Buscar

Anaplasmataceae: Parasitos em Bovinos e Seres Humanos

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Família Anaplasmataceae 
Gênero Anaplasma: 
 A. marginale e A. centrale são parasitos das hemácias de bovinos. 
 
Ciclo Biológico: 
Os corpúsculos intraeritrocitários chamados elementares ou iniciais se situam na margem 
(A. marginale) ou centralmente (A. centrale) nas hemácias. A transmissão ocorre através de 
dípteros hematófagos, como a mutuca, e de utensílios cirúrgicos contaminados (fômites). 
Também há transmissão por carrapatos (nesse caso, não há transmissão transovariana). 
 
Importância na medicina veterinária: 
Apesar de não destruir hemácias, esse grupo de parasitos é responsável por uma intensa 
anemia em bovinos, já que há retenção de hemácias e glóbulos brancos no baço, que acabam 
sendo destruídos por fagocitose. No fígado, pode ocorrer acúmulo de bile e consequente 
icterícia e diarreia. Juntamente com B. bovis e B. bigemina, A. marginale é agente responsável 
pela tristeza parasitária bovina. 
 
Em seres humanos existem espécies importantes a serem destacadas: 
2 espécies: E. chaffens – erliquose monocítica humana e E. ewingii – erliquose 
granulocítica humana. 
Permanecem no vacúolo fagocítico após entrada na célula 
2 formas morfológicas das bactérias: 
Corpúsculos elementares: Replica-se poucos dias após infecção – viram corpúsculos 
reticulares. 
Corpúsculos reticulares: 
Não tem LPS, mas sua patogênese implica na ativação de células de defesa. 
 
Doenças: 
 Erliquose monocítica humana 
1 a 2 semanas após a picada de carrapato 
 Semelhante a gripe – febre alta, cefaleia, fraqueza 
Erupção cutânea em 30 a 40% 
Leucopenia, trombocitopenia e elevação das transaminases 
Erliquose granulocítica humana: 
Semelhante ao primeiro, porem em cachorros 
Diagnóstico: 
Micro – limitado 
Mais comum: teste de amplificação de ácido nucléico e sorologia 
Tratamento: Doxiciclina

Outros materiais