portfólio I 2º SEMESTRE
8 pág.

portfólio I 2º SEMESTRE


DisciplinaProdução Textual Interdisciplinar - Individual106 materiais938 seguidores
Pré-visualização2 páginas
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
LETRAS-HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA E RESPECTIVAS LITERATURAS
PRODUÇÃO TEXTUAL INDIVIDUAL I-1º SEMESTRE
Colatina
2015
produção textual individual I-1º semestre
Portfólio apresentado ao Curso Letras-Habilitação: Licenciatura em Língua Portuguesa e Respectivas Literaturas da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para conclusão das disciplinas 
Sociedade Educação e Cultura, Educação Inclusiva, Língua Brasileira
de Sinais \u2013 Libras, Seminário da Prática I, Educação a Distância.
Prof. Wilson Sanches, Regina Celia Adamuz, Sandra C. Malzinoti Vedoato,
Marlizete Cristina Bonafini Steinle. 
2015
 
1 INTRODUÇÃO.......................................................................................................04
2 DESENVOLVIMENTO............................................................................................04
2.1 RESUMO DO TEXTO - DA EDUCAÇÃO SEGREGADA À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE OS PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA.............................................................................................................04
2.2 COMPREENDENDO O TEXTO- DA EDUCAÇÃO SEGREGADA À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE OS PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA.............................................................................................................05
2.3 A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E A FUNÇÃO DA ESCOLA NA QUESTÃO DA INCLUSÃO................................................................................................................06 
2.4 COMO SE DEU A EDUCAÇÃO ESPECIAL PAUTADA NO MODELO SEGREGADO E COMO FOI SE CONFIGURANDO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA...............................................................................................................06
2.5 UMA BREVE APRESENTAÇÃO SOBRE A MUDANÇA OCORRIDA COM O CONCEITO DE ESCOLA- EDUCAÇÃO INCLUSIVA E SUA POSTURA FRENTE À HOMOGENEIDADE.................................................................................................07 
3 CONCLUSÃO.......................................................................................................07
REFERÊNCIAS.......................................................................................................08
1 INTRODUÇÃO
Esse trabalho tem como objetivo mostrar que antigamente, qualquer pessoa portadora de alguma deficiência, era ignorada na sociedade. Considerada como um ser incapaz de aprender e conviver no ambiente social.
Porém, a partir dos anos 70, com a Institucionalização da Educação Especial no Brasil, isso mudou. Foram criadas metodologias, das quais ajudariam essas pessoas no processo de aprendizagem.
2 DESENVOLVIMENTO 
2.1 RESUMO DO TEXTO - DA EDUCAÇÃO SEGREGADA À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE OS PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA.
Enfocando no processo histórico da educação especial, podemos perceber que a forma de "inclusão" antigamente, na verdade era de exclusão.
Os diferentes períodos, tinham também, as mais variadas maneiras de atender a população. Na Idade Antiga, por exemplo, as pessoas com deficiência, muitas vezes eram exterminadas. E no século XVIII, muitas eram colocadas em exposição, na qual a comunidade se divertia, ridicularizando a imagem da mesma.
Os portadores de deficiência eram tratados indiferentes na sociedade. Eram considerados como doentes. \u201cNão eram pessoas capazes de aprender\u201d.
No Brasil, com o passar dos anos, na década de 70, foram desenvolvidos métodos para que essas pessoas, pudessem desenvolver suas capacidades e aprimorá-las. 
Essas pessoas com deficiência passaram a ser analisadas em seus comportamentos e, assim sendo estudadas, seria mais fácil criar técnicas eficazes para ajudá-las. Porém, era necessário criar recursos para que essas pessoas pudessem frequentar os sistemas de ensino. Pois, muitos deles ainda estavam em hospitais psiquiátricos.
Na década de 80, consolidou-se a Filosofia de Integração e Normalização. Dessa forma, teriam direitos como de qualquer pessoa que não é portadora de alguma deficiência. Seriam aceitas no sistema rede regular de ensino (Artigo 208 da Constituição Federal de 1988).
A Integração, é um modelo que até hoje prevalece. E, destacando principalmente as ideias de Vygotsky, percebemos o quanto a interação estimula no desenvolvimento da aprendizagem. Assim, conhecendo os diferentes contextos da vida comum.
Ninguém aprende nada, se ficar em um mundo "fechado". O interacionismo nos fornece os mais diversos meios de aprendizagem. Sendo, a convivência como a principal forma de adquirir conhecimento.
A Declaração de Salamanca (1994), permitiu abrir portas para essas pessoas. Mostrando que todos temos os mesmos direitos.
Porém, ainda temos um longo caminho para percorrer, e tornar todas as escolas inclusivas. É preciso preparar a sociedade para a valorização das diferenças.
2.2 COMPREENDENDO O TEXTO- DA EDUCAÇÃO SEGREGADA À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE OS PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA. 
A Inclusão proporcionou a acessibilidade de portadores de deficiência ao processo de aprendizagem. Mostrando que essas pessoas possuem capacidades de adquirir conhecimento.
O mais importante é olharmos para as capacidades e não para as dificuldades. Pois, as capacidades podemos aprimorá-las. Já, as dificuldades são apenas obstáculos colocados por nós mesmos, quando temos falta de vontade de realizar determinado objetivo.
 A Educação está se modificando, e para melhor. Atualmente temos muitos professores capacitados, e cada vez mais, poderemos suprir as necessidades de cada um.
2.3 A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA E A FUNÇÃO DA ESCOLA NA QUESTÃO DA INCLUSÃO.
Educar alunos exige muito da escola e dos professores. E alunos com necessidades especiais, exige mais dedicação ainda.
Primeiramente no ambiente escolar devem ser desenvolvidos projetos, que facilitem o entendimento dos alunos. Criando e sempre inovando nas metodologias de ensino. Afinal, é necessário que essas pessoas aprendam dentro da escola, mas que também esse conhecimento, seja utilizado nas práticas diárias. No cotidiano de cada um.
É na escola que há o grande fluxo de interação. A Inclusão nos permite isso. Todas as pessoas, com deficiência ou não, no mesmo ambiente de ensino. E o principal, valorizando e respeitando uns aos outros.
2.4 COMO SE DEU A EDUCAÇÃO ESPECIAL PAUTADA NO MODELO SEGREGADO E COMO FOI SE CONFIGURANDO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA.
Em um sistema segregado, configurou-se a Educação Especial, baseado em atender portadores de deficiência de maneira especializada.
Porém, ambientes isolados de forma alguma ajudariam essas pessoas. Dessa maneira a interação seria praticamente nenhuma. Isso, serviria apenas para piorar a situação do deficiente. Um lugar fechado não permite trocas de conhecimento com outras pessoas.
Assim surgiu um novo modelo escolar. A Educação Inclusiva seria um modelo de escola, no qual todos temos acesso. Onde discriminação dá lugar para o aprendizado.
Baseou-se em bases teóricas, princípios filosóficos e sociais.
2.5 UMA BREVE APRESENTAÇÃO SOBRE A MUDANÇA OCORRIDA COM O CONCEITO DE ESCOLA- EDUCAÇÃO INCLUSIVA E SUA POSTURA FRENTE À HOMOGENEIDADE. 
A escola de antigamente nem mesmo aceitava pessoas com deficiência. Vivíamos na época da exclusão. Com o passar dos anos, houve uma busca para melhorar o nível de ensino dos alunos com deficiências. Conceituando assim, a Escola Inclusiva.
Desse modo, foram criados inúmeros projetos e métodos novos, alcançando o objetivo esperado: a inclusão para todos. Ou seja, acabando com a maneira desumana de tratar e diferenciar essas pessoas.
A escola enfim, podendo oferecer o auxílio necessário e capacitando