Buscar

Pronomes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 49 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 49 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 49 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Com Sérgio Nogueira,
o professor do Soletrando.
pronomes
5
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Apresentação
Quer simplificar o português, aprender com mais prazer e acabar 
com suas dúvidas?
Este e-book apresenta os pronomes e ensina a empregá-los de for-
ma adequada, mostrando como aspectos sutis podem fazer toda a di-
ferença na transmissão de uma mensagem. Afinal, quando dizer “toda 
a casa” ou “toda casa”, “onde” ou “aonde”, por exemplo?
As videoaulas ampliam o conteúdo do livro digital, discutem as dú-
vidas mais comuns e apresentam exemplos práticos para você enrique-
cer seu conhecimento.
É assim que o professor Sérgio Nogueira retoma os temas mais im-
portantes e mais cobrados em provas de concursos e vestibulares, para 
que você possa (re)aprender sem dificuldades e sem traumas.
Tudo com a experiência de quem há mais de 40 anos aproxima os 
brasileiros do idioma. 
Bom proveito!
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Sumário
O papel dos pronomes ................................................................. 4
Pronomes pessoais ........................................................................ 6
Pronomes de tratamento .................................................................................10
Pronomes possessivos ...............................................................13
Pronomes demonstrativos ......................................................16
Pronomes indefinidos ................................................................20
Pronomes interrogativos .........................................................23
Pronomes relativos ......................................................................25
1. Que .............................................................................................................................29
2. O qual/a qual, os quais/as quais ..............................................................30
3. Quem ........................................................................................................................32
4. Cujo ...........................................................................................................................32
5. Onde ..........................................................................................................................34
6. Quanto .....................................................................................................................36
Colocação pronominal ...............................................................38
1. Próclise ....................................................................................................................39
2. Mesóclise ...............................................................................................................40
3. Ênclise......................................................................................................................42
4. Locuções verbais ..............................................................................................43
Dúvidas frequentes......................................................................45
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Na aula de classes gramaticais, aprendemos um pouco sobre prono-
mes. Vimos que são palavras variáveis que podem substituir ou acom-
panhar os substantivos. Vimos também que podemos dividi-los em seis 
grupos: pessoais, possessivos, demonstrativos, relativos, indefinidos e 
interrogativos. 
Os pronomes exercem um papel importantíssimo no encadeamento 
das informações, sendo um dos responsáveis pela articulação lógica das 
ideias. Qualquer pessoa que se proponha a utilizar a língua com um pouco 
mais de cuidado deve não apenas conhecer e saber classificar os pronomes, 
como também saber empregá-los. 
Assim, quando nos dispomos a estruturar uma mensagem de acor-
do com o padrão culto da língua ou a estudar as possibilidades signifi-
cativas de um texto, devemos ficar atentos às diversas funções que um 
pronome pode exercer na construção de sentido. 
pronomes
O papel
dos
4
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Quando dizemos que um pronome pode substituir um substantivo, 
pensamos apenas na substituição clássica:
José saiu apressado de casa. Ele está atrasado para a aula.
Nesse caso, o pronome pessoal do caso reto “ele” substituiu o substanti-
vo próprio “José”. Mas representar as pessoas do discurso não é o único caso 
em que o pronome é empregado. A substituição do substantivo pelo prono-
me é também muito utilizada para retomar o que já foi dito, evitando, assim, 
que o texto fique cheio de repetições cansativas. Veja o exemplo:
O futebol é, certamente, o esporte mais popular no Brasil. Os 
admiradores do futebol crescem a cada ano. Mesmo entre o 
público feminino, o futebol já virou assunto corriqueiro e tudo 
indica que o futebol continuará entretendo nossa população por 
muitos anos. Que o futebol continue entretendo nossa população 
ainda por muitos anos é o que esperam os patrocinadores e os 
dirigentes de clube. Patrocinadores e dirigentes de clube dedicam 
a vida ao futebol.
Observe que, além de a palavra “futebol” ser exaustivamente uti-
lizada, as duas últimas frases ficaram repetitivas, dificultando a arti-
culação de ideias no texto. Podemos, facilmente, melhorar a estrutura 
desse texto empregando alguns pronomes. Confira:
O futebol é, certamente, o esporte mais popular no Brasil. Seus 
admiradores crescem a cada ano. Mesmo entre o público feminino, ele 
já virou assunto corriqueiro e tudo indica que continuará entretendo 
nossa população por muitos anos. Isso é o que esperam os 
patrocinadores e dirigentes de clube que dedicam a vida ao esporte.
Ao reescrevê-lo empregando adequadamente os pronomes, não só 
conseguimos evitar a repetição da palavra “futebol”, como também en-
cadeamos as informações contidas nas duas últimas frases. 
5
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Os pronomes pessoais referem-se diretamente às pessoas gramati-
cais. Veja o exemplo:
123 123
Eu acredito que tu não falarás com ele.
123
3ª pessoa1ª pessoa 2ª pessoa
O pronome “eu” representa a pessoa que fala; o pronome “tu”, a pes-
soa com quem se fala; e o pronome “ele”, a pessoa de quem se fala.
Os pronomes pessoais podem ser do caso reto ou do caso oblíquo. 
Pertencem ao caso reto quando exercem a função de sujeito da oração 
e, ao caso oblíquo, quando desempenham a função de complemento 
verbal (objeto direto e objeto indireto).
O que adianta eu chegar cedo se ela não está me esperando.
pessoais
Pronomes
6
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
No exemplo, os pronomes “eu” e “ela” são do caso reto, pois exer-
cem a função de sujeito das orações. Já o pronome “me” pertence ao 
caso oblíquo, pois desempenha a função de complemento verbal (ob-
jeto direto).
Confira os pronomes pessoais no quadro:
Pessoas 
gramaticais
Pronomes 
pessoais retos
Pronomes 
pessoais oblíquos
Átonos Tônicos
singular
1ª pessoa eu me mim, comigo
2ª pessoa tu te ti, contigo
3ª pessoa ele, ela
o, a, lhe 
se
ele, ela 
si, consigo
plural
1ª pessoa nós nos nós, conosco
2ª pessoa vós vos vós, convosco
3ª pessoa eles, elas
os, as, 
lhes, se
eles, elas 
si, consigo
Perceba que as formas “ele”, “ela”, “nós”, “vós”, “eles” e “elas” podem 
pertencer tanto ao caso reto como ao caso oblíquo. 
Como classificar, então, essas formas em pronomes retos ou oblíquos? 
Fácil. Sempre que exercerem a função de complemento, elas 
virão precedidas de preposição. Serão, sem sombra de dúvida, pro-
nomes pessoais oblíquos tônicos. Lembre-se de que o sujeito nunca 
vem precedido de preposição. Na frase “Ele emprestou o livro a ela”, 
temos o pronome “ele” empregado como reto, sujeito da oração. Já 
7
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
o pronome “ela” pertence ao caso oblíquo, pois é um complementoverbal (objeto indireto), precedido pela preposição “a” (a ela).
Os conceitos de sujeito e de complemento são estudados na aula 
de análise sintática.
“Consigo” é sempre reflexivo
As formas “comigo”, “contigo”, “consigo”, “conosco” e “convosco” 
já trazem embutidas a preposição “com”: com + mim = comigo; com + 
ti = contigo. 
Mas tenha muito cuidado ao empregar o pronome “consigo”, pois, 
diferentemente de seus companheiros “comigo”, “contigo”, “conosco” e 
“convosco”, seu sentido, no Brasil, é reflexivo. Isso quer dizer 
que entre nós, brasileiros, só usamos o pronome “consigo” 
quando significa “com si mesmo” ou “com ele mesmo”. 
Na frase “Ele carrega consigo a foto 
do casamento”, o pronome “consigo” 
pode ser substituído pela expressão 
“com ele mesmo”: Ele carrega com ele 
mesmo a foto do casamento. Portanto, 
se você quiser falar com alguém, diga 
“Quero falar contigo” ou “Que-
ro falar com você”, mas nunca 
“Quero falar consigo”.
8
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Você reparou que “levar consigo” é, rigorosamente, “levar com 
si mesmo”? Assim, não use a expressão “consigo mesmo”, pois é uma 
redundância. Não é necessário dizer ou escrever “Ele levou os dólares 
consigo mesmo”. Basta “Ele levou os dólares consigo”.
EU ou MIM?
Como visto, o pronome “eu” é uma forma do caso reto, ou seja, só 
pode ser empregado como sujeito da oração. E, como todo sujeito, deve 
estar ligado a um verbo. 
Veja a frase: “Meu pai trouxe um livro para eu ler”. Perceba que o 
pronome “eu” exerce a função de sujeito do verbo “ler”. Significa que 
“Meu pai trouxe um livro para que eu lesse”.
Já na frase “Meu pai trouxe um livro para mim”, o pronome “mim” 
não pratica nenhuma ação, exercendo a função não de sujeito, mas 
de complemento. 
Muitas pessoas se confundem com frases do tipo: “Para mim, ler é 
um prazer”. Essa frase está certa ou errada? Repare que há uma vírgula 
entre o pronome e o verbo, o que já invalidaria a possibilidade de o pro-
nome ser sujeito da oração e garantiria que a frase está correta. Mas no 
caso de a frase ser falada e não escrita, como reconhecer que ela está 
correta? É simples. Basta inverter a ordem dos termos. Na ordem direta, 
teríamos: Ler é um prazer para mim.
 
9
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Não há nada entre EU e VOCÊ ou MIM e VOCÊ?
O correto é “entre mim e você”. Observe que não há verbo após o 
pronome “mim”. Isso significa que ele não é sujeito e, por isso, devemos 
usar esse pronome oblíquo e não o pronome reto “eu” . 
Se você achar estranho falar ou escrever “entre mim e você”, diga ou 
escreva “Não há nada entre nós”. 
Veja outro caso: se o correto é “entre mim e você”, é incorreto, por-
tanto, dizer “entre eu e tu”. Devemos dizer “Entre mim e ti não existe 
mais nada” ou “Não existe mais nada entre mim e ti”.
“Eu” e “tu” são pronomes pessoais do caso reto. Devemos empregá-
-los apenas na função de sujeito: Eu e tu viajaremos amanhã; Trouxe-
ram o CD para eu e tu analisarmos.
 Assim, não sendo sujeito, devemos usar os pronomes oblíquos 
“mim” e “ti”: A escolha ficará entre mim e ti (ou entre ti e mim).
 A diferença de “entre mim e você” e “entre mim e ti” é o tratamento: 
“você” é da 3ª pessoa e “ti” é da 2ª pessoa.
Pronomes de tratamento
Entre os pronomes pessoais, encontramos os de tratamento, que 
são palavras ou locuções que utilizamos para designar a pessoa com 
quem falamos. Com exceção da forma “você”, utilizada em situações 
informais, os demais pronomes de tratamento são empregados em si-
tuações formais, cerimoniosas.
10
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Confira na tabela os principais pronomes de tratamento e suas res-
pectivas abreviaturas.
Abreviatura Pronome Emprego
V. A. Vossa Alteza Príncipes e duques
V. Emª Vossa Eminência Cardeais
V. Exª Vossa Excelência Altas autoridades
V. Magª Vossa Magnificência Reitores de universidade 
V. M. Vossa Majestade Reis e imperadores
V. S. Vossa Santidade Papa
V. Sª Vossa Senhoria
Pessoas de cerimônia e 
correspondência comercial
VOSSA Excelência ou SUA Excelência?
Deve-se empregar a forma “Vossa” para se referir à 2ª pessoa 
do discurso. Em outras palavras, usamos a forma “Vossa” 
quando falamos com a pessoa que está sendo tratada 
dessa maneira respeitosa. Assim, “Vossa Excelên-
cia” é a pessoa com quem se fala.
11
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Já a forma “Sua” deve ser empregada para se referir à 3ª pessoa, 
ou seja, utilizamos a forma “Sua” quando falamos da pessoa que está 
sendo tratada de maneira respeitosa. “Sua Excelência”, então, é a pessoa 
de quem se fala.
Fique atento à concordância com os pronomes de tratamento. Em-
bora utilize a forma “Vossa” e refira-se à 2ª pessoa, a concordância – ver-
bal e pronominal – deve ser feita com a 3ª pessoa. 
Assim, devemos dizer “Vossa Excelência já designou seu assessor 
direto”, e não “Vossa Excelência já designastes vosso assessor direto”. 
Observe que, na forma correta, o verbo (designou) e o pronome (seu) 
foram empregados na 3ª pessoa.
E tome cuidado! A concordância deve respeitar o sexo da pessoa 
com quem se fala ou de quem se fala. Veja:
Vossa Excelência está muito ocupado? (ao se dirigir a um homem)
Vossa Excelência está muito ocupada? (ao se dirigir a uma mulher)
E o pronome VOCÊ, onde se encaixa?
“Você”, na verdade, é um pronome de tratamento, resultado das 
transformações fonéticas pelas quais passou o pronome de tratamen-
to “Vossa Mercê”. Hoje, no Brasil, esse pronome perdeu sua característi-
ca cerimoniosa, abandonou a linguagem formal e passou a frequentar 
nosso cotidiano na fala coloquial, referindo-se à 2ª pessoa do discurso 
(tu). É muito importante lembrar que, embora substitua o pronome da 
2ª pessoa, exige que o verbo seja empregado na 3ª pessoa: eu vou, tu 
vais, ele vai e você vai.
12
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
possessivos
Pronomes
Como o próprio nome diz, estão associados com a ideia de posse. Os 
pronomes possessivos indicam o que pertence a cada pessoa gramati-
cal. Em “Teus livros estão jogados no chão”, temos uma 2ª pessoa (tu) 
que possui livros (coisa possuída). Vamos ver o que acontece se variar-
mos as coisas possuídas.
Teu livro está jogado no chão.
Tua mala está jogada no chão. 
Tuas roupas estão jogadas no chão.
Observe que o pronome possessivo varia em gênero e número (teu, 
tua, teus e tuas) para concordar com a coisa possuída (livro, mala, roupas).
13
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
E se variarmos a pessoa?
Meu livro está jogado no chão.
Nossos livros estão jogados no chão.
Seus livros estão jogados no chão.
Perceba que, se variarmos a pessoa que possui, devemos também 
variar a pessoa do pronome (meu, nossos, seus). 
Podemos, assim, concluir que os pronomes possessivos concordam 
em gênero e número com a coisa possuída e em pessoa com o possuidor.
Veja no quadro as formas que os pronomes possessivos podem assumir.
Pessoas gramaticais Um objeto Vários objetos
singular
1ª pessoa meu, minha meus, minhas
2ª pessoa teu, tua teus, tuas
3ª pessoa seu, sua seus, suas
plural
1ª pessoa nosso, nossa nossos, nossas
2ª pessoa vosso, vossa vossos, vossas
3ª pessoa seu, sua seus, suas
Cuidado com o emprego do pronome SEU!
O pronome “seu” talvez seja a palavra responsável pelo maior núme-
ro de mal-entendidos na comunicação. Isso se dá porque esse pronome 
possessivo permite várias interpretações. Analise a seguinte frase:
A moça viu o ladrão que entrava em sua casa.
14
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Perceba quantas possibili-
dades interpretativas há nessa 
mensagem. Podemos enten-
der que o ladrão foi visto ao 
entrar na própria casa. Ou que 
o ladrão foi visto ao entrar na 
casa da moça. Ou, na pior das 
hipóteses, que o ladrão foi 
visto ao entrar na casa do in-
terlocutor, da pessoa que está 
recebendoa mensagem, ou seja, na 
sua casa, caro leitor.
Para evitar essa confusão, podemos escrever:
A moça viu o ladrão que entrava na casa dele.
A moça viu o ladrão que entrava na casa dela.
A moça viu o ladrão que entrava na tua casa.
Ele brigou com A MINHA amiga ou com MINHA amiga?
Nesse caso, tanto faz. Você pode optar por usar ou não o artigo “a” 
antes do pronome “minha”. O uso de artigos definidos antes de prono-
mes possessivos é facultativo. Assim, são igualmente corretas:
Este é meu filho. / Este é o meu filho.
Estou a seu dispor. / Estou ao seu dispor.
15
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
São responsáveis por localizar o ser no tempo, no espaço e no con-
texto linguístico, tendo como referência as pessoas gramaticais. Va-
mos, então, começar nossa análise destrinchando esse conceito.
O que quer dizer “localizar o ser no tempo”?
Em relação ao falante, o pronome demonstrativo pode indicar:
 > tempo presente
Não pretendo sair neste dia chuvoso.
 > tempo citado anteriormente
Esse final de semana foi muito agitado.
demonstrativos
Pronomes
16
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
 > tempo passado distante
Aquelas férias foram maravilhosas.
O que quer dizer “localizar o ser no espaço”?
O pronome demonstrativo pode indicar a posição que um ser ocupa 
no espaço em relação às pessoas envolvidas no ato comunicativo:
 > perto do falante
De quem é este livro que está na minha mão?
 > perto do ouvinte 
De quem é esse livro que está na sua mão?
 > distante do falante e do ouvinte
De quem é aquele livro que está sobre a mesa?
O que quer dizer “localizar o ser no contexto linguístico”?
Quanto ao contexto linguístico, o pronome demonstrativo pode:
 > retomar o que já foi dito
Todos querem ser líder no mercado financeiro. Mas esse objetivo 
não pode ser desculpa para abandonar a ética.
 > preceder o que vai ser dito
Só vou dizer isto: para mim, chega!
17
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
 > referência a uma citação distante
Retomando aquela ideia exposta no primeiro capítulo...
Quando, em um texto, precisamos esta-
belecer uma diferença entre duas pessoas ou 
duas coisas já mencionadas, empregamos o 
pronome “este” para nos referirmos ao que foi 
citado por último e o pronome “aquele” para 
nos referirmos ao que citamos em primeiro 
lugar.
Aline e João estudaram na Europa; este em 
Paris, aquela em Londres.
Confira as formas dos pronomes demonstrativos:
Variáveis Invariáveis
este, esta, estes, estas isto
esse, essa, esses, essas isso
aquele, aquela, aqueles, aquelas aquilo
Também exercem a função de pronomes demonstrativos as pala-
vras “o”, “a”, “os”, “as”, no caso de poderem ser substituídas por “isto”, 
“isso”, “aquele”, “aquela” e “aquilo”.
 Você fez tudo o que foi pedido? 
(o = aquilo)
 Estou falando com as que tiraram dez na prova. (as = aquelas)
18
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
ESTE ou ESSE verão está mais quente?
Quando nos referimos ao tempo presente, devemos usar os prono-
mes “este, esta, neste, nesta, destes...”. Assim, para falar do verão atual, 
o correto é dizer “neste verão”. 
Os pronomes “esse, essa, nesse, nessa, desses...” são empregados 
em referência a alguma coisa citada anteriormente. Veja: “Até os 40 
minutos do segundo tempo, parecia que o jogo estava ganho. Nesse 
momento (= 40 minutos do segundo tempo), o juiz marcou um pênalti 
inexistente. Isso (= o pênalti) levou o jogo para a prorrogação e possibi-
litou a derrota do favorito”. 
Ora essa!
Nem sempre os pronomes demonstrativos são empregados para 
situar o ser no espaço, no tempo e no contexto linguístico. Em nosso 
português do dia a dia, é muito comum encontrarmos frases como: 
Você chama isto de carro?
Trate de me respeitar que eu não sou dessas! 
Observe que, nas duas frases, o pronome demonstrativo não indica 
a posição de um ser. Nos dois casos, ele foi usado para exprimir menos-
prezo, desprezo pelo que está sendo indicado, mencionado.
Há ainda outras expressões, como “Nisso, a porta abriu”, “Ora essa!”, 
“Essa não!”, em que quase já não encontramos mais o valor demonstra-
tivo dos pronomes. 
19
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
São aqueles que se referem à 3ª pessoa gramatical de forma 
vaga, imprecisa. Ao analisarmos a frase “Alguém trouxe algo muito 
interessante para a aula”, podemos notar que não é possível iden-
tificar com precisão quem trouxe e o que trouxe. 
Isso acontece porque a palavra “alguém” não permite identi-
ficar quem praticou a ação de trazer. O mesmo acontece quando 
empregamos o pronome “algo”, que também torna a informação 
vaga, pois não nos possibilita identificar o objeto trazido. As pala-
vras “alguém” e “algo” são pronomes indefinidos.
Quando empregamos mais de uma palavra para tornar indefinida 
a 3ª pessoa gramatical, estamos utilizando uma locução pronominal 
indefinida.
indefinidos
Pronomes
20
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Confira no quadro os pronomes indefinidos e as locuções pronomi-
nais indefinidas mais comuns.
Variáveis Invariáveis Locuções pronominais
algum(ns), alguma(s) alguém
qualquer um(a), quaisquer 
uns(umas)
nenhum(ns), nenhuma(s) ninguém cada um
todo(s), toda(s) tudo cada qual
outro(s), outra(s) outrem quem quer que
muito(s), muita(s) nada todo(s) aquele(s)
pouco(s), pouca(s) cada seja(m) quem for(em)
certo(s), certa(s) algo seja(m) qual(ais) for(em)
vário, vários, várias quem um(ns) ou outro(s)
tanto(s), tanta(s) tal e qual, tais e quais
quanto(s), quanta(s)
qualquer, quaisquer
CERTO cuidado
Nem sempre a palavra “certo” exerce o papel de pronome indefini-
do. Analise o emprego dessa palavra na seguinte frase: 
Certas pessoas nunca estão nos lugares certos.
Observe que, na primeira ocorrência em que aparece (Certas pesso-
as), a palavra “certas” está tornando a informação vaga. Não sabemos 
de que pessoas se trata. Já em “lugares certos”, a palavra “certos” está 
21
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
caracterizando o substantivo “lugares”, exercendo, assim, o papel de 
adjetivo. Para você não se confundir na classificação dessa palavra, há 
uma dica bem simples: a palavra “certo” (e suas variações) será prono-
me indefinido quando vier antes do substantivo e será adjetivo quando 
vier depois do substantivo. Confira: 
Não se pode contar com certas pessoas. (indefinido)
Contei com as pessoas certas num momento difícil. (adjetivo)
TODA segunda ou TODA A segunda?
Depende do que se quer dizer. É muito comum as pessoas não pres-
tarem atenção na hora de empregar “todo” e “todo o” e “toda” e “toda a”. 
Mas deveriam, pois a presença ou ausência do artigo modifica o sentido 
da mensagem:
À noite, os pernilongos invadiam toda a casa.
À noite, os pernilongos invadiam toda casa.
Repare que a primeira frase informa que os pernilongos invadiam 
“uma casa inteira”. Já a segunda diz que os pernilongos invadiam “as ca-
sas de um modo geral”. Assim, lembre-se de que, quando acompanhado do 
artigo, o pronome indefinido “todo” apresenta o significado de “inteiro”.
Respondendo à pergunta do início deste texto, devemos dizer “toda 
segunda” ao nos referirmos às segundas em geral, uma segunda após a ou-
tra. E devemos dizer “toda a segunda”, com artigo, quando essa expressão 
tiver o sentido de “a segunda inteira”, “a segunda do início ao fim do dia”. 
22
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
interrogativos
Pronomes
São aqueles utilizados nas formulações de perguntas. Os princi-
pais pronomes interrogativos são: que, quem, qual/quais, quanto(s), 
quanta(s).
Esses pronomes podem aparecer em frases interrogativas diretas e 
indiretas. São frases interrogativas diretas aquelas que começam com 
um pronome interrogativo e terminam com um ponto de interrogação:
Quem faltou à aula ontem?
Que aula você prefere?
Quantos alunos leram o livro para a prova?Já as frases interrogativas indiretas não apresentam ponto de inter-
rogação e os pronomes interrogativos não iniciam o período:
23
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
A professora perguntou quem havia faltado à aula do dia anterior.
Ela perguntou ao estudante que aula ele preferia.
Ele gostaria de saber quantos alunos leram o livro para a prova.
CADÊ o toucinho que estava aqui?
Muitos gramáticos ainda torcem o nariz para a palavra “cadê” e cus-
tam a aceitar seu emprego como correto. O certo é que não dá mais 
para negar sua existência. E de onde vem essa palavra? Você já pensou 
nisso? Trata-se da forma contraída da expressão “que é feito de” ou 
“que é de”, que significa “onde está?”.
Que é feito do meu lenço de seda azul?
Onde está o meu lenço de seda azul?
Cadê o meu lenço de seda azul? 
Outros coloquialismos
Ainda na linha da linguagem popular, encontramos a repetição do 
pronome com o objetivo de ressaltar o caráter interrogativo da frase:
Que que eu fiz para merecer isso?
Muito comum também é o emprego da expressão “é que” para en-
fatizar a interrogação:
Quanto é que custa uma aula particular?
Quem é que disse esse absurdo?
24
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
relativos
Pronomes
Esses pronomes desempenham duas funções muito importantes 
no encadeamento de ideias em um texto. Ao mesmo tempo em que 
retomam um termo expresso anteriormente, os pronomes relativos 
iniciam uma nova oração. Essa relação de subordinação que eles esta-
belecem entre as orações em um período garante a coesão das infor-
mações e torna o texto mais enxuto. Considere estas duas informações:
1ª) Conheço o criminoso. 
2ª) O criminoso foi pego tentando fugir do país.
Observe que há um termo que se repete nas duas orações (o crimi-
noso). O emprego do pronome relativo evita essa repetição, reunindo 
as duas orações em um só período. 
25
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Veja:
14444444244444443
Conheço o criminoso que foi pego tentando fugir do país.
2ª oração1ª oração
14444444444444244444444444443
No período acima, podemos perceber que foi eliminada a repetição 
do substantivo “criminoso”, que passou a ser representado pelo prono-
me relativo “que” na segunda oração.
Acompanhe mais este exemplo:
1ª) O atleta está contundido.
2ª) O atleta foi contratado por meu clube.
Unindo as duas frases em um único período, teremos:
O atleta que foi contratado por meu clube está contundido.
1444442444443
2ª oração
1ª oração
1444444444444244444444444431442443
Note que agora a segunda oração foi intercalada na primeira. Isso 
acontece porque o pronome relativo, para evitar confusão na comuni-
cação, retoma o termo que o antecede.
Mas nem sempre o antecedente vem expresso na oração. Isso pode 
acontecer quando o pronome “quem” refere-se a uma pessoa qualquer, 
indefinida, e o pronome “onde” indica um lugar não determinado. É o 
caso de frases como: 
Quem ama o feio, bonito lhe parece. 
Onde eu moro tem muita poluição.
26
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Veja abaixo o quadro dos pronomes relativos.
Variáveis Invariáveis
o qual, a qual, os quais, as quais que
cujo(s), cuja(s) quem 
quanto(s), quanta(s) onde
Este é o livro QUE eu gosto ou Este é o livro 
DE QUE eu gosto?
Como saber quando colocar a preposição antes do pronome relativo? 
Isso é fácil! Você só precisa verificar se o verbo ou o nome presente na ora-
ção iniciada pelo pronome relativo exige a preposição. Veja a frase: 
Não encontrei os ingredientes de que necessitamos para fazer o bolo. 
Observe que o verbo “necessitar” exige a preposição de. Quem neces-
sita “necessita” de alguma coisa ou de alguém.
Siga um método infalível para reconhecer se 
há preposição antes do pronome relativo: 
1º) Reconheça o antecedente a que o 
pronome relativo se refere.
2º) Substitua o pronome relativo por 
seu antecedente. Reordene as 
palavras se necessário.
3º) Identifique a preposição 
utilizada.
27
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
4º) Coloque a mesma preposição encontrada antes do 
pronome relativo.
Achou complicado? Vamos, então, ver na prática como isso funciona. 
Analise a seguinte frase:
Estes são os medicamentos __________ que confio. 
1º) O relativo “que” tem como antecedente o substantivo 
“medicamentos”.
2º) Confio nestes medicamentos.
3º) A preposição utilizada foi “em” (em + estes = nestes).
4º) Estes são os medicamentos “em” que confio.
Vamos analisar mais uma frase:
Este relatório ____ que nos referimos não é recente.
1º) O relativo “que” tem como antecedente o 
substantivo “relatório”.
2º) Referimo-nos a este relatório.
3º) A preposição utilizada foi “a”.
4º) Este relatório “a” que nos referimos não é recente.
E a nossa pergunta inicial: “Este é o livro que eu gosto” ou “Este é o 
livro de que eu gosto”? Vamos conferir qual é a forma correta:
Este é o livro ____ eu gosto.
1º) O relativo “que” tem como antecedente o substantivo “livro”.
2º) Eu gosto deste livro.
3º) A preposição utilizada foi “de” (de + este = deste).
4º) Este é o livro “de” que eu gosto.
28
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
1. Que
Certamente, esse é o pronome relativo mais usado pelos brasilei-
ros. Ele pode retomar uma palavra que designa pessoas ou coisas, no 
singular ou no plural.
Não conheço as pessoas que acabaram de entrar na festa.
Como são desrespeitosos os adolescentes que gritam no meio 
da noite!
Alguém precisa recolher o lixo que caiu na calçada.
Para você ter certeza de que a palavra “que” é realmente um prono-
me relativo, basta verificar se ela aceita ser substituída pelos pronomes 
“o qual”, “a qual”, “os quais” e “as quais”.
Ela não conseguiu carregar um pacote, que pesava apenas 5 kg.
Ela não conseguiu carregar um pacote, o qual pesava apenas 5 kg.
Ninguém reconheceu o homem, que estava disfarçado.
Ninguém reconheceu o homem, o qual estava disfarçado.
Também empregamos o pronome relativo “que” quando o nome ou 
o verbo presente na oração iniciada pelo relativo exige as preposições 
“a”, “com”, “em”, “de”.
A cidade em que vivemos é muito poluída.
Perdi a chave com que fechei meu coração.
Esta é a quantia de que dispomos.
29
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Nesse caso, o relativo “que” também aceita ser substituído pela for-
ma “o qual” e variações.
A cidade na qual vivemos é muito poluída.
Perdi a chave com a qual fechei meu coração.
Esta é a quantia da qual dispomos.
O relativo “que” é o único que aceita como antecedente os prono-
mes demonstrativos “o”, “os”, “a”, as”.
O cidadão comum tem dificuldade para entender o que dizem 
os parlamentares.
pronome demonstrativo (o = aquilo)
pronome relativo
Das funcionárias novas, conheço as que me foram apresentadas.
pronome demonstrativo (as = aquelas)
 pronome relativo
2. O qual/a qual, os quais/as quais
Quando o antecedente do pronome relativo “que” é um substanti-
vo, podemos substituí-lo por “o qual”, “a qual”, “os quais” e “as quais”. 
Este é o livro de que falamos.
Este é o livro do qual falamos.
30
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Estes são os candidatos dos quais falamos.
Devemos usar as formas “o qual”, “a qual”, “os quais” e “as quais” e 
não o relativo “que”:
 > Depois das preposições SEM e SOB
A água é um elemento natural sem o qual 
não viveríamos.
Estas são as perspectivas sob as quais muitos filósofos 
se relacionam.
 > Depois de preposições não monossilábicas (após, contra, 
para, sobre...)
Hoje é o exame para o qual ele se preparou.
Não me diga que era futebol o assunto sobre o 
qual vocês discutiram!
Essa é a ideia contra a qual nós lutamos.
 > Depois de locuções prepositivas (diante 
de, de acordo com, junto a...)
É linda a caverna dentro 
da qual dormimos.
Esta é a resolução de 
acordo com a qual fica 
proibida a venda de 
bebidas alcoólicas 
nos estádios.Este é o time diante do 
qual os adversários tremem.
31
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
3. Quem
O pronome relativo “quem” deve ser utilizado apenas para pessoas 
ou coisas personificadas. Ele sempre vem precedido de preposição.
Aquele é o ator de quem ninguém gosta.
O rapaz com quem você foi ao cinema é seu namorado?
Professora Joana, a quem muito admiro, foi a musa da 
minha infância.
Esta é a candidata a quem me referi ontem.
O plantonista por quem fomos atendidos é novo no hospital.
4. Cujo
Esse pronome é muito usado na linguagem formal escrita, sendo 
geralmente bem compreendido pelos leitores. Por que, então, temos 
tanta dificuldade para utilizá-lo? Por que ele não está presente na nos-
sa linguagem do dia a dia? 
Esse problema talvez se dê pelo desconhecimento das normas que 
regem seu emprego. Vamos, então, conhecer melhor as regras de uti-
lização do pronome “cujo” (e suas variações), e quem sabe possamos 
incorporá-lo à nossa fala coloquial. 
A característica mais marcante do pronome “cujo” é a relação de 
posse que ele estabelece entre seu antecedente e o substantivo sub-
sequente. Veja a frase: “O deputado, cujo projeto foi rejeitado semana 
passada, faltou às últimas sessões do plenário”. Observe que entre “de-
putado” (termo antecedente) e “projeto” (substantivo subsequente) há 
32
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
uma ideia de pertencimento, de posse. Era o projeto “do” deputado. Era 
o “seu” projeto.
Também não esqueça que o pronome “cujo” sempre concorda em 
gênero e número com o substantivo subsequente: O deputado, cujos 
projetos foram rejeitados, cujas ideias foram rejeitadas, cuja emenda 
de projeto foi rejeitada...
Um erro muito comum é colocar o artigo definido (o, a, os, as) depois 
do pronome “cujo”. Não existem as formas “cujo o” e “cuja a”.
O pronome relativo “cujo”, assim como os outros pronomes, deve 
vir antecedido de preposição sempre que a regência dos termos da se-
gunda oração exigir. Confira algumas possibilidades:
Este é o deputado de cujas ideias ninguém gosta. 
Como o verbo “gostar” é transitivo indireto, ele exige uma preposição 
– no caso, “de”. Quem gosta “gosta” de alguma coisa ou de alguém. É como 
se disséssemos “Ninguém gosta das (de + as) ideias desse deputado”.
Este é o deputado em cujas ideias todos confiam.
O verbo transitivo indireto “confiar” exige a preposição “em”. Quem 
confia “confia” em alguma coisa ou em alguém. Todos confiam “nas” 
(em + as) ideias do deputado.
Esse é o deputado com cujas ideias concordamos.
O verbo transitivo indireto “concordar” exige a preposição “com”. 
Quem concorda “concorda” com alguma coisa ou com alguém. Concor-
damos “com” as ideias desse deputado.
33
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Esse é o deputado a cujos projetos referimo-nos em plenário.
O verbo transitivo indireto “referir-se” exige a preposição “a”. Quem 
se refere “refere-se” a alguma coisa ou a alguém. Em plenário, referimo-
-nos “aos” (a + os) projetos desse deputado.
Esse é o deputado contra cujas ideias sempre lutamos.
Nesse caso, o verbo transitivo indireto “lutar” exige a preposição 
“contra” (poderia ser “a favor”). Quem luta “luta” contra alguma coisa 
ou alguém. Veja: “Sempre lutamos contra as ideias desse deputado”. Se 
fosse a favor, diríamos: “Esse é o deputado a favor de cujas ideias sem-
pre lutamos”.
5. Onde
Esse é outro pronome muito mal-empregado. Não é raro encontrar-
mos frases do tipo: “O relatório onde consta o gráfico da produção está 
sobre sua mesa”. Ou “Vivemos numa sociedade onde a informação vale 
muito”.
Você encontrou erro nessas duas frases ou não?
Vamos começar pelo princípio: o pronome relativo “onde” refere-se 
exclusivamente a lugar, isto é, só pode ser empregado se o anteceden-
te contiver ideia de espaço, de lugar. Podemos, assim, com muita pro-
priedade, dizer: “Esta é a casa onde eu nasci”, pois o antecedente “casa” 
transmite a ideia de espaço, de lugar. O mesmo acontece com as frases: 
34
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Adoro a escola onde estudo; A cidade onde eu moro é muito poluída; A 
sala onde trabalho é mal iluminada...
Entendeu agora por que as duas frases do início estão incorretas? 
Porque “relatório” e “sociedade” não indicam um lugar, um espaço.
Para consertá-las, é fácil: basta substituir o relativo “onde” por “em 
que”, “no qual” ou “na qual”: O relatório em que (no qual) consta o gráfi-
co da produção está sobre sua mesa. Ou “Vivemos numa sociedade em 
que (na qual) a informação vale muito”.
Muito comum também é a confusão entre “onde” e “aonde”. 
Para você não errar mais, anote: a forma “aonde” deve ser utili-
zada com verbos que pedem a preposição “a”. Geralmente são 
verbos que expressam movimento, como “ir”, “chegar”, “dirigir-
-se”, “levar”...
Paris é a cidade aonde irei nas férias. 
Perceba que o verbo “ir” pede a preposição “a”. 
Quem vai “vai” a algum lugar. Nas férias, irei à (“a” 
preposição + “a” artigo) cidade de Paris.
O topo é aonde ele quer chegar.
Aqui, o verbo “chegar” exige a preposição “a”. 
Quem chega “chega” a algum lugar. Ele quer chegar 
ao (“a” preposição + “o” artigo) topo.
35
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
O mesmo processo ocorre com a forma “de onde”, que deve ser uti-
lizada com verbos que exigem a preposição “de”. 
Aquela é a escola de onde saem os melhores alunos.
O verbo “sair” rege a preposição “de”. Quem sai “sai” de algum lugar. 
Os melhores alunos saem daquela (de + aquela) escola.
Aquele é o aeroporto de onde partem os aviões para São Paulo.
O verbo “partir” pede a preposição “de”. Quem parte “parte” de algum 
lugar. Os aviões para São Paulo partem daquele (de + aquele) aeroporto.
6. Quanto
Deve ser usado quando o antecedente é um pronome indefinido 
que transmite a ideia de quantidade, como “tudo”, “todo(s)”, “toda(s)”, 
“tanto(s)” e “tanta(s)”.
O jogador deve repetir o chute tantas vezes 
quantas forem necessárias.
Isso é tudo quanto possuímos para a viagem.
36
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
QUANDO E COMO
Outras palavras, dependendo do significado no contexto, podem 
ser utilizadas como pronomes relativos. É o que acontece com 
“quando” e “como”.
A palavra “como” exerce a função de pronome relativo quando 
pode ser substituída por “pelo qual”, “pela qual”, “pelos quais”, 
“pelas quais”. Nesse caso, deve ser antecedida pelas expressões 
“modo”, “maneira”, “forma”, “jeito”...
Não gosto do jeito como ele me olha.
Todos desaprovaram a maneira como ela se despediu.
Essa foi a melhor forma como resolvemos o impasse.
Gostei do modo como ele tratou o assunto.
A palavra “quando” exerce o papel de pronome relativo quando 
seu antecedente transmite a ideia de tempo.
Ele chegou em dezembro, quando ninguém mais o esperava.
Ele renunciou no sábado, quando cedeu à pressão do congresso.
37
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
pronominal
Colocação
Quantas vezes você já não ficou em dúvida sobre a correta coloca-
ção de um pronome oblíquo átono? E quantas outras vezes você não 
se surpreendeu ao descobrir que a forma dita como correta era muito 
diferente da forma que habitualmente usamos? Muitas, não é mesmo? 
E sabe por que isso acontece? Porque as regras que orientam a colo-
cação dos pronomes oblíquos átonos baseiam-se na pronúncia lusita-
na. Como em Portugal os pronomes átonos são realmente átonos, isto 
é, apresentam uma pronúncia fraca, a tendência é colocar o pronome 
depois do verbo: Passe-me o sal, por favor; O jogador retirou-se de cam-
po; O suspeito entregou-se na delegacia. 
Já nós, brasileiros, pronunciamos “todas” as vogais, inclusive as áto-
nas. Por isso preferimos colocar os pronomes antes do verbo: Me passe 
o sal, por favor; O jogador se retirou de campo; O suspeito se entregou 
na delegacia.
38
Licensed to Alessandra Leite da Silva -ale_ls@live.com
O grande problema se dá na hora de escrevermos, porque falamos 
de um jeito, mas devemos escrever de outro, principalmente em exa-
mes oficiais como concursos públicos e vestibulares. Vamos, então, 
lembrar as principais regras da colocação pronominal.
Em relação ao verbo, podemos colocar o pronome em três posições e 
cada posição recebe um nome: próclise, se o pronome vier antes do ver-
bo; mesóclise, se vier no meio do verbo; e ênclise, se vier após o verbo.
1. Próclise
A próclise está sempre certa, desde que o pronome não inicie a ora-
ção, nem venha depois de um sinal de pontuação.
Nada do que foi dito lhe diz respeito.
Nós nos encontraremos no cinema.
A próclise é obrigatória quando, antes do verbo, encontrarmos:
 > Expressões negativas, como “não”, “nunca”, “jamais”, “ninguém”...
Ninguém lhe contou a verdade.
Jamais nos vimos antes.
 > Advérbios
Amanhã te entregarei a encomenda.
Agora me conte toda a história.
39
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
 > Pronomes demonstrativos, indefinidos e relativos
Isso me entristeceu.
Alguém se machucou feio com essa brincadeira.
A vaga que nos ofereceram já foi preenchida.
 > Conjunções subordinativas
Embora se amassem, não conseguiam viver juntos.
Se me dissessem de quem é a culpa, eu poderia tomar 
as providências.
A próclise também é obrigatória em frases exclamativas, interroga-
tivas e optativas, bem como com a expressão formada pela preposição 
“em” + gerúndio.
Como se fala alto nessa classe! (frase exclamativa)
Quem nos viu sair mais cedo? (frase interrogativa)
Deus me livre de uma sorte dessas! (frase optativa)
Em se plantando, tudo dá. (“em” + gerúndio)
2. Mesóclise
A mesóclise é uma forma totalmente em desuso no Brasil. Hoje, tal-
vez ela deva sua sobrevivência aos tradicionais convites de casamento 
que anunciam que “A cerimônia realizar-se-á na Igreja da Sé”. 
Mas, embora a chance de encontrá-la seja rara, é bom sabermos re-
conhecer quando ela é obrigatória até para poder escapar dela. 
40
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
A mesóclise é obrigatória quando o verbo estiver no futuro (do pre-
sente ou do pretérito) e nenhuma palavra obrigar o uso da próclise.
Sentar-me-ei no banco da frente.
Observe que o pronome oblíquo átono “me” foi intercalado na for-
ma verbal do futuro do presente “sentarei”.
Na presença de alguma palavra atrativa que exija a próclise, deve-
mos colocar o pronome antes do verbo, pois a próclise prevalece sobre 
a mesóclise.
Não me sentarei no banco da frente.
Como fugir da mesóclise?
Fácil! Se o verbo no futuro não estiver no 
início da frase, poderemos, corretamente, op-
tar pelo uso da próclise.
Os amigos dar-te-ão todo apoio. Ou
Os amigos te darão todo apoio.
Caso o verbo no futuro esteja no início 
da frase, você só precisa explicitar o sujei-
to, isto é, colocar, por exemplo, o pronome 
pessoal do caso reto antes do verbo. Veja:
Sentar-me-ei no banco da frente. Ou
Eu me sentarei no banco da frente.
41
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
3. Ênclise
A ênclise só é obrigatória no início da oração ou depois de sinal 
de pontuação, como vírgula, ponto e vírgula, ponto de exclamação 
ou de interrogação.
Conte-me tudo.
Quando soou meia-noite, despediu-se rapidamente e partiu.
Lembre-se de que, com o verbo no futuro – principalmente no início 
da oração –, o pronome deve vir intercalado no verbo, ou seja, a mesó-
clise prevalece sobre a ênclise.
Devemos dar atenção especial para a ênclise formada com os pro-
nomes oblíquos “o, a, os, as”, pois, dependendo da terminação do verbo, 
esses pronomes podem sofrer alguma mudança na forma.
 > Com formas verbais terminadas em R, S ou Z, essas letras 
desaparecem e os pronomes “o, a, os, as” apresentam-se nas 
formas “lo, la, los, las”.
Vou receber + o = Vou recebê-lo.
Desfez + as = Desfê-las.
Oferecemos + a = Oferecemo-la.
 > Com formas verbais terminadas em som nasal, como AM, EM, 
ÕE, ÃO..., os pronomes “o, a, os, as” apresentam-se nas formas 
“no(s), na(s)”.
Avisam + o = Avisam-no. 
Dão + a = Dão-na.
42
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
4. Locuções verbais
Uma locução verbal é formada por um verbo auxiliar (que se apre-
senta conjugado) + um verbo principal (que pode estar no infinitivo, no 
gerúndio ou no particípio).
14243
As crianças vão viajar.
auxiliar
principal no infinitivo
123
As crianças tinham viajado.
principal no particípio
auxiliar 1442443
1442443
As crianças estavam viajando.
auxiliar
principal no gerúndio
1442443
1442443
Se a locução verbal não iniciar a oração, podemos colocar o pronome:
 > Antes da locução
Os colegas me vinham cumprimentar.
Os colegas se estavam cumprimentando.
Os colegas se tinham cumprimentado.
 > Depois do verbo auxiliar. Nesse caso, o pronome pode se ligar ao 
verbo auxiliar com ou sem hífen. Você escolhe.
43
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Os colegas vinham me cumprimentar. 
Ou 
Os colegas vinham-me cumprimentar.
Os colegas estavam se cumprimentando. 
Ou 
Os colegas estavam-se cumprimentando.
Os colegas tinham se cumprimentado. 
Ou
Os colegas tinham-se cumprimentado.
 > Depois do verbo principal. Nesse caso, o verbo principal não 
pode estar no particípio.
Os colegas vinham cumprimentar-me. 
Os colegas estavam cumprimentando-se.
 
44
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
 frequentes
Dúvidas
ENTRE SI ou ENTRE ELES?
Devemos usar “entre si” somente quando o sujeito pratica e rece-
be a ação verbal. Na frase “Os irmãos brigavam entre si”, o sujeito da 
oração (os irmãos) pratica e recebe a ação de brigar. Devemos usar 
“entre eles” quando o sujeito é um ser e o complemento é outro. Na 
frase “Nada existe entre elas”, o sujeito é “nada” e o complemento é 
“entre elas”. 
Veja outros exemplos: 
Os políticos discutiam entre si. 
Eles repartiram o prêmio entre si mesmos.
O prêmio foi repartido entre eles.
O segredo ficou entre eles mesmos.
45
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
Eu VI ELA ou Eu A VI?
Na frase “Eu vi ela”, além do cacófato (viela), o pronome é mal em-
pregado. “Eles” e “elas”, pronomes pessoais do caso reto, só podem ser 
usados na função de sujeito. Como complementos verbais, usam-se os 
pronomes oblíquos: o, a, os, as, lhe, lhes... Portanto, o correto é: Eu a vi.
Há quanto tempo não LHE vejo!
Provavelmente você já ouviu (ou pronunciou) essa frase. Muitas ve-
zes, na intenção de falar corretamente, as pessoas acabam cometendo 
esses errinhos. Nessas horas, costumo dizer: “É porque você está vendo 
mal”. Quer saber por quê? O pronome “lhe” substitui objetos indiretos. 
Para os objetos diretos, devemos usar os pronomes “o, os, a, as”. Como 
o verbo “ver” é transitivo direto, não aceita o complemento “lhe”. O cor-
reto, portanto, é “Há quanto tempo não o/a vejo!”. 
A diretora quer falar COM NÓS ou CONOSCO?
Certamente, “A diretora quer falar conosco”. Na 1ª pessoa do plural, 
o pronome pessoal oblíquo tônico é “conosco”. Devemos dizer que “Ela 
quer se reunir conosco”; “Ele vai viajar conosco”.
A forma “com nós” é empregada antes de algumas palavras (outros, 
mesmos, próprios, todos), de numerais e até de frases inteiras: A dire-
tora quer falar com nós todos; Ela implicou com nós mesmos; Ele vai 
viajar com nós que estamos de férias.
46
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
No Brasil, em vez de “conosco”, ouvimos muito mais o coloquial 
“com a gente”, em frases como “Ele falou com a gente”; “Ele saiu com a 
gente”; “A diretora estava com a gente”. 
Duas observações: em situações formais e na língua escrita, de-
vemos usar o pronome “conosco”; nas situações informais, podemos 
dizer e até escrever “com a gente” (num convite para uma balada, por 
exemplo). Mas não se esqueça: a expressão “com a gente” é composta 
de três palavras, o “a” é escrito separadamente. Apalavra “agente”, as-
sim tudo junto, pode ser substantivo ou adjetivo e significa, entre ou-
tras coisas, o “que ou quem agencia, opera, atua” ou “indivíduo ou algo 
que produz ou desencadeia uma ação”.
Eu fiquei fora de SI ou de MIM?
O pronome reflexivo “si” é da 3ª pessoa. Quando sujeito, pratica e 
sofre a ação verbal, isto é, temos a ideia de “a si mesmo”. Assim, deve-
mos dizer e escrever: 
Ele ficou fora de si.
Você iludiu a si mesmo. 
Elas feriram a si próprias.
Na 1ª pessoa do singular, o correto é empregar o pronome “mim”: 
“Eu fiquei fora de mim”; “Eu feri a mim mesmo”. 
O mesmo ocorre com o pronome “se”, que é de 3ª pessoa. Portanto, 
não saia dizendo por aí que “Nós se ferimos”, pois o sujeito (nós) está na 
1ª pessoa do plural e não na 3ª. O certo é: “Nós nos ferimos”; “Ele se feriu”.
47
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
ISBN: 978-65-80225-03-3
R. Elvira Ferraz, 250, conj. 505 – 04552-040 – São Paulo – SP 
CNPJ 04.963.593/0001-42
Concepção e realização: Gold Editora
Coordenação geral: Isabel Moraes
LIVRO DIGITAL
Texto: Sérgio Nogueira, Carla Tullio (redatora assistente)
Assistência editorial: Ana Beraldo
Arte: LIT Design
Foto de capa: Bel Pedrosa
Ilustrações: Marcos Müller
Revisão: Sandra Miguel
VIDEOAULAS
Apresentação: Sérgio Nogueira
Roteiro: Sérgio Nogueira, Carla Tullio, Bárbara Mello
EQUIPE DE ESTÚDIO
Produtora contratada: Uzumaki Comunicação
Direção: Jefferson Gorgulho Peixoto
Fotografia: Rodolfo Figueiredo
Som direto: Luiz Fujita Jr.
Produção e TP: Tainah Medeiros
Maquiagem: Luciana Sales
EQUIPE DE EXTERNAS
Fotografia: Christian Puig
Produção: Ana Beraldo
Assistência de produção: Luciana Sutil
EQUIPE DE EDIÇÃO E PÓS-PRODUÇÃO
Edição: Priscila Viotto, Christian Puig, Luciana Sutil
Locução: Ângela Benhossi
Ilustrações: Marcos Müller
Motion designer: Tiago Almeida Santos
Revisão: Bárbara Mello, Kiel Pimenta
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com
6. Análise sintática
7. Pontuação
8. Concordância
9. Regência
10. Construção de texto
1. Ortografia
2. Uso das palavras
3. Classe de palavras
4. Verbos
5. Pronomes
Licensed to Alessandra Leite da Silva - ale_ls@live.com

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Perguntas Recentes