CONT. MET. E PRAT. DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA
7 pág.

CONT. MET. E PRAT. DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA


DisciplinaPrática de Ensino da Língua Portuguesa56 materiais199 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) de língua portuguesa declara:
\u201cO problema do preconceito disseminado na sociedade em relação às falas dialetais deve ser enfrentado, na escola como parte do objetivo educacional mais amplo de educação para o respeito à diferença. Para isso e também para poder ensinar língua portuguesa, a escola precisa livrar-se de alguns mitos: o de que existe uma única forma \u201ccerta\u201d de falar \u2014 a que se parece com a escrita \u2014 e o de que a escrita é o espelho da fala \u2014 e, sendo assim, seria preciso \u201cconsertar\u201d a fala do aluno para evitar que ele escreva errado.
A questão não é falar certo ou errado, mas saber qual forma de fala utilizar, considerando as características do contexto de comunicação, ou seja, saber adequar o registro às diferentes situações comunicativas. É saber coordenar satisfatoriamente o que falar e como fazê-lo, considerando a quem e por que se diz determinada coisa.
É saber, portanto, quais variedades e registros da língua oral são pertinentes em função da intenção comunicativa, do contexto e dos interlocutores a quem o texto se dirige. A questão não é de correção da forma, mas de sua adequação às circunstâncias de uso, ou seja, de utilização eficaz da linguagem: falar bem é falar adequadamente, é produzir o efeito pretendido.\u201d (p.31)
Essas duas crenças produziram uma prática de mutilação cultural que, além de desvalorizar a forma de falar do aluno, tratando sua comunidade como se fosse formada por incapazes, denota desconhecimento de que a escrita de uma língua não corresponde inteiramente a nenhum de seus dialetos, por mais prestígio que um deles tenha em um dado momento histórico.
É saber, portanto, quais variedades e registros da língua oral são pertinentes em função da intenção comunicativa, do contexto e dos interlocutores a quem o texto se dirige. A questão não é de correção da forma, mas de sua adequação às circunstâncias de uso, ou seja, de utilização eficaz da linguagem: falar bem é falar adequadamente, é produzir o efeito pretendido.\u201d (p.31)
		
	CONT. MET. E PRAT. DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA
5a aula
		
	 
	Lupa
	 
	 
	
Vídeo
	
PPT
	
MP3
	 
	
	
	 
	
	 1a Questão (Ref.: 201608833382)
	 Fórum de Dúvidas (1)       Saiba  (0)
	
	O ensino de língua portuguesa produtivo é o que:
		
	sistematiza as regras gramaticais.
	reforça a importância da escrita.
	privilegia o ensino da gramática normativa.
	seleciona as melhores variantes.
	potencializa a capacidade linguística.
	
	 Gabarito Comentado
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201609159791)
	 Fórum de Dúvidas (1)       Saiba  (0)
	
	Assinale a alternativa cuja variedade linguística é a coloquial.
		
	Cem mil pessoas morreram com o desabamento da encosta.
	A gente não sabe mais o que fazer.
	O Ernesto, que mora no Brás, convidou nóis para um samba. Nós fumos, mas não encontremos ninguém.
	Passe-me o sal, por favor!
	"Quando oiei a terra ardendo / Quá foguera de são João." 
	
	
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201609121402)
	 Fórum de Dúvidas (1)       Saiba  (0)
	
	Leia, com atenção, o trecho abaixo extraído de um encarte colecionável sobre Língua Portuguesa:
A Gramática é a disciplina que orienta e regula o uso da língua, estabelecendo um padrão de escrita e de fala baseado em diversos critérios: o exemplo de bons escritores, a lógica, a tradição ou o bom senso. A matéria-prima dessa disciplina é o sistema de normas que dá estrutura a uma língua. São essas normas que definem a língua padrão, também chamada língua culta ou norma culta. Assim, para falar e escrever corretamente é preciso estudar a Gramática. A tarefa não é das mais simples: as regras são muitas e nem sempre precisas. Sendo um organismo vivo, a língua está sempre evoluindo, o que muitas vezes resulta num distanciamento entre o que se usa efetivamente e o que fixam as normas. Isso não justifica, porém, o descaso com a Gramática. Imprecisa ou não existe uma norma culta e toda pessoa deve conhecê-la e dominá-la, mesmo que seja para propor modificações. Quem desconhece a norma culta tem um acesso limitado às obras literárias, artigos de jornal, discursos políticos, obras teóricas e científicas, enfim, a todo um patrimônio cultural acumulado durante séculos pela humanidade.
(In: Help! Língua Portuguesa, Diário Catarinense, p. 62)
No quadro das discussões do trecho acima, considera-se que o ensino de língua portuguesa deve assumir a seguinte orientação:
		
	Diante do domínio lingüístico efetivo da língua que o aluno revela na escrita, ou dos problemas que manifesta em suas atividades de escrita, deve-se aprender a comparar e/ ou propor diversas possibilidades de (re) construção dos enunciados.
	O que o aluno produz reflete o que ele sabe (gramática internalizada). A comparação sem preconceito das formas é uma tarefa da gramática descritiva. E a explicitação da aceitação ou rejeição social de tais formas é uma tarefa da gramática normativa. Essas três atividades de linguagem podem conviver no contexto do ensino de língua.
	O ensino da língua portuguesa não deve esquecer que o ensino da norma culta na modalidade escrita é o principal objetivo das aulas e por isso o aluno deve reproduzir o domínio da língua culta
	O ensino de Português deve ser visto não como transmissão de conteúdos prontos e, sim, como prática de construção de conhecimentos dos fatos lingüísticos por parte dos alunos. Nesse caso, a gramática normativa deixa de ser a única fonte autorizada de informações
	Uma das funções da escola é possibilitar o domínio do padrão escrito. Portanto, uma das primeiras tarefas da escola, do ponto de vista do ensino da gramática, é ampliar o domínio de recursos lingüísticos por parte do aluno.
	
	
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201608703228)
	 Fórum de Dúvidas (1 de 1)       Saiba  (0)
	
	Durante as aulas de Língua Portuguesa, o professor deve priorizar uma prática pedagógica que promova o desenvolvimento de várias habilidades, entre elas, a habilidade de comunicação oral. 
 I. O tipo de comunicação oral "entrevista" exige a preparação de um questionário ordenado de forma lógica e adaptado às características do entrevistado.
II. A "encenação" é um tipo de comunicação oral de grande valia nos primeiros anos do ensino fundamental, pois desenvolve a desinibição e desenvoltura na fala da criança.
III. O "diálogo" é um tipo de comunicação oral interessante, porém só deve ser praticado se houver na turma poucos alunos.
Está correto o que se afirma em
		
	I e II, apenas.
	I e III, apenas.
	I, apenas.
	II e III, apenas.
	III, apenas.
	
	 Gabarito Comentado
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201608705047)
	 Fórum de Dúvidas (1)       Saiba  (0)
	
	Podemos dizer que o " falar diferente":
		
	Deve ser estudado em sala e o professor precisa abandonar o uso da gramática, principalmente nos textos dos alunos.
	Deve ser incentivado cada vez mais na escrita, uma vez que aprimora o conhecimento linguístico.
	Não deve ser considerado em sala de aula e o professor deve sempre impedir que seus alunos utilizem essa linguagem.
	Traduz a realidade de fala escrita, que permite o uso de variantes linguísticas.
	Constitui um " mito" na Língua portuguesa, uma vez que esta possui vários registros orais, dependendo da localidade onde se está inserido.
	
	 Gabarito Comentado
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201609117149)
	 Fórum de Dúvidas (1)       Saiba  (0)
	
	A modalidade culta da e uma língua se distingue das demais variedades explicitamente:
		
	Pela particularidade de cuidar da língua no rigor da forma e conteúdo, conforme  a norma culta padrão. 
	Porque utiliza o regionalismo na modalidade escrita ou falada com o cuidado da norma padrão.
	Pelo uso da gramática normativa tanto na escrita quanto no discurso oral, qualquer