Buscar

Diabete Mellitus e Intolerância a Lactose

Prévia do material em texto

FAPAL – FACULDADE DE PALMAS 
QUÍMICA ESTRUTURAL: FM3Q-0157 
 
 
 
 
Roniel Da Silva Melo 
Raylla Ketelly Bevenuto da Silva 
 
 
 
 
Diabete Mellitus 
e 
Intolerância a Lactose 
Prof. Marildo Ribeiro 
 
 
 
 
 
 
 
PALMAS – TOCANTINS 
2018 
 
 
Diabete Mellitus 
 
O diabetes mellitus é uma doença crônica, conhecida pelo homem há mais de 
3.500 anos. Sua denominação atual foi dada pelo grego Aratæus da Capadócia nos 
primórdios da Era Cristã (diabetes significa “fluir através”) e posteriormente acrescida do 
termo latino “mellitus” (doce), representando a manifestação clínica mais característica 
da doença – a ingestão de grandes quantidades de líquidos e sua correspondente 
eliminação por meio de urina adocicada. 
A descoberta da insulina em 1921 e sua posterior utilização terapêutica permitiram 
a elucidação completa dos mecanismos do diabetes e inauguraram a fase moderna de 
tratamento. 
Características do Diabetes 
O diabetes mellitus caracteriza-se pelo excesso de açúcar no sangue, causado por 
uma redução na produção ou na atividade da insulina – hormônio fabricado pelo pâncreas, 
com importante papel na transformação dos alimentos em energia. Como consequência, 
o açúcar da alimentação não é transformado em energia e acumula-se no sangue, sendo 
eliminado de forma anormal pela urina. 
Existem dos tipos de Diabetes: a do tipo 1 e do tipo 2 
 Diabetes tipo 1 
De 5% a 10% dos casos de diabetes são do tipo 1, que começa mais 
frequentemente na infância e adolescência (no passado era chamado de “diabetes 
juvenil”), mas, na verdade, pode surgir em qualquer idade. 
Os indivíduos com esse tipo de diabetes são chamados insulinodependentes, 
porque não sobrevivem se não receberem a reposição de insulina por meio do 
medicamento. A insulina somente é administrada sob a forma injetável, pois seria 
destruída pelos ácidos do estomago se ingerida por via oral. 
 Diabetes tipo 2 
É a forma mais comum de diabetes, presente em cerca de 90% dos casos. Seu 
início se dá geralmente em adultos (mas não necessariamente), com muito mais 
frequência em pessoas obesas e forte influência da hereditariedade. Nesses casos, o 
problema principal não começa pela escassez de insulina, mas por sua dificuldade em 
estimular os receptores celulares. A obesidade é a situação mais comum em que ocorre 
essa dificuldade na interação da insulina com seus receptores, daí a propensão dos obesos 
para desenvolver esse tipo de diabetes. A reposição de insulina por meio de medicamento, 
como ocorre no diabetes tipo 1, não é vital no tipo 2. Na verdade, a maioria dos indivíduos 
com o tipo 2 não precisa ser tratada com insulina no início do quadro, bastando dieta, 
exercícios físicos e eventualmente uma medicação oral. 
 
 
Diagnóstico do Diabetes 
O diagnóstico de diabetes pode ser confirmado das seguintes formas: 
a) na presença de um quadro agudo de descompensação diabética, com 
hiperglicemia inequívoca; 
b) a pessoa apresenta os sintomas típicos e glicemia ao acaso (mesmo sem jejum) 
acima de 200 miligramas por decilitro de sangue; 
c) no indivíduo sem sintomas, presença de glicemia de jejum acima de 125 
miligramas por decilitro de sangue, em duas ocasiões distintas; 
d) glicemia acima de 200 miligramas por decilitro de sangue duas horas após a 
ingestão oral de uma dose padronizada de glicose – chamado de ‘teste de tolerância à 
glicose’. 
Qualquer um desses critérios, quando preenchidos, confirma o diagnóstico de 
diabetes. O teste de tolerância à glicose permite ainda definir uma situação intermediária 
entre o diabetes e a normalidade, chamada tolerância diminuída à glicose. Isso ocorre 
quando, duas horas após a ingestão do estímulo de glicose, a glicemia fica entre 140 e 
200 miligramas por decilitro de sangue. A tolerância diminuída à glicose é uma situação 
de risco para o desenvolvimento do diabetes e também para o desenvolvimento de 
problemas circulatórios, devendo receber atenção médica. A “glicemia de jejum 
alterada”, definida como uma glicemia de jejum entre 100 e 125 miligramas por decilitro 
de sangue, tem a mesma conotação. 
Tratamento do Diabetes 
O indivíduo com diabetes conviverá com a doença durante toda a sua vida. Para 
que essa convivência ocorra de forma adaptada é importante que ele e as pessoas que o 
cercam procurem conhecer o máximo possível sobre a doença. É importante também que 
o indivíduo procure desenvolver seu autoconhecimento, não só em relação ao padrão de 
flutuação e reações da sua glicemia ante os diversos fatores que podem modificá-la, mas 
também quanto às reações de seu organismo como um todo às várias demandas da vida 
diária. 
A insulina é o tratamento obrigatório no diabetes tipo 1, devendo também ser 
usada em cerca de 25% dos casos do tipo 2, para controle adequado da glicemia. Não há 
possibilidade de tomá-la por via oral, pois seria inativada pelos ácidos do estômago. 
Estuda-se a possibilidade de administração nasal. Todas as formas disponíveis atualmente 
são injetáveis, variando quanto à espécie animal de onde é extraída, o grau de pureza e o 
tempo de ação. 
Quanto ao tempo de ação, há seis tipos de insulina, sempre designados no rótulo 
do produto. As do tipo “R” (de regular) são transparentes como água, têm início e duração 
total de ação rápidos (meia e 4 horas, respectivamente) e atuam como suplemento da dose 
principal ou em situações de emergência, quando a glicemia sobe muito. As insulinas “L” 
(de lenta) e “N” (de NPH) têm ação intermediária (4 e 8-10 horas de início e duração 
total, respectivamente), são leitosas após homogenização (obrigatória antes do uso, porém 
sem chacoalhar o frasco) e atuam como as doses principais, uma ou duas vezes ao dia. As 
insulinas “U” (de ultralenta), de ação mais lenta e mais longa que as de ação intermediária, 
são adequadas a determinadas situações. Os dois tipos mais recentes no mercado são as 
ultra-rápidas – insulinas lispro e aspart –, com início de ação quase imediato, e as insulinas 
glargina e detemir, sem pico de ação, com efeito uniforme ao longo de 24 horas. Estas 
últimas são empregadas geralmente em esquemas especiais de tratamento. 
A insulina é, em última análise, o tratamento mais eficaz para o diabetes. Alguns 
preconceitos em relação a ela, baseados em lendas como as de que produz dependência, 
cegueira etc., são totalmente desprovidos de qualquer fundamentação séria. 
Prevenção da Diabetes 
A Diabetes é uma doença silenciosa, o que significa que geralmente, se não forem 
feitos exames médicos, a pessoa pode não ter consciência de que tem esta condição. 
Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da Diabetes são: 
 Excesso de peso e obesidade 
 Ingestão de açúcar e gordura em excesso 
 Sedentarismo 
 História familiar e herança genética 
 Idade 
 Stress 
 Alcoolismo 
 Pré-Diabetes 
 HTA 
 Diabetes gestacional prévia 
 História de doença cardiovascular prévia 
A prevenção da Diabetes, para quem tem um ou vários destes fatores de risco, mas 
não tem ainda o diagnóstico da doença, passa por adotar um estilo de vida mais saudável 
e consultar o médico, fazendo exames regulares de diagnóstico. 
Para quem tem o diagnóstico de Diabetes, a prevenção também é um fator 
importante para o controlo da doença e para uma maior qualidade de vida. 
A prevenção passa por alguns postos-chaves, fundamentais para ter uma vida mais 
saudável: 
 Entender a Diabetes 
 Adotar uma Vida Saudável: 
 Uma alimentação equilibrada 
 Praticar exercício físico regularmente 
 Controlar a Diabetes: 
 Monitorizando periodicamente os níveis de glicemia no sangue 
 Tomando a medicação quando prescrita pelo médico 
Intolerância à lactose 
A intolerância à lactose, também conhecida como deficiência de lactase,é a 
incapacidade que o corpo tem de digerir lactose - um tipo de açúcar encontrado no leite e 
em outros produtos lácteos. 
Existem três tipos de intolerância à lactose. Conheça: 
 Intolerância à lactose primária, resultado do envelhecimento. É comum em 
pessoas de idade mais avançada 
 Intolerância à lactose secundária, resultado de alguma doença ou ferimento 
 Intolerância à lactose congênita, quando a pessoa já nasceu com o problema. 
Diagnóstico de Intolerância à lactose 
Para ter certeza de que é realmente a intolerância à lactose que está 
causando esses sintomas, o médico deverá solicitar alguns exames, como: 
 Exame de tolerância à lactose, em que o paciente ingere um líquido rico em lactose 
para, depois, realizar um exame de sangue e verificar a quantidade de glucose na 
corrente sanguínea. 
 Exame de hidrogênio expirado, em que o paciente também ingere um líquido com 
altas quantidades de lactose para que o médico, depois, analise a quantidade de 
hidrogênio expelido pelo hálito do paciente. 
 Medidor de ácidos. A lactose não ingerida produz ácido láctico no organismo, que 
consegue ser identificado por meio de um medidor de ácidos. 
Tratamento de Intolerância à lactose 
Não existem tratamentos para a intolerância à lactose. Mas você pode adicionar 
enzimas lactase ao leite normal ou tomá-las em forma de cápsulas e comprimidos 
mastigáveis. 
Prevenção 
Não há uma maneira conhecida de se prevenir a intolerância à lactose. Evitar ou 
restringir a quantidade de produtos lácteos em sua dieta pode reduzir ou prevenir os 
sintomas da intolerância à lactose.