on the play in learning and child development
Amanda Alencar Machado Rolim1
Siena Sales Freitas Guerra2
Mônica Mota Tassigny3
Resumo 
Dentre os vários aspectos ligados à infância, elegemos como objeto desta investigação algumas questões 
presentes no ato de brincar da criança, atividade considerada importante para o desenvolvimento infantil, 
segundo muitas perspectivas teóricas na Psicologia. Focamos as análises nos conceitos desenvolvidos por Lev 
S. Vygotsky, percorrendo suas principais contribuições sobre o tema. O presente estudo teve como objetivo 
analisar a relação do lúdico com o desenvolvimento e a aprendizagem. Tratou-se de pesquisa bibliográfica. 
Como resultado, foi possível mostrar o quanto o brincar é imprescindível para o desenvolvimento infantil e o 
quanto fundamenta a aprendizagem por meio de avanços sociais e cognitivos mediados pelo brinquedo. 
Palavras-chave: Brincar. Desenvolvimento. Aprendizagem.
Abstract
Between some aspects of the childhood, this work is about issues of children play. This activity is considerated very important 
for their development. Taking a closed look, I used Lev S. Vygotsky’s concepts. This work aims to analyse the relation between playful, 
development and learning. This subject is very studied currently. I used bibliographical research and reading of periodics. Because of this 
work, it was possible to show how to play is important for the infantile development, and how to play bases learning through cogntive 
advances allowed by the use of toys.
Keywords: To play. Development. Learning.
Introdução
A brincadeira tem sido fonte de pesquisa na Psi-
cologia devido a sua influência no desenvolvimento 
infantil e pela motivação interna para tal atividade. O 
brincar, tão característico da infância, traz inúmeras 
vantagens para a constituição da criança, proporcio-
nando a capacitação de uma série de experiências que 
irão contribuir para o desenvolvimento futuro dela. 
Um dos pensadores que desenvolveu uma teoria 
sobre o tema foi Lev S. Vygotsky, o qual buscou 
compreender a origem e o desenvolvimento dos 
processos psicológicos ao longo da história da espécie 
humana, levando sempre em conta a individualidade 
de cada sujeito, o qual está imerso no meio cultural 
que o define. Para ele, o homem constitui-se enquanto 
ser social e necessita do outro para desenvolver-se. 
Vygotsky, ao longo de sua obra, discute aspectos da 
infância, destacando-se suas contribuições acerca do 
papel que o brinquedo desempenha, fazendo referência 
a sua capacidade de estruturar o funcionamento 
psíquico da criança.
1 Graduanda do curso de Psicologia da Universidade de Fortaleza-UNIFOR. Email: amanda_rolim@hotmail.com
2 Graduanda do curso de Psicologia da Universidade de Fortaleza-UNIFOR. Monitora da disciplina de Pesquisa em Psicologia I. Email: sienaguerra@
hotmail.com
3 Professora Doutora da Universidade de Fortaleza-UNIFOR Email: monicam@secrel.com.br
177Rev. Humanidades, Fortaleza, v. 23, n. 2, p. 176-180, jul./dez. 2008.
Uma leitura de Vygotsky sobre o brincar na aprendizagem e no desenvolvimento infantil
Vygotsky fala que o brinquedo ajudará a 
desenvolver uma diferenciação entre a ação e o 
significado. A criança, com o seu evoluir, passa a 
estabelecer relação entre o seu brincar e a idéia que se 
tem dele, deixando de ser dependente dos estímulos 
físicos, ou seja, do ambiente concreto que a rodeia.
O brincar relaciona-se ainda com a aprendiza-
gem. Brincar é aprender; na brincadeira, reside a base 
daquilo que, mais tarde, permitirá à criança aprendiza-
gens mais elaboradas. O lúdico torna-se, assim, uma 
proposta educacional para o enfrentamento das dificul-
dades no processo ensino-aprendizagem.
1 Noções gerais sobre o brincar
Ao consultar um dicionário, deparamo-nos 
com diversos significados para a palavra brincar, e 
todos eles nos passam a idéia de diversão, distração, 
agitação, faz de conta. A brincadeira é o lúdico em ação. 
Brincar é importante em todas as fases da vida, mas na 
infância ele é ainda mais essencial: não é apenas um 
entretenimento, mas, também, aprendizagem. A criança, 
ao brincar, expressa sua linguagem por meio de gestos 
e atitudes, as quais estão repletas de significados, visto 
que ela investe sua afetividade nessa atividade. Por 
isso a brincadeira deve ser encarada como algo sério e 
que é fundamental para o desenvolvimento infantil.
As crianças utilizam o brinquedo para externar 
suas emoções, construindo um mundo a seu modo e, 
dessa forma, questionam o universo dos adultos. Elas 
já nascem em um meio pautado por regras sociais e o 
seu eu deve adaptar-se a essas normas. Na brincadeira, 
ocorre o processo contrário: são as normas que se 
encaixam em seu mundo. Não é uma tentativa de fuga 
da realidade, mas, sim, uma busca por conhecê-la cada 
vez mais. No brincar, a criança constrói e recria um 
mundo onde seu espaço esteja garantido. As pressões 
sofridas no cotidiano de uma criança são compensadas 
por sua capacidade de imaginar; assim, fantasias de 
super-heróis, por exemplo, são construídas. (MELO & 
VALLE, 2005)
Aberastury (1972) complementa enfatizando 
que a brincadeira infantil é um meio de pôr para fora 
os medos, as angústias e os problemas que a criança 
enfrentou. Por meio do brinquedo, ela revive de 
maneira ativa tudo o que sofreu de maneira passiva, 
modificando um final que lhe foi penoso, consentindo 
relações que seriam proibidas na vida real.
“Brincar de forma livre e prazerosa permite que 
a criança seja conduzida a uma esfera imaginária, um 
mundo de faz de conta consciente, porém capaz de 
reproduzir as relações que observa em seu cotidiano, 
vivenciando simbolicamente diferentes papéis, 
exercitando sua capacidade de generalizar e abstrair” 
(MELO & VALLE, 2005, p. 45). A brincadeira 
proporciona à criança um contato com sentimentos 
de alegria, sucesso, realizações de seus desejos, bem 
como o sentimento de frustração. Esse jogo de emoções 
a ajuda a estruturar sua personalidade e a lidar com 
angústias. 
O brincar prepara para futuras atividades de 
trabalho: evoca atenção e concentração, estimula a 
auto-estima e ajuda a desenvolver relações de confiança 
consigo e com os outros. Colabora para que a criança 
trabalhe sua relação com o mundo, dividindo espaços 
e experiências com outras pessoas.
“Nenhuma criança brinca só para passar o tempo, 
sua escolha é motivada por processos íntimos, 
desejos, problemas, ansiedades. O que está 
acontecendo com a mente da criança determina 
suas atividades lúdicas; brincar é sua linguagem 
secreta, que devemos respeitar mesmo se não a 
entendemos.” (GARDNEI apud FERREIRA; 
MISSE; BONADIO, 2004)
Todos esses benefícios do brincar devem 
ser reforçados no meio escolar. Como já foi dito, a 
brincadeira facilita o aprendizado e ativa a criatividade, 
ou seja, contribui diretamente para a construção do 
conhecimento. Portanto os professores devem estar 
atentos para essa prática lúdica e aprimorar uma 
contextualização para as brincadeiras. Por meio da 
observação do brincar, os educadores são capazes de 
compreender as necessidades de cada criança, os seus 
níveis de desenvolvimento, a sua organização e, a 
partir daí, de planejar ações pedagógicas.
Segundo Melo e Valle (2005), é por meio do 
brinquedo e de sua ação lúdica que a criança expressa 
sua realidade, ordenando e desordenando, construindo 
e desconstruindo um mundo que lhe seja significativo 
e que corresponda às necessidades intrínsecas para seu 
desenvolvimento global. O brincar estimula a criança 
em várias dimensões, como a intelectual,
Página123