Buscar

Desenho e prova - Coroas metalocerâmicas

Prévia do material em texto

28/04/2022
1
Desenho e Prova das Infraestruturas 
de Coroas Metalocerâmicas
Coroas Metalocerâmicas
üPorcelana fundida sobre I.E. metálica
ü Ampla utilização – baixo custo;
üTaxa de sucesso a longo prazo;
ü Grande vantagem: Versatilidade.
Coroas Metalocerâmicas
ü Desvantagens:
Linha acinzentada na margem cervical das próteses MC.
Coroas Metalocerâmicas
ü Desvantagens:
Aspecto leitoso-opaco
Bottino, 2002
Coroas Ceramocerâmicas
Metalocerâmica Ceramocerâmica
Ausência da cinta metálica cervical
üVantagem estética:
Valle, A. L.; et al. Revista Dental Press Estética. V.7, n.1, 2010.
üVantagem estética:
Coroas Ceramocerâmicas
Maior translucidez das I.E. cerâmicas
Valle, A. L.; et al. Revista Dental Press Estética. V.7, n.1, 2010.
“São friáveis e suscetíveis à fraturas 
precoces, especialmente quando 
submetidas a cargas cíclicas em 
ambiente úmido”. 
Coroas Ceramocerâmicas
üDesvantagem:
Lawn, B. R. et al.. J Prosthet Dent, v.86, n.5, p.495-510. 2001.
Infraestruturas para MetaloCerâmicas
•Espessura uniforme do metal aumenta a resistência da
cerâmica.
Pegorarro, L.F; et al. 2002.
RESISTÊNCIA
Infraestruturas para MetaloCerâmicas
•As IE podem ser confeccionadas através de
enceramento progressivo, regressivo ou em CAD-CAM
Pegorarro, L.F; et al. 2002.
28/04/2022
2
Desenho da Infraestrutura para MC Unitária Anterior 
• Extensão próximo-incisal adequada para suportar a cerâmica;
• Cinta metálica com altura de 2,5 mm na lingual e proximal;
•Mínimo 0,3 a 0,5 mm de espessura e cerâmica com 1 a 2,5mm
•2/3 do volume final da coroa
•Ângulos arredondados em toda superfície que entre em contato
com a cerâmica.
•Ângulo externo agudo: cinta/cerâmica
Pegorarro, L.F; et al. 2002.
Desenho da Infraestrutura para MC Unitária Anterior 
Pegorarro, L.F; et al. 2002.
Desenho da Infraestrutura para MC Unitária Posterior 
Pegorarro, L.F; et al. 2002.
•Cinta metálica com altura de 2,5 mm na lingual e proximal;
•Cinta proximal côncava para oclusal para a cerâmica não ficar
muito espessa na área da crista marginal
•Mínimo 0,3 a 0,5 mm de espessura e cerâmica com 1 a 2,5mm
• ¾ do volume final da coroa
•Ângulos arredondados em toda superfície que entre em contato
com a cerâmica.
•Ângulo externo agudo: cinta/cerâmica
Desenho da Infraestrutura para MC Unitária Posterior 
Pegorarro, L.F; et al. 2002.
ØI.E. das CC com mesmo desenho das MC;
Ø Cinta lingual e poste proximal;
Ø 0,5 a 0,7 mm de espessura.
Desenho das Infraestruturas para CC 
üElementos unitários:
2,5 mm
3,5 mm
Bonfante, G; et al. Pro-odonto Estética. 2008.
Prova da IE
Prova da IE
Carbono Líquido ou Elastômero
Prova da IE
Carbono Líquido ou Elastômero
Prova da IE
Carbono Líquido ou Elastômero
28/04/2022
3
Adaptação marginal
Ø Longevidade das restaurações fixas;
Ø Exposição e dissolução do agente cimentante;
Ø Acúmulo de biofilme, inflamação gengival, cárie e lesões 
pulpares;
Qual é limite aceitável???
120 μm
Adaptação marginal
Como checar clinicamente:
•Sonda exploradora em 45 graus ter passagem suave e 
contínua, tanto no sentido IE/ dente quanto dente/IE.
Tipos de desajuste marginal
Degrau Negativo
Soluções:
• Desgaste do dente com ponta 
multilaminada ou de granulação 
fina;
• Repetição da moldagem, do 
troquél e da IE
Tipos de desajuste marginal
Degrau Positivo
Tipos de desajuste marginal
Degrau Positivo
É comum notar-se isquemia
Soluções:
• Desgaste da IE com discos de carborundum (MC) ou 
com discos diamantados (CC)
• Repetição da moldagem, do troquél e da IE
Tipos de desajuste marginal
Espaço cervical
Solução:
• Repetição da moldagem, do 
troquél e da IE
Checar espaço para cerâmica

Continue navegando