A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Metabolismo do ferro

Pré-visualização | Página 1 de 2

Metabolismo do ferro
A formação de hemoglobina é dependente de ferro. O Ferro é a matéria-prima pra construção da hemoglobina.
A distribuição do ferro é diferente de homem para mulher, isso depende do número de eritrócitos que o homem tem maior e também por conta da massa muscular que no homem é maior. Por isso o homem retém mais ferro que a mulher. Onde encontramos o ferro no organismo não difere e sim a quantidade. A maior parte do ferro é encontrado junto com a hemoglobina, e 30% está presente em moléculas de deposito de ferro.
A distribuição do ferro corporal é feita de três tipos:
Ferro funcional; Está nos eritrócitos maduros, nas células musculares e um pouco nos hepatócitos.
Ferro de deposito; temos um pouco nos hepatócitos e um pouco no sistema monócito-macrófago. Esse ferro tem uma quantidade de ferritina maior.
Ferro de transporte; Forma de transferrina.
Essa divisão em compartimentos é importante para o entendimento em como acontece o metabolismo na falta ou no excesso de ferro.
A maioria do ferro vem da dieta, mas não é a única fonte porque temos o processo de hemocareterese que é a destruição das hemácias envelhecidas que também serve como fonte de ferro, uma reciclagem de ferro. O ferro dessas hemácias fica retido no macrófago, no sistema reticulo-endotelial e é distribuído para o corpo a medida que haja necessidade. Em uma dieta equilibrada consumimos uma quantidade bem maior que a quantidade que é necessária por conta dessa reciclagem mesmo. Em gravidez ou anemia ferropriva a absorção do ferro aumenta 20 ou 30%, mas o normal de absorção anormal é de 5 a 10%. 
Do ferro que vem da dieta existem dois tipos: ferro heme e ferro não-heme. Por isso que tem gente que tem uma dieta super desequilibrada e ela não apresentou nenhum tipo de anemia ferropriva, mas se ela ingerir bastante carne a absorção do ferro estará normal pois a oferta do ferro heme estará de acordo com a necessidade.
Ferro heme: é o ferro absorvido já ligado ao grupamento heme, ingerindo carne. Mais fácil absorção pois não tem limitação de transporte por parte da carga. Por isso é absorvido direto. 
Ferro não-heme: ferro inorgânico. Precisa de transformação de carga para o transporte, pois o transportador de ferro inorgânico é divalente. Tem que passar para o ferro divalente.
Hemocaterese: Fagocitose e degradação de hemácias senescentes (“envelhecidas”), que tornam-se mais frágeis, com menos elasticidade e com perdas de funções metabólicas, sendo então rompidas no vaso sanguíneo ou fagocitadas pelas células de Kupffer (macrófagos hepáticos).
Perdemos ferro por perda de células, não excretamos ferro, o ferro sai com as células. 
Em adultos normais, a quantidade de ferro absorvida diariamente equivale à quantidade excretada e o ferro do organismo é continuamente reciclado por um eficiente sistema de reutilização desse metal.
A mulher perde mais ferro durante o período menstrual além de perder também o 1mg normal que o homem perde. 
Absorção de ferro
	Favorecem a absorção: ferro heme, ferro na forma +2, associação do ferro com alimentos mais ácidos, deficiência de ferro.
	Desfavorecem: ferro inorgânico, forma férrica, excesso de ferro, cálcio (pela divalencia, o transportador que transporta o ferro é transportador de íons divalentes, logo qualquer íon divalente atrapalha o transporte do ferro – competição).
A maioria da absorção do ferro é no duodeno. Nas bordas do enterocito é onde estão os transportadores, tem o HCP1 que é o transportador direto do heme e o DMT1 que é o transportador direto do ferro inorgânico. O ferro +2 que é absorvido, se chegar o ferro +3 é a proteína DcytB que faz a conversão de cargas. 
Uma vez absorvido o ferro chega dentro do ambiente celular, se ele entrar com o griupo heme terá uma enzima que metabolizara o grupo heme e liberara o ferro. Dentro da célula, ele acaba virando ferro inorgânico. 
Se ferro +2 passa para dentro da célula e é preciso ferro no organismo, ele passa direto pelo transportador ferroportina que se encontra na região basal da célula na forma +2. Se ele passa na forma +2 para dentro da célula e a demanda de ferro no organismo é baixa, parte vai passar pelo transportador e ir para a corrente sanguínea e parte vai ser transformado em ferro inorgânico novamente para ser depositado, pois ele só pode ser depositado na forma +3.
Ferro de armazenamento e ferro de transporte tem que ser na forma +3, e a proteína que transporta o ferro é a transferrina e a de deposito é a ferritina. Mas para o ferro passar pelos transportadores ele deve estar na forma +2. 
Dentro da célula se o ferro tiver que ser transformado para +3 pra ser armazenado a hefaestina que faz isso. No plasma a ceruloplasmina que faz isso, pra ele se lugar a transferrina (se o ferro fica livre ele é bem toxico ao organismo e não é vantagem nenhuma ter ferro livre no organismo).
Armazenamento
Ferritina é a principal proteína para armazenamento de ferro. Em algumas células ela sofre metabolização parcial e acaba se transformando em uma outra molécula de armazenamento que é a hemossiderina. A hemossiderina é um produto de metabolização da ferritina. A única vantagem é na capacidade total de armazenamento de ferro, a hemossiderina é 37% apesar de termos mais ferritina no organismo. Isso se deve a solubilidade da hemossiderinba, que é mais insolúvel. 
Quando a demanda de ferro é alta há a movimentação de ferro do deposito, primeiro ele é retirado da ferritina e depois da hemossiderina devido a essa diferença de solubilidade das duas proteínas. 
A acidez favorece a transformação de ferro +3 em ferro +2. A vitamina C é necessaria no ambiente intracelular pra conseguir desligar o ferro +3 e liberar o +2, a VitC tira da ferritina sendo essencial pra liberação do ferro. 
TRANSFERRINA
Proteína de transporte. Contém dois pontos de ligação ao ferro. Capacidade limitada de transporte.
É sintetizada, de forma predominante, no fígado e tem como finalidades: Captar e transportar o ferro em condições solúveis dos locais de absorção até os locais de utilização e armazenamento; Proteger o organismo dos efeitos tóxicos do ferro livre.
A transferrina passa e se liga a todo ferro livre no organismo. Então a transferrina tem três estados: ou ela está totalmente vazia, ou com um sitio só ligado ou com os dois. 
As células que tem necessidade de ferro possuem receptores pra transferrina. Existem dois tipos, o tipo I e o Tipo II. O Tipo I está ligado ao status de ferro, quando há um excesso de ferro esses receptores tem a expressão diminuídos e os de membrana são internalizados. O Tipo II é responsável pelas células que sempre estão precisando de ferro (eritrócitos, criptas duodenais e células hepáticas), mas elas também tem o Tipo I. 
Deficiência de ferro: nada acontece com o Tipo II, mas a expressão do tipo I é aumentada.
A transferrina ligada com o ferro encontra uma célula que tem o receptor pra transferrina, quando a transferrina se liga ao receptor a célula engloba a transferrina junto com seu receptor e engloba também o que está em volta dela como proteínas e etc. Dentro da célula tem uma vesícula com o complexo, junto a isso, essas células tem o mesmo tipo de transportador que tem no enterócito que é o DMT1 (transportador de íons divalentes). Geralmente quando a vesícula é formada, vai uma certa quantidade desse DMT1 fazendo parte da membrana da vesícula. Com isso, outras estruturas de membrana também vão, como a bomba de próton, normalmente há o influxo de próton pra dentro da vesícula e a mudança de pH faz com que facilite o desvio do ferro da trasnferrina. A mudança de pH desliga o ferro da trasnferrina e passa pelo ambiente citoplasmático através do DMT1. O ferro vai pro ambiente intracelular e é usado pela célula ou é armazenado. E essa vesícula sem o ferro é unida na superfície da célula, reciclando o receptor de transferrina. Então é liberado a APO-TF que é a porção proteica do comsplexo e o receptor de transferrina volta para a membrana da célula para reiniciar o processo. 
No período pós-prandial