A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
130 pág.
Apostila - Resumo

Pré-visualização | Página 38 de 39

passa a ser vital nas organizações do 
novo milênio.
Como vimos, todos somos diferentes, o que torna o estudo do comportamento humano 
algo complexo, mas espero que esse material tenha contribuído para um melhor entendimento 
do seu próprio comportamento e dos demais comportamentos na organização em geral. 
Gostaria de despertar seu interesse em aprofundar os estudos nessa área.
EXERCÍCIOS
1 Assim que os membros de um grupo se conhecem, o passo seguinte em seu desenvolvimento 
inclui:
a) Concordância de objetivos e designação de atribuições.
b) Alta motivação e conclusão de tarefa criativa.
c) Espontaneidade e flexibilidade no desempenho do trabalho.
d) Concentração em atividades que beneficiarão o grupo.
e) Fase de turbulência, na qual as pessoas entram em conflitos.
117
COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
2 Na empresa MBK, Lucas e Roberto divergiam sobre os métodos para realizar uma 
determinada tarefa. Lucas resolveu a questão se calando e deixando que Roberto utilizasse a 
sua metodologia. Diante disso, assinale a alternativa que representa a forma como Lucas lidou 
com o conflito:
a) Fuga
b) Acomodação
c) Competição
d) Colaboração
e) Concessão
3 A respeito de cultura organizacional, pode-se considerar que:
a) A cultura não influencia o resultado da empresa, apesar de definir o seu estilo nos negócios 
– sucesso e fracasso ocorrem em qualquer empresa.
b) A análise no nível das artificialidades (o que é observado) é determinante na definição dos padrões 
culturais da organização.
c) A cultura forte de uma organização não sofre influências da cultura nacional.
d) Os fundadores e, mais tarde, administradores marcantes são considerados como elementos 
determinantes na cultura organizacional.
e) A compreensão da cultura organizacional não pode auxiliar na compreensão do comportamento 
dos indivíduos na empresa.
Resolução dos exercícios
1 Espero que você tenha selecionado a letra “e”, pois as equipes passam por 4 estágios de 
desenvolvimento. O primeiro é chamado de iniciação, que é quando as pessoas se conhecem, a segunda 
fase é a mais difícil, pois as pessoas contestam a liderança, a quantidade de tarefas etc., sendo, portanto, 
necessário restabelecer a ordem, definir as normas da equipe e resgatar o propósito inicial para que 
possam passar para a última fase, que é a de maturidade.
2 Resposta correta: b
Quando uma das partes abre mão de seus interesses e coloca os do outro em primeiro lugar, dizemos 
que houve acomodação.
3 Se você respondeu a letra “d”, acertou, pois é a partir das crenças e valores dos fundadores que a 
cultura em uma organização é determinada. Eles colocam sua marca e estabelecem as normas, princípios 
etc.
118
Unidade IV
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
Bibliografia básica:
ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson Education, 2009.
VECCHIO, Robert P. Comportamento organizacional: conceitos básicos. São Paulo: Cengage Learning, 
2008.
WAGNER, John A.; Hollenbeck, John R. Comportamento organizacional: criando vantagem 
competitiva. São Paulo: Saraiva, 2009.
Bibliografia complementar
AGUIAR, M. A. F. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Excellus, 1997.
BASS, B. M. Leadership and performance beyond expectations. New York: Free Press, 1985.
BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. Campinas: Pontes, 1988.
BERGAMINI, C. W. Psicologia aplicada à administração de empresas. São Paulo: Atlas, 1982.
BERNE, E. Análise transacional em psicoterapia. São Paulo: Summus, 1981.
BLAKE, R. R.; MOUTON, J. S. A comparative analisys of situationalism and 9,9 management by principle. 
Organizational Dynamics. Spring, 1982.
BOM SUCESSO, E. P. Relações interpessoais e qualidade de vida no trabalho. Rio de Janeiro: 
Qualitymark, 2002.
CHANLAT, J. F. O indivíduo na organização. São Paulo: Atlas, 1992.
CHIAVENATO, I. Gerenciando pessoas. 3. ed. São Paulo: Makron Books, 1997.
___. Recursos humanos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
COHEN, Allan R.; FINK, Stephen L. Comportamento organizacional conceitos e estudos de casos. Rio de 
Janeiro: Campus, 2003.
COVEY, S. R. Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes. São Paulo: Best Seller, 2003.
___. Liderança baseada em princípios. São Paulo: Cultrix, 1998.
DALLANGELO, E. H. L. A antropotecnologia e transferência de organização do trabalho. UFSC, notas de 
aula, 1994.
119
COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
DRUCKER, P. F. Administrando em tempos de grande mudança. São Paulo: Pioneira, 1996.
DUBRIN, A. J. Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 
2006.
FIORELLI, J. O. Psicologia para administradores. São Paulo: Atlas, 2000.
FREITAS, M. E. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma. Rio de Janeiro: FGV, 1991.
GARDNER, H. Mentes que Lideram: uma anatomia da liderança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
GOLEMAN, Dl. Inteligência Emocional. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1996.
GRIFFIN, R. W.; MOORHEAD, G. Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Ática, 
2006.
GRIZE, J. B. Logique et langage. Paris: Ophrys, 1990.
HERSEY, P e BLANCHARD, K. H. Psicologia para administradores. São Paulo: EPU, 1986.
HORTON, B. P.; HUNT, L. Chester. Sociologia. São Paulo: McGraw-Hill, 1980.
HOSMER, L. T. The importance of strategic leadership. Journal of Business Strategy, v. 3, n. 2, pp. 47-57, 
Fall, 1982.
JACQUES, M. G. C. Por que psicologia do trabalho? Em busca de dimensões substantivas e totalizantes. 
PSICO, Porto Alegre, v.15, n.1, pp. 71-76, 1988.
JUNG, C. G. Tipos Psicológicos. Petrópolis: Vozes, 1991.
KEMP, J. Planning et Producing Audio-Visual Materiels. N. York. Thomas Y. Crowel Company, 1975.
KERTÉSZ, R. Análise transacional ao vivo. São Paulo: Ed. Summus Editorial, 1987.
KILMANN, R. H. et al. Gaining Control of the Corporate Culture. San Francisco: Jossey-Bass Inc., 
Publishers, 1993.
KRECH, David; CRUTCHFIELD, Richard S.; BALLACHEY, Egerton L. O indivíduo na sociedade. Um manual 
de Psicologia Social. vol. I, Tradução: Dante Moreira Leite e Miriam L. Moreira Leite, 3. ed. São Paulo: 
Pioneira, 1975. p. 82.
LACOMBE, F. J. M.; Heilborn, G .L .J. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2003.
120
Unidade IV
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
LIMONGI-FRANÇA, A. C. Psicologia do trabalho: psicossomática, valores e práticas organizacionais. São 
Paulo: Saraiva, 2008.
MCGREGOR, D. O lado humano da empresa. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes,1999.
MASLOW, A. H. Introdução à psicologia do ser. 2. ed. Rio de Janeiro: Eldorado, s/d.
MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 2000.
MINICUCCI, A. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Atlas, 1995.
MODERNO, M. C. S. Mecanismos psicológicos da publicidade e do marketing, Millenium, n. 20, 2000.
MORIN, Estelle M.; AUBÉ, Caroline. Psicologia e gestão. São Paulo: Editora Atlas, 2009.
NOULIN, M. Ergonomie. Paris: Techniplus, 1992.
___. Fundamentos do comportamento organizacional. 7. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.
ROBBINS, S. P. Fundamentos do comportamento organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.
SCHEIN, E. H. Por que a cultura corporativa importa? In: ___. Guia de sobrevivência da cultura 
corporativa. Rio de Janeiro: J. Olympio. 2001.
SCHERMERHORN, J. R. et al. Fundamentos do comportamento organizacional. Porto Alegre: Bookman, 2008.
SCHOLTES, P. R. Times de qualidade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.