A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
APOSTILA_03

Pré-visualização | Página 1 de 2

1Ergonomia e sua Aplicabilidade
Ergonomia e sua 
Aplicabilidade 
Alexandre Matheus Teixeira
2Ergonomia e sua Aplicabilidade
Sumário
Introdução .................................................................................................. 03
Objetivos .................................................................................................... 04
Estrutura do Conteúdo ............................................................................. 04
Ergonomia e sua Aplicabilidade
Tópico 1: Definição de Ergonomia .................................................................. 05
Tópico 2: Aplicação da Ergonomia ................................................................. 05
Tópico 3: Fases da Ergonomia ....................................................................... 06
Tópico 4: Riscos Ergonômicos Repetitivos .................................................... 08
Resumo ...................................................................................................... 14
Leitura Complementar .............................................................................. 15
Referências Bibliográficas ....................................................................... 16
3Ergonomia e sua Aplicabilidade
Prezado(a) aluno(a),
Seja bem-vindo (a) ao conteúdo “Ergonomia e sua Aplicabilidade”.
Nesse conteúdo, iremos abordar os principais tópicos sobre a Ergonomia e sua 
aplicabilidade.
Vamos entender a importância dessa ciência para o estudo das características que o 
ambiente de trabalho e os trabalhadores necessitam conhecer.
Iremos analisar ainda quais suas vantagens para todos os trabalhadores, visto que 
essa ciência é de suma importância para manter a qualidade dos músculos e tendões dos 
trabalhadores.
 Bons estudos!
4
Estrutura do Conteúdo
Objetivo
s
Ergonomia e sua Aplicabilidade
Ao final deste conteúdo, esperamos que 
você seja capaz de:
1. Conhecer os princípios da Ergono-
mia;
2. Compreender os conceitos da Ergo-
nomia;
3. Conhecer a relação da Ergonomia 
com a execução do trabalho.
Para melhor compreensão do conteúdo 
estudado, este material está dividido de 
acordo com os seguintes tópicos:
1. Definições de Ergonomia
2. Aplicação da Ergonomia
3. Fases da Ergonomia 
4. Riscos Ergonômicos Repetitivo
5Ergonomia e sua Aplicabilidade
1. Definição de Ergonomia
A Ergonomia objetiva modificar os sistemas de trabalho para adequar as atividades 
nele existentes às características, habilidades e limitações das pessoas com vistas ao seu 
desempenho eficiente, confortável e seguro.
A NR 17 visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de 
trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar 
um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.
2. Aplicação da Ergonomia
A Ergonomia é a ciência aplicada para facilitar o trabalho executado pelo homem, 
sendo que aqui a palavra trabalho é interpretada como algo muito abrangente em todos os 
ramos e áreas de atuação.
6Ergonomia e sua Aplicabilidade
Histórico da Ergonomia
Oficialmente, a ergonomia nasceu em 1949 e é derivada da época da 2ª Guerra Mundial. 
Durante a guerra, centenas de aviões, tanques, submarinos e armas foram rapidamente 
desenvolvidas, bem como sistemas de comunicação mais avançados e radares. 
Principais Fatores
Ocorre que muitos destes equipamentos não estavam adaptados às características 
perceptivas daqueles que os operavam, provocando erros, acidentes e mortes.
Como cada soldado ou piloto morto representava problemas muito sérios 
para as Forças Armadas, estudos e pesquisas foram iniciados por engenheiros, 
médicos e cientistas para que projetos fossem desenvolvidos para modificar 
comandos (alavancas, botões, 
pedais etc.) e painéis, além do 
campo visual das máquinas de 
guerra.
3. Fases da Ergonomia
1ª Fase — Assim, percebe-se uma primeira fase 
da ergonomia, referente às dimensões de objetos, 
ferramentas e painéis de controle dos postos de 
trabalho usados por operários. O objetivo dos 
cientistas, nesta fase, concentrava-se mais ao 
redimensionamento dos postos de trabalho, 
possibilitando um melhor alcance motor e visual 
aos trabalhadores.
7Ergonomia e sua Aplicabilidade
2ª Fase — Numa segunda fase, a ergonomia passa 
a ampliar sua área de atuação, confundindo-se 
com outras ciências, eis que fazendo uso destas. 
Assim, passa o ergonomista projetar postos 
de trabalho que isolam os trabalhadores do 
ambiente industrial agressivo, seja por agentes 
físicos (calor, frio, ruído), seja pela intoxicação por 
agentes químicos (vapores, gases, particulado 
sólido etc.). 
3ª Fase — Em uma fase mais recente (terceira fase), 
à época da década de 1980, a ergonomia passa a 
atuar em outro ramo científico, mais relacionado 
com o processo cognitivo do ser humano, ou seja, 
estudando e elaborando sistemas de transmissão 
de informações mais adequados às capacidades 
mentais do homem, muito comuns na informática 
e no controle automático de processos industriais 
através de SDCD’s (Sistema Digital de Controle de 
Dados).
Estudos da Ergonomia
Verificamos que, algumas vezes, os postos de trabalho não estão bem adaptados às 
características do operador, quer quanto à posição da máquina com que trabalha, quer no 
espaço disponível ou na posição das ferramentas e materiais que utiliza em suas funções. 
8Ergonomia e sua Aplicabilidade
Para isso existe a ciência que avalia as condições de trabalho do operador, medindo o 
esforço que o mesmo realiza para executar as suas tarefas: a Ergonomia.
4. Riscos Ergonômicos Repetitivos 
Movimentos repetitivos dos dedos, das mãos, dos pés, da cabeça e do tronco 
produzem monotonia muscular e levam ao desenvolvimento de doenças inflamatórias, 
curáveis em estágios iniciais, mas complicadas quando não tratadas a tempo, chamadas 
genericamente de lesões por esforços repetitivos.
9Ergonomia e sua Aplicabilidade
Agentes Ergonômicos
Contra os males provocados pelos agentes ergonômicos, a melhor arma é a prevenção, 
o que pode ser obtido a partir de:
Rotação do pessoal.
Intervalos mais frequentes.
Exercícios compensatórios frequentes para trabalhos repetitivos.
Exames médicos periódicos.
Outros fatores de risco ergonômico podem ser encontrados em circunstâncias 
aparentemente impensáveis, como:
Falhas de projeto de máquinas.
Equipamentos, ferramentas, veículos e prédios.
Deficiências de layout.
Iluminação excessiva ou deficiente.
Uso inadequado de cores.
Adaptação Ergonômica
A análise e intervenção ergonômica traduzem-se em:
10Ergonomia e sua Aplicabilidade
Melhores condições de trabalho
Menores riscos de incidente 
e acidente
Menores custos humanos
Formação com o objetivo 
de prevenir
Maior produtividade
Otimizar o sistema 
homem/máquina
Corpo em movimento — 
redução dos músculos 
e tendões
Precisão de movimentos — ter 
atenção a sua amplitude, e 
quais membros a utilizar
Esforço estático — uma cadeira 
pode ter vários pontos de apoio
Rapidez dos movimentos — 
salientar sinais visuais 
e auditivos
Portas e tetos — devem ter 
altura mínima de 2 metros
Os objetivos da ergonomia são o conforto, a segurança e o 
bem-estar dos trabalhadores. O aumento da produtividade não é um 
objetivo da ergonomia, apesar de, em geral, ser uma consequência.
Importante!
11Ergonomia e sua Aplicabilidade
Pode-se, de maneira inicial e geral, dividir a Ergonomia em 3 (três) tipos:
1. Ergonomia Física
2. Ergonomia Cognitiva
3. Ergonomia Organizacional
A Ergonomia Física
Nesse tipo de Ergonomia são abordadas as características anatômicas, antropomé-
tricas, fisiológicas, e biomecânicas do homem em sua relação com a atividade física. A 
repetitividade,