2 Cultura Organizacional (1)
25 pág.

2 Cultura Organizacional (1)


DisciplinaEstratégia Competitiva78 materiais502 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Danielly Nascimento
PROFESSORA
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO - CAMPUS ANGICOS
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS, HUMANAS E TECNOLÓGICAS - DCEHT
CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
\uf07d Cultura é a forma pela qual uma comunidade 
satisfaz a suas necessidades materiais e 
psicossociais.
\uf07d Implícita nessa ideia está a noção de ambiente 
como fonte de sobrevivência e crescimento.
\uf07d Cultura é a adaptação em si, é a forma pela qual 
uma comunidade define seu perfil em função da 
necessidade de adaptação ao meio ambiente.
\uf07d O conceito de cultura organizacional diferente do 
próprio termo "cultura" em si, possui um sentido 
mais antropológico, explorando o lado humano 
de uma organização, a qual possui práticas, 
símbolos, valores, comportamentos, hábitos, 
políticas, crenças e princípios interagindo como 
um todo. 
\uf07d A cultura organizacional tem como principal 
finalidade orientar os membros de uma 
organização, como se fosse um tipo especial de 
diretriz ou preceito que irá direcionar o 
comportamento das pessoas e suas atividades.
\uf07d Cultura organizacional - de uma maneira 
geral, ela é vista dentro da empresa como 
uma série de normas e atitudes comuns aos 
indivíduos que trabalham nela, pois além de 
direcionar esses indivíduos, a cultura 
organizacional também serve para orientá-
los sobre como devem interagir entre si, com 
os clientes e stakeholders do negócio em 
geral.
\uf07d É certo dizermos que cada organização tem a sua 
própria cultura, pois cada empresa possui suas 
próprias particularidades e diversidades. 
\uf07d Determinados aspectos da cultura organizacional
são de fácil percepção, enquanto outros são mais 
difíceis de se notar. 
\uf07d Os aspectos organizacionais que possuem um 
caráter mais formal, são os mais fáceis de 
perceber.
\uf07d Os aspectos formais são considerados os componentes 
visíveis de uma cultura organizacional, dentre os quais nós 
temos como exemplo: as políticas, estrutura, diretrizes, os 
métodos e procedimentos, os objetivos e a tecnologia 
adotada pela organização. 
\uf07d Os aspectos informais que são considerados pouco 
perceptíveis ou ocultos, são os mais complicados de se 
compreender e interpretar, dentre eles nós podemos citar 
os sentimentos, atitudes e valores. 
\uf07d Esses aspectos em sua maioria são orientados pela 
emoção e situações afetivas e são os que menos sofrem 
mudanças e transformações ao longo do tempo.
\uf07d A cultura organizacional de uma empresa possui três 
níveis/elementos distintos, eles são os artefatos, os 
valores compartilhados e os pressupostos. 
\uf07d Artefatos: São considerados o primeiro nível de uma 
cultura organizacional, pois são os mais superficiais e 
perceptíveis. 
\uf07d Os artefatos são as coisas concretas que cada um 
consegue ver dentro de uma organização, eles são os 
produtos, serviços e padrões que nos indicam visual e 
auditivamente como é a cultura organizacional da 
empresa. 
\uf07d Os símbolos, rituais, histórias e cerimônias são exemplos 
de artefatos.
\uf07d Valores compartilhados: Os valores 
compartilhados são considerados o segundo 
nível da cultura de uma empresa. 
\uf07d São os valores importantes para as pessoas que 
fazem parte da organização e que se tornam 
relevantes ao ponto de definir a razão pela qual 
os colaboradores fazem o que fazem (a atividade 
em si). 
\uf07d Em diversas culturas organizacionais, os valores 
podem vir definidos desde os fundadores do 
negócio.
\uf07d Pressupostos: São considerados o terceiro nível de uma 
cultura organizacional.
\uf07d Eles são as pressuposições, sentimentos e crenças 
inconscientes das quais os colaboradores da empresa 
acreditam. 
\uf07d A cultura de uma empresa consegue "prescrever" o modo 
como as atividades são realizadas, principalmente, por 
meio de pressuposições não escritas ou formalizadas. 
\uf07d Os artefatos, valores compartilhados e pressupostos 
constituem os principais níveis (elementos) de uma cultura 
organizacional.
\uf07d No modelo teórico concebido por Hofstede, 
os símbolos, heróis e rituais constituem as 
práticas (sub-elementos) da empresa, ou 
seja, as manifestações que se apresentam 
como resultado de sua cultura. 
\uf07d Existem elementos na cultura de uma 
empresa que só conseguem ser identificados 
a partir do convívio dos indivíduos entre si. 
\uf07d Hofstede ainda ressalta que uma cultura forte é 
mais eficaz e possui um melhor desempenho do 
que as demais, pois ela gera um maior senso de 
união e colaboração entre os seus participantes, 
promovendo uma maior estabilidade 
organizacional em torno das metas da empresa.
\uf07d Em relação aos três sub-elementos, nós 
podemos dizer que os símbolos de uma cultura 
são as palavras, gestos e ações, onde possuem 
um significado especial dentro da organização. 
\uf07d Já os heróis são os personagens que possuem um certo 
nível de prestígio dentro de uma cultura organizacional, 
servindo como modelo de comportamento para os demais 
membros. 
\uf07d Os heróis podem remeter à pessoas vivas ou mortas, 
assim como transmitir modelos positivos ou negativos das 
mesmas. 
\uf07d Os rituais são as atividades coletivas e socialmente 
indispensáveis. 
\uf07d Todos os três sub-elementos rodeiam o que podemos 
chamar de núcleo da cultura organizacional, isto é, seus 
valores.
\uf07d Clareza de objetivos, valores e princípios: a empresa deve 
ter seus objetivos claros, definidos, formalmente 
estabelecidos e orientados para médio e longo prazo. 
Para dar certo a empresa deve fazer com que todos 
funcionários tenham acesso aos seus objetivos.
\uf07d Imagem de produtos e serviços: vários públicos (internos e 
externos) percebem a qualidade dos produtos e serviços 
oferecidos.
Não basta o cliente externo ter percepção da empresa, mas 
também os funcionários devem ter conhecimento sobre as 
vendas, detalhes sobre a qualidade de seus produtos e 
serviços, etc, fazendo com que o funcionário tenha orgulho 
do seu trabalho. 
\uf07d Integração e comunicação: a estrutura da organização permite a 
comunicação interna entre os diversos níveis de forma simples e 
aberta. 
Tendo também a colaboração e parceria como meio existente como 
auxílio mútuo, sendo tanto internamente (funcionários) quanto 
externamente (fornecedores). 
\uf07d Abertura a novas ideias: a empresa deve ser dinâmica, estar atenta 
às mudanças, ter senso de oportunidade, estabelecer objetivos 
arrojados, e criar um ambiente motivador. 
Nesse ambiente a empresa valoriza e incentiva as novas ideias de 
seus colaboradores. 
Pode ser feito incentivos financeiros como premiações por economia 
na mudança de algum processo, criar uma caixa de sugestões, ter 
reuniões periódicas entre setores na busca de melhorias, etc. 
\uf07d Desempenho profissional: O trabalho é estimulante para os 
funcionários e oferece desafios profissionais, possibilidade de 
crescimento e valorização pessoal. 
A própria prática de ideias faz com que o profissional sinta-se 
mais valorizando, pode-se também fazer rodízios, onde o 
funcionário deixa de ser um especialista numa função e 
começa a ter conhecimento de outras atividades, ajudando no 
entendimento do todo do processo e seu objetivo final. 
\uf07d Aprendizado: A empresa estimula e proporciona oportunidade 
de desenvolvimento profissional para os funcionários. 
Pode-se fazer isso com cursos internos, auxílio financeiro nos 
estudos (faculdade, curso de línguas, cursos 
profissionalizantes específicos, etc.).
\uf07d A cultura organizacional se trata de um 
sistema de valores, crenças e diretrizes que 
são compartilhados pelos membros de uma 
organização, ela faz com que cada 
organização se diferencie uma das outras, 
tornando-se única de certa forma. 
\uf07d Existem sete características determinantes 
numa cultura organizacional. 
Elas são: 
\uf07d a inovação, 
\uf07d atenção aos detalhes, 
\uf07d orientação para os resultados, 
\uf07d orientação para