Buscar

AVA 1 - Psicologia de Aprendizagem e Desenvolvimento (IL70058)

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 4 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA
Letras: Português Literaturas
Ana Beatriz Imenes Nobre de Almeida
Inatismo, comportamentalismo e interacionismo: As
concepções sobre o desenvolvimento e a aprendizagem
2024
INTRODUÇÃO
Este trabalho tem como objetivo apresentar o surgimento da psicologia, apresentando os
principais pensadores da época. Além disso, apresentar as principais correntes da
psicologia do desenvolvimento: inatismo, comportamentalismo e interacionismo e como
essas correntes podem ser aplicadas na vivência pedagógica.
O SURGIMENTO DA PSICOLOGIA NA GRÉCIA ANTIGA.
A preocupação com a alma e razão humana já estava presente na Grécia Antiga. Os
filósofos gregos foram os primeiros a tentar sistematizar um pensamento sobre o
espírito humano. O termo Psicologia vem do grego psyché, que significa alma, e logos,
que significa razão. A alma era concebida como a parte imaterial do ser humano,
abarcando pensamentos, sentimentos, desejos e percepções. Foi com Sócrates que as
ideias sobre o mundo psicológico ganharam força. Sua principal preocupação era o
limite que separa os seres humanos dos animais, afirmando que a razão é a característica
humana mais importante. Platão, por sua vez, localizou a razão na cabeça e afirmou que
a alma está conectada ao corpo pela medula. Quando alguém morre, a alma pode ocupar
outro corpo. A contribuição de Aristóteles foi inovadora ao postular que alma e corpo
não podem ser dissociados. Assim, os gregos já haviam formulado duas teorias sobre a
psiché: a platônica, que defendia a imortalidade da alma e sua separação do corpo, e a
aristotélica, que afirmava a mortalidade da alma e sua relação com o corpo.
PRINCIPAIS CORRENTES TEÓRICAS DO DESENVOLVIMENTO
As teorias do desenvolvimento são diferentes e de várias ordens, por isso são
classificadas de maneiras diferentes. Entre elas, o inatismo, o comportamentalismo, o
interacionismo.
O inatismo apresenta a teoria de que as ideias são inatas, ou seja, determinadas por
fatores biológicos e hereditários, que não passam pelaexperiência. Desta forma, nesta
corrente, as capacidades seriam herdadas de pai para filho com o conhecimento
pré-formado. Por isso, desconsidera interações na formação do sujeito. De forma
pedaggica, essa abordagem defende também que a criança já se encontra pronta ou no
para determinada atividade e que o professor não teria tanta influência. Segundo Rego
(1995):
Esse paradigma promove uma expectativa significativamente
limitada do papel da educação para o desenvolvimento
individual, na medida em que considera o desempenho do
aluno fruto de suas capacidades inatas. O processo educativo
fica, assim, na dependência de seus traços comportamentais
ou cognitivos. Desse modo, acaba gerando um certo
imobilismo e resignação provocados pela convicção de que
as diferenças não serão superáveis pela educação. (p. 87)
O comportamentalismo defende que a única fonte de conhecimento é a experiência.
Fundamentada no empisismo, essa corrente defende que não há nada na mente que no
tenha passado antes pela experiência. Assim, o peso seria exclusivo do ambiente e o ser
humano seria um ser de aprendizagem passivo. Nessa linha, se destacam Pavlov e
Skinner. Pavlov se destacou pelo seu estudo em cães baseados em estímulos e respostas
condicionadas. Segundo cunha (2002, p.5)
Esse paradigma promove uma expectativa significativamente
limitada do papel da educação para o desenvolvimento
individual, na medida em que considera o desempenho do
aluno fruto de suas capacidades inatas. O processo educativo
fica, assim, na dependência de seus traços comportamentais
ou cognitivos. Desse modo, acaba gerando um certo
imobilismo e resignação provocados pela convicção de que
as diferenças não serão superáveis pela educação. (p. 87)
Por fim, o interacionismo defende que há uma interação dos fatores hereditários e
dos fatores externos. Nessa linha, o conhecimento passa a ser encarado como fruto da
interaço do sujeito com o meio sem desconsiderar os fatores hereditários. Como
destaque, é possível citar Vygotsky e Piaget. Vygotsky foi inspirado no materialismo
dialtico de Marx e Engels e considera o desenvolvimento como processo de apropriaço
da experiência. Segundo ele “[...] um aspecto necessário e universal do processo de
desenvolvimento das funções psicológicas culturalmente organizadas e especificamente
humanas" (VYGOTSKY aud KOHL, p.56)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Dessa forma, é possível entender como aplicar a psicologia para a pedagogia e
vivência escolar pode ser benéfico para o professor e para o desenvolvimento escolar
dos alunos. Ter o embasamento teórico de alguma das teorias citadas pode aumentar a
capacidade do professor de garantir a aprendizagem.
REFERÊNCIAS
CUNHA, M. V. Psicologia da educação. Rio de Janeiro, Lamparina, 2002.
PIAGET, J. A construção do real na criança. São Paulo: Ática, 2003.
REGO,Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico--cultural da educação.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1993

Continue navegando