A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
Patologia - neoplasias

Pré-visualização | Página 1 de 11

PATOLOGIA – PROVA 03
ONCOLOGIA
CONCEITOS SOBRE NEOPLASIA
Conceito: Massa anormal de tecido que sofreu alterações genéticas promovendo um novo crescimento excessivo e desregulado, se tornando autônomo e podendo persistir mesmo após o término do estímulo fisiológico que o induziu. Constituem a segunda maior causa de morte, atrás apenas da doença cardíaca isquêmica. No exame físico são percebidos principalmente devido às alterações de cor (devido às hemorragias) ou textura
Componentes básicos de um tumor:
Parênquima: Conjunto de células em multiplicação
Estroma de sustentação: Tecido conjuntivo e vasos que sustentam o tumor. Caso não consiga suprir a necessidade nutricional do tumor, surgem focos de necrose
Nomenclatura relacionada às neoplasias:
Anaplasia (indiferenciaçao): Perda da capacidade de diferenciação celular
Pleomorfismo (polimorfismo): Variações de tamanho e forma
Invasão: Passagem de células neoplásicas além de seus limites normais
Angiogênese: Crescimento e metástase tumoral permitida pelo estroma de sustentação
Desmoplasia: Formação de estroma excessivo e colagenoso (Ex: Câncer de mama com formação pétrea)
Tumor: Massa celular de tamanho excessivo 
Diferenciação: Grau de maturação e semelhança entre as células parenquimatosas. Quanto maior a diferenciação, menos desenvolvido é a neoplasia e melhor o prognóstico
Nomenclatura de distúrbios celulares relacionados:
Aplasia: Ausência de divisão celular. Ex: Anemia aplásica por doenças genéticas, radiação ou quimioterapia
Hipoplasia: Diminuição da população celular. Ex: Involução do timo a partir da puberdade
Agenesia: Anomalia congênita na qual um órgão ou uma parte dele não se forma. Ex: Agenesia renal
Distrofia: Doença degenerativa sistêmica de origem genética. Ex: Distrofia muscular de Duchenne
Ectopia: Presença de tecido normal em localização atípica. Ex: Parênquima pancreático na parede intestinal
Lesões pré-cancerosas: Lesões morfológicas ou condições patológicas relacionadas ao aumento de chances de aparecimento de neoplasias. É uma condição puramente estatística, e o intervalo de tempo entre o ocorrimento da lesão e o aparecimento da neoplasia é muito variável
Regeneração hiperplásica do fígado cirrótico
Displasia do epitélio do colo uterino, mucosa gástrica e epitélio brônquico
Pólipos adematosos do intestino
Hiperplasia do endométrio
Defeitos hereditários de proto-oncogenes, genes supressores de tumores e genes reguladores do reparo de DNA
NOMENCLATURA HISTOMORFOLÓGICA DE DISTÚRBIOS CELULARES 
Regras gerais (maioria dos casos):
O prefixo é determinado pela localização do componente parenquimatoso
O sufixo “oma” é adicionado na maior parte das neoplasias benignas. Ex: Lipoma
O sufixo “sarcoma” é adicionado nas neoplasias malignas de origem mesenquimal
O sufixo “carcinoma” é adicionado nas neoplasias malignas de origem epitelial
Prefixos não-óbvios:
Adenoma: Neoplasia epitelial glandular benigna
Adenoma pleomórfico: Adenoma em que há a mistura de tecidos cartilaginoso e ósseo
Papiloma: Neoplasia epitelial benigna que produz projeções verrucosas (aspecto de “couve-flor”)
Hemangiomioma: Neoplasia benigna de vasos sanguíneos
Angiossarcoma: Neoplasia maligna de vasos sanguíneos
Leiomioma/Leiomiossarcoma: Neoplasia benigna/maligna de músculos lisos
Rabdomioma/Rabdomiossarcoma: Neoplasia benigna/maligna de músculos estriados
Exceções:
Carcinoma: Neoplasia epitelial maligna
Adenocarcinoma: Neoplasia maligna com padrão histológico de crescimento glandular
Nevos: Neoplasia benigna de melanócitos
Melanoma: Carcinoma de melanócitos
Hepatoma: Sarcoma hepatocelular
Seminoma: Carcinoma de origem testicular
Mola hidatiforme: Neoplasia benigna do epitélio placentário
Leucemia: Neoplasia de células do tecido hematopoiético
Casos especiais:
Pólipo: Conjunto de células neoplásicas projetadas acima de uma superfície mucosa
Teratoma: Tumor originado de células totipotentes parenquimatosas glandulares, surgindo assim de células de mais de uma camada (ectoderme, mesoderme e/ou endoderme). Caracterizado pela mistura de tecidos
Teratoma cístico benigno: Gera tecido fetal diferenciado
Teratoma imaturo (maligno): Gera tecido fetal indiferenciado
Cistadenoma: Tumor ovariano benigno que forma massa cística revestida de epitélio colunar mucossecretor
Cistadenoma papilífero: Possui padrão papilar no interior do espaço cístico
Tumores não-neoplásicos:
Coristoma: Resto ectópico de tecido normal. Ex: Resto de tecido adrenal sobre a cápsula renal
Hamartoma: Massa deslocada e irregular composta por células maduras e especializadas. Ex: Pulmão com ilhas de cartilagem e tecido linfóide
OBS: Apesar de não serem tumores verdadeiros, os ectomas e hamartomas possuem crescimento autônomo
CARACTERÍSTICAS DOS TUMORES EM GERAL
Tumor benigno:
Células neoplásicas ainda bem diferenciadas, semelhantes ao do tecido original
Atipias celulares e arquiteturais discretas
Crescimento mais lento que nos casos malignos (normalmente)
Pelo fato de crescer lentamente, permite que se formem estruturas de sustentação eficientes
Por ser devidamente irrigado, não causa degenerações, necroses e hemorragias típicas do processo maligno
Não causa recidivas nem metástase
Pode ser causado por fatores hormonais, que assim, cessados, finalizam o desenvolvimento tumoral (reversível)
A massa tecidual é bem delimitada e possui crescimento localizado
O limite com os tecidos vizinhos é bem nítido
A compressão e atrofia do estroma vizinho causa a formação de uma cápsula fibrosa (pseudocapsula)
A pseudocapsula é isolada, palpável, móvel e de fácil remoção cirúrgica
Quando afeta glândulas causa um aumento da produção de secreções, que podem tanto formar cistos locais quanto aumentar a quantidade de hormônio circulante
OBS: Hemangiomas não formam cápsula
Tumor maligno:
Células indiferenciadas (anaplásicas) ou pouco diferenciadas
Maior parte é indiferenciada ou aplásica com perda de função
As diferenciadas podem produzir as mesmas substâncias de uma célula normal, mas crescem descontroladamente porque não possuem sensibilidade aos mecanismos reguladores de multiplicação. Em alguns casos, essas células podem alterar a função tecidual de maneira inesperada(Ex: carcinomas broncogênicos que produzem corticotrofina)
Presença de atipias celulares graves
Pleomorfismo
Anomalias nucleares
Tamanho grande e anormal, com aumento da relação núcleo-citoplasma
DNA com hipercromasia
Cromatina grosseiramente distribuída
Nucléolos proeminetes
Perda da arquitetura tecidual
Grande quantidade de células em mitose apresenta figuras mitódicas atípicas
Crescimento rápido e invasivo
Alta tendência à causar recidivas locais e metástase
Causa degenerações e hemorragias
Não apresenta delimitações bem definidas devido à invasividade
Apresentam diminuição da adesão tecidual devido à:
Modificações da membrana plasmática e microvilosidades
Diminuição na quantidade de estruturas juncionais e moléculas de adesão (como as cadeínas)
Alta eletronegatividade de membrana devido à diminuição da concentração de cálcio intracelular
Liberação de enzimas proteolíticas e colagenases
Estimulação da produção de glicosaminoglicanos, que tornam a matriz mais fluida
Apresentam alta mobilidade devido à:
Menor adesão tecidual
Perda da inibição de contato
Modificações no citoesqueleto
OBS: Segundo um critério clínico, uma neoplasia benigna pode ter sua classificação alterada. Isso ocorre pelo fato de nem toda tumor benigno ser inócuo (devido sua localização poder causar a compressão de vasos e outras estruturas, ou por alterar o equilíbrio fisiológico devido ao excesso da produção de certas secreções), e quando ele comprometer a sobrevivência do indivíduo, pode ser considerado clinicamente como maligno
CARACTERÍSTICAS DE NEOPLASIAS MALIGNAS
Fatores

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.