A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
(Livro) David Ausubel - Aquisição e Retenção de Conhecimentos - Uma Perspectiva Cognitiva

Pré-visualização | Página 12 de 13

e na
nificativas: quando o intervalo de retenção esperado é muito curto; quando as
aterial de aprendizagem são relativamente simples e fáceis de compreender;
 se exige uma retenção precisa do material de instrução; e quando não se tem
ão a transferibilidade para outros tópicos ou matérias relacionados.
nto, o papel mediador da frequência ainda não está totalmente clarificado. Tal
do anteriormente, a frequência não é uma condição necessária nem suficiente
dizagem significativa, uma vez que tal aprendizagem pode ocorrer inequivoca-
epetição, em determinadas condições acima especificadas. Não obstante, a fre-
ma variável essencial e importante em situações típicas de aprendizagem
, especialmente quando esta é difícil, quando se pretende a superaprendizagem
nção prolongada e quando é necessário transferibilidade. Além disso, a frequên-
parentemente, vários efeitos distintos sobre a aprendizagem e a retenção acima
APRESENTAÇÃO DA TEORIA DA ASSIMILAÇÃO DA APRENDIZAGEM E DA RETENÇÃO SIGNIFICATIVAS 17
delineadas, que não se ficam por um simples fornecimento de uma oportunidade para os
efeitos subliminares acumulados (tais como continuidade, reforço, redução de impulso, con-
firmação cognitiva, etc.) influenciarem o processo e o resultado da aprendizagem e da reten-
ção significativas (e em especial das por memorização). 
18 CAPÍTULO 1
REFERÊNCIAS
Anderson, J. R., & Bower, G. H. Human associative memory. Washington, D. C.: V. H. Winston, 1973.
Anderson, R.
& W. E. M
Erlbaum 
Ashcraft, M.
1994.
Ausubel, D. P
Baddeley, A. 
Bower, G. Hu
Broadbent, D
Brown, J. A
Psycholo
Brozova, V. E
1995, 37,
Carroll, D. W
Chance, P. Le
Collins, A. M
(Eds.), O
Gagné, R. M.
Greeno, R. L
Associate
Kail, R. V. , &
Lawrence
Kintsch, W. T
Klatzky, R. L
Moreno, V., &
Contempo
Neisser, U. C
Neisser, U. C
Norman, D. A
Paris, S. G., &
Kail, & J
Erlbaum 
Peterson, L. 
Psycholo
Richardson, J
Nova Iorq
Rosch, E. O
Cognitive
Slamecka, N
Memory,
Sternberg, S. 
Tulving, E. E
memory. 
 C. The notion of schemata and the educational enterprise. In R. C. Anderson, R. J. Spiro,
ontague (Eds.), Schooling and the acquisition of knowledge. Hillsdale, N. J.: Lawrence
& Associates, 1977.
 H. Memory and cognition (2.ª Ed.). Nova Iorque: Harper Collins College Publishers,
. The psychology of meaningful verbal learning. Nova Iorque: Grune & Stratton, 1963.
D. Working memory. Oxford: Oxford University Press, 1986.
man memory: Basic processes. Nova Iorque: Academic Press, 1977.
. E. Perception and communication. Nova Iorque: Pergamon, 1958.
. Some tests of the decay theory of immediate memory. Journal of Experimental
gy, 1958, 10, 12-21. 
ffect of organized learning on text understanding and processing. Studia Psychologica,
 259-268.
. Psychology of language. Monterey, Calif.: Brooks-Cole, 1986.
arning and behavior (3.ª ed.). Pacific Grove, Calif.: Cole Publishing Co., 1994.
., & Quillian, M. R. How to make a language user. In E. Tulving, & W. Donaldson
rganization of memory. Nova Iorque: Academic Press, 1972, pp. 309-351.
 The conditions of learning (3.ª ed.). Nova Iorque: Holt, Rinehart & Winston, 1977.
. Human memory: Paradigms and paradoxes. Hillsdale, N. J.: Lawrence Erlbaum
s, 1992.
 Hagen, J. W. Perspectives on the development of memory and cognition. Nova Iorque:
 Erlbaum, 1977.
ext comprehension, memory, and learning. American Psychologist, 1994, 49, 294-303.
. Human memory: Structures and processes. São Francisco, 1975.
 di Vesta, F. J. Analogies (adages) as aids for comprehending structural relations in text.
rary Educational Psychology, 1994, 19, 179-198.
ognition and reality. São Francisco: Freeman, 1976.
ognitive psychology. Nova Iorque: Appleton-Century-Crofts, 1967.
. Memory and attention. Nova Iorque: Wiley, 1968.
 Lindauer, B. K. Constructive aspects of children´s comprehension and memory. In R. V.
. W. Hagan, Perspectives on the development of memory and cognition. Nova Iorque:
Associates, 1977.
R., & Peterson, M. J. Short-term retention of individual items. Journal of Experimental
gy, 1959, 58, 193-198.
. T. E., Engle, R. W., Hasher, L., & Logie, R. H. Working memory and human cognition.
ue: Oxford University Press, 1996.
n the internal structure of perceptual and semantic categories. In T. E. Moore (Ed.),
 development and the acquisition of language. Nova Iorque: Academic Press, 1973.
. J. Ebbinghaus. Some associations. Journal of Experimental Psychology: Learning,
 and Cognition, 11, 414-435.
High-speed scanning in human memory. Science, 153, 652ff.
pisodic and semantic memory. In E. Tulving, & W. Donaldson (Eds.), Organization of
Nova Iorque: Academic Press, 1972.
APRESENTAÇÃO DA TEORIA DA ASSIMILAÇÃO DA APRENDIZAGEM E DA RETENÇÃO SIGNIFICATIVAS 19
Turvey, M. Ecological foundations of cognition. In H. L. Piek, Jr., P. Van den Brock, & D. C. Knill
(Eds.), Cognition: Conceptual and methodological issues. Washington, D. C.: American
Psychological Association, 1992.
Waugh, N. C., & Norman, D. A. Primary memory. Psychological Review, 1965, 76, 89-104.
	Índice
	Prefácio à edição portuguesa
	Prefácio
	Capítulo 1
	Apresentação da teoria da assimilação da aprendizagem e da retenção significativas
	significado e aprendizagem e retenção significativas
	tipos de aprendizagem por recepção significativa
	Conceitos e Tipos de Aprendizagem Conceptual
	Identificação de Conceitos
	Aprendizagem Significativa de Proposições
	Tipos de Aprendizagem Proposicional
	Processo de aprendizagem por memorização versus processo de aprendizagem significativa
	Aprendizagem por Recepção versus Aprendizagem por Descoberta
	Papel da Linguagem na Aprendizagem Significativa
	a aprendizagem significativa é activa
	A aprendizagem significativa é sobretudo aprendizagem por recepção
	Inadequações do ensino expositivo
	Retenção significativa e esquecimento
	Processo de Assimilação na Aprendizagem e na Retenção Significativas
	Processos de Assimilação na Aprendizagem Significativa
	Processo de Assimilação na Retenção e no Esquecimento
	factores da estrutura cognitiva (variáveis) e transferência
	Variáveis da estrutura cognitiva
	Organizadores avançados
	Estrutura, Função e Fundamentação Lógica para a Sua Utilização
	Desenvolvimento e prontidão cognitivos
	Fases de maturidade cognitiva e de prontidão para a aprendizagem
	Dimensão Concreta-Abstracta
	Alterações de Nível Etário na Capacidade Cognitiva
	a superioridade da aprendizagem e da retenção significativas em relação às correspondentes por me...
	Importância da aprendizagem e da retenção significativas da educação
	o papel, mediação e efeitos da prática (frequência) na aprendizagem e na retenção significativas
	Conclusões
	referências
	Capítulo 2
	Introdução: âmbito e objectivos
	Âmbito e Estratégia de Investigação
	Outras Abordagens Teóricas da Aprendizagem por Recepção Significativa
	Estratégia de investigação Da aprendizagem Na sala de aula
	Porquê a Escassez de Conhecimentos Sólidos sobre a Aprendizagem na Sala de Aula?
	‘Ciência Básica’ versus Abordagem Aplicada
	qualificações da utilização da abordagem da “ciência básica” na investigação aplicada
	Vantagens da Abordagem da Ciência Básica
	Psicologia versus Psicologia Educacional
	Tendências e questões actuais relevantes para o pensamento educacional
	Maior Interesse pela Formação Intelectual
	Responsabilidade de Organização do Currículo e de Selecção de Matérias
	Tarefas e Exercícios Inventados
	Aprendizagem Incidental versus Deliberada
	Em Defesa de Notas Escolares e de Normas de Grupo
	conhecimento como um fim em si
	notas
	Referências
	Capítulo 3
	Apresentação de conceitos básicos da aprendizagem por recepção e da retenção significativas
	orientações neobehavioristas versus cognitivas
	A Orientação Teórica Neobehaviorista
	A Posição Cognitiva: o Significado como Experiência Ideária Diferenciada