A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
DISSÍDIOS COLETIVOS

Pré-visualização | Página 6 de 6

DE RETRATAÇÃO. BANCO DO BRASIL S.A. (SUCESSOR DO BANCO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A. - BESC). ADESÃO A PLANO DE DEMISSÃO IMOTIVADA. DECISÃO DO STF ERIGIDA À CONDIÇÃO DE LEADING CASE. QUITAÇÃO GERAL E IRRESTRITA DO CONTRATO DE TRABALHO. PREVISÃO EM NORMA COLETIVA. A egrégia Oitava Turma deste Tribunal Superior conheceu do recurso de revista da reclamante, por contrariedade à Orientação Jurisprudencial nº 270 da SBDI-1 desta Corte, para afastar a tese de quitação ampla do contrato de trabalho. Consagrou-se na jurisprudência desta Corte Especializada, por meio da Orientação Jurisprudencial nº 270 da SBDI-1, o entendimento de que "a transação extrajudicial que importa rescisão do contrato de trabalho ante a adesão do empregado ao plano de demissão voluntária implica quitação exclusivamente das parcelas e valores constantes do recibo", de modo que a pretensão fundada em reconhecimento de quitação irrestrita do contrato de trabalho não encontra respaldo, por injunção do artigo 477 da CLT, tese reafirmada inclusive em casos envolvendo o BESC. Ocorre que o Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE 590.415/SC, erigido à condição de leading case, firmou tese de que "a transação extrajudicial que importa rescisão do contrato de trabalho, em razão de adesão voluntária do empregado a plano de dispensa incentivada, enseja quitação ampla e irrestrita de todas as parcelas objeto do contrato de emprego, caso esta condição tenha constado expressamente do acordo coletivo que aprovou o plano, bem como dos demais instrumentos celebrados com o empregado". Extrai-se dos autos que a hipótese é a mesma amplamente discutida pelo STF no RE 590.415/SC, em repercussão geral, referente ao PDI instituído mediante negociação coletiva entre o BESC e o sindicato representante da categoria profissional, tendo a e. Turma reproduzido o fundamento adotado pelo Tribunal Regional de que "afastada a ocorrência de vícios no termo de quitação e tendo sido esta expressa e irrestrita, sem ressalvas quanto a eventual passivo trabalhista decorrente do extinto contrato de trabalho, e diante da vultosa quantia percebida no ato resilitório R$ 201.452,70 (o equivalente a 113,07 remunerações mensais, ou seja, mais de nove anos de trabalho), conflui-se a inviabilidade de acolhimento de quaisquer diferenças relativas ao pacto laboral havido entre as partes". Nesse sentido, demonstrada a identidade entre a discussão travada nos autos e a tese fixada no RE 590.415/SC, há de se respeitar a decisão proferida pelo STF no precedente de repercussão geral, de efeito vinculante, em relação aos efeitos da adesão do trabalhador ao Plano de Demissão Incentivada do BESC/2001, incontroversamente chancelado mediante instrumentos coletivos, de modo que não há falar em diferenças oriundas do contrato de trabalho extinto. Precedentes específicos da SBDI-1. Juízo de retratação exercido, na forma do artigo 1.030, II, do CPCP/2015 (artigo 543-B, § 3º, do CPC/73). Recurso de embargos conhecido e provido. (E-ED-RR-620900-10.2005.5.12.0037, Relator Ministro Breno Medeiros, DEJT 17/8/2018);
 RECURSO DE EMBARGOS. BESC. PLANO DE DEMISSÃO INCENTIVADA. ADESÃO VOLUNTÁRIA. QUITAÇÃO GERAL E IRRESTRITA DO CONTRATO DE TRABALHO. PREVISÃO EM NORMA COLETIVA. DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. REPERCUSSÃO GERAL. 1. O Plenário do Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário nº 590.415/SC, em repercussão geral, fixou a tese de que "a transação extrajudicial que importa rescisão do contrato de trabalho, em razão de adesão voluntária do empregado a plano de dispensa incentivada, enseja quitação ampla e irrestrita de todas as parcelas objeto do contrato de emprego, caso essa condição tenha constado expressamente do acordo coletivo que aprovou o plano, bem como dos demais instrumentos celebrados com o empregado". 2. Na hipótese, trata-se de reclamante que declarou concordar com todas as regras e estar ciente das consequências da adesão quanto à extinção e quitação plena do seu contrato de trabalho, ao aderir ao Plano de Demissão Incentivada instituído em 2001 pelo Banco do Estado de Santa Catarina, chancelado pelo acordo coletivo do trabalho analisado no precedente do STF com repercussão geral, em que se discutiu a validade da quitação ampla e irrestrita das verbas decorrentes do contrato de trabalho, em face da adesão voluntária do empregado ao referido PDI/2001 do BESC. 3. Assim, por força da repercussão geral reconhecida, de caráter vinculante, impõe-se reconhecer, em juízo de retratação, nos termos do art. 1.030, II, do CPC/2015 (art. 543-B, § 3º do CPC/1973), que a adesão voluntária do reclamante ao plano de dispensa incentivada implicou quitação plena do contrato de trabalho. Decorre, daí, a aplicação indevida da Orientação Jurisprudencial nº 270 desta SBDI-1, que não rege a espécie. Precedentes. Recurso de embargos conhecido e provido. (E-ED-RR-745900-53.2005.5.12.0026, Relator Ministro Walmir Oliveira da Costa, DEJT 9/3/2018).
Revelar notar, ademais, que após o julgamento do recurso de embargos pela SBDI-1, o Reclamado solicitou a ratificação do recurso extraordinário, não havendo falar, portanto, em trânsito em julgado ante a perda do objeto do recurso extraordinário. Incólume a Súmula 192 do TST.
Dessa forma, inviável o processamento do recurso de embargos com base na alegação de divergência jurisprudencial uma vez que se encontram superadas pela iterativa e notória jurisprudência desta Corte Superior, em decorrência da redação do artigo 894, II, da CLT.
Ante o exposto, nego provimento ao agravo.
ISTO POSTO
ACORDAM os Ministros da Subseção I Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho, por unanimidade, conhecer do agravo e, no mérito, negar-lhe provimento.
Brasília, 21 de novembro de 2019.
Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)
ALEXANDRE LUIZ RAMOS
Ministro Relator
3. REFERÊNCIAS
LOBATO, Márcia Regina. Dissídio coletivo. São Paulo: LTr, 2016.
MIESSA, Élisson. Processo do Trabalho para os Concursos de Analista do TRT e do MPU. 6º Ed. Revista Ampliada e Atualizada. São Paulo. 2018.
PEREIRA, José Luciano de Castilho. Dissídio Coletivo – Experiência Brasileira, 2016. Acesso em 14 de novembro de 2019.
PINTO, José Augusto Rodrigues. Manual dos recursos nos dissídios do trabalho. São Paulo: 2015.
TST. < https://jurisprudencia.tst.jus.br/#50f6c0f2648df18402552c3ca26227c1>. Acesso em: 28 de novembro de 2021.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.