Indígenas do Brasil
264 pág.

Indígenas do Brasil


DisciplinaHistória dos Povos Indígenas e Afro-descendentes2.086 materiais9.675 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Indígenas no Brasil
Demandas dos povos e 
percepções da opinião pública
Indígenas no Brasil
Demandas dos povos e 
percepções da opinião pública
Gustavo Venturi e Vilma Bokany
(orgs.)
Fundação Perseu Abramo
Instituída pelo Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores em maio de 1996.
Diretoria
Presidente: Marcio Pochmann
Vice-presidente: Iole Ilíada
Diretores: Ariane Leitão, Artur Henrique, Fátima Cleide, Joaquim Soriano
Editora Fundação Perseu Abramo
Coordenação editorial
Rogério Chaves
Assistente editorial
Raquel Maria da Costa
Revisão
Jorge Pereira Filho
Revisão técnica
Vilma Bokany
Capa e editoração eletrônica
Antonio Kehl
Crédito das fotografi as
Eduardo Marcos Fahl e Antonio Kehl
Este livro obedece às regras do Novo Acordo Ortográfi co da Língua Portuguesa.
Editora Fundação Perseu Abramo
Rua Francisco Cruz, 224 \u2013 Vila Mariana
04117-091 São Paulo \u2013 SP
Telefone: (11) 5571-4299 \u2013 Fax: (11) 5571-0910
Correio eletrônico: editora@fpabramo.org.br
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
I39
Indígenas no Brasil : demandas dos povos e percepções da opinião 
pública / organizadores: Gustavo Venturi e Vilma Bokany. \u2013 São 
Paulo : Editora Fundação Perseu Abramo, 2013. 
 280 p. : il.
 Inclui bibliografi a.
 ISBN 978-85-7643-148-0
1 1. Índios - Brasil. 2. Índios - Direitos. 3. Índios - Políticas 
públicas. 4. Índios - Cultura. I. Venturi, Gustavo. II. Bokany, 
Vilma.
 CDU 397(=1.81-82)
 CDD 398.20981 
 
Sumário
Aprofundar o conhecimento sobre a sociedade brasileira ............... 7
Iole Ilíada
Indígenas no Brasil: Demandas dos povos e 
percepções da opinião pública .................................................... 11
Fundação Rosa Luxemburg
INTRODUÇÃO \u2013 Indígenas no Brasil: 
Estado nacional e políticas públicas .............................................. 13
Gustavo Venturi e Vilma Bokany
A justiça e os direitos dos povos indígenas .................................... 29
Ricardo Verdum
O movimento indígena como voz de resistência .......................... 49
Marcos Terena
Povos indígenas, preconceito e ativismo político .......................... 65
Antonio Carlos de Souza Lima e Sergio Ricardo Rodrigues Castilho
Violação dos direitos humanos e a luta 
pela terra Guarani-Kaiowa: .......................................................... 85
Spensy Pimentel
Direitos indígenas no Brasil: reveses, avanços e contradições ..... 101
Márcio Meira 
A presença indígena nas cidades ................................................. 113
Lucia Helena Rangel, Luciana Galante e Cynthia Franceska Cardoso
PAC 2: acelerando a tristeza na Amazônia .................................. 129
Verena Glass
Saúde da população indígena ..................................................... 143
István van Deursen Varga, Luís Eduardo Batista e Rosana Lima Viana
Sobre os autores .......................................................................... 177
ANEXO \u2013 SÍNTESE DA PESQUISA .............................................. 181
Aprofundar o conhecimento 
sobre a sociedade brasileira
A Fundação Perseu Abramo (FPA) é um espaço para o desenvolvimento de atividades de refl exão político-ideológica, estudos e formação política 
dos fi liados do Partido dos Trabalhadores (PT). Criada em 1996 pelo Dire-
tório Nacional do PT, a Fundação realiza pesquisas nacionais sobre temas de 
interesse da sociedade, publica livros e revistas, organiza conferências, semi-
nários e debates, que traduzem a história, as transformações, o pensamento e 
as perspectivas do socialismo democrático no Brasil e no mundo. Mantém o 
acervo histórico do PT e de uma parcela da esquerda brasileira, além de esta-
belecer relações e parcerias com fundações, universidades e representações de 
movimentos sociais em âmbito nacional e internacional. 
A ideia da realização deste livro e da pesquisa que lhe deu origem não é 
recente. Desde que a FPA, através de seu Núcleo de Opinião Pública (NOP), 
iniciou um trabalho de investigação sobre a sociedade brasileira, tendo como 
foco a percepção pública sobre segmentos específi cos como mulheres, jovens e 
idosos, entre outros, e o desvelamento das características que as várias formas 
de discriminação, tais como o machismo, o racismo e a homofobia, assumem 
no povo brasileiro, a questão indígena se impôs como tema a ser enfrentado. 
Primeiros habitantes do território sobre o qual se construiu o Estado-nação 
que chamamos Brasil, a população indígena talvez seja aquela cuja conquis-
8 Indígenas no Brasil
ta efetiva dos direitos sociais, muitos deles já consagrados em convenções e 
leis nacionais e internacionais, implique os maiores obstáculos e contrarie os 
maiores interesses. Afi nal, a posse da terra é condição fundamental para sua 
autonomia e para a reprodução de sua vida social e cultural. Mas a terra, no 
sistema capitalista, é um valiosíssimo meio de produção. E no Brasil dos lati-
fúndios e do agronegócio, é riqueza material e reserva de valor. 
Se o estudo da questão, pois, aparecia desde logo como necessário, sabia-
-se contudo que ele representaria um desafi o. Antes de mais nada, porque o 
que chamamos genericamente de população indígena refere-se em realida-
de a mais de 300 povos distintos, cada qual com sua organização social, sua 
língua e seus costumes, suas crenças e suas tradições. Além disso, a condição 
bastante diversa desses povos \u2013 alguns vivendo em reserva demarcada, ou-
tros sequer aldeados; alguns habitando as cercanias de áreas densamente po-
voadas, outros com baixo nível de contato com a população não-indígena \u2013 
afeta diretamente suas necessidades, prioridades e demandas, bem como a 
percepção pública a respeito, criando um mosaico complexo e multifaceta-
do a ser apreendido. 
Finalmente \u2013 e esta talvez representasse a maior difi culdade a enfrentar \u2013, 
séculos de colonização, expropriação e extermínio dos povos indígenas subs-
tituíram no imaginário popular o índio real por uma fi gura mitológica e ca-
ricata, ora próxima ao bom selvagem rousseauniano, ora remetendo a um 
ser \u201cincivilizado\u201d e perigoso. Daí a ideia de invisibilidade, que desde o início 
apareceu como uma espécie de síntese da relação do conjunto da sociedade 
brasileira com os índios que vivem no país. 
Além das características específi cas do objeto a ser analisado, um trabalho 
como este seria incompleto se abordasse apenas um dos lados da questão, ou 
seja, a percepção da opinião pública sobre os indígenas. Era preciso dar voz 
a esses povos e seus representantes, inclusive para romper o cerco que, se os 
torna invisíveis, os torna igualmente inaudíveis. 
Um desafi o como esse só poderia ser realizado com o concurso de um 
parceiro como a Rosa Luxemburg Stiftung (RLS), com quem a FPA já se associara 
para realizar os trabalhos de investigação sobre discriminação racial e sobre 
diversidade sexual, e que demonstrou desde o início grande sensibilidade e 
interesse com relação ao tema. 
Aprofundar o conhecimento sobre a sociedade brasileira 9
Tampouco seria a ideia levada a bom termo sem a participação de muitos 
colaboradores nas várias fases do trabalho realizado. Foi no diálogo com os 
estudiosos do tema, com os gestores públicos a ele afetos, com os que militam 
pelos direitos sociais em geral que a pesquisa foi ganhando forma e delineando 
caminhos para superar as difi culdades. E foi principalmente na relação direta 
com a população indígena que se forjou a compreensão necessária para tratar 
adequadamente as múltiplas questões. 
Este livro, pois, é resultado desse esforço coletivo e, principalmente, dessa