A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
As categorias estéticas da commedia dell'arte - Marcilio de Souza Vieira

Pré-visualização | Página 1 de 6

Resumo
Movimento artístico que pode ser re-significado na 
contemporaneidade, apesar de tratar-se de uma manifestação 
teatral não mais existente na atualidade, entendemos que a mesma 
constituiu-se em uma linguagem artística cuja estética, centrada no 
imaginário popular e no improviso, permitiu uma rica possibilidade 
de comunicação verbal e não-verbal que hoje pode ser encontrada 
e retomada em produções teatrais contemporâneas. Este trabalho 
tem como objetivo enfocar as categorias estéticas, bem como 
refleti-la à luz da contemporaneidade. Utilizamos a análise de 
imagens como recurso metodológico. As imagens analisadas são 
pinturas produzidas por artistas dos séculos XVI e XVIII que 
retrataram em suas obras, configurações das categorias estéticas 
na Commedia dell'Arte. Para tanto, questionamos: como se 
configura as categorias estéticas nesta manifestação artística?
Palavras-chaves: Commedia dell'Arte; estética; educação.
Abstract
Although itis no longer in place, this artistic movement can be re-
signified. The Comedy dell'Art was an artistic form with its aesthetic 
language centered on common people’s imagination and 
improvisazation. This allowed rich verbal and non-verbal 
communication which is nowadays found in contemporaneous 
theatrical productions. This paper aims at discussing aesthetic 
categories pertaining this art form. Here, images are analyzed as a 
methodological resource. These are XVI and XVIII centuries 
paintings about Comedy dell'Art.
Keywords: Comedy dell'Art; aesthetics; education.
51-65n. 36 2011 p. 
vi
vê
nc
ia
36
051
Marcilio de Souza Vieira
Doutor do Programa de Pós-Graduação em Educação pela UFRN. 
Pesquisador do Grupo de Estudos Corpo e Cultura de Movimento (GEPEC/UFRN).
Professor do Curso de Educação Física da FARN. 
AS CATEGORIAS ESTÉTICAS DA 
COMMEDIA DELL'ARTE
Commedia dell'arte, muitas estéticas 
No Renascimento “a beleza se diviniza e é procurada, sobretudo, na 
natureza e no homem; e a arte só se justifica como arte bela” (Vázquez, 1999, 
p.219). Nesse período, o homem renascentista recuperou a herança clássica da 
Europa que encorajou a imitação da dramaturgia greco-romana, editando-a e 
traduzindo-a. Era o reino do humanismo, com conceitos filosóficos que vinham 
influenciar em todos os campos como o político, o religioso, o artístico, pregando 
uma crença nova no novo homem que ressurgia. O espírito do humanismo refletiu-
se no teatro, como nas demais artes e foi nele que o século XVI assistiu às 
primeiras transformações teatrais, rompendo com as tradições medievais 
(Berthold, 2000). 
A Commedia dell'Arte era um teatro feito para as camadas populares. 
Embora também as companhias dell'Arte fossem contratadas pela nobreza para 
entretenimento da Corte, ela era essencialmente popular, ocupando dessa forma, 
múltiplos espaços de atuação.
Compreendemos a Commedia dell'Arte como uma representação teatral 
que transgrediu com sua época e demonstrou inconformismo no fazer teatral, uma 
vez que reagiu aos ditames da cultura européia e à frieza dos espetáculos da corte. 
É interessante observar que esse movimento artístico contribuiu 
significativamente para o teatro moderno e contemporâneo. Apesar de tratar-se de 
uma manifestação teatral não mais existente na atualidade, entendemos que a 
mesma constituiu-se em uma linguagem artística cuja estética, centrada no 
imaginário popular e no improviso, permitiu uma rica possibilidade de comunicação 
verbal e não-verbal que hoje pode ser encontrada e retomada em produções 
teatrais contemporâneas.
Considerando a importância da Commedia dell'Arte como um movimento 
artístico que pode ser re-significado na contemporaneidade, questionamos: Como 
se configura as categorias estéticas nesta manifestação artística? Este trabalho 
tem como objetivo enfocar as categorias estéticas, bem como refleti-la à luz da 
contemporaneidade. Utilizamos a análise de imagens como recurso metodológico. 
As imagens analisadas são pinturas produzidas por artistas dos séculos XVI e XVIII 
que retrataram em suas obras configurações das categorias estéticas na 
Commedia dell'Arte. 
 
O feio, o grotesco, o cômico como configurações estéticas da Commedia 
dell'Arte
A Renascença viu as coisas com um olhar mais elevado, mais amplo; 
sentiria que tudo na criação não é humanamente belo, que o feio existe ao lado do 
belo, o disforme perto do gracioso, o grotesco no reverso do sublime, o mal com o bem 
e a sombra com a luz (Hugo, 2002); e dessa forma, a Commedia dell'Arte figuraria 
como a arte que aglutinava categorias estéticas como o grotesco, o feio e o cômico. 
Atendo-nos ao universo da Commedia dell'Arte, vamos encontrar uma 
estética que transgride com os cânones da estética clássica do belo apolíneo, apesar 
de não negá-lo totalmente. A beleza aqui é encontrada também no feio, no grotesco e 
no cômico. O feio não pode ser confundido como pólo negativo nas relações “bem” e 
“mal” que regem os princípios ou valores humanos; não é a ausência ou negação da 
beleza, nem tampouco sinônimo de não estético (Vázquez, 1999).
vi
vê
nc
ia
36
052
51-65n. 36 2011 p. 
“[...] é que o belo para falar humanamente, não é senão a forma 
considerada na sua mais simples relação, na sua mais 
absoluta simetria, na sua mais íntima harmonia com nossa 
organização. Portanto, oferece-nos sempre um conjunto 
completo, mas restrito como nós. O que chamamos de feio ao 
contrário, é um pormenor de um grande conjunto que nos 
escapa, e que se harmoniza não com o homem, mas com toda 
a criação. É por isso que ele nos apresenta, sem cessar, 
aspectos novos, mais incompletos” (Hugo, 2002, p. 36).
Embora não contando com a aprovação da estética clássica que fez girar 
o universo estético envolta do belo apolíneo, o feio, como categoria estética, era 
visto como a ausência ou negação da beleza, uma relação tensa, desgarrada que 
não pode ser expressa com a serenidade do belo (Vázquez, 1999). 
“O feio existe certamente na vida real e entra na arte e na 
literatura para mostrar que o belo é apenas relativo, precário, 
já que só a beleza divina é absoluta plena e eterna. E o feio, ao 
ser representado artisticamente, recorda a transitoriedade do 
belo, associada ao pecado, à enfermidade, à decrepitude e à 
morte. Em suma, o feio neste mundo terreno é o limite do belo” 
(Vázquez, p. 219, 1999).
Na Commedia dell'Arte, essa categoria estética foi bastante expressiva, 
uma vez que contradizia os paradigmas renascentistas de beleza representando, 
dessa forma, incompatibilidade com a forma harmônica, tornando-se uma 
manifestação artística que também priorizava o desproporcional, o desarmônico, o 
disforme e o grotesco. 
O grotesco é um dos meios de que a arte dispõe para ajudar a quebrar a 
realidade do sublime que se empenha em ser imutável e eterna. Embora o grotesco 
faça parte de um mundo fantástico e irreal, ele mantém certa relação com a 
realidade (Vázquez, 1999). 
Se tomarmos essa afirmação como verdadeira, vamos observar que na 
Commedia dell'Arte essa relação grotesca com a realidade era posta em prática 
quando o Capitão, personagem dell'Arte, em seu tom grotesco, confessava 
descontentamento italiano com a magniloquência presunçosa dos dominadores 
espanhóis, ou quando utilizava o dialeto italiano repleto de palavras em espanhol 
(Scala, 2003).
A Commedia dell'Arte era tida como grotesca e dessa forma, feia por ser 
um tipo de commedia advinda da Farsa e do Mimo e por trazer em sua teatralidade 
aspectos desse teatro e estar inserida no seio da cultura popular, bem como pelos 
trajes e uso de máscaras de seus personagens, como por exemplo, o Arlequim que 
usava trajes com remendos multicoloridos em padrões simétricos e aleatórios, e 
máscara que relembrava o focinho de um gato. 
Na imagem em Áqua-forte, datada de 1622 de Jacques Callot intitulada 
Balli