A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Revisão V1 - Introdução Jung - Texto resumido de Teorias da Personalidade, Schultz

Pré-visualização | Página 1 de 2

Revisão V1 – Teorias da Personalidade ll – Prof. Rogério 
Resumo Teorias da Personalidade – Cap. 2 Jung, Psicologia Analítica. 
 
Principais diferenças entre a Psicologia Analítica (Jung e Freud 
 
Tema Freud Jung 
Sexualidade As teorias de Freud abundam 
em ideias de sexualidade e 
desejos sexuais. Isto pode ser 
visto claramente em seu 
conceito de complexo de 
Édipo durante os estágios 
psicossexuais. Segundo 
Freud, a libido é basicamente 
uma energia sexual. 
Jung ampliou a definição de 
libido, como uma energia 
psíquica mais generalizada, 
que inclui o sexo, mas não se 
restringe a ele. A libido é uma 
energia de vida ampla e 
indiferenciada. 
Forças que influenciam a 
personalidade 
Freud acreditava no 
determinismo psíquico, que 
somos “reféns” do nosso 
passado. 
Jung acredita que somos 
moldados pelo passado, mas 
também pelo futuro. O que 
desejamos fazer no futuro 
também nos influencia. 
Inconsciente Freud definiu o ICS 
inacessível e abriga os 
medos, necessidades 
egoístas, motivos violentos, e 
instintos imorais do ser 
humano. Ele acreditava que 
as expressões inconscientes 
aparecem em sonhos, lapsos 
de fala e maneirismos. 
Jung ampliou o conceito de 
ICS, acrescentando que 
existe mais uma dimensão: 
Os das experiências herdadas 
das espécies humanas e pré-
humanas, tornando este o 
centro do seu sistema de 
personalidade. 
 
 
Psique/Personalidade: Jung conceituou a palavra “personalidade” como psique. Segundo ele, 
é por meio da energia psíquica (libido) que as atividades psicológicas, como percepção, o 
raciocínio, os sentimentos e os desejos são executadas. Consequentemente, quando 
investimos muita energia psíquica em uma ideia ou sensação, esta tem um alto valor psíquico, 
e pode influenciar muito a vida de quem investe. 
Exemplo: Obcecada por limpeza. Você dedicará a maior parte da sua energia psíquica em 
busca da limpeza. 
Jung afirma que a energia psíquica é utilizada para atividades conscientes enquanto estamos 
acordados, e é transferida para os sonhos quando dormimos. 
 
 
 
 
Existem 3 tipos de princípios de funcionamento das energias na personalidade: 
Princípio da Oposição Princípio de Equivalência Princípio da Entropia 
Todo desejo ou sensação tem 
seu oposto. E é nesse conflito 
destes lados que motiva o 
comportamento e gera 
energia. Quanto maior o 
conflito, maior a energia. 
Se deixamos de investir 
energia em certa ideia, ela vai 
ser redistribuída para outra 
parte da psique. 
Uniformizar as diferenças de 
energia. 
Exemplo: Calor versus frio, 
Positivo versus negativo. 
Exemplo: Se paramos de 
gostar de certo hobby, 
direcionamos essa energia 
para outra parte da psique. 
Exemplo: Se pegamos uma 
batata quente e outra 
congelada, e aproximarmos 
uma da outra, o calor vai fluir 
para o objeto mais quente, e 
vice-versa, até eles ficarem 
em equilíbrio na mesma 
temperatura. 
 
Sistemas/ Estruturas da Personalidade de Jung: Segundo Jung, a personalidade total ou a 
psique, é composta por vários sistemas/estruturas diferentes que podem influencias um aos 
outros. 
São eles: 
Ego ICS Pessoal ICS Coletivo 
Nossa consciência de nós 
mesmos. É responsável pelas 
atividades normais da vida 
quando estamos acordados. 
Responsável pela percepção, 
raciocínio, lembranças e 
sensações. 
Reservatório mental que já 
foi consciente, mas foi 
esquecido ou reprimido 
porque era insignificante ou 
perturbador. 
Nível mais profundo e quase 
inacessível da psique. 
Acúmulo e arquivo de todas 
as nossas experiências 
humanas coletivamente, 
armazenando experiências 
da espécie no ics coletivo. 
Passado de geração para 
geração. 
 
 
Complexo: Um agrupamento de experiências no ICS pessoal, organizados em volta de um 
tema comum. Podem ser conscientes ou inconscientes. Os complexos inconscientes podem 
entrar e interferir na consciência. Geralmente a pessoa não tem consciência dessa influência. 
Exemplo: Complexo de poder: A pessoa é tão preocupada com o poder, que isso afeta o 
comportamento dela. Ela direciona ideias e comportamentos de várias maneiras, o complexo 
determina como ela vê o mundo. 
Arquétipo: Imagens de Experiências contidas no ICS Coletivo. Manifesta-se por temas ou 
padrões recorrentes. Vão sendo repetidos na vida de várias gerações subsequentes. (Herói, 
mãe, Deus, morte, velho sábio). Existem arquétipos mais desenvolvidos que outros, que 
influenciam a psique com mais consistência, são eles a persona, a anima e o animus, a sombra 
e o self. 
 
 Arquétipo de Persona Arquétipo anima (mulher) / 
Animus (homem) 
Arquétipo da Sombra 
O que é: É a face pública que usamos 
para nos apresentar para um 
desconhecido. Uma face 
diferente de quem realmente 
somos. 
Refere-se ao reconhecimento 
que todos os seres humanos 
são essencialmente bissexuais. 
Cada sexo manifesta 
características do sexo oposto 
devido a séculos de 
convivência. 
Instintos enraizados e 
primitivos, vindo dos 
animais primitivos. Devem 
ser domados pelo ego se 
quisermos conviver com 
harmonia na sociedade. 
Importância: Somos obrigados a representar 
vários papeis para a vida para 
nos saímos bem em várias 
situações. (Ex. no trabalho, na 
escola) 
Ajudam no ajuste e na 
sobrevivência da espécie 
porque permite que um sexo 
entende o outro sexo. 
Tem seu lado bom e seu 
lado ruim. O lado bom é que 
é fonte de vitalidade, 
criatividade, emoção. 
Função do ego reprimir o 
suficiente os instintos 
animais para sermos 
considerados civilizados e 
também poder contar com 
nossa criatividade e vigor 
desses instintos. 
Cuidado! Em vez de atuarmos, vamos nos 
tornar aquele papel. E os outros 
aspectos da nossa 
personalidade não vão 
conseguir se desenvolver. O 
ego pode se identificar com a 
persona e não com a verdadeira 
natureza dela. No primeiro 
caso: Enganamos os outros, no 
segundo caso: enganamos a 
nós mesmos. 
Necessitam ser expressados. 
Caso contrário, esses aspectos 
tão necessários ficarão 
“pulsando” e não vão se 
desenvolver, levando a uma 
unilateralidade da 
personalidade. 
Se for totalmente 
reprimida, a personalidade 
fica superficial, e a pessoa 
pode-se revoltar, pois os 
instintos ficam pulsando, 
esperando uma fraqueza 
para assumir o controle. 
 
 Arquétipo do Self 
O que é: Unidade integrada e harmoniosa da personalidade total. É a reunião e 
equilíbrio de todas as partes da personalidade. Processos conscientes e 
inconscientes são assimilados pelo self, deslocando-se para um ponto de 
equilíbrio no meio: Entre as forças opostas do consciente e do inconsciente. 
O resultado disso é que os conteúdos do inconsciente influenciam mais a 
personalidade. 
Importância: Serve de fonte motivadora, nos empurra para frente. 
Cuidado! O self só se desenvolve quando todos os outros arquétipos já se 
desenvolveram. Isso ocorre provavelmente na meia idade. Sem se 
desenvolver o self, não existe autoconhecimento. Requer persistência, 
sabedoria e percepção das coisas. 
 
 
 
Atitudes Psicológicas: Nossa percepção e reação do nosso ambiente ao redor é determinada 
pelas nossas atitudes mentais. Elas são opostas, e se chamam Extroversão e Introversão. 
É uma energia psíquica que é canalizada para o exterior (ambiente) ou para o interior (self). 
Segundo Jung, todos temos capacidade para as duas atitudes, mas somente uma predomina 
na personalidade. E a que predomina direciona o comportamento e a consciência da pessoa. 
No entanto, a que não predomina fica alojada no inconsciente pessoal, podendo também 
afetar o comportamento. Uma pessoa extrovertida, pode querer ficar mais retraída, ou desejar 
uma pessoa mais retraída. 
 Extroversão Introversão 
Como é? Orientação