A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
203 pág.
Guia de Bolso de Procedimentos de Enfermagem

Pré-visualização | Página 17 de 29

o porção inicial. 
• Técnica através da introdução de cateter vesical 
o Só deve ser realizada quando a técnica do jacto 
médio não é possível; 
o Usar técnica asséptica rigorosa inerente a uma boa 
algaliação e colher a urina através da sonda vesical 
para o frasco esterilizado. 
 
• Técnica para o utente já algaliado 
o Com luvas desinfectar a parte destinada a punção 
da sonda; 
o Previamente clampar a sonda com pinça apropriada 
ou clampe apropriado; 
o Puncionar a sonda no local destinado e aspirar 
cerca de 20cc de urina; 
o Verter esta urina no frasco esterilizado. 
o NÃO colher a urina do saco pois pode não ser 
recente. 
 
 
119 
 
 
INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 
Intervenções Justificação 
→ Identificar o doente, 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Preparar o material e 
transportá-lo para junto do 
doente; 
→ Explicar ao doente o 
procedimento; 
 
 
→ Isolar o doente, 
→ Posicionar correctamente o 
doente; 
 
 
→ Utilizar a técnica de colheita de 
urina mais apropriada à 
condição do doente. 
→ Identificar o frasco e juntar a 
requisição; 
→ Arejar o quarto ou enfermaria; 
→ Recolher e dar o destino 
adequado ao material e 
equipamento; 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Evitar erros; 
→ Prevenir infecções 
cruzadas; 
→ Economizar tempo; 
 
 
→ Diminuir a ansiedade, obter 
a sua colaboração e 
envolve-lo na prestação de 
cuidados; 
→ Respeitar a privacidade; 
→ Proporcionar conforto e 
facilitar a execução do 
procedimento, Respeitar a 
privacidade do doente; 
→ Cumprir norma; 
 
 
→ Evitar erros; 
 
→ Eliminar odores; 
→ Prevenir a contaminação do 
ambiente; 
 
→ Prevenir infecção cruzada; 
 
 
120 
→ Proceder aos respectivos 
registos. 
 
 
REGISTOS 
• Estes devem conter os seguintes elementos: 
• Data e hora da colheita; 
• Características da eliminação vesical 
 
NOTAS: 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
______________________________________________________ 
 
 
NORMA DE EXECUÇÃO DE PENSOS 
 
DEFINIÇÃO 
É um conjunto de acções que visam a prevenção de infecção, 
cicatrização de feridas e a minimização de lesões cutâneas. 
 
 
121 
OBJECTIVOS 
• Promover a cicatrização; 
• Minimizar lesões cutâneas; 
• Prevenir infecção. 
 
INFORMAÇÕES GERAIS 
Quem Executa: 
• O Enfermeiro; 
• O Médico com colaboração do Enfermeiro. 
Horário: 
• Segundo prescrição médica e/ ou protocolos dos serviços; 
• Em SOS. 
Orientações quanto à execução 
• Utilizar técnica asséptica; 
• Informar o médico em caso de: 
� Sinais de inflamação e/ ou infecção local; 
� Deiscência de bordos; 
� Zonas de necrose; 
� Existência de exsudado. 
• Manter a ferida e pele circundante sempre limpa e seca; evitar 
molhar o penso durante a higiene; 
• Os pensos repassados ou molhados devem ser executados 
imediatamente, excepto se indicação em contrário; 
• Nos pensos de safenectomia colocar ligaduras elásticas de 
contenção; 
• Utilizar adesivos esterilizados, no contacto directo com a ferida; 
• Os adesivos devem ser colocados sem tensão (excepto se 
indicação clínica em contrário) e do centro para as 
extremidades; 
• Utilizar sempre penso poroso estéril; 
 
122 
• Se a ferida tiver drenos, colocar penso poroso e reforçar com 
compressas esterilizadas o local de implantação dos drenos; 
• Se a ferida tem exsudado abundante, colocar compressas 
secas antes de aplicar o penso poroso; 
• Providenciar uma boa nutrição para facilitar o processo de 
cicatrização; 
• Evitar infectar a ferida aberta ou sem protecção, colocando 
máscara quando indicado; 
• Evitar procedimentos que dificultem a circulação sanguínea no 
local da ferida; 
• Limitar a circulação de pessoas no local onde se está a 
executar o penso; 
• Executar no mesmo doente os pensos de feridas limpas, em 
primeiro lugar, evitando o contacto com feridas infectadas; 
• Executar os pensos de feridas infectadas na unidade do 
doente; 
• Fixar drenos sem dobras ou ansas, permitindo a mobilidade do 
doente; 
 
 
MATERIAL 
Tabuleiro inox com: 
• Tabuleiro de penso simples ou composto de uso único; 
• Soluto desinfectante (solução iodopovidona ou clorohexidina); 
• Cloreto de sódio a 0,9% (ampola); 
• Resguardo absorvente e impermeável; 
• Recipiente para cortantes e perfurantes. 
Se necessário: 
• Compressas; 
• Saco de plástico branco; 
• Lâmina de bisturi; 
 
123 
• Máscara cirúrgica; 
• Luvas limpas; 
• Luvas esterilizadas (dois pares); 
• Ligaduras elásticas de contenção; 
• Tiras adesivas cutâneas esterilizadas; 
• Pensos esterilizados / compressas esterilizadas; 
• Adesivo hipo-alérgico; 
• Pomada, se prescrita. 
 
INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM 
Intervenções Justificação 
→ Identificar o doente; 
→ Verificar plano de cuidados; 
 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos; 
→ Preparar o material e 
transportá-lo para junto do 
doente; 
→ Explicar ao doente o 
procedimento; 
 
 
→ Isolar o doente; 
→ Posicionar correctamente o 
doente; 
 
→ Colocar resguardo 
impermeável absorvente; 
 
→ Evitar erros; 
→ Permitir a individualização 
dos cuidados; 
→ Prevenir infecções 
cruzadas; 
→ Economizar tempo; 
 
 
→ Diminuir a ansiedade, obter 
a sua colaboração e 
envolve-lo na prestação de 
cuidados; 
→ Respeitar a privacidade; 
→ Proporcionar conforto e 
facilitar a execução do 
procedimento; 
→ Evitar contaminação e evitar 
gastos desnecessários de 
roupa; 
 
124 
→ Expor unicamente a região 
necessária à execução do 
penso; 
→ Abrir o tabuleiro de penso e 
colocar: 
o Solutos; 
o Pensos; 
o Outro material 
necessário. 
→ Retirar o penso com luvas 
limpas em caso de ferida 
contaminada, procedendo à 
remoção do penso da periferia 
para o centro, humedecendo 
com cloreto de sódio a 0,9% se 
este estiver aderente; 
→ Colocar o penso removido no 
saco para sujos; 
→ Proceder à lavagem higiénica 
das mãos após retirar o penso; 
→ Usar luvas esterilizadas em 
casos de: 
o Ferida aberta; 
o Doente portador de 
doença transmissível por 
via hematogénica: 
o Avaliar a ferida 
(recorrendo à visão, ao 
olfacto e ao tacto); 
→ Desinfectar e executar penso 
de acordo com prescrição 
→ Respeitar a privacidade do 
doente; 
 
→ Facilitar a execução da 
técnica; 
 
 
 
 
→ Evitar contaminação das 
mãos. Prevenir lesão 
cutânea e dor e interrupção 
do processo de cicatrização 
(rede de fibrina); 
 
 
→ Evitar contaminação do 
ambiente; 
→ Prevenir infecção; 
 
→ Prevenir infecção 
nosocomial; 
 
 
 
 
 
 
 
→ Analisar processo de 
cicatrização e prevenir 
 
125 
médica e/ou protocolo de 
serviço. Com cada compressa, 
limpar de cima para baixo e do 
centro para a periferia da 
ferida, com uma simples 
passagem. Substituir a 
compressa após cada 
passagem; 
 
 
 
 
→ Aplicar pomada, se prescrito; 
 
 
→ Aplicar penso esterilizado. 
Colocar uma compressa 
pequena directamente sobre a 
ferida. Uma vez colocada não 
a reposicionar. Cobrir com uma 
compressa maior, se 
necessário; 
→ Fixar o penso com adesivo ou 
ligaduras; 
 
 
 
 
→ Reposicionar o doente; 
→ Recolher e dar o destino 
adequado ao material e 
complicações; 
→ Prevenir a infecção, 
promover a cicatrização e 
minimizar lesões cutâneas. 
Considerar a incisão mais 
limpa que a pele

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.