A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
ONDAS CURTAS E MICROONDAS

Pré-visualização | Página 1 de 2

Diatermia
Diatermia é uma modalidade de aquecimento profundo que converte ondas 
eletromagnéticas em calor. Onda é uma perturbação que ocorre em um meio 
podendo ter uma ou várias direções, possui natureza mecânica e elétrica.
A onda eletromagnética é uma onda tridimensional, possui período ou largura de 
pulso, frequência e comprimento de onda. Quanto menor o pulso maior a 
frequência. Os aparelhos de ondas curtas e microondas já são confeccionados com 
frequência e comprimento de ondas definidos, e não se pode modular
Ondas Curtas
É a radiação não ionizante da porção de frequência de rádio do espectro 
eletromagnético. 
Ele produz campos elétricos ou magnéticos com correntes de alta frequência 
oscilantes e são esses campos alternados que produzem os efeitos fisiológicos e 
terapêuticos. 
Porem produz radiação eletromagnética que é pequena.
Modalidade que utiliza radiações no espectro eletromagnético na ordem de MHz 
(10-100 MHz).
Frequência terapêutica de 27,12 MHz e comprimento de onda de 11,06 a. 
Aumento da temperatura
As ondas eletromagnéticas do ondas curtas tem um efeito muito pequeno sobre os 
tecidos.
São as correntes oscilantes de alta frequência geradas nos tecidos que promovem o
aumento da temperatura. 
Efeito dos campos oscilantes nos tecidos
 Vibração dos íons: íons + e - se movem de um lado para outro a medida que o 
campo elétrico oscila. Ocorre o aumento da energia cinética da matéria.
Rotação de dipolos: As moléculas polares rodam de um lado para outro á medida 
que o campo elétrico oscila. Realizam movimentos rotacionais a medida que as 
cargas das placas se altera rapidamente.
Distorção Molecular: As vias dos elétrons em órbita são distorcidas primeiro em um 
sentido e depois em outro á media que o campo elétrico oscila.
Diatermia de ondas curtas pode ser liberada na forma contínua ou em pulsos. A 
contínua gera um aumento maior das temperaturas subcutâneas, sendo seu uso em
geral limitado a patologias crônicas. 
A forma em pulsos significa que há períodos nos quais nenhuma onda curta é 
emitida, permitindo que seja empregada em determinados quadros agudos e 
subagudos.
Efeito fisiológicos:
- Efeitos Fisiológicos sobre o Sangue
1 - Troca dos níveis de glicemia:
Após aplicação direta sobre as glândulas endócrinas, onde ocorreu hiperglicemia 
nos primeiros 35', sendo seguida de hipoglicemia, que dura várias horas, não sendo
clara a correlação deste fenômeno com o aumento de metabolismo.
2 - Aumento do aporte de leucócitos nos tecidos adjacentes:
Decorre do aumento do fluxo sanguíneo local que aumenta a demanda de 02, 
nutrientes e leucócitos, levando a um aumento da capacidade de fagocitose. Todo 
este mecanismo traduz-se em aumento de metabolismo.
3 - Tempo de coagulação diminuída e diminuição da viscosidade do sangue:
A diminuição da viscosidade do sangue é decorrente de uma alteração física do 
calor. ) O calor quando incide sobre um corpo diminui a coesão intermolecular, 
fluidificando os líquidos).
Efeitos Fisiológicos sobre o Metabolismo
O aumento do fluxo sanguíneo local proporciona o aumento de 02 e nutrientes das 
regiões e acelera a retirada de catabólicos, favorecendo a exceção.
Efeitos Fisiológicos sobre o Sistema Nervoso
Ao nível do SNC as aplicações locais (na hipófise) podem influenciar a atividade das
glândulas com a elevação do fluxo sanguíneo e disseminação para outras áreas até 
atingir o SNC, onde esta localizado o centro hipotalâmico responsável pelo controle 
de temperatura corporal.
Já no sistema nervoso periférico, as fibras nervosas periféricas têm sua velocidade 
e condução aumentada em conseqüência do calor.
Efeitos Fisiológicos do tecido Muscular
Relaxa a musculatura, facilita a transmissão nervosa e através da vasodilataçâo 
promove a captação da toxina no trabalho muscular.
Destruição Tecidual
Este efeito só será ativado no caso de calor excessivo, que irá irritar o tecido, 
promovendo uma coagulação por desnaturação da proteínas (queimadura).
Diminuição da Dor.
Inibição nas terminações nervosas sensitivas;
Relaxamento muscular em decorrência do aumento do fluxo
sanguíneo local, que favorece o aumento de metabolismo e drenagem de
catabólicos.
Diminuição da Pressão Arterial
Em situações normais, quando o calor incide sobre um corpo, primeiro ocorre 
vasodilatação, seguida de diminuição da viscosidade do sangue.
Efeitos OC pulsado
- aumento da neovascularização periférica
- aumento do numero e atividade das células na área da lesão
- aumento do depósito de colageno e sua arientação
- melhora no nivel de polarização da MP
- diminui o tempo de reabsorção dos hematomas
- diminui o edema no processo inflamatorio agudo
- Membrana plasmática mais permeável 
- Mitocôndrias produzem mais ATP 
- Alívio da dor 
- Aumento da fabricação de colágeno 
- Aumento da regeneração celular
Efeitos OC continuo
- aumento do fluxo sanguineo
- ajuda na resolução de inf cronica
- potencial para reparo tecidual
- alivia dores e espasmos musculares
- diminui rigidez articular
- profilaxia de ulceras de decúbito
Indicações 
Afecções traumáticas do tecido mole;
* Cervicalgia;
* Dorsalgia;
* Lombalgia;
* Sacralgia;
* Epicondilite;
* mialgia;
* Tendinite,
* Fibrose;
* Sinovite;
* Tenoreaginite
* Capsulite;
* Periostite;
* Bursite;
* Miosite;
* Ostite;
* Tenossinovite
* Espasmo muscular;
* Miogelose;
* Ciatalgia;
* Lombociatalgia;
* Neuralgia;
* Cervicobraquialgia
* Neurite;
* Processos inflamatórios crônicos;
* Neuropatias, especialmente ciática;
* Artrite crônica;
* Contusões
>> Contusões, torceduras, entorses, hematoma e hemartrose:
O efeito espasmolítico, analgésico e hiperemia bem como a estimulação de todo o 
processo metabólico intracelular e as reações fisiológicas se potencializam 
conseguindo rápidos resultados, uma grande vantagem no uso das ondas curtas é o
efeito analgésico.
>> Fraturas: a ação analgésica e espasmódica permite melhores resultados em sua
consolidação.
>> Anquilose fibrosa, rigidez pós-gesso e atrofia muscular: como nestas afecções 
entra o fator espasmódico provocado pela dor e diminuição da irrigação sangüínea, 
o uso do calor profundo é bem indicado aproveitando de suas ações fisiológicas já 
ditas anteriormente, proporcionando um maior ganho de mobilidade articular.
>> Artropatias inflamatórias degenerativas, que abrange a artrite, bursite, 
periartrite escápulo-umeral, espondilite, epicondilite e espondilo-artrose: responde 
bem quando utilizados em fase não aguda, certo que não se utiliza calor em 
processos inflamatórios agudos, pois, a função celular fica aumentada e como 
conseqüência o seu metabolismo também aumenta.
>> Artropatia degenerativa e pós-traumatismo: estas afecções conhecidas por 
enfermidades de desgaste, caracterizam-se por alterações na cartilagem e no 
líquido articular, que posteriormente provocam atrofia da cartilagem limitando os 
movimentos articulares. Muitas pesquisas mostram em evidência a influência da 
musculatura periarticular na formação desse processo patológico, devido aos 
espasmos que dificultam a nutrição normal da região deficiente. Se tratando de 
indicação do ondas curtas, é muito bem recomendado pelas suas ações 
antiespasmódica, e se tratando de unidades musculares, não podemos nos 
surpreender que seus resultados sejam bons.
>> Mialgias, miogelose, lombalgias (de origem estática, reumática, focal e 
traumática), fibrose e torcicolo: por se trata de afecções ocasionadas por alterações
da musculatura, caracterizada por rigidez local. Com o uso do ondas curtas a 
sintomatologia desaparece por completo em poucas as sessões.
>> Afecções piogênicas da pele: abscessos, furúnculos, antaz, fleimão, carbúnculo,
hidrosadenite, panarício, paroníquia: desde que Schliephake introduziu o ondas 
curtas na terapêutica, aplicando em uma autopesquisa, para um furúnculo