Buscar

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 4 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

DIREITO CIVIL - REAISDIREITO CIVIL - REAIS 10061006
RHAYANE RHAYANE COSTA DE PAULACOSTA DE PAULA 202103054714202103054714
CRISTIANE RODRIGUES DUTRA GARCEZ TEIXEIRACRISTIANE RODRIGUES DUTRA GARCEZ TEIXEIRA
66805548236680554823 03/10/2023 17:13:5203/10/2023 17:13:52
 1.1. Ref.: 7725204
 Qual das opções abaixo NÃO faz parte do rol de Direitos Reais:
 
 
Superfície.
Servidão.
Usufruto.
Propriedade.
 Posse.
Respondido em 03/10/2023 17:15:04
 2.2. Ref.: 6099376
A respeito das diferenças entre os direitos reais e os obrigacionais, aponte a opção que não esteja
correta:
 
Os direitos obrigacionais são absolutos (erga omnes), enquanto os reais são relativos (subjetivos ou inter
partes).
Os direitos obrigacionais veiculam relações pessoais, uma relação intersubjetiva entre credor e devedor.
Os direitos reais dizem respeito a um poder jurídico, direto e imediato, de uma pessoa sobre uma coisa,
submetendo-se ao respeito de todos.
Nos direitos reais há um jus in rem (direito sobre uma coisa), nos obrigacionais há um jus ad rem (direito
contra uma pessoa).
 O objeto do direito real é a coisa, enquanto o do obrigacional é a prestação.
Respondido em 03/10/2023 17:18:34
 3.3. Ref.: 6048157
A respeito das regras atinentes à posse, marque a alternativa verdadeira.
https://simulado.estacio.br/alunos/template.asp?pagina=bd…_disc=ARA0572&pag_voltar=bdq_alunos_agendamento.asp# 11/04/2024, 20:50
Página 1 de 4
 A posse pode ser adquirida pela própria pessoa que a pretende ou por seu representante, bem como por
terceiro sem mandato, independentemente de ratificação.
A posse direta, de pessoa que tem a coisa em seu poder, temporariamente, em virtude de direito pessoal,
ou real, anula a indireta, de quem aquela foi havida.
A posso do imóvel não faz presumir a das coisas móveis que nele estiverem.
 
A posse de boa-fé só perde este caráter no caso e desde o momento em que as circunstâncias façam
presumir que o possuidor não ignora que possui indevidamente.
A posse não se transmite aos herdeiros ou legatários do possuidor em razão do atributo da pessoalidade
que lhe é inerente.
Respondido em 03/10/2023 17:23:09
 4.4. Ref.: 6048176
Gumercindo recebeu como locatário, no ano de 1978, a posse direta de um imóvel. Ele assumiu todas as
obrigações decorrentes, até 1988, ocasião em que, com o falecimento do locador e não tendo quem se
apresentasse como sucessor, parou de pagar o aluguel. Gumercindo construiu no terreno do imóvel uma
nova acessão que, desde 1990, passou a ser utilizada por sua filha e seu genro. Ocorre que no ano de
2018, Juventino se apresenta como neto do antigo locador e como único herdeiro deste e ajuíza ação de
despejo, buscando reaver o bem. Admitindo os fatos como provados, assinale a afirmativa correta.
Em razão do decurso do tempo, o direito de retomada do imóvel se encontra prescrito.
 A retomada do bem pode ser evitada pela interversão do caráter da posse.
Gumercindo pode pleitear indenização pelas acessões e benfeitorias que realizou de boa-fé, mesmo que
tenha renunciado a tal direito no contrato.
Pelo princípio da relatividade contratual, a filha e o genro de Gumercindo não podem sofrer o pedido de
retomada, pois são pessoas estranhas ao contrato de locação.
O exercício do direito potestativo à purga da mora deverá contemplar os alugueres em atraso desde o ano
de 1988.
Respondido em 03/10/2023 17:23:46
 5.5. Ref.: 6061949
(VUNESP, 2014) Assinale a alternativa correta acerca da ação reivindicatória e de suas peculiaridades.
A ação segue rito especial, definido no vigente Código de Processo Civil.
O autor deve demonstrar a posse anterior, mas não se exige a comprovação da propriedade do bem.
Presta-se à expedição de mandado proibitório àquele que ameaça praticar turbação ou esbulho ao
possuidor.
Tem natureza de interdito possessório, objetivando a reintegração de posse de bem imóvel.
 Pode o réu, em contestação, alegar exceção de domínio com fundamento na usucapião.
Respondido em 03/10/2023 17:24:33
https://simulado.estacio.br/alunos/template.asp?pagina=bd…_disc=ARA0572&pag_voltar=bdq_alunos_agendamento.asp# 11/04/2024, 20:50
Página 2 de 4
 6.6. Ref.: 6061535
(VUNESP, 2011) Quanto ao direito de vizinhança, assinale a alternativa correta.
O dono do prédio que não tiver acesso a via pública, nascente ou porto, pode, independentemente de
indenização, constranger o vizinho a lhe dar passagem, cujo rumo será judicialmente fixado, se necessário.
 
O proprietário tem direito de cercar ou tapar de qualquer modo o seu prédio e pode constranger o seu
confinante a proceder com ele à demarcação entre os dois prédios, repartindo-se proporcionalmente
entre os interessados as respectivas despesas.
O proprietário de nascente, ou do solo onde caem águas pluviais, satisfeitas as necessidades de seu
consumo, pode impedir, ou desviar o curso natural das águas remanescentes pelos prédios inferiores.
O proprietário ou ocupante do imóvel é obrigado a tolerar que o vizinho entre no prédio, mesmo sem
prévio aviso, para dele temporariamente usar, quando indispensável à reparação, construção,
reconstrução ou limpeza de sua casa ou do muro divisório.
Pode-se abrir janela a menos de metro e meio.
Respondido em 03/10/2023 17:25:02
 7.7. Ref.: 6101402
A usucapião familiar ou matrimonial é a mais recente modalidade de aquisição de propriedade,
conforme prevê o Código Civil. São requisitos dessa espécie de usucapião:
Não se aplica às uniões estáveis.
 Pode se configurar por separação ou abandono do lar.
Posse ininterrupta de 2 anos e sem oposição, sobre imóvel urbano de até 200m² pertencente ao casal.
 
Posse  ininterrupta e exclusiva por 2 anos de  imóvel urbano de até 250m², condomínio  com ex-cônjuge
ou ex-companheiro que abandonou o lar e não ser proprietário de outro imóvel urbano ou rural.
Posse exclusiva e ininterrupta de 5 anos anos, com exclusividade, sobre imóvel urbano pertencente
ao casal.
Respondido em 03/10/2023 17:26:24
 8.8. Ref.: 6103017
A usucapião familiar ou matrimonial é a mais recente modalidade de aquisição de propriedade,
conforme prevê o Código Civil. São requisitos dessa espécie de usucapião:
Posse exclusiva e ininterrupta de 5 anos anos, com exclusividade, sobre imóvel urbano pertencente ao
casal.
 Pode se configurar por separação ou abandono do lar.
Posse ininterrupta e exclusiva por 2 anos de imóvel urbano de até 250m², condomínio com ex-cônjuge ou
https://simulado.estacio.br/alunos/template.asp?pagina=bd…_disc=ARA0572&pag_voltar=bdq_alunos_agendamento.asp# 11/04/2024, 20:50
Página 3 de 4
 ex-companheiro que abandonou o lar e não ser proprietário de outro imóvel urbano ou rural.
Não se aplica às uniões estáveis.
Posse ininterrupta de 2 anos e sem oposição, sobre imóvel urbano de até 200m² pertencente ao casal.
Respondido em 03/10/2023 17:27:00
 9.9. Ref.: 6089706
(FCC - 2016 - CREMESP - Advogado) João, José, Fabrício e Cláudio são condôminos de determinado
bem indivisível. João deseja vender sua parte e sua conhecida, Maria, ao saber dessa informação,
demonstra interesse em comprá-la. Ao dar conhecimento desse fato aos outros condôminos, estes
manifestam o desejo de adquiri-la, oferecendo o mesmo preço que Maria estava disposta a pagar.
Sabendo que nenhum dos condôminos tem benfeitorias e que Cláudio é o condômino que possui
quinhão maior, João.
 Não poderá vender sua parte a Maria e, com relação aos condôminos, preferirá Cláudio.
Deverá vender sua parte a Maria, pois foi a primeira que manifestou vontade em adquiri-la.
Poderá vender sua parte a Maria ou a qualquer um dos condôminos, a seu critério.
Não poderá vender sua parte a Maria e, com relação aos condôminos, haverão a parte vendida os
comproprietários conjuntamente, que a quiserem, depositando previamente o preço.
Não poderá vender sua parte a Maria e, com relação aos condôminos, haverão a parte vendida os
comproprietários conjuntamente, que a quiserem, sendo desnecessário depositar previamente o preço.
Respondido em 03/10/2023 17:27:40
 10.10. Ref.: 7660145
O CódigoCivil estabelece prazos distintos para usucapião a depender da situação fática. Nesse sentido,
 prazo da usucapião de uma servidão exercida de modo incontestado, contínuo e aparente, mas que
ainda tem pendente o registro do título é de
 20 anos.
5 anos.
 10 anos.
2 anos.
15 anos.
Respondido em 03/10/2023 17:29:59
https://simulado.estacio.br/alunos/template.asp?pagina=bd…_disc=ARA0572&pag_voltar=bdq_alunos_agendamento.asp# 11/04/2024, 20:50
Página 4 de 4

Mais conteúdos dessa disciplina

  • Relacionados
  • Inteligência Artificial